Muffins de Banana com Chocolate

Standard

Em intercâmbio na Nova Zelândia, todos os dias um cheiro delicioso percorria os corredores da casa, me acordando todas as manhãs. Era a ‘host mother’ que assava maravilhosos muffins todas as manhãs. Acordava já sonhando. Comia logo um no café da manhã, levava outro para o almoço e voltando pra casa à tarde ainda devorava mais um. Os quilos a mais na volta para casa foram bem justificados. Pois esta lembrança nunca me saiu da memória. Fecho os olhos e ainda posso distinguir os sabores: limão, blueberries, chocolate e, o meu favorito, muffins de banana com chocolate.

Retornando ao Brasil, passei alguns anos tendo os maravilhosos muffins da Ruth somente como uma doce lembrança do passado, ligada à todas as boas memórias daquele lugar tão distante.

Em casa, com mãe e irmã cozinheiras, não sobrava espaço para mim na cozinha, só sabia fazer mexido e omelete. E foi quando me deu na telha de começar a fazer muffins (o ramo dos doces e bolos ainda era uma área a ser explorada nesta casa) . Àquela época, a ‘iguaria’ ainda não estava bem difundida no país e era praticamente impossível encontrar um muffin dando sopa por aí. E eu ainda sonhava com aquelas manhãs perfumadas na Nova Zelândia.

E foi então que pesquisei na internet por receitas em inglês até que achei uma para testar. Comprei a forma adequada, traduzi, adaptei os ingredientes e comecei a experimentar receitas. Esta é a minha preferida, o imbatível…

Muffins de Banana com Chocolate

Separe a forma de muffins, unte-a com um pouco de óleo ou disponha forminhas de silicone ou de papel, se tiver. Separe duas tigelas, uma grande e uma menor, um garfo, uma espátula de silicone, um batetor de ovo e uma colher de servir sorvete.

Você vai precisar de 3 bananas maduras, 2 xícaras bem cheias (250 gr) de farinha de trigo com fermento (se usar farinha de trigo normal, acrescente 1 colher de sopa de fermento em pó instantâneo), 3/4 de xícara de açúcar mascavo, 2 ovos, 3/4 de xícara de óleo vegetal (ou 125 ml), 1 colher de sopa de essência de baunilha, 150 gr de gotas de chocolate meio-amargo ou chocolate em barra cortado em cubos pequenos e o suco de uma laranja pequena coado.

Antes de tudo, pré-aqueça o forno a 180ºC. Amasse as 3 bananas com um garfo e reserve.

Na tigela menor, bata os ovos junto com o óleo e a essência de baunilha com a ajuda do batedor de ovo.

Na maior, misture a farinha, o açúcar (e o fermento, se for o caso). Em seguida, acrescente a mistura líquida e depois as bananas. Mexa bem até obter uma mistura homogênea.

Depois, acrescente o chocolate e mexa até estarem bem distribuídos e por último jogue o suco de laranja aos poucos, provando até chegar ao sabor desejado.

Distribua na forma com a ajuda da colher de servir sorvete. A medida normalmente é de 1 colher bem cheia, ou uma quantidade que não chegue até o topo da forminha.

Asse por 20 a 30 minutos ou até que estejam dourados por fora e assados por dentro. Para verificar, espete um palito de madeira e confira se sairá seco. Só tome cuidado para não espetar um chocolate, que deverá estar derretendo.

Ao retirar do forno, deixe esfriar sobre uma grelha ou descanso por cerca de 15 minutos.

Sugiro levar para um lanche ou piquenique com os amigos. Garanto que irá causar grande efeito e agradar à todos!

Sal com AlhoQuer esta receita impressa? Clique aqui para baixar o PDF e imprimí-lo.

 

Paella Valenciana, quer conhecer o sabor da Espanha?

Standard

Já eram mais de três da tarde;  nós dois com uma fome danada mas querendo aproveitar ao máximo o sol na praia em Torremolinos, cidade turística na região da Andaluzia. Lembra daquela ondinha que a gente vê desenhada  na revista em quadrinhos que identificamos como um odor inebriante e irresistível de comida deliciosa? Pois foi esta mesmo que vi, como uma miragem na areia quente. Apurei o olfato, senti um cheiro delicioso de mar e temperos afrodisíacos e segui o rastro. Fui dar em uma casinha branca na beira da praia, com mesinhas  dispostas em um tablado e uma placa de madeira pintada  escrito “Camara”. Verifiquei nas mesas lotadas: todos os turistas comiam um arroz  dourado com frutos do mar. O pedido demorava demais a chegar e então fui até a cozinha. Identifiquei-me como brasileira e  implorei para ficar ali aprendendo a  fazer o prato. Desta forma, já faz mais de vinte anos, fui apresentada a este prato típico do sul da Espanha. De lá para cá, tornou-se um dos favoritos da minha família. Faço-o com certa frequência no verão e passo o segredo para vocês:

Paella Valenciana ( da região de Valença)

Sal com Alho

A panela própria é a paelleira, uma frigideira esmaltada, bem larga e baixa. Veja o que tem em casa de mais parecido. Vai precisar de um caneco para ferver água e de uma colher de pau.

Para 4 pessoas, compre de 300 a 400 gr. de peixe de mar e a mesma quantidade de cada um destes mariscos: lula, camarão, mexilhão e vieiras.  O total deve dar aproximadamente 1,2 kg. Separe 2 xícaras de chá de arroz comum.

Ingredientes

Ingredientes

Para o molho: 1 xícara de café de azeite, ½ cebola e ½ tomate maduro picadinhos,  8 tirinhas de pimentão vermelho e 8 do amarelo; uma colher de sopa de molho de tomate,  1 xícara de café de vinho branco; sal, colorau, açafrão e pimenta calabresa.  Se quiser caprichar, compre 4 camarões gigantes inteiros e 4 mexilhões com a concha e reserve para o final. Escolha um bom vinho branco e ponha para gelar.

Limpe os mariscos. Corte o filé ou posta de peixe sem osso em cubos de  3 cm de lado.  Lave, escorra bem e tempere tudo com uma colher de sobremesa rasa de sal e ½ limão. Coloque água para ferver. Na paelleira ou frigideira, no fogo alto, coloque ½ xícara de café de azeite, frite a cebola até começar a dourar, junte o tomate, depois os camarões. Assim que avermelharem , coloque a lula e  logo que esta ficar branquinha, junte o mexilhão e deixe que  mude de cor.  Acrescente o peixe, os pimentões e o molho de tomates. Misture com cuidado e deixe fritar. Assim que o caldo começar a secar, junte o vinho e deixe que evapore. Agora, afaste tudo para as bordas, coloque a outra metade do azeite no meio da panela e despeje o arroz. Mexa só ali no meio e depois misture tudo. Arrume a panela para que fique tudo nivelado e aí despeje água quente até cobrir o arroz e mais 1 centímetro. Abaixe o fogo. Tire um pouco do caldo, dissolva o açafrão e o colorau. Junte ao caldo da panela, misture, prove o sal, acrescente mais se precisar e coloque a pimenta com cuidado.  Prove para verificar se está bem temperadinho.  Decore como os camarões e mexilhões especiais. Vá adicionando água quente aos poucos até que o arroz cozinhe. Cada vez que adicionar água, mexa de leve com a colher de pau e desagarre o fundo. O ponto do arroz é “ao dente” (ligeiramente duro) e a paella deve fica molhadinha. Se precisar servir mais tarde, deixe mais caldo, pois vai secando à medida que esfria.

 

Obs: a pronúncia espanhola é “paelha”.

Quer esta receita impressa? Clique aqui para baixar o PDF e imprimí-lo.

Espinafre em três opções

Standard

Cansou de comer carne sempre acompanhada de batatas? Pois um creme de espinafre é uma excelente variação, que tanto pode ser servido ao lado das batatas como pode ser apresentado como guarnição única. Se batido, vira uma sopa maravilhosa. Outra: faça tomates recheados! Hoje então temos 3 receitas. A vantagem é que, além de saboroso e nutritivo, este creme é bem rápido e fácil de fazer.

Creme de espinafre como guarnição

Para 2 pessoas faça o equivalente a 1 xícara de chá de molho branco. Lave e separe as folhas de um maço de espinafre. Afervente por 5 minutos, escorra e bata as folhas sobre uma tábua. Junte ao molho branco, misture e sirva quente.

Sopa creme de espinafre

Siga a receita anterior. Misture o molho branco com o espinafre no liquidificador. Volte para a panela e assim que começar a ferver acrescente 1 xícara de café de creme de leite. Misture e desligue o forno antes que ferva de novo. Sirva quente, acompanhada de torradinhas amanteigadas.

Tomates recheados

Tome 2 tomates bem maduros, abra um buraco com 3 cm de diâmetro na parte de cima e por aí retire todo o miolo. Recheie com o creme de espinafre, sendo que este precisa estar bem consistente. Se não estiver, misture um pouco de leite com maizena, junte ao creme na panela e misture, no fogo brando, até engrossar.

Cubra o buraco com queijo parmesão ralado misturado com farinha de pão (pão dormido ralado bem fino). Leve os tomates ao forno, em uma travessa refratária untada com óleo, até verificar que estão assados.

Quer esta receita impressa? Clique aqui para baixar o PDF e imprimí-lo.

Conchiglione recheado – sofisticado e fácil de fazer

Standard

Quando quiser apresentar uma bela “pasta”, como se diz na Itália, use o conchiglione ( pronuncia-se conquilhone e se traduz por concha grande).  Este tipo de pasta é  fácil de manusear para  colocar o recheio, que pode ser de algum tipo de carne ou de queijo. Também é necessário um molho para colocar por baixo e por cima da pasta em uma travessa refratária, que pode ser molho branco ou molho de tomates ou uma mescla dos dois, em partes iguais.  Você pode usar recheio de carne, preparando um delicioso ragu ou, então, faça um creme espesso de queijos, juntando um ou mais tipos de queijo e levando-os ao fogo, misturado com um molho branco. Hoje vamos aprender a fazer um…

Conchiglione recheado com ragu de pernil de cordeiro

Como um pacote de pasta tem 500 gr. vamos considerar uma receita para 6 pessoas, se for prato único ou para 10 pessoas, se for servido como primeiro prato.

Faça o ragu com a carne já preparada do pernil de cordeiro para o recheio e à parte, um molho de tomates bem consistente.

Cozinhe a massa ( veja Dica – cozimento de massa) pelo tempo indicado na embalagem. Escorra, passe no jato de água fria e deixe esfriar.

Tome uma  travessa refratária ou um pirex de vidro temperado. Forre todo o fundo com uma camada do molho.  Pegue uma colher de chá para rechear e, à medida que for recheando as conchas, coloque-as na travessa. Depois que estiver completa, preencha os buracos e cubra com o restante do molho. Se quiser, espalhe queijo ralado tipo parmesão ou pecorino por cima. Leve ao forno até verificar que o molho está fervendo.

Sal com AlhoQuer esta receita impressa? Clique aqui para baixar o PDF e imprimí-lo.

 

Berinjela parmegiana – aproveite sobras

Standard

Também conhecida por lasagna de berinjela, embora não tenha pasta na receita. É um  prato barato, fácil e delicioso que pode servir como lanche da tarde até para os mais esfomeados, porque sustenta!

Use berinjela, sobra de carne moída, ou de outra carne que você possa desfiar, misturada com molho de tomate e o resto daquela muçarela  precisando de usar.

Ingredientes

Ingredientes

A berinjela é cortada em fatias bem finas no sentido do comprimento e, logo em seguida, colocada para aferventar com água e sal numa panela larga até ficar macia. Em seguida, escorra a água.

Dica: faça um rolinho com as fatias de muçarela e rale grosso, pois assim o queijo espalha melhor.

Escolha uma travessa que possa ir ao forno e unte o fundo com azeite. Agora monte as camadas:  a primeira de berinjela, outra da carne com molho de tomates e outra de queijo. Repita, sendo que a camada de cima deve ser de queijo ralado. Um pouco antes de servir, leve ao forno até que o queijo derreta.

Quer esta receita impressa? Clique aqui para baixar o PDF e imprimí-lo.

Ravioli ao creme de aspargos com camarões

Standard

Dizem os entendidos que o fundamental da boa culinária é o uso de ingredientes de boa qualidade. Acrescento que precisam ser bem combinados. Quando acertamos em alguma combinação, a gente nem acredita que antes estes ingredientes andaram por aí, perdidos um dos outros. É o caso que conto a seguir, de um pacote de massa fresca, no caso um ravioli de muçarela, um maço de aspargos e alguns camarões que um dia se encontraram, por mero acaso, na mesma prateleira da nossa geladeira.

Ravioli de muçarela, molho de aspargos verdes e camarões flambados

Compre uma bandeja de ravioli recheado com muçarela comum ou de búfala. Já vem pré-cozido e se tiver umas 20 peças, dá para 4 pessoas. Faça o molho branco com aspargos. Siga a receita do molho branco, porém, este molho vai virar um molho de aspargos: afervente de 2 a 3 aspargos por pessoa (não deixe que amoleçam) e depois bata no liquidificador a metade deles, justo a metade de baixo de cada haste. Junte o caldo de aspargos ao molho branco, misture e deixe ferver. Agora junte a outra metade dos aspargos, cortados em tronquinhos de 3 a 3 cme deixe ferver mais um pouco, se precisar, raleie o molho com leite. Acrescente creme de leite, cerca de 1/4 da quantidade de molho. Prove o sal, junte pimenta do reino branco e nós moscada, se gostar. Misture e desligue o fogo antes do creme tornar a ferver.

Forre o fundo de uma travessa refratária com o molho. Disponha uma camada dos raviólis, torne a cobrir com o molho de aspargos e repita até terminar a camada de cima com o molho.

Se quiser sofisticar, limpe e tempere os camarões. Depois de 15 a 30 minutos, proceda à fritura, no fogo forte, dos camarões, na manteiga ou no azeite. Agora veja como flambar os camarões. Pronto, pode colocá-los sobre a última camada de molho e levar a travessa ao forno um pouco antes de servir.

Sal com AlhoQuer esta receita impressa? Clique aqui para baixar o PDF e imprimí-lo.

 

Coq au vin – um toque francês

Standard

Para esta receita, o frango pode ser inteiro, como na receita tradicional francesa ou então, o corte do frango pode ser o de sua escolha, usualmente, peito ou coxa e sobrecoxa; de preferência, com osso, sem pele e com alguma gordura (quanto mais amarelinha, melhor). Qualquer receita feita com o corte de frango com osso e alguma gordura fica mais saborosa, pois, no cozimento, o osso dá sabor à carne e a gordura deixa a carne tenra. Se só tiver peito desossado, pode usar,  cortando-o em cubos maiores ( porém, sem osso, a carne tende a ficar seca e borrachuda).Hoje, vamos eleger a coxa e sobrecoxa.

Separe um recipiente para deixar o frango no tempero, uma caneco para ferver água, uma panela comum com tampa e uma colher grande.

Para a receita: 4 partes de frango, considerando 2 pedaços por pessoa; óleo, sal com alho, ½ xícara de cebola picadinha, 2 colheres de sopa cheias de bacon picadinho, ½ xícara de chá de vinho tinto e uma colher de sobremesa de farinha de trigo.

Tire a pele do frango e o excesso de gordura. Coloque água morna e um pouco de vinagre em um recipiente e passe o frango no líquido. Retire, enxágue e escorra. Tempere com sal e alho, a conta de espalhar uma fina camada em volta de toda a carne. Deixe no tempero por ½  hora ou mais. Enquanto isto, pique a cebola e o bacon. Torre a farinha de trigo até que fique bege por igual.

No fogo forte, aqueça um fio de óleo em uma panela e frite o bacon. Assim que estiver começando a pipocar, coloque os pedaços do frango. Frite de todos os lados e em seguida, coloque a cebola picada. Continue dourando até que a borra do fundo comece a secar. Aí coloque o vinho. Começando a secar de novo, despeje água fervente na panela, fora do frango, até cobrir metade do frango. Baixe o fogo e tampe a panela. Continue pingando água quente até que o frango fique macio – deve levar uns 20 minutos no cozimento (para esta quantidade de frango). Não deixe que o caldo seque; ao contrário, deve permanecer pelo menos cerca de um dedo de caldo no fundo da panela.Quando espetar um garfo e verificar que o frango já está macio, coloque uma parte do caldo numa xícara até a metade e dissolva uma colher de sobremesa mal cheia da farinha de trigo já torrada. Junte ao caldo da panela. Misture bem até que o caldo comece a ferver. Seu delicioso coqauvin está pronto!

Sirva com purê de batatas ou mandioquinha (também chamada de baroa) e/ou arroz.  Para o purê de mandioquinha, siga a receita do purê de batata porém, substitua 1/3 da batata pela mandioquinha. Servindo empratado, dê um toque de frescor com ameixa ( ou outra fruta vermelha) e aromatize com um raminho de hortelã. 

Quer esta receita impressa? Clique aqui para baixar o PDF e imprimí-lo.