Coquetéis caribenhos I

Standard

Um dos meus prazeres a bordo do Norwegian Gateway, navegando pelo Mar do Caribe, foi escolher e acompanhar o preparo dos deliciosos, coloridos e refrescantes coquetéis servidos nos bares do navio. Em seguida, escolhia o melhor ângulo para uma bonita foto e passava à parte melhor: beber devagarinho, apreciando o sabor. Sempre tinha algum curioso observando e aproveitava a ocasião para puxar conversa. Assim mais pessoas – americanos, sul-americanos e europeus – ficaram sabendo deste blog e passaram a acompanhá-lo e a mandar sugestões. Aqui vão algumas das receitas e as fotos para você prepará-los em casa para os amigos.

Crusoe

Para uma quente manhã de sol, uma boa pedida leve e refrescante é o coquetel cujo nome é uma homenagem ao lendário Robinson Crusoe, personagem do romance de Daniel Defoe publicado em 1719. Único sobrevivente de um naufrágio, Crusoe narra suas aventuras durante os anos vividos em uma ilhota remota do Caribe.

O drink é feito com 1 dose de rum – o indicado é o Organic Silver- misturado com o suco coado de 1/4 de limão tahiti e adoçado com néctar de agave. Este adoçante é indicado para o preparo de bebidas pois dissolve-se com facilidade e não deposita no fundo do copo como o açúcar. É um preparado feito a partir da agave azul ou tequilana, planta muito comum no México, que é também a matéria prima para a fabricação da tequila.

Pineapple Coconut Mojito

Uma delícia inspirada no tradicional Piña colada, coquetel criado no final da década de 1950 em San Juan. Enquanto neste drink portoriquenho usa-se o leite de côco, no drink servido nos bares do Norwegian Gateway usa-se o Bacardi Rock Coconut, um destilado de rum com essência de côco. Misture, na coqueteleira, 1 dose deste rum com 1 colher de sopa de polpa de abacaxi,1 colher de café de suco de limão e 1 colher de café de melado de cana (pode adoçar com açúcar mascavo ou cristal). Verta a mistura no copo, acrescente 1 dose de club soda e junte cubos de gelo até completar o copo. Como enfeite, use um raminho de hortelã.

Raspberry Guava Mojito

Uma variação bem original do mojito ( pronuncia-se morrito) que seduz pela cor vibrante e pelo aroma. Bem própria para um drink servido no Caribe, entre as duas Américas. É uma feliz e bem dosada mistura do delicado sabor das frutas vermelhas da família dos “berries” do hemisfério norte com o sabor acentuadamente doce das frutas tropicais do hemisfério sul – no caso, a nossa conhecida goiaba vermelha.  Macere, em um pilão de madeira, 3 framboesas com 3 folhinhas de hortelã e 1 colher de chá de açúcar de cana.Verta a mistura na coqueteleira e junte 1 dose de Bacardi Superior e 1 colher de sopa de polpa de goiaba. Despeje a mistura coada em um copo de boca larga, misture com 1 dose de club soda e cubos de gelo até completar. Prenda no palito 3 framboesas e coloque-as enfeitando o drink, junto com um raminho de hortelã.

Veja abaixo estas receitas originais e mais outras. Experimente fazê-las!

IMG_5865

Cruzeiro no Caribe – Mojito

Standard

 

Belíssima manhã na ensolarada Flórida. O imenso magnífico navio Norwegian Gateway solenemente deixa o porto de Miami na direção do Caribe Leste, com mais de 5500 pessoas a bordo em plena festa.

Navegamos por sete dias e sete noites sem nos cansarmos de apreciar o deslumbrante tom de azul do Atlântico Norte e do Mar do Caribe, aportando em Saint Maarten, Saint Thomas, nas Ilhas Virgens Americanas e em Nassau, nas Bahamas. Com doze restaurantes oferecendo culinária internacional e típica, como a creola, a francesa, a italiana e a japonesa, dentre outras – sem faltar a churrascaria brasileira – e mais seis bares e cafés a bordo, a tripulação indonésia responsável pela alimentação ofereceu-nos um festival gastronômico verdadeiramente delicioso.

Na impossibilidade de passar para vocês fotos e receitas dos pratos servidos a bordo, tal a variedade e complexidade, optei pelo tema coquetéis, escolhendo diariamente para beber um drink na piscina pela manhã e outro à noite, nos bares e boates do navio, curtindo um reggae jamaicano, uma bossa nova no piano, um blue ou jazz de New Orleans ou matando a sede entre uma salsa e um samba.

Mojito

Sugarcane Mojito Bar – A história do Mojito

Já no século 16 o “The Draque”, predecessor dos mojitos, era consumido a bordo dos navios corsários da famosa esquadra inglesa de Sir Francis Draque. Tratava-se de uma mistura de destilado grosseiro de cana com suco de limão – para prevenir o escorbuto – acrescido de hortelã e açúcar para melhorar o rude sabor da bebida. Havana estava na rota dos navios e foi ali que Don Fecundo criou o rum, em 1862, causando forte impacto no consumo do tal “The Draque”. A leveza e o complexo sabor do rum superior de nome Bacardi deu então origem ao mojito original. Em 1939, o Bacardi Mojito já havia virado lenda no famoso bar cubano La Floridita. Um perfeito Mojito equilibra técnica e a qualidade dos ingredientes. O objetivo é servir uma bebida refrescante e saborosa, sendo indispensável um rum leve e um acúcar mascavo de fina qualidade para realçar o sabor do limão e da hortelã.

Bacardi Mojito

Para fazer o drink à maneira tradicional, coloque em um pilãozinho de madeira 2 colheres de chá de açúcar mascavo, o suco de um limão tahiti (cerca de 2 colheres de sopa de suco) e 6 a 8 folhas de hortelã. Esprema com o socador para macerar as folhas. Passe para a coqueteleira e acrescente 1 dose de rum Bacardi Superior e a mesma quantidade de club soda. Misture.Transfira o líquido coado para um copo de boca larga. Encha o copo com cubos de gelo e enfeite com uma rodela fina de limão e um raminho de hortelã. Ideal para os dias quentes de verão.

 

 

 

Tabule

Standard

O tabule é uma receita da culinária árabe muito apreciada, pois é uma salada leve e refrescante encorpada com trigo, perfeita para servir como entrada ou refeição ligeira. Os vegetarianos adoram! A proporção da mistura dos ingredientes é o ponto fundamental. E a grande dica é servir junto com alface romana bem fresquinha.

A receita seguinte é para 8 pessoas.

O primeiro passo é colocar o trigo para kibe de molho em água fria por 1 hora. Para 1 xícara de café de trigo coloque 3 xícaras de água. Para esta quantidade de trigo – que depois de hidratado deve dar 1 xícara de chá quase cheia – você vai usar 3 tomates tipo italiano bem maduros, 2 cebolas grandes, 2 maços de salsinha, 1 de cebolinha e outro de hortelã.

Enquanto o trigo está de molho, corte o tomate em quatro, retire o miolo e as sementes, torne a cortar cada parte em quadrinhos bem pequenos (clique aqui para ver dica de como cortar o tomate). Pique a cebola bem miudinha no processador. Deve dar 2 xícaras de chá de cada. Pique a salsinha, a cebolinha e a hortelã o mais miudinho que conseguir. Verifique se completa 1 xícara de chá da salsinha picada, a mesma quantidade da cebolinha e 1 xícara de café de hortelã.

Esprema o trigo com as mãos par tirar o excesso de água. Misture o trigo com os demais ingredientes já picados. Salpique um pouquinho de pimenta síria e um tantinho de sal. Tempere com limão e azeite. Prove o tempero.

Para servir o tabule à maneira libanesa, coloque 1 colher de sobremesa do tabule pronto no meio de uma folha de alface, deite um fio de azeite e enrole como uma trouxinha.

Quer esta receita impressa? Clique aqui para baixar o PDF e imprimí-lo.

Kibe

Standard

Kibe é hoje uma das delícias da culinária árabe mais consumidas nos bares e casas de lanche de Belo Horizonte. Herança da imigração sírio libanesa, com certeza! Lembro-me de quando era criança e ia com minha mãe ao centro da cidade. Se eu ficasse boazinha, sem sair correndo sozinha pela rua, ela me levava para comer kibe na Rua dos Caetés. Sempre quis aprender a fazer comida árabe, porém só agora, por causa do blog, achei uma amiga, libanesa de pai e mãe e exímia cozinheira, que se dispôs a me ensinar. Depois de pronto, juro, nunca comi um kibe tão bom na minha vida! Passo a receita em primeira mão:

Kibe cru

Deixe de lado a cisma de não comer carne crua. Você come carpaccio, não é? E, afinal, a carne, seja crua ou cozida, é o mesmíssimo alimento. Abra-se a novas experiências gustativas. Não custa nada provar. Você mesmo irá fazer a receita, sabe bem da procedência da carne e cuidou pessoalmente de sua preservação e preparo. Experimente e irá adorar!

A porção por pessoa é de 100 gr. de carne e 50 gr. de trigo. Peça ao seu amigo açougueiro para moer 2 vezes o miolo de uma carne de boi que tem o nome de patinho. Pese 1 quilo da carne moída. Vai precisar também de 500 gr. de trigo para kibe e 1 maço de hortelã picadinha.

 

Ponha o trigo de molho na água fria por 1 hora. A proporção é de 1 parte de trigo para 3 de água. Escorra o excesso de água e esprema o trigo com as mãos. Misture-o com a carne moída. Dica: molhe suas mãos em água gelada para poder misturar bem a massa; desta forma não grudará nos dedos e facilitará seu serviço. Tempere com 1 colher de chá de sal com alho e a mesma quantidade de pimenta síria. Misture bem. Se você tiver um moedor de carne ou um processador, passe nele esta massa para obter uma pasta fina, pois ficará muito melhor. Veja na foto do topo como servir: deite um fio de azeite por cima da pasta e enfeite o prato com hortelã, que dá um indispensável sabor refrescante. Servido como aperitivo ou entrada, a receita dá para 10 pessoas.

Kibe assado 

Para preparar esta apreciada e famosa receita árabe você vai seguir o mesmo procedimento da receita do kibe cru, com a diferença de que a hortelã será misturada à pasta de trigo e carne. Além dos ingredientes acima citados, vai precisar também de mais ½ quilo da mesma carne moída, 1 cebola pequena, sal com alho e pimenta síria. Enquanto prepara a pasta de carne, trigo e hortelã, pré aqueça o forno, ligado em 200 graus. Reserve a pasta pronta.

Em uma panela, coloque um fio de óleo, doure 1 colher de café de sal com alho e 1 cebola média picadinha. Junte a carne moída. Misture. Continue mexendo até a carne mudar de cor. Assim que corar, desligue. Prove o sal e tempere com um 1 colher de chá de pimenta síria. Reserve.

Tome uma assadeira grande e funda. Unte o fundo e as laterais com um pouco de azeite. Coloque metade da massa de kibe cru. Espalhe bem com os dedos para formar uma camada toda da mesma altura. Por cima, coloque toda a carne moída que preparou na panela. Espalhe igualmente. Cubra com o restante do kibe cru. Espalhe por toda a superfície de forma igual. Passe a faca, cortando em quadrados ou losangos. Leve ao forno por cerca de 1 hora ou até verificar que a carne está corada por cima. Na hora de servir, regue com azeite. Esta receita serve 15 pessoas.

Quer esta receita impressa? Clique aqui para baixar o PDF e imprimí-lo.

 

Salada de abacaxi, maçã, milho e frango – 20

Standard

Salada 20

Abacaxi, maçã, milho e frango 

Quantidade de calorias por porção (1 pessoa): 138

Quantidade de gramas desta salada: 215

O abacaxi é rico em vitaminas A, B1,C e em minerais como magnésio, cobre, manganês e ferro. Contém um composto denominado bromelina que proporciona considerável melhora no funcionamento imunológico e também na função intestinal. É um excelente diurético e ainda facilita a digestão.

A maçã contem fibras solúveis e não solúveis. A alta concentração de fibras é um forte aliado contra os altos níveis de colesterol, reduzindo risco de ataques cardíacos e enfartes. As fibras contribuem também para a regularidade intestinal. Rica em flavonoides, exerce papel antioxidante, combatendo os radicais livres.

Ingredientes Quantidade Corte Gramas Calorias
Abacaxi 3 fatias s/ caroço Cubinhos 70 33
Maçã gala 1 pequena s/ talo Cubinhos 40 22
Milho de lata 2 colheres de sopa 30 29
Peito de frango 2 colheres de sopa Desfiado 25 40
Coalhada 2 colheres de sopa 50 14
Hortelã 6 folhas Picado

 

Corte em cubinhos as fatias do abacaxi.

Corte também em cubinhos a maçã com casca.

Escorra o milho.

Aproveite o peito de frango já pronto e desfie um pedacinho.

Tempere a coalhada com um tico de sal.

Pique as folhinhas de hortelã fresco.

Misture tudo.

A salada ficará muito mais gostosa se você adicionar uma colher de sobremesa de maionese. São mais 54 calorias. Se preferir esta opção, dispense a coalhada( a diferença é de 40 calorias).

Obs: assim que picar a maçã já misture com a coalhada.

Nossa consultora: nutricionista Letícia Menicucci

Quer esta receita impressa? Clique aqui para baixar o PDF e imprimí-lo.

Salada de cebola, tomate, pepino e hortelã – 11

Standard

Salada 11

Cebola, tomate, pepino e hortelã

Quantidade de calorias por porção (1 pessoa): 117

Quantidade de gramas desta salada: 252

A cebola possui quercetina, um potente flavonóide, que se destaca pelo poder de remover os radicais livres em situações de risco de dano celular. A remoção destes radicais demonstrou-se eficiente na diminuição de incidência de infartos do miocárdio e derrames cerebrais em pessoas da terceira idade. A quercetina ainda exerce papel anti-inflamatório e antitumoral, auxiliando no sistema de defesa do nosso organismo.

Ingredientes Quantidade Corte Gramas Calorias
Cebola 1/2 Fatiada fina 80 31
Tomate maçã 1/2 Fatiado 65 10
Pepino 1/4 Fatiado fino 80 8
Azeite Veja preparo 2+6 17+51
Vinagre branco 1 col. sobremesa 4
Cheiro verde 1 col. de café Picadinho 2
Hortelã 5 folhas Picadinho 2
Coalhada 1 col. sobremesa 9 4

Primeiro faça a cebola marinada. O ideal é prepará-la de véspera. Se você gosta mesmo de cebola, pode fazer uma boa quantidade e guardar na geladeira em um vidro, destes que tem tampa hermética para conserva. Assim a terá pronta quando precisar. É ótima como aperitivo e para acompanhar carnes vermelhas. Para esta salada, fatie ½ cebola em rodelas bem finas (se for para maior quantidade fatie no processador, se tiver um). Pegue uma frigideira antiaderente e deite 1 colher de café de azeite para cada ½ cebola. Frite ligeiramente. Tome uma tigela e coloque a cebola. Misture à parte, para cada ½ cebola, 1 colher de sobremesa de azeite, outra de vinagre branco e 2 de água, cheiro verde picadinho, sal e açúcar. Coloque este molho sobre a cebola, misture e deixe descansar na geladeira, tapada com um filme pvc, de um dia para o outro.

Fatie o pepino com casca em rodelas finas. Fatie em rodelas o tomate maçã.

Para montar a salada, disponha as fatias de tomate e pepino intercaladas e salpique hortelã picadinha. Adorne as laterais com a cebola marinada.

Sirva acompanhada das folhas de sua preferência.

Nossa consultora: Nutricionista Letícia Menicucci.

Quer esta receita impressa? Clique aqui para baixar o PDF e imprimí-lo.

Lentilha o ano todo

Standard

Para muitos, a lentilha remete ao Reveillón que, segundo a tradição nos traz boa sorte para o Ano Novo. Mas a lentilha pode e deve ser comida o ano todo, trazendo variedade ao nosso cardápio, além de vitaminas, mineirais e fibras (veja mais informações nutricionais no final do texto). Da mesma maneira como aqui no Brasil a base da refeição é o arroz e o feijão, no Oriente Médio a lentilha é o coringa na mesa. Um alimento barato e popular que, mais ainda do que o nosso feijão, pode ser preparada de mil e uma maneiras, uma para cada noite. Insha’Allah! (em árabe, significa ‘se Deus quiser’)

Então apresentamos a:

Lentilha ao pesto de hortelã com cebolas caramelizadas

Para 1/2 quilo de lentilhas (rende muitas porções) você vai precisar de uma cebola, um molho de hortelã, 1/2 xícara de chá de castanha de caju triturada ou pinoli, 1/2 xícara de chá de azeite, 100 gr de queijo pecorino ralado, 2 colheres de sopa de açúcar cristal, 1/2 xícara de café de vinho tinto e uma pitada de molho shoyo.

Separe: uma panela grande, uma colher grande, um pilão.

Comece cozinhando as lentilhas por cerca de 20 a 30 minutos ou até que estejam ‘al dente’. Para cada medida de lentilha, use o triplo de medida de água. Quando estiver cozida, desligue, escorra e reserve.

Agora vamos ao preparo do pesto. Usando um pilão de madeira ou de pedra amasse as folhas de hortelã junto ao azeite até que forme uma pasta. Acrescente as castanhas e bata mais. Por último, coloque o queijo, a gosto, e misture bem. Reserve.

Corte a cebola em fatias médias. Jogue um fio de azeite na panela e em seguida a cebola. Quando já estiver  macia e amarelada, afaste-as para as bordas da panela e coloque cerca de 2 colheres bem cheias de sopa de açúcar cristal no centro. Deixe que o açúcar fique marrom e comece a caramelizar e então misture tudo rapidamente. Despeje o vinho e espere que o álcool evapore (você vai sentir o cheiro do álcool evaporando). Tempere com molho shoyo, que já contém sal. Quando as cebolas já estiverem coradas, macias e saborosas, acrescente as lentilhas e misture tudo por 5 minutos. Desligue.

Na hora de servir, junte o pesto.

Segundo nossa nutricionista de plantão Letícia Menicucci, a lentilha tem as seguintes características:

– Fonte de vitaminas e minerais fundamentais para a saúde do organismo: ácido fólico, B6, magnésio, ferro e triptofano (aminoácido essencial).
– Rica em fibras solúveis que diminuem a absorção do colesterol dos alimentos;
– Contém carboidratos complexos que ajudam na diminuição do açúcar no sangue
– Baixa concentração de gordura, quase toda insaturada.
As vantagens da lentilha sobre o feijão são:
– Menos calórica;
– Possui maior quantidade de fibras;
– Possui maior quantidade de ferro.

 

Estamos preparando uma edição especial em parceria com nossa nutricionista, aguardem!