Ovos de Páscoa de colher

Standard

Para esta Páscoa não poderíamos deixar de ensinar como fazer os tão falados “ovos” de colher. Estão na última moda! Para quem for fazer pela primeira vez, não desanime, damos várias dicas!

Minha filha se animou com a ideia e comprou um conjunto de formas. Cada forminha (veja foto) dá para 6 ovos abertos, de 150gr cada. Ela escolheu os sabores de recheio favoritos e fomos juntas para a cozinha prepará-los.

A receita a seguir dá para fazer 12 cascas de ovo – considerando cada casca uma metade de ovo.
– Para as cascas do “ovo”, coloque 400 gr. de chocolate em barra picado em uma travessa refratária e derreta-o em banho-maria. Escolhemos o chocolate tipo “blend”, que já se vende pronto e é uma mistura de chocolate ao leite e meio-amargo.


1a. dica- Para derreter chocolate em banho-maria nunca deixe o chocolate em contato com a água quente. Chocolate odeia água e odeia ser queimado também! Coloque a água para ferver numa panela grande e por cima da água coloque um daqueles silicones com furinhos de cozinhar legumes. Por cima deste, ponha a travessa de vidro refratária com o chocolate dentro. Assim também estará segura e não se queimará. (se não tiver paciência ponha a travessa com o chocolate picado no micro-ondas, por cerca de 1 minuto – cuidado para não deixar queimar).

2a. dica- Misture o chocolate enquanto derrete, para dar brilho

3a. dica – Quando o chocolate estiver derretido, coloque a travessa de vidro quente em cima de uma superfície fria (sua bancada de pia, por exemplo). Este choque térmico impedirá que o “ovo” derreta com facilidade depois de pronto.


– Agora é só seguir as instruções da forminha: ela é composta de duas partes sobrepostas, uma mais rígida e outra mais mole. Coloque o chocolate derretido ainda quente até pouco mais da metade da marquinha indicada (na forma mais rígida) e sobreponha com a outra, apertando o centro da cavidade levemente com um dos dedos, o suficiente para o chocolate subir pelas laterais. Vire o conjunto de forminhas de cabeça pra baixo e gentilmente passe os dedos pelas laterais para que o chocolate preencha o restante da cavidade. Coloque na geladeira nesta posição até ficar completamente endurecido (melhor se for de um dia para o outro).

Ingredientes:

Para o recheio de maracujá: ½ lata de leite condensado, 250 gr de chocolate branco, 2 colheres de sopa de creme de leite, 1 colher de sobremesa de farinha de trigo, 1/2 xícara de café de suco concentrado de maracujá da Maguary e 1 maracujá para a cobertura.

Para o recheio de pistache: ½ lata de leite condensado, 250gr de chocolate branco, 2 colheres de sopa de creme de leite, 1 colher de sobremesa de farinha de trigo, 1/2 xícara de café de farinha de pistache para o creme do recheio e a mesma quantidade de pistache picadinho para a cobertura.

4ª dica – Para a farinha de pistache, coloque os pistaches com casca na água e após algum tempo retire as cascas e seque-os. Despreze as cascas (tanto aquela durinha como a de cor marrom que envolve a semente) e pique em um processador até formar a farinha. Reserve outras inteiras para a decoração.

Prepare à parte, em uma xícara, uma mistura de creme de leite e farinha. Ela será essencial para dar a consistência do recheio. Para cada um deles, misture 2 colheres cheias de creme de leite e 1 rasa de farinha de trigo.

Para cada recheio: derreta o chocolate branco, no mesmo processo do banho-maria. Junte ao chocolate, o leite condensado. Leve ao fogo baixo em uma panelinha, mexendo o tempo todo com uma colher de pau. Quando começar a grudar na colher, junte a mistura de creme de leite com farinha. Acrescente o ingrediente que vai dar o sabor (nesta receita, o concentrado de maracujá ou a farinha de pistache). Continue mexendo até começar a desgrudar da panela. Desligue o fogo. Dica: é o mesmo ponto do tradicional doce de nome “brigadeiro”.

Retire a forma de “ovos” da geladeira. Com cuidado, retire a forma mais mole pelas laterais. Vire de cabeça pra baixo e aperte delicadamente a forma rígida para que o chocolate se solte. Agora é só rechear. Coloque o creme – de maracujá ou de pistache e leve à geladeira para esfriar.

Para decorar, separe os sabores. Para os de maracujá, esquente o miolo de um maracujá com um pouco do concentrado. Depois que esfriar, coloque sobre as metades de ovo recheadas. Para os de pistache, pique-os com a ponta da faca, grosseiramente, e distribua por cima dos mesmos.

Quer esta receita impressa? Clique aqui para baixar o PDF e imprimi-lo.

Desfiado de lombo com frutas secas

Standard

Sabe quando sobra aquele lombo de porco ( clique aqui para ver a receita) que você fez na panela com todo o carinho? Pois não vá desprezá-lo e deixá-lo largado no fundo da geladeira. Transforme-o em um tira-gosto para comer com pão de queijo ou pão árabe delicioso! Uma dica importante: não jogue fora aquele caldo com borra que sobrou do cozimento da carne no fundo da panela. É com ele que você vai começar esta receita.

Desfiado de lombo com maçãs, ameixas e passas

Desfie a carne de lombo de porco. Pique ameixas secas e separe passas brancas e pretas, em uma proporção que, juntas, não passem de 1/5 da quantidade de carne. Prepare a receita de maçãs caramelizadas, na proporção, pronta, de 1/3 da quantidade de lombo.

DSCN3101

Veja como está a borra da carne: primeiro, enquanto fria, retire o excesso de gordura. Leve-a ao fogo, pingue água quente e raspe o fundo da panela para formar um caldo espesso. Retire as folhas de louro, pedacinhos de alho e cebola, se houverem, de modo a deixar o caldo limpo. Se precisar, coe. Assim que o caldo ferver, junte o lombo desfiado. Misture bem para incorporar todo o caldo. Retire da panela e deixe esfriar.

Coloque as passas para macerarem em um pouco de vinho. Depois que incharem, escorra o excesso de bebida e junte-as ao lombo com os pedacinhos de ameixa preta. Pode colocar também damasco picadinho. Ao final, quando for servir, junte as maçãs caramelizadas e misture-as com cuidado.

Quer esta receita impressa? Clique aqui para baixar o PDF e imprimi-lo.

 

Sal & Alho no Egito!

Standard

Por causa de Nefertiti fui conhecer Tutankhamon. Lembram quando estive em Berlim em abril de 2014? Fui ao Neues Museum e desde que vi o busto da rainha Nefertiti apaixonei-me pela história do Egito Antigo. Aí veio a pergunta fundamental: ela seria a mãe do faraó menino? Depois de revirar livros e internet resolvi eu mesma ir lá conferir. Fui ao Museu do Cairo e conheci a jóia mais preciosa que o ser humano já produziu. E olha que arte é um assunto que curto e rodo mundo para ver. A máscara de Tutankhamon é lindíssima. Fiquei deslumbrada, apaixonada! Valeria a viagem, porém, mais curiosa ainda, tomei um barco e desci o Rio Nilo para percorrer todos os passos da história, visitando o Vale dos Reis, Karnak e Luxor. De Amarna, infelizmente, não sobrou nada. Interessados na história? Aguardem, escrevo um romance sobre o assunto.

Nos quatro dias que passei no barco, conversei com os guias e a tripulação para coletar dados e saber a opinião deles. Contei sobre o blog, achando que, mesmo se conseguissem acessa-lo, não entenderiam nada, pois só lêem árabe. Para minha surpresa, o pessoal da cozinha veio me pedir detalhes de alguns pratos. Espertos, pois pelas fotos descobriram como fazer! Ficamos amigos e então resolveram preparar, no último dia 10 de março, um jantar surpresa com comida típica egípcia em minha homenagem!

Hoje passo para vocês os pratos deste jantar. Algumas receitas já temos no blog e as outras irei fazendo aos poucos. Os ingredientes que usam são comuns na culinária brasileira, e, como tempero, usam sal, alho, ervas, cebola e pimentões, porém a comida não é tão temperada como o mexicana ou a oriental.

O barco

As entradas

Veja receitas no blog: homus (pasta de grão de bico), babaganush (pasta de beringela) e pão branco

Pães e mais entradas

Os pratos quentes

As sobremesas

Observe, na última foto, os simpáticos chefs!

Tudo delicioso! Deixo aqui o meu muito obrigada!!!!

Maçãs caramelizadas

Standard

Para quem gosta de um pernil ou um peru assado, um lombo de porco e outras carnes deste tipo, experimente fazer este acompanhamento com maçãs, de preparo simples, paladar sofisticado e belo visual. Pode ser feito com maçã ácida (verde) , mas eu prefiro prepará-lo com aquelas maçãzinhas pequenas e doces, como as que vêm do sul do Brasil.

Maçãs caramelizadas

Para 5 maçãs, separe 2 colheres de sopa de açúcar cristal, 1 a 2 pauzinhos de canela e 3 cravos da índia. Descasque as maçãs e corte-as em cubinhos. Borrife-as com água e limão para não escurecerem enquanto prepara a calda de açúcar queimado.

Coloque 1 litro de água para ferver. Deite o açúcar em uma outra panela aquecida e mexa com uma colher de pau até ficar da cor de mel. Despeje 1/4 da água fervente – com cautela e aos poucos para não se queimar. Abaixe o fogo e mexa até formar uma calda. Junte o cravo e a canela. Acrescente as maçãs picadas e deixe que cozinhem até ficarem translúcidas e douradas. À medida que a calda for secando, vá colocando mais água, sempre quente, aos poucos.

Cuidado para que as maçãs não cozinhem demais, para não virarem uma papa. Se quiser que fiquem mais doces e brilhantes, coloque um pouco de mel ao final do cozimento.

Para acompanhar carnes, sirva quente.

É também uma compota de fruta muito gostosa que dura dias na geladeira. Ótima para passar no pão ou no bolo. Experimente servi-la quente com sorvete, é delicioso!

Quer esta receita impressa? Clique aqui para baixar o PDF e imprimi-lo.

Aperitivo de linguicinha com cidra

Standard

A comida de bar ou, como se diz em Minas, a comida de buteco, prima por ser aquele aperitivo ideal para petiscar enquanto se toma uma bebida gelada, como uma cerveja artesanal mineira, uma caipirinha caprichada ou até mesmo um whisky. Pois este aperitivo, ligeiramente adocicado,  vai perfeitamente bem com qualquer destas bebidas. Se seus amigos chegarem na sua casa de repente e cada um pedir uma bebida diferente, nem pense duas vezes, dê uma fugidinha ali na cozinha, prepare a linguicinha com cidra e surpreenda a todos com este tira-gosto delicioso. 

Para não ser pego de surpresa, tenha sempre em casa um pacote de 500 gr. de linguicinha e uma garrafa de cidra.

Tome uma panela e deite ao fundo um fio de óleo. Deixe esquentar e passe rapidamente a linguiça, em bolinhas ou cortada em tronquinhos de 1,5 cm. de largura. Acrescente a cidra e espere que o álcool evapore. Abaixe o fogo. Mexa de vez em quando e espere até que a calda seque. Está pronto! Sirva acompanhada de torradinhas amanteigadas.

Quer esta receita impressa? Clique aqui para baixar o PDF e imprimi-lo.

Salada com muçarela artesanal

Standard

Depois de publicar mais de 40 saladas, confesso que fiquei sem ideias. Tanto é fácil misturar legumes e verduras a esmo como é difícil criar novas saladas diferentes. Havia me esquecido desta, que criei para o cardápio típico das famosas “Sextas Mineiras” no hotel onde trabalhei como responsável (também) pelo setor de Alimentos & Bebidas. O ingrediente principal é um tipo de queijo muçarela artesanal vendido no Mercado Central e nas boas casas do ramo de Belo Horizonte. O queijo é apresentado em tronquinhos ou em trança e precisa estar bem fresco para esta salada. A marca que prefiro é a Caçulinha.

Salada mineirinha

DSCN3085

Além do queijo, você vai usar tomate cereja e brócolis, azeite e manjericão ou orégano desidratado.  Corte o queijo em pedaços de 5 cm e desfaça-o com a ponta dos dedos. Coloque as tirinhas imersas no azeite com a erva desidratada para ir tomando gosto.

Prepare o brócolis, separando os buquezinhos. Ponha um dedo de água numa panela e coloque o brócolis. Assim que a água ferver, desligue e tampe a panela. Daí a 5 minutos, tire o brócolis e escorra. Misture-os ao queijo e junte os tomatinhos inteiros. Está pronta!

Quer esta receita impressa? Clique aqui para baixar o PDF e imprimi-lo

Escabeche de peixe

Standard

Quando eu tinha vinte e poucos anos conhecia o tal de escabeche apenas de nome, mencionado vez por outra na literatura espanhola ou portuguesa. Até que, certo dia em viagem, vi o tal nome em um cardápio e resolvi pedir. Apaixonei de cara mas, por falta de hábito, acabei esquecendo-o quando retornei ao Brasil, onde é pouco conhecido. Onde moro, talvez os quinhentos quilômetros que nos separam do mar justifiquem o pouco costume do mineiro de comer peixe. Pois esta semana, preparando uma mesa de frios para um happy-hour na minha casa, lembrei-me deste prato. Procurando na internet, achei diversas receitas diferentes. Como saber qual receita é a melhor? Tal fato acontece com você, não é? Pois siga seu instinto e procure a receita que tenha ingredientes conhecidos dos quais você goste. Ou então, leia várias para ter uma boa base e recrie sua própria receita – do seu gosto. Foi o que fiz, deu certo e agora passo para vocês!

Escabeche de peixe

Escolha filés de peixe branco.Comprei tilápias. Para 6 filés, separe: 4 dentes de alho, sal, pimenta do reino, 1 xícara de chá de farinha de trigo, 2 cebolas grandes, 1/2 pimentão vermelho e 1/2 amarelo, 1 1/2 xícara de chá de vinagre de vinho branco, 1 xícara de café de azeite, 1 xícara de café de azeitonas pretas, 1 pitada de louro em pó, 4 ovos e 1 colher de chá de ervas aromáticas. Vai precisar de um escorredor, de papel toalha, de filtro plástico e de uma frigideira. Escolha uma travessa baixa e larga onde irá montar o prato, guardá-lo na geladeira e depois levar à mesa.

Preparo do peixe:

Misture 2 dentes de alho triturados com 1/2 colher de chá de sal e mais um tico de pimenta do reino em 3 colheres de vinagre e espalhe pelos filés de peixe. Deixe por meia hora nesta salmoura. Coloque os filés em um escorredor para tirar o excesso de vinagre. Tome o papel toalha e enxugue filé por filé. Passe-os ligeiramente, dos dois lados, na farinha de trigo colocada em uma assadeira, de modo que fiquem com uma camada fina de farinha.

Aqueça um filete de azeite na frigideira e grelhe os filés, de um lado e de outro, para ficarem corados. Retire, deixe esfriar e depois parta-os em pedaços grandes. Distribua-os em uma travessa baixa e larga – para formarem uma só camada – e coloque-a na geladeira.

Preparo do molho:

Quando não existia geladeira, colocava-se peixe fresco no vinagre para conservá-lo por mais tempo. Assim, o vinagre é o ingrediente principal do escabeche e portanto, escolha um vinagre de qualidade para o seu preparo.

Corte as cebolas em quatro e depois cada parte em três, de modo a obter gomos de 1 cm de largura. Pique 2 dentes de alho. Frite as cebolas e depois o alho, com pouco azeite, no fogo baixo, até amolecerem. Em seguida, coloque-as dentro de uma travessa funda com vinagre, 1 pitada de sal e outra de pimenta do reino. Deixe-as encobertas, marinando por 1/2 hora. Corte os pimentões em tiras e passe-os no azeite que fritou as cebolas, no fogo baixo, para amolecerem. Não deixe que corem. Junte-os às cebolas. Deixe marinando. Cozinhe 4 ovos na água por 20 minutos, espere que esfriem, descasque-os e corte em quatro. Tire o caroço das azeitonas e pique-as em rodelas. Distribua sobre o peixe o molho de cebolas e pimentões, os ovos e as azeitonas ( veja foto superior). Salpique sal ligeiramente apenas sobre os ovos cozidos. Prepare um tempero com 1/2 xícara de café de azeite de oliva, a mesma quantidade de vinagre, um tico de pimenta do reino, um tico de louro em pó e 1 colher de chá de ervas aromáticas desidratadas. Espalhe este tempero por cima, cubra com um filtro plástico e leve à geladeira por 24 horas antes de servir. 

Sirva o escabeche frio, acompanhado de pão tipo italiano fresco em fatias.

Quer esta receita impressa? Clique aqui para baixar o PDF e imprimi-lo.