Pato ao tucupi

Standard

Com uma das minhas filhas, que contribuem com este blog, morando em Marabá, a segunda maior cidade do Estado do Pará, no Norte do Brasil, teremos aqui receitas genuínas da maravilhosa culinária paraense. Hoje começamos com a mais tradicional e famosa das receitas dessa tão elogiada gastronomia. E, desde que consiga obter os ingredientes, é bem fácil de ser feita. A receita é preparada com dois produtos típicos do Pará: o tucupi, um suco fermentado de mandioca, e o jambu, uma folhagem verde escura que formiga na boca, dando uma sensação picante semelhante a uma leve anestesia.

Pato ao tucupi

Para 4 pessoas vai precisar de um pato inteiro (ou quatro coxas grandes), 1 molho (ou amarrado de folhas de jambu), 2 a 3 tomates e 2 cebolas. Sal, alho e pimenta.

Compre um pato inteiro, já depenado e limpo. Corte-o como um frango: primeiro corte fora o pescoço e os pés, depois quebre as juntas e retire as sobrecoxas junto com as coxas. Abra, por cima, a carcaça ao meio e corte os peitos, um de cada lado, rente ao osso. Retire o excesso de pele e gordura das peças e tente retirar o restante da carne dos ossos, em pedaços grandes. Passe os pedaços na água quente com vinagre e escorra bem. Tempere com sal, alho e pimenta. Deixe no tempero por 1 1/2 hora.

Ponha o frango para cozinhar na pressão por 30 a 50 minutos, dependendo da idade e do tamanho do pato. Enquanto isto, ferva 1 litro de tucupi por 15 minutos. Pique os tomates e a cebola.

Separe as folhas do jambu, lave-as e coloque-as dentro de uma panela com um pouco de água quente, a conta de cobri-las pela metade. Tampe para abafá-las, por 10 minutos.

Em uma panela grande, doure a cebola picadinha no óleo ou azeite e junte o tomate picado. Regue com o caldo de tucupi para fazer o caldo. Coloque as partes do pato já macio e cubra com as folhas de jambu. Prove o caldo e retifique o tempero, colocando pimenta malagueta ou dedo de moça, à gosto. Assim que ferver, está pronto. Sirva acompanhado de arroz branco.

 

Jantar russo

Standard

A culinária da parte ocidental da Rússia – como em San Petersburgo e Moscou – tem origem eslava e se assemelha à dos países do Leste Europeu. Uma refeição típica sempre começa com uma sopa quente e depois há opção de peixes, de aves diversas, como pato e codornas, de carne de coelho, porco ou vaca e também de caça. Os ingredientes mais comuns dos acompanhamentos são batata, repolho e variedades de abóboras e o tempero sempre capricha na páprica picante.

 

Sopa Borscht

Proveniente da Ucrânia, esta sopa nutritiva e pouco calórica tornou-se um dos pratos típicos mais conhecidos da Rússia. É servida quente no inverno e fria no verão, neste caso, batida.

Ingredientes (4 pessoas): 2 beterrabas, 1 cenoura, 1 batata, 2 xícaras de repolho fatiado, 200 gr. de lagarto (ou outra carne).

Modo de fazer: Pré-cozinhe a beterraba e guarde a água do cozimento. Pique os legumes em cubinhos. Em uma panela aquecida, frite a carne em cubinhos no óleo quente (o mínimo possível) até ficar marrom. Despeje um pouco da água fervente e mexa para dissolver a borra e fazer um caldo. Junte o caldo da beterraba, acrescente a cenoura, a batata e a beterraba e depois o repolho. Tempere com sal, pimenta do reino e páprica. Sirva com fatias de pão e creme azedo (coalhada).

 

Filé à hussarda

 Os hussardos, destemidos oficiais de cavalaria ligeira, ficaram famosos nas conquistas russas entre os séculos XVI e XVIII, tornando-se figuras icônicas nas artes de guerra e na literatura. Talvez o molho leve este nome por ser feito com ingredientes simples e, como rende muito, é ideal para se alimentar um batalhão. Na Rússia é feito tradicionalmente com carne de caça.

Ingredientes (4 pessoas): 1 kg de filé, 3 cebolas, miolo de 1 pãozinho, farelo de pão, leite, 1 gema.

Modo de fazer: Tempere a peça de filé com sal e páprica picante e deixe por meia hora. Dissolva o miolo de pão no leite. Em uma frigideira aquecida, sele o filé na banha (ou óleo e manteiga) como para rosbife ( deixe cru por dentro). Retire e reserve. Dissolva a borra da carne em 3 xícaras de água fervente para formar um caldo. Reserve. Doure a cebola fatiada, junte o miolo de pão (coloque 1 folha de louro) e vá acrescentando o caldo aos poucos, no fogo baixo, até formar um creme. Retire do fogo, junte a gema, tempere com sal, páprica e pimenta. Volte para o fogo e cozinhe por 5 minutos. Dica: bata o creme com o mixer. Corte o filé em fatias de 1 cm. Forre uma forma refratária como o creme e recomponha a peça de filé, passando o creme entre as fatias. Cubra com o restante do creme e salpique o farelo de pão. Antes de servir, leve ao forno quente, o suficiente para esquentar a carne e dourar a crosta de pão.

 

Pavlova

Anna Pavlova foi a bailarina mais famosa da Companhia de Balé Bolshoi, fundada em Moscou em 1776, onde tem um teatro maravilhoso. Foi ela quem provavelmente trouxe a receita da sobremesa para a Rússia, depois de uma turnê, em 1929, à Austrália, país que disputa a sua criação com a Nova Zelândia. Há versões de que foi recriada por diferentes chefs, em homenagem à bailarina. Hoje a sobremesa é conhecida em todo o mundo e há muitas variações.

A receita mais tradicional é feita com um merengue em forma de bolo levado ao forno para assar, coberto com chantilly e couli de frutas vermelhas. O merengue é feito batendo-se claras de ovos com um tiquinho de sal até endurecer (bata na batedeira em velocidade alta). Continuando a bater em velocidade média, acrescente açúcar refinado até voltar a endurecer. Junte um pouquinho de vinagre branco e outro tantinho de maisena e gotas de baunilha. Forre a forma com papel manteiga e coloque a massa formando rodelas do tamanho desejado. Asse em forno pré-aquecido, a 150 graus, até começar a ficar rosada por cima ( cerca de 45 min.). Depois de fria – deve ficar crocante por fora e macia por dentro – cubra com chantilly (ou creme inglês) e decore com o couli de frutas ou frutas naturais com uma nuvem de açúcar.

Jantar vietnamita

Standard

A influência marcante da gastronomia francesa, herança da colonização que se estendeu de 1887 a 1954, se agregou à base milenar da comida khmer, de origem indiana, para nos oferecer uma gastronomia reconhecida mundialmente pela qualidade. O território do Vietnã é entrecortado por ampla bacia hidrográfica que durante todo o ano fornece fartura de peixes. No delta do Rio Mekong, ao sul, produz-se arroz em grande quantidade e de alta qualidade. Das pequenas propriedades familiares, situadas nas férteis terras às margens dos rios, vem uma rica variedade de produtos agrícolas e pequenos animais de abate. A extensa costa à leste (3.444 km), volta-se para o Mar da China Meridional, farto em peixes e mariscos. Na culinária vietnamita, os temperos são predominantemente frescos, como as pimentas kampot e chili in natura, as ervas aromáticas como o capim limão, o coentro e a hortelã e os diversos tipos de gengibre. Como nas outras culinárias asiáticas, tempera-se com alhos, cebolas e molhos de tamarindo, de soja, de ostra e de peixe. Semelhante à culinária tailandesa, são de largo uso a banana e outros derivados da bananeira, o leite de coco e limões diversos. O frescor e o colorido dos alimentos conferem aos pratos aroma, sabor e beleza inigualáveis.

 

Rolinho primavera

Aprendi esta receita à bordo do barco da Paradise, na deslumbrante Baia de Halong, situada no Mar da China Meridional e considerada uma das sete maravilhas naturais do mundo.

Ingredientes: 250 gr. de frango desfiado; cenoura ralada; cebola branca e roxa, cebolinha verde, cogumelo-de-paris e funghi sechi re-hidratado picadinhos; 2 ovos, 30 gr. de macarrão de arroz tipo vermicelli; 8 folhas de pasta de arroz.

Modo de fazer: 1)Recheio: reserve a água do cozimento do funghi, deixe ferver, tempere com sal, cozinhe o vermicelli por 2 minutos, escorra e reserve. Leve ao fogo uma panela tipo wok com o frango já pronto, doure as cebolas, junte os cogumelos, cenoura, cebolinha verde e o vermicelli. Misture um pouco de sal e açúcar aos ovos e espume-os com um fuê. Junte aos outros ingredientes na wok e misture bem. Assim que o ovo branquear, desligue. Deixe esfriar. 2)Rolinhos: separe as folhas de arroz. Em uma bacia, que caiba a folha sem dobrar, ponha 1 cm de água fria. Coloque apenas uma folha por vez dentro d’água, virando de um lado e outro por segundos, deixando-a maleável. Retire, escorra o excesso d’água e deite-a em uma superfície lisa e seca. Coloque 2 col. sopa de recheio dentro e enrole. Repita a operação até ter os 8 rolinhos prontos. 3)Fritura: aqueça óleo em uma panela funda de modo ao nível do óleo ficar igual à metade da altura do rolinho. Deixe esquentar e frite os rolinhos aos poucos, virando-os até dourarem por igual. Retire e deixe secar sobre papel absorvente. Coloque-os em um recipiente com tampa. Sirva quente, como aperitivo ou acompanhado de salada.

 

 

Peixe ao coco e maracujá

Dos muitos pratos com peixe que saboreei no Vietnã, esta receita, que comi em um pequeno restaurante típico no centro de Hanoi,  foi a mais apreciada, por seu delicioso aroma, o vibrante colorido e a crocância das sementes tostadas de maracujá.

Ingredientes: 4 postas altas de peixe branco, 2 limões tahiti, 1 col. chá de sal, 1 col. sopa de óleo de coco, 1 col. chá de sal com alho, ½ cebola, ½ pimentão vermelho, ½ pimentão amarelo, 200 ml. de leite de coco, 1 maracujá doce, 1 col. sopa de salsa e cebolinha picadinhas e 1 col. sobremesa de coentro picadinho. Tempero do molho: 1 col. chá de pasta de curry verde, 1 col. chá de molho de ostra ou de peixe, pimenta à vontade.

Modo de fazer: 1)Tempere o peixe com 1 limão e sal, deixe por 15 min. Pré-aqueça o forno a 200 graus e asse o peixe em forma untada com óleo de coco. 2)Passe a polpa do maracujá na peneira e guarde o suco. Separe as sementes e torre-as. 3)Corte os legumes em quadrinhos. Frite-os no óleo de coco com o tempero. Acrescente o leite de coco, o suco do maracujá e de 1 limão. Prove e retifique a seu gosto. Deixe o molho ficar cremoso ou engrosse-o com amido de milho. Por último, na hora de servir, junte ao molho a salsa, o coentro e as sementes torradas. 4)Disponha as postas do peixe assado no prato e regue com o molho. Sugiro server com arroz branco.

Dica – faça seu molho de curry verde:  bata no liquidificador 1 col. de café de cada um destes ingredientes: sal, açúcar, pimenta do reino branca em pó, cominho em pó, semente de coentro em pó, cúrcuma em pó, gengibre em pó ou ralado, raspa da casca de limão, molho de peixe. Acrescente: 1 pimenta verde picadinha (com cerca de 8 cm de comprimento), 1 a 2 dentes de alho, 1 col. sobremesa de cebolinha verde e de capim limão picados, 1 col. sobremesa de óleo de coco, 2 col. sopa de leite de coco. Junte água suficiente para conseguir obter uma pasta. Guarde na geladeira como uma conserva ( receita adaptada para brasileiros).

 

Banana com crosta de coco

Esta receita é muito popular nas feiras de rua de todo o Vietnã.

Ingredientes: bananinhas ouro maduras cortadas ao meio, ovo, óleo de coco, farinha grossa de coco ralado seco.

Modo de fazer: passe as bananas rapidamente no ovo batido, depois no açúcar mascavo e, em seguida, na farinha de coco. Frite-as no óleo de coco medianamente quente até corarem. Sugiro servir com sorvete de coco.

Jantar marroquino

Standard

Que tal sair da tradicional culinária de influência européia e preparar um jantar com os sabores exóticos do Marrocos?

Culinária marroquina

A gastronomia do Magreb, a parte ocidental do mundo árabe localizada ao noroeste da África, é considerada como uma das mais saborosas e requintadas do mundo. Apesar de fortes influências mediterrânea e africana, a comida é preparada segundo as normas do islamismo. Portanto, não se come carne de porco, preferindo-se a carne de cordeiro e as aves. Uma característica marcante é o uso da tagine, uma panela feita de barro cozido e esmaltada, com a tampa em forma de cone, possibilitando que o líquido do cozimento não se evapore completamente e volte a umedecer o alimento em preparo. O cozimento é lento, em fogo baixo, o que torna a comida tenra e saborosa. A tagine, sempre levada à mesa, também dá nome a pratos tradicionais, variando conforme os ingredientes. Outra característica marcante da culinária magreb é o uso de temperos de sabor marcante e ervas aromáticas. Para o nosso cardápio marroquino ( serve 6 pessoas), escolhemos uma entrada de influência mediterrânea mas com sabor local, uma tagine tradicional, o onipresente cuscuz, que acompanha todos os pratos e uma sobremesa que traduz a doce essência do Marrocos.

 

Purê de tomates confitados

Ingredientes: 4 tomates italianos bem maduros ( ou 1 lata de tomate pelati), 1 colher de café de canela em pó, 1 colher de sopa de azeite, ½ xícara de café de açúcar mascavo, 1 colher de sobremesa de gergelim torrado.

Modo de fazer: Tire a pele e as sementes dos tomates e corte-os em cubinhos. Leve-os à panela com o azeite, a canela e uma pitada de sal. Em fogo brando, deixe que se desfaçam. Junte o açúcar, em movimentos de vai-e-vem até formar um purê. Sirva frio, decorado com o gergelim e folhas de hortelã, para comer com pão árabe.

 

Tagine de carne com cebolas e tomates

Ingredientes: 1,5 kg de carne de boi em cubos (pode ser cordeiro), 3 colheres de sopa de azeite, 2 kg de cebolinhas, 3 colheres de chá de canela em pó e ½ pau de canela, 2 colheres de sopa de açúcar, 1,5 kg de tomates cereja bem maduros sem pele e sem sementes, 5 a 8 tomatinhos inteiros, 1 colher de café de açafrão, ¾ xícara de café de salsinha e coentro picadinhos.

Modo de fazer: tempere a carne com sal e pimenta-do-reino. Sele, no azeite, na panela quente ( tagine, de preferência). Retire e reserve. Na mesma panela, doure as cebolinhas cortadas em quatro. Pingue água quente, junte a canela à borra. Acrescente o açúcar, pingue mais água e apure. Junte os tomates macerados e deixe que amoleçam. Pingue água quente, aos poucos, para formar o molho. Volte com a carne. Complete com água fervente até a metade da panela. Abaixe o fogo. Quando a carne estiver quase cozida, junte os tomates inteiros e o açafrão. Misture. Assim que a carne estiver bem macia, desligue e acrescente as ervas. Sirva na tagine.

 

Cuscuz de legumes

Ingredientes: 2 xícaras de chá de cuscuz, 4 xícaras de chá de caldo de legumes caseiro, 2 colheres de azeite, 2 xícaras de chá de ingredientes picados, de sua escolha, como cebola, alho poró, abobrinha, ervilha, vagem, cenoura; grão-de-bico, favas ou lentilhas pré-cozidos. Azeite e sal. Ervas aromáticas, como salsinha, cebolinha e hortelã.

Modo de fazer: Esquente o caldo e despeje-o em uma tigela. ( Guarde 1 xícara do caldo para despejar quente sobre o cuscuz antes de servir). Junte o azeite. Acrescente o cuscuz, aos poucos, mexendo até incorporar. Deixe descansar por 5 minutos.

Em uma panela, deite o azeite, passe a cebola (e o alho poró) e junte 1 xícara do caldo. Vá acrescentando os legumes, do mais duro para o mais mole, até que todos fiquem cozidos, ao dente, e sem despedaçar.  Antes de servir, sempre bem quente, acrescente as ervas aromáticas e distribua sobre o cuscuz aquecido.

 

Tâmaras recheadas

Ingredientes: 18 tâmaras graúdas e macias, 500 gr. de amêndoas despeladas, 100 gr. de açúcar refinado, 2 colheres de sopa de água de flor de laranjeira ( compre em um empório árabe), 1 colher de café de essência de baunilha.

Modo de fazer: bata no miniprocessador as amêndoas com o açúcar e os outros ingredientes. Recheie as tâmaras.

Jantar francês

Standard

Escolher receitas francesas é um grande desafio, tal a riqueza da gastronomia mais famosa do mundo. E querer ensinar receitas francesas é uma pretensão enorme! Quando o assunto fica complicado, o melhor é apelar para a simplicidade, para as receitas caseiras, aquelas que a gente tem na memória afetiva e faz em casa desde anos. Assim, a primeira lembrança que me veio foi a de uma noite de chuva fina e fria em Avignon, no Sul da França, quando entrei em um restaurante para me abrigar e comer algo para aquecer e fui surpreendida com uma sopa deliciosa. Para o dia-a-dia, um dos pratos prediletos de minha família é o coq au vin, ou galo (faço com frango) ao vinho, uma receita simples e caseira que vem da época dos gauleses. E como sobremesa, a mais querida de todas: a tradicional mousse de chocolate francesa feita à moda antiga.

 

Sopa de grão-de-bico à Provençal

Ingredientes (4 pessoas): 200 gr. de grão-de-bico, 1 talo de alho poró fatiado, as folhas de 1/2 maço de espinafre, 1 colher de sopa de ervas frescas (salsinha, cebolinha), 2 folhas de louro, 1 colherinha de sal com alho, 1 colher de sopa de azeite, pimenta do reino branca ; 1 baguete, alho e manteiga.

Modo de fazer: Após duas horas (ou mais) de molho na água, cozinhe o grão-de-bico. Numa panela, aloure o alho poró e o sal com alho no azeite. Junte o grão-de-bico escorrido, as ervas e o louro. Refogue e despeje água quente até cobrir tudo. Acrescente as folhas de espinafre e abafe. Vigie o cozimento até as folhas amaciarem. Retire o louro e algumas folhas de espinafre (para decorar). Bata a sopa no liquidificador. Volte para a panela, regule a espessura do caldo e prove o tempero. Corte a baguete em fatias e passe um dente de alho sobre elas. Antes de servir, passe manteiga e leve-as ao forno. Enfeite cada prato já servido com grãos inteiros de grão-de-bico, folhas de espinafre e torradas amanteigadas. Para finalizar, passe um fio de azeite virgem de oliva.

 

Coq au vin

 Ingredientes (4 pessoas): 8 partes de frango, azeite, sal com alho, 1 xícara de chá de cebola picadinha, 1 xícara de café de bacon picado, 1 xícara de chá de vinho tinto e 1 colher de sobremesa de farinha de trigo.

Modo de fazer: depois de escaldar o frango na água quente, tempere com sal e alho e deixe por meia hora. Aqueça um fio de azeite em uma panela e frite o bacon. Coloque as partes do frango, frite-as de todos os lados e junte a cebola. Misture e doure até a borra do fundo começar a secar. Junte o vinho e deixe evaporar. Despeje água fervente, fora das partes do frango, até cobri-las pela metade. Baixe o fogo e tampe a panela. Continue pingando água quente, aos poucos, até que o frango fique macio, sem deixar o caldo secar. Em uma xícara, misture a farinha previamente torrada a um pouco do caldo. Despeje na panela, misture bem e deixe ferver para engrossar o caldo na medida certa. Retifique o tempero. Sirva quente com o acompanhamento de sua preferência.

 

Mousse de chocolate tradicional

Ingredientes: 350 gr. de chocolate meio-amargo aerado ( pode ser o Sufflair) picado; 60 gr. de manteiga sem sal e 4 ovos em temperatura ambiente.

Modo de fazer: Leve o chocolate e a manteiga para derreterem em banho-maria (coloque uma travessa refratária redonda dentro de uma panela com água quente pela metade) em fogo brando, mexendo sempre com uma colher de pau. Quando obtiver uma massa bem lisa e homogênea, desligue, vire em uma travessa funda e deixe esfriar. Separe as claras das gemas. Misture somente as gemas (sem pele) à massa de chocolate e misture bem. Na batedeira, em velocidade alta, bata as claras em neve, bem firmes. Aos poucos, junte as claras em neve à massa de chocolate, misturando com uma espátula de silicone, de fora para dentro e de baixo para cima, com carinho, para as claras não perderem o volume, até que a massa fique homogênea. Coloque no recipiente que irá à mesa e deixe na geladeira por, no mínimo, três horas antes de servir.

Caldo de tomate à portuguesa

Standard

Existem receitas que ficam em nossa memória afetiva para sempre. Quando, na aula de culinária, fiz esta receita para os meus alunos, muitos deles se lembraram da infância, do caldo de tomate com ovos que a avó fazia. E este foi exatamente o meu caso! Poucos dias antes, alguém me perguntou o que eram ovos escalfados e eu me lembrei da sopa da vovó Lana que, aliás, não só preparava para nós esta deliciosa sopa como muitas outras receitas de família, de origem portuguesa. Então, primeiro, aprenda a fazer um ovo escalfado ou, se preferir a tradução francesa, um ovo poché. Veja aqui a dica de como fazê-lo.

Caldo de tomate com ovos escalfados

Primeiro faça um molho de tomates. Se não quiser fazê-lo, pode substitui-lo por tomate pelati italiano em lata (até o item 4)

  1. Compre tomates tipo italiano maduros e perfeitos. Se possível, deixe que acabem de amadurecer ao sol. Costumo fazer o molho com 2 ou 3 kg de tomates.
  2. Lave-os bem e faça em cada um deles um corte superficial em formato de cruz. Em uma panela com água fervente, vá colocando-os em imersão e retirando-os assim que a pele começar a se soltar. Leve-os sob água fria e termine de despelá-los. Corte-os em quatro e retire as sementes e partes brancas.
  3. Coloque os tomates despelados e cortados em uma panela grande. Deixe que desmanchem, sem acrescentar água, até formar uma pasta “pedaçuda”.
  4. Corte bem miúdo uma cebola grande para cada quilo de tomate. Separe uma colher de café de sal com alho por quilo de tomate (vai ficar suavemente temperado). Corte também salsinha e cebolinha verde bem miúdo, na quantidade de uma colher de sobremesa por quilo de tomate.
  5. Em outra panela, deite uma colher de sobremesa de azeite por quilo de tomate e deixe amolecer a cebola. Frite o sal com alho e junte as ervas. Acrescente os tomates já quase cozidos (como vêm na lata de tomate pelati – neste caso, acrescente 1/2 colher de café de açúcar para cada lata, para tirar a acidez). Mexa bem e deixe o molho terminar de cozinhar, acrescentando água fervente, se necessário, até o ponto de molho.

Agora, o Caldo de tomates: 

Para cada pessoa, separe 2 xícaras de molho de tomate e 1/2 batata inglesa já cortada em cubos e cozida ao dente. Leve o molho ao fogo e junte os cubos de batata. Deixe ficar bem quente e então acrescente um pouco de amido de milho misturado com água para obter a consistência de caldo. Mexa bem. Prove o tempero, colocando mais sal e também pimenta, caso queira.

À parte, corte um pedaço de linguiça tipo calabresa* em cubinhos ( o equivalente a 1/2 xícara de café por pessoa), coloque-os para ferver em pouca água e deixe a água secar completamente, de modo que os cubinhos sejam fritos na própria gordura da linguiça.

Corte cebolinha verde (o equivalente a 1/4 de xícara de café por pessoa).

Com o caldo já aquecido e a linguiça e a cebolinha verde já prontas para irem à mesa, em vasilhames separados, faça os ovos escalfados – um para cada pessoa.

Sirva o caldo imediatamente, bem quente, em cumbucas ou pratos fundos, da seguinte maneira: coloque em cada recipiente um ovo, derrame o caldo por cima e enfeite com os cubinhos de linguiça e a cebolinha verde. Sirva acompanhado de pão.

  • Há receitas em que se usa bacon ao invés de linguiça

Ovo poché

Standard

Esta maneira de se cozinhar um ovo é bastante saudável pois não se usa qualquer tipo de gordura, seja óleo, azeite ou manteiga. Na França é muito popular comer-se ovos beneditinos no brunch de domingo ou no pequeno almoço. A receita clássica, também comum nos Estados Unidos, é servir ovos pochés sobre uma fatia de pão coberta com fatias finas de presunto cru ou salmão defumado. Por cima dos ovos, vem uma boa colherada de creme holandês ( feito à base de gemas, manteiga, limão e sal).

Dica de como fazer um ovo poché perfeito:

Separe um ovo, uma panela com cerca de 20 a 25 cm. de diâmetro, uma xícara, um fouet ( batedor de ovos manual com espiral ), uma escumadeira e um pratinho coberto com um guardanapo.

Encha a panela de água até a metade e leve-a ao fogo alto até que a água comece a borbulhar. Quebre o ovo dentro da xícara. Bata energicamente a água com o fouet na posição vertical, rodando-o no sentido horário até formar um redemoinho. Assim que notar um buraco no meio da água, coloque ali o ovo, delicadamente, para não romper a pele da gema. Abaixe o fogo para  a temperatura média e deixe que o ovo cozinhe até o ponto desejado. Retire-o cuidadosamente com a escumadeira e coloque-o sobre o guardanapo para retirar o excesso de água. Sirva imediatamente.