Canapé de alho poró com queijo brie

Standard

Este canapé é ótimo para servir de entradinha acompanhando espumante, vinho ou whisky. A forminha ideal para o canapé é aquela de massa folhada que você compra pronta em pacotinhos – as da Arosa são excelentes. A receita a seguir é para 30 forminhas.

Você vai precisar de 1 talo de alho poró, 1 colher de sobremesa de azeite ou manteiga, 1 dente de alho pequeno socado com 1 colher de café de sal, 1 fatia de 100 gr. de queijo brie, ½ a 1 xícara de leite, 1 colher de sobremesa de farinha de trigo. Para a cobertura, 1 xícara de chá de queijo minas tipo canastra ralado.

Corte o queijo brie em lâminas finas. Em uma panelinha, torre a farinha de trigo, retire e guarde em uma xícara. Na mesma panela, no fogo fraco, despeje o leite e derreta o queijo. Junte a farinha e mexa até ferver. Acrescente mais leite, se necessário, até obter um creme bem liso da consistência de mingau. Reserve.

Em uma frigideira, doure o sal com alho na manteiga ou azeite e junte o alho poró. Mexa até que frite por igual. Junte o creme. Misture. Prove o tempero, pode acrescentar uma leve pitadinha de noz moscada e outra de pimenta do reino. Verifique o ponto do creme: deve ter uma consistência média, fácil de colocar às colheradas nas forminhas.

Preencha as forminhas com a ajuda de uma colher de café, enchendo-as até ¾ do volume. Cubra com o queijo minas ralado.

Coloque as forminhas em um tabuleiro forrado com papel manteiga ou ligeiramente untado com óleo. Leve ao forno pré aquecido a 180 graus e asse até verificar que o queijo derreteu. Sirva quente.

Quer esta receita impressa? Clique aqui para baixar o PDF e imprimí-lo.

Lasagna com ragu de cordeiro e pesto de hortelã

Standard

Esta é uma receita muito especial criada pelas minhas filhas. A mamãe fica toda orgulhosa de ver como elas estão se desenvolvendo na cozinha desde que iniciamos este blog. Também temos influenciado muitas amigas e muita gente pelo mundo inteiro. O blog já gerou o nosso álbum Sal & Alho – que virou mania de colecionar receitas – e até o nosso curso de culinária que está o maior sucesso!

A filha caçula blogueira faz uma pasta caseira fantástica, que já publicamos no dia 27/09. A filha casada faz um ragu de carne maravilhoso que publicamos no último 23/10. Pois a filha casada teve a feliz ideia de juntar tudo e inventou esta receita. Fomos as três juntas para a cozinha prepará-la. Ficou divina!

Lasagna com ragu de cordeiro e pesto de hortelã

A receita é feita em quatro partes: o preparo da pasta, o preparo do ragu, o preparo do pesto e a montagem e cozimento da lasagna.

Veja os ingredientes por parte.

Parte I – Preparo da pasta caseira de lasagna:

A medida padrão é: para cada ovo,100 gr. de farinha de trigo. Para um pirex grande de uma receita pronta, que dá para 12 a 15 pessoas, vamos usar: 6 ovos e 600 gr. de farinha de trigo, mais 2 colheres de sopa de azeite e 2 colheres de chá de sal.

Limpe a superfície da bancada e coloque  a farinha de trigo pesada – 600 gr. Faça um monte como se fosse um vulcão e coloque os 6 ovos inteiros dentro da cavidade central. Com um garfo, bata ligeiramente os ovos, incorporando as gemas às claras, com cuidado para não romper as laterais do “vulcão”. Neste ponto, acrescente o azeite e o sal. Misture. Continue batendo com o garfo e aos poucos, com a outra mão, traga um pouco dessa farinha para o centro, misturando-a com os ovos, até formar uma massa homogênea. Quando a massa começar a tomar forma, largue o garfo e coloque as mãos na massa, literalmente. Faça uma bola com a massa e deixe-a descansando por cerca de uma hora, coberta com um pano.

Se tiver uma máquina de preparar massa, molde a massa em formato de bisnaga, com uma espessura que preencha a palma da mão. Com uma faca grande e afiada, corte-a, sobre a bancada, em pedaços de dois dedos de largura, como quem parte um pão. Deite cada pedaço e achate-os com a palma da mão, preparando-os para passar no cilindro. Se a massa não estiver seca, polvilhe-a com farinha de trigo antes de passá-la no cilindro. Isto é muito importante, pois se a massa estiver úmida, vai grudar na máquina e danificá-la. Agora chame um assistente, pois esta parte requer quatro mãos – duas para controlar a máquina e duas para controlar a massa. Comece pela medida mais larga da máquina. Insira a massa na parte de cima e recolha a massa espichada por baixo, com cuidado para mantê-la esticada. Para obter uma massa mais homogênea, dobre-a em três partes, no sentido do comprimento e passe-a novamente na mesma medida de cilindro, por três vezes. Atenção: a massa a ser inserida não deve ser mais larga do que a máquina, sobrando de um a dois dedos de cada lado. Prossiga diminuindo a espessura, repassando a massa uma vez em cada número, até obter uma massa fina e bem comprida. Reserve uma superfície grande e seca, polvilhada com farinha de trigo para descansar a massa. Ao repousá-la, polvilhe também um pouco de farinha por cima. Repita o mesmo procedimento com todos os pedaços. Ao terminar, recorte as fatias nas laterais, para um melhor acabamento. Observe a travessa em que vai montar e tente recortar suas grandes lâminas em pedaços que se encaixem na mesma.

Se não tiver a máquina, abra a massa com o bom e antigo rolo de massa, sempre com o cuidado de polvilhar a bancada e também o rolo sempre que necessário. Neste caso, o objetivo é obter lâminas de massa aproximadamente da mesma espessura. Corte em retângulos ou quadrados que se encaixem na sua travessa.

Para cozinhar as lâminas da massa: ponha água para esquentar em uma panela grande. Quando a água ferver, coloque 4 lâminas de cada vez e deixe por cerca de 3 minutos ou até que fiquem esbranquiçadas e se partam com o garfo. Durante o cozimento, mexa com um garfão para não agarrarem umas nas outras. Quando estiverem ao dente (oferecendo ligeira resistência ao corte), retire-as separadamente usando o garfão e disponha-as abertas sobre um pano de prato. Esta é a parte mais difícil: é importante abrí-las por completo, mesmo muito quentes, usando a ponta dos dedos, de pouco em pouco. Agora sua massa está pronta e você poderá usá-la imediatamente, tal como usa as compradas prontas.

Se quiser ver mais fotos do preparo da pasta veja a receita publicada no dia 27 de setembro.

 

Parte II – Preparo do ragu de cordeiro

Para o recheio desta lasagna de hoje, considere: 1,5 kg. de pernil de cordeiro desossado, já temperado, cortado em cubos. Separe: 1 colher de sopa de azeite, ½ xícara de chá de bacon picadinho,1 cebola, 2 cenouras, 2 dentes de alho,1/2 xícara de chá de vinho tinto, 2 latas de pomodori pelati (ou 6 tomates sem semente picadinhos) , 2 xícaras de chá de caldo de carne (400 ml) e um bouquet garni. 
Sal, a gosto. Vai precisar de uma panela grande com tampa e uma colher de pau.

Frite o bacon no azeite. Assim que começar a soltar a gordura, acrescente os cubos de carne e frite-os até corar. Tire a carne da panela e reserve. À parte, cozinhe as cenouras até começarem a amolecer.

Na mesma panela, frite bem a cebola picadinha, o alho e a cenoura picadinha. Quando começar a agarrar, junte o vinho, misture e deixe evaporar. Acrescente um pouco do caldo de carne previamente aquecido e raspe o fundo com uma colher de pau para formar o primeiro caldo. Deixe reduzir e junte os tomates da lata (ou os tomates picadinhos) e aí volte com a carne para a panela. Junte o caldo de carne quente e o bouquet garni. Prove o sal e tampe a panela. Deixe cozinhar no fogo baixo por, pelo menos, 2 horas. Se, ao final do cozimento, a carne não estiver desmanchando, termine de desfiá-la e misture-a novamente ao molho. Deixe em fogo baixo ainda por uns 20 minutos para que a carne desfiada fique bem incorporada ao molho. Não se esqueça de retirar o bouquet garni e os dentes de alho, se ainda estiverem inteiros.

Se quiser ver mais fotos do ragu veja a receita publicada dia 23 de outubro.

 

Parte III – Preparo do pesto de hortelã

Você vai precisar de: 1 molho de hortelã, 30 gramas de queijo pecorino, 8 pinolis, sal com alho e azeite. Junte tudo e soque com o pilão até que as folhas fiquem bem miudinhas e o azeite verdinho. Misture tudo e verifique o sal.

 

Parte IV – Montagem da lasagna e cozimento

Além da pasta, do ragu e do pesto, você vai usar 10 fatias de muçarela, para uma camada de queijo.

Escolha uma travessa tipo pirex de tamanho médio. Unte o fundo da travessa com um pouco do molho (sem a carne). Disponha as camadas: 1a. lasagna cortada de modo a preencher toda a superfície, sem sobrepor; 2a. 1/3 do ragu; 3a. lasagna; 4a 1/3 do ragu, 5a. lasagna, 6a. o restante do ragu, 7a. lasagna, 8a. muçarela, 9a. pesto.

Pré aqueça o forno a 200 graus. Leve a pirex ao forno para assar até verificar que o queijo derreteu e o molho já está quase borbulhando. Retire e sirva bem quente.

Quer esta receita impressa? Clique aqui para baixar o PDF e imprimí-lo.

Para a receita da Parte I, a pasta caseira para lasagna, clique aqui.

Boeuf Bourguignon

Standard

Receita tradicional da culinária francesa, este preparo de carne cozida permanece, desde o final do século 19, como um clássico da gastronomia. De humilde origem campestre, o prato tornou-se chique e famoso depois de descrito pelo grande mestre da arte gastronômica Auguste Escoffier e, mais tarde, pela famosa senhora americana Julia Child que morou na França e foi precursora no ensino e divulgação da gastronomia francesa tradicional. Quem viu o filme Julia & Julie com Meryl Streep no papel de Julia? Indispensável para quem ama gastronomia.

Originário da região da Borgonha, é um cozido de carne que, se for feito da maneira tradicional, leva horas entre fogão e forno: a carne é frita no bacon, passada na farinha, refogada com cenoura e cebola, coberta com vinho, caldo de carne, massa de tomate e temperos e levada ao forno baixo por horas, depois se junta a cebola e os cogumelos e finaliza. Hoje em dia já compramos carne muito macia e tais técnicas não são mais necessárias. Vamos então à maneira prática de fazer a receita:

Boeuf Bourguignon

Para 4 pessoas, compre de 600 a 800 gr. de carne de boi. Eu prefiro chã de dentro, alcatra ou patinho. Um vinho da Borgonha ou similar é indispensável. Para cozinhar junto com a carne: 10 a 12 batatinhas baby ou 4 batatas médias (não faz parte da receita tradicional mas ficam uma delícia cozidas no caldo da carne), 1 a 2 cenouras, 4 cebolas baby cortadas ao meio e 1/2 cebola picadinha, 1 tomate tipo italiano bem maduro picadinho. Na França usam-se cogumelos, acrescidos já no final do cozimento.  Você vai usar 1 copo de vinho tinto – um pouco vai para temperar a carne e o restante vai para a panela. Para finalizar, corte salsinha e cebolinha até encher 1 xícara de café.

 

Limpe bem e corte a carne em cubos de 3 cm. de lado. Tempere, com antecedência, com uma mistura de vinho tinto, cebola ralada, sal com alho (1 colher de sobremesa) e molho inglês (1 colher de café). O melhor é temperar de véspera e deixar a carne na geladeira.

Corte os outros ingredientes como mostra a foto. Ponha 5 xícaras de água para ferver em um caneco. Dê uma pré cozida na cenoura nesta água, deixando-a ainda dura. Retire a cenoura e reserve.

Tome uma panela e frite a carne no fogo alto, na gordura do bacon frito ou no óleo, até que fique bem corada, deixando uma borra escura no fundo da panela. Acrescente água quente – aos poucos – até a altura de quase cobrir a carne. Deixe este primeiro caldo reduzir. Acrescente o vinho e espere que o álcool evapore. Despeje um pouquinho de água quente pelas beiradas e, com uma colher de pau, raspe o fundo da panela até que toda a borra fique incorporada, formando um caldo escuro. Junte a cebola e o tomate picadinhos. Se começarem a queimar, coloque mais um pouquinho de óleo. Mexa bem até que comecem a amolecer. Acrescente a batata e a cenoura, misture e espere dar uma fritada. Junte as cebolas cortadas em quatro. Salpique um pouco de sal e de pimenta do reino. Se gostar, uma pitada de tomilho. Junte 2 folhas de louro. Abaixe o fogo. Adicione água quente até cobrir tudo. Prove o tempero. Mantenha a água aquecida e vá pingando água quente até o completo cozimento, tanto da carne, que fica no ponto de partir de colher, como dos legumes, que ficam cozidos mas firmes.

Se quiser apressar o cozimento, já inicie a fritura da carne na panela de pressão e, estando tudo frito e misturado, despeje água quente até um dedo acima de todos os ingredientes. Tampe a panela e espere assoviar. Conte 30 minutos e tire da pressão. Se a carne ainda não estiver macia, baixe o fogo e deixe que termine de cozinhar sem pressão, com a panela semi tampada.

Obs: há quem passe os cubos de carne na farinha de trigo antes de fritá-los para dar mais consistência ao caldo. Eu prefiro não fazê-lo.

Na hora de servir, salpique o cheiro verde, um detalhe bem brasileiro.

Quer esta receita impressa? Clique aqui para baixar o PDF e imprimí-lo.

Babaganush

Standard

O babaganush é aquela pasta de beringela deliciosa da culinária árabe que é degustada com o pão árabe. Ideal para servir como aperitivo ou para um lanche. Pronuncia-se “babarranush”.

Segredinho especial que passamos para você: como obter aquele gostinho de berinjela defumada que faz toda a diferença! A escolha e o preparo da berinjela são muito importantes. Prefira berinjelas pequenas e gordinhas. Defumar não é nenhum mistério – você poderá fazer este processo no seu próprio fogão a gás.

Para uma porção que serve 8 pessoas: 3 berinjelas pequenas, pasta de gergelim, pimenta síria, 1 a 2 dentes de alho, 2 limões tahiti e sal.

O segredinho: asse as 3 berinjelas direto da trempe do fogão até sentir uma delicioso aroma de berinjela defumada se espalhando por toda a cozinha. Durante o cozimento, vire-as, com cuidado para não se queimar, de modo que assem por igual. Deixe que esfriem e retire com cuidado a casca das berinjelas tirando toda a pele, com os dedos, sob o jato de água corrente.

Coloque no liquidificador os ingredientes na ordem a seguir e bata-os na função pulsar (ou seja, bater para picar mas sem deixar liquefazer): 1 dente de alho, 2 colheres de sopa de pasta de gergelim*, suco de 2 limões, 1 colherinha de café rasa de sal , um tico de pimenta síria e as berinjelas. Coloque a pasta batida em uma travessa, deite um fio de azeite caprichado e enfeite com folhinhas de ervas.

* a pasta de gergelim mais comum de encontrar-se à venda é a Tahine da tradicional marca Istambul, vendida em uma lata amarela e verde. É um produto muito rico em proteínas. Dica: pode ser guardado na geladeira para uso futuro, dentro da própria lata e envolto com filtro plástico.

Quer esta receita impressa? Clique aqui para baixar o PDF e imprimí-lo.

O legítimo Ragu

Standard

O ragu tradicional, de receita italiana, é feito à base de carne cozida e legumes. Os italianos dizem que deixam a carne cozinhar por um dia inteiro. Exagero à parte, é mesmo necessário que a carne cozinhe até ficar super macia e escura. Dizem que um ragu feito bem lentamente, na panela de ferro, no fogão à lenha é de se comer de joelhos. Como ninguém aqui quer fazer penitência, vamos ao legítimo ragu italiano preparado na panela e no fogão tradicionais.

Ragu de carne à moda italiana

Para 6 pessoas considere:1,5 kg de carne sem osso, cortada em cubos (a carne deve ser mais dura, tipo alcatra ou coxão mole). A carne pode ser de boi, de cordeiro ou de porco.

Separe: 1 colher de sopa de azeite, ½ xícara de chá de bacon picadinho,1 cebola, 2 cenouras,1 colher de sobremesa de sal com alho,1/2 xícara de café de vinho tinto, 6 tomates sem semente picadinhos (ou 2 latas de pomodori pelati), 2 xícaras de chá de caldo de carne (400 ml) e um bouquet garni. 
Sal, a gosto.

Vai precisar de uma panela grande com tampa e uma colher de pau.

Frite o bacon no azeite. Assim que começar a soltar a gordura, acrescente os cubos de carne e frite-os até corar. Tire a carne da panela e reserve.

À parte, cozinhe as cenouras até começarem a amolecer.

Na mesma panela, frite bem a cebola picadinha, o sal com alho e a cenoura picadinha. Quando começar a agarrar, junte o vinho, misture e deixe evaporar. Acrescente um pouco do caldo de carne previamente aquecido e raspe o fundo com uma colher de pau para formar o primeiro caldo. Deixe reduzir e aí volte com a carne para a panela. Junte o molho de tomates (ou os tomates da lata), o caldo de carne quente e o bouquet garni. Prove o sal e tampe a panela. Deixe cozinhar no fogo baixo por, pelo menos, 2 horas. Se, ao final do cozimento, a carne não estiver desmanchando, termine de desfiá-la e misture-a novamente ao molho. Deixe em fogo baixo ainda por uns 20 minutos para que a carne desfiada fique bem incorporada ao molho.

Se fizer de véspera fica muito mais gostoso – deixe passar a noite na geladeira.

Dica: Se não tiver todo esse tempo disponível para fazer o ragu da forma tradicional, apresse o processo na panela de pressão. Comece a fritura nesta panela desde o início e após acrescentar a carne e o caldo feche a panela. Após 40 minutos, retire a pressão e veja o ponto da carne. Desfie-a e volte com a carne e o molho para a panela sem pressão para terminar o cozimento (sem a tampa) por mais uns 30 minutos.

Quer esta receita impressa? Clique aqui para baixar o PDF e imprimí-lo.

Batata – aperitivo ou salada MB

Standard

Batata é sempre fácil de preparar e tem uma infinidade de receitas, inclusive você poderá inventá-las! Se, de repente, seus amigos chegarem na sua casa sem avisar e você quiser aprontar um aperitivo rapidinho, veja se tem batatas na despensa e corra à cozinha para preparar uma dessas receitas.

Batata com ervas

Tanto é ótima para acompanhar uma cerveja como para colocar na Marmita Business e levar para o trabalho junto com uma saladinha de folhas. Basta ter em casa ou comprar batatinhas baby ou batatas comuns, azeite e ervas.

Cozinhe as batatas com casca. As pequenininhas ( ou maiores cortadas em cubos) colocadas para cozinhar na pressão ficam prontas em 10 minutos. Pegue uma dessas embalagens de supermercado redondas com tampa ( veja foto) e coloque as batatas cortadas dentro. Regue com um pouco de azeite e as ervas que tiver: pode ser ervas secas tipo aromáticas ou salsinha e cebolinha, ou manjericão ou alecrim, picados miudinho – o que for do seu agrado. Salpique uma poeirinha de sal. Se quiser, acrescente pimenta do reino ou calabresa ( cuidado!) Se for fazer uma conserva para guardar na geladeira e servir até uma semana depois, pode acrescentar vinagre de vinho branco. Tampe a embalagem e balance bem até misturar tudo. Sirva fria.

Batata com cebola e ervas

Proceda da mesma forma da receita anterior para fazer a batata. Estando esta pronta, pique as cebolinhas em quatro e frite ou asse-as com pouco azeite e um tiquinho de sal. Depois junte-as às batatas.

Batata com linguiça calabresa e cebola

Neste aperitivo, excelente para acompanhar cerveja, chopp, caipirinha ou whisky, junte à receita anterior uma linguiça defumada tipo calabresa para incrementar. Para isto, corte a linguiça e coloque para aferventar em uma frigideira até a água secar. Junte um pouquinho de azeite e salteie ( frite de todos os lados por igual – sabe como? Levante a frigideira do fogo e faça repetidos movimentos para a frente em circular, de baixo para cima). Coloque a linguiça para escorrer a gordura em uma peneira e depois transfira para o papel toalha para ficar bem sequinha. Junte à batata e à cebola. Veja o prato pronto na foto do topo da página.

Ideal também para acompanhar churrasco.

Quer esta receita impressa? Clique aqui para baixar o PDF e imprimí-lo.

Kibe

Standard

Kibe é hoje uma das delícias da culinária árabe mais consumidas nos bares e casas de lanche de Belo Horizonte. Herança da imigração sírio libanesa, com certeza! Lembro-me de quando era criança e ia com minha mãe ao centro da cidade. Se eu ficasse boazinha, sem sair correndo sozinha pela rua, ela me levava para comer kibe na Rua dos Caetés. Sempre quis aprender a fazer comida árabe, porém só agora, por causa do blog, achei uma amiga, libanesa de pai e mãe e exímia cozinheira, que se dispôs a me ensinar. Depois de pronto, juro, nunca comi um kibe tão bom na minha vida! Passo a receita em primeira mão:

Kibe cru

Deixe de lado a cisma de não comer carne crua. Você come carpaccio, não é? E, afinal, a carne, seja crua ou cozida, é o mesmíssimo alimento. Abra-se a novas experiências gustativas. Não custa nada provar. Você mesmo irá fazer a receita, sabe bem da procedência da carne e cuidou pessoalmente de sua preservação e preparo. Experimente e irá adorar!

A porção por pessoa é de 100 gr. de carne e 50 gr. de trigo. Peça ao seu amigo açougueiro para moer 2 vezes o miolo de uma carne de boi que tem o nome de patinho. Pese 1 quilo da carne moída. Vai precisar também de 500 gr. de trigo para kibe e 1 maço de hortelã picadinha.

 

Ponha o trigo de molho na água fria por 1 hora. A proporção é de 1 parte de trigo para 3 de água. Escorra o excesso de água e esprema o trigo com as mãos. Misture-o com a carne moída. Dica: molhe suas mãos em água gelada para poder misturar bem a massa; desta forma não grudará nos dedos e facilitará seu serviço. Tempere com 1 colher de chá de sal com alho e a mesma quantidade de pimenta síria. Misture bem. Se você tiver um moedor de carne ou um processador, passe nele esta massa para obter uma pasta fina, pois ficará muito melhor. Veja na foto do topo como servir: deite um fio de azeite por cima da pasta e enfeite o prato com hortelã, que dá um indispensável sabor refrescante. Servido como aperitivo ou entrada, a receita dá para 10 pessoas.

Kibe assado 

Para preparar esta apreciada e famosa receita árabe você vai seguir o mesmo procedimento da receita do kibe cru, com a diferença de que a hortelã será misturada à pasta de trigo e carne. Além dos ingredientes acima citados, vai precisar também de mais ½ quilo da mesma carne moída, 1 cebola pequena, sal com alho e pimenta síria. Enquanto prepara a pasta de carne, trigo e hortelã, pré aqueça o forno, ligado em 200 graus. Reserve a pasta pronta.

Em uma panela, coloque um fio de óleo, doure 1 colher de café de sal com alho e 1 cebola média picadinha. Junte a carne moída. Misture. Continue mexendo até a carne mudar de cor. Assim que corar, desligue. Prove o sal e tempere com um 1 colher de chá de pimenta síria. Reserve.

Tome uma assadeira grande e funda. Unte o fundo e as laterais com um pouco de azeite. Coloque metade da massa de kibe cru. Espalhe bem com os dedos para formar uma camada toda da mesma altura. Por cima, coloque toda a carne moída que preparou na panela. Espalhe igualmente. Cubra com o restante do kibe cru. Espalhe por toda a superfície de forma igual. Passe a faca, cortando em quadrados ou losangos. Leve ao forno por cerca de 1 hora ou até verificar que a carne está corada por cima. Na hora de servir, regue com azeite. Esta receita serve 15 pessoas.

Quer esta receita impressa? Clique aqui para baixar o PDF e imprimí-lo.

 

Strogonoff é russo?

Standard

Diz a lenda que a receita deste tradicional prato de carne foi criada pelo cozinheiro do Conde Stragonoff ( isto mesmo, com a) nobre de importante família de São Petersburgo, na Rússia, ainda no final do século 19. A receita original russa é feita com cubos de carne envoltos em farinha de trigo, fritos na manteiga e dourados com cebola, temperado com mostarda e cozido com caldo de legumes, servido acompanhado de batatas. Na versão francesa, leva champignons e no Brasil, onde se tornou muito popular desde a década de 1960, tomou rumos diversos, existindo hoje versões de estrogonofe de frango e de camarões.

Na década de 1970, o bar e restaurante Chez Bastião, em Belo Horizonte, servia – e continuou servindo por mais de 30 anos – um estrogonofe de carne famoso, que era o carro-chefe da casa. Aos domingos, sempre almoçávamos lá e como, a vida inteira, eu tive mania de tentar copiar em casa o que comia de bom em restaurantes, fiz de tudo para conseguir a receita. Sempre foi um segredo guardado a sete chaves mas tanto fiz que consegui reproduzir este prato tão bem quanto o estrogonofe do tempo áureo do Chez. Aqui então vai a minha receita:

Estrogonofe de carne

Um filé de tamanho médio dá para fazer a receita para 8 pessoas. Para temperar: sal e alho, pimenta do reino, páprica e molho inglês. Vai usar 1 cebola grande ralada, 1 ½ xícara de chá de um bom molho de tomates, 1 colher de sopa de ketchup e 1 caixa de creme de leite.

Limpe e corte o filé, perpendicular ao fio da carne, em bifinhos de 1 cm. Deite os bifinhos e corte-o em tiras também de 1 cm. O corte certo é fundamental para a carne ficar macia. Veja aqui dica de como cortar um filé. Para cerca de 1,5 kg. de carne, prepare uma colher de sopa cheia de uma mistura de 3 dentes de alho e sal. Misture o sal com alho à carne, salpique um pouco de pimenta do reino e outro de páprica e deixe por meia hora.

Tome uma panela grande e larga, coloque no fogo forte e deite uma colher de sobremesa de óleo. Assim que o óleo estiver bem quente, vá colocando as tiras de filé aos poucos, sempre mexendo com uma colher de pau para que dourem por igual, sem dar água e sem agarrar na panela. Se começar a dar água, divida a quantidade de carne ao meio, doure uma parte, separe, doure a outra e volte com tudo para a panela ao final, mexendo até verificar que a carne está toda corada – de cor marrom – por igual.

Neste ponto, prepare-se para flambar a carne: à parte, esquente meia concha grande de vodka, whisky ou conhaque sobre a trempe do fogão até começar a evaporar. Incline a concha ligeiramente para que o líquido pegue fogo e verta-o rapidamente sobre a carne. Verá que sobe uma labareda de fogo de um palmo de altura – portanto tome cuidado para não ter nada perto para queimar – muito menos você. Deixe que o fogo se apague sozinho.

 

À parte, coloque água para ferver.

Acrescente a cebola ralada sobre o filé e doure-a, junto ao filé, até ficar marrom. Junte então todo o molho de tomate. Aconselho usar 1 lata do italiano – pomodori pelati – mas é indispensável passá-lo antes em uma peneira fina para tirar as sementes. Junte o ketchup ao molho antes de misturá-lo à carne. Misture bem. Despeja água quente aos poucos – pelas beiradas, sem lavar a carne! – até que o molho quase cubra a carne. Abaixe o fogo. Deixe ferver e prove o tempero. Acrescente 1 colher de café de molho inglês, sal, pimenta do reino e páprica a gosto. Prove – deve estar bem temperadinho. Abaixe o fogo, tampe a panela e deixe cozinhar por mais 15 a 20 minutos ou até a carne ficar bem macia. Por último, já quase na hora de servir, junte uma caixa de creme de leite, colocado previamente na geladeira para ficar mais consistente.

Se for colocar cogumelos, use os cogumelos-de-paris em conserva fatiados ou então, use os frescos, desde que já aferventados e cortados em fatias finas. Os cogumelos são colocados imediatamente antes do creme de leite.

Tradicionalmente, serve-se com arroz branco (para aproveitar melhor o molho) e batatas coradas. Gosto de usar as batatinhas baby: cozinho-as com a casca, depois despe-lo. Na hora de servir, douro-as na manteiga e acrescento ervas frescas- salsinha e cebolinha picadinhas ou então alecrim.

 

Nao vejo necessidade nenhuma de se colocar farinha de trigo (tem muita gente com mania de colocar farinha – glúten! – em tudo). Mas , se quiser, coloque 1 colher de sobremesa rasa de farinha de trigo já torrada junto com a cebola. Mas, atenção, o molho ficará espesso e sem brilho.

Quer esta receita impressa? Clique aqui para baixar o PDF e imprimí-lo.

Torta de maçã Piemontesa

Standard

Esta é a receita da torta de maçã tradicional da região do Piemonte, na Itália, que aprendi a fazer quando por lá estive, há dois anos. É fácil de fazer e bem leve. Ela é quase uma torta-bolo pois sua massa é preparada como um bolo e fica fofinha e leve. Na língua italiana não há a diferenciação entre os nomes torta e bolo, como temos aqui e como temos por exemplo em inglês ‘cake’ (para bolo) e ‘pie’ (para torta). Usando esta língua como meio-termo entre o português e o italiano, tentei então convencer os nativos de que existem as duas modalidades e são diferentes. O bolo tem uma massa fofinha e pode ser redondo, quadrado ou em formato de bolo inglês, retangular. E geralmente é formado por uma massa uniforme e única. A torta é (quase) obrigatoriamente redonda e usualmente tem duas ou três camadas: a base (de massa mais densa) o recheio cremoso, e por vezes uma cobertura. Como é o caso da torta de limão por exemplo. Mas não adianta e os italianos insistem: é tudo torta. Portanto, chamamos esta de….

Torta de maçã

Separe os ingredientes que irá precisar: 130 gr. de manteiga (veja na embalagem a medida), 190 gr. ou uma xícara de chá de açúcar, 3 ovos, 200 gr. ou 2 xícaras de chá da farinha de trigo, 3 colheres de sopa de leite morno, 2 colheres de chá de fermento. Escolha de 2 a 3 maçãs, dependendo do tamanho.

Vai precisar também de uma forma de bolo redonda daquelas de aro de abrir, com cerca de 24 cm. de diâmetro, de uma vasilha ( tipo bowl) de fundo arredondado para misturar a massa e uma espátula e/ou colher de pau.

Comece misturando, à mão, com a colher de pau, a manteiga (se estiver dura, amoleça-a no micro-ondas por 2 minutos) com o açúcar, depois junte os ovos inteiros, a farinha e o leite. Depois que a massa estiver lisinha, sem nenhum caroço, junte o fermento e bata com a espátula.

Pré aqueça o forno a 180 graus.

Descasque as maçãs e corte-as em pedaços ou fatias médias.

Unte a forma com um pouco de manteiga e despeje a massa. Nivele. Disponha por cima as maçãs, também conservando o mesmo nível. Deixe um espaço de dois dedos antes da borda sem maçã, pois a massa irá crescer e formar uma borda mais alta. Asse por cerca de 20 a 30 minutos ou até perceber que as maçãs douraram. Faça o teste do garfo ou palito – enfie na massa até em baixo, se sair limpo, a torta está assada. Importante: não abra o forno antes da torta corar.

Finalize pulverizando açúcar de confeiteiro e canela por cima.

Quer esta receita impressa? Clique aqui para baixar o PDF e imprimí-lo.

Bacalhau a lagareiro

Standard

Lagareiro é o nome pelo qual é conhecido o mestre que fabrica o azeite no lagar – uma espécie de prensa onde se tritura a azeitona para obter-se uma massa grossa que, após um processo de apuração, transforma-se no azeite extra-virgem. A receita leva este nome porque o azeite é seu principal ingrediente -quanto melhor a qualidade do azeite, melhor o sabor da receita. Experimente, além de ser a receita mais fácil de bacalhau que conheço ainda é, como se diz, “dos deuses”!

O bacalhau deve ser usado em posta. Como já ensinamos nas dicas de como escolher e preparar o bacalhau, escolha um lombo de bacalhau alto e claro. Estando salgado, lave bem e coloque de molho em água fria por 48 horas, trocando a água a cada 6 a 8 horas. Afervente para tornar mais fácil retirar a pele, a eventual gordura branca e os ossos. Em Portugal, se faz com a pele e a gordura mas já sei que brasileiro detesta o gosto da pela e da gordura – que chamamos de rançoso. Calcule uma boa posta por pessoa, em torno de 150 a 200 gr.

Para cada posta, pique em fatias finas 2 cebolas grandes e 1 cabeça de alho.

Escolha uma travessa na qual, de preferência, vá servir o peixe. Forre o fundo com uma camada de cebola, coloque as postas por cima. Distribua os pedacinhos de alho sobre o bacalhau. Cubra com cebola. Regue com azeite extra-virgem de boa qualidade até o nível da metade da posta de bacalhau. Pré aqueça o forno a 220 graus e estando quente, asse o bacalhau.

Dica: para o bacalhau adquirir um tom dourado, logo que assar pincele-o com gema de ovo e volte ao forno para dourar.

Sugiro servir acompanhado de batatas ao murro que, uma vez abertas, são regadas com o caldo de azeite do cozimento do bacalhau. Divino e perfumado!

Quer esta receita impressa? Clique aqui para baixar o PDF e imprimí-lo.

Gelatina tricolor com abacaxi

Standard

Em 1931, Belo Horizonte recebeu a visita do então Príncipe de Gales Edward 7o. e de seu irmão George 6o. que viria, anos depois, tornar-se Rei da Inglaterra. Foram recebido com uma memorável festa no tradicional Automóvel Clube de Belo Horizonte, quando um de seus salões foi batizado com o nome de Salão Príncipe de Gales. Tem este nome até hoje!

Quando eu era criança minha avó preparava para as festas especiais de família uma sobremesa batizada de Gelatina Príncipe de Gales. Ela dizia que fora a sobremesa inventada e servida para os príncipes na tal festa que marcou época na cidade. Eu achava o máximo uma sobremesa de príncipes e sempre pedia que a fizesse no meu aniversário. Vovó a servia em tacinhas de cristal tcheco(o modelo é como estas de marguerita) numa bandeja de prata coberta com paninho de croché branco engomado. Na tacinha, embaixo ficava a camada de gelatina vermelha com abacaxi, no meio a espuma cor de rosa e por cima o creme amarelo. Colocava ainda, como cobertura, uma ameixa preta com um pouquinho de sua calda. Tinha um sabor suave, era doce e geladinha. Como eu achava chique!

Desde muitos anos faço esta sobremesa para os dias de muito calor, como hoje, que também é Dia das Crianças! Porém, coloco-a em uma taça grande. Entre as duas versões, escolha a que preferir!

Gelatina Príncipe de Gales

Primeiro faça a gelatina de abacaxi, depois o creme de gemas e por último, o merengue de claras com açúcar.

A ordem de se colocar na taça é: primeiro a gelatina semi endurecida, depois o merengue – que vai ser misturado com a gelatina. Por último, o creme de gemas.

1) Para a gelatina vai precisar de 1 abacaxi maduro e 1 pacotinho de 12 gr. de gelatina em pó.

Descasque e corte o abacaxi em rodelas de 1 cm. Em uma panela coloque 3 xícaras de água e 1 xícara de café de acuçar. Misture, deixe começar a ferver e coloque as fatias de abacaxi. Assim que amolecerem, retire, escorra-as em uma peneira e pique em cubinhos, retirando o miolo. Guarde a calda, deixando que esfrie. Faça a gelatina como recomendado na embalagem. Ao invés de usar água, use a calda de abacaxi. Misture a gelatina, ainda em restado líquido, com o abacaxi cortado em cubinhos e coloque para gelar.

2) Para o creme vai usar: 1 lata de leite condensado, 1 lata de leite, 4 gemas e 1 colher de sobremesa rasa de amido de milho (maizena) dissolvido em 1/3 de xícara de café de água fria.

Misture tudo, passe na peneira e leve ao fogo em uma panelinha, mexendo todo o tempo para não formar crosta no fundo. Assim que começar a soltar da lateral da panela, desligue. Se ficar empelotado, torne a passar em uma peneira limpa. Deixe esfriar fora da geladeira.

Tão logo perceba que a gelatina começou a endurecer (uma hora de geladeira ou pouco mais) está na hora de continuar o preparo.

3) Bata as 4 claras na batedeira ( velocidade 4 em 5)até ficarem como neve. Adicione, aos poucos, 4 colheres rasas de açucar refinado, continuando a bater.

4) Tome uma tigela grande – a que vai servir a sobremesa – e misture, bem de leve, a gelatina de abacaxi com as claras batidas com açucar. Se for fazer em tacinhas, coloque a gelatina, já misturada, até metade da altura.

5) Se for apresentar a sobremesa na tigela grande, coloque por cima, bem devagar, o creme amarelo – que irá afundar em parte, formando um creme mesclado.

6) Se for servir em tacinhas, assim que colocar a gelatina misturada com as claras, coloque as tacinhas na geladeira até que a gelatina endureça por completo. Só então colocará o creme amarelo por cima, pois assim ele não afundará e sua sobremesa mostrará três camadas distintas.

7) Se quiser seguir a receita original, coloque as ameixas secas para ferver com um pouco de água a fim de soltarem o caroço. Vai formar uma calda, desligue antes que engrosse. Tire o caroço e parta cada ameixa em duas. Depois que o creme amarelo também gelar, já na hora próxima de servir, coloque uma metade de ameixa no meio de cada tacinha e regue com uma colherinha de café de calda.

Quer esta receita impressa? Clique aqui para baixar o PDF e imprimí-lo.

 

 

 

Kafta

Standard

Kafta 

Esta receita da culinária árabe é preparada à base de carne, cebola e cheiro verde e é ideal para uma refeição leve. Vai muito bem servida com salada, arroz ou pão árabe. Como pode ser servida quente ou fria e dura bastante na geladeira, selecionamos esta receita para a nossa linha Marmita Business, pois você poderá faze-la de véspera ou no final de semana e levar para o trabalho no meio da semana. A receita a seguir serve 8 pessoas, desde que não seja prato único.

Você vai precisar de 1 quilo de carne moída de primeira qualidade. Peça ao seu amigo açougueiro para moer 2 vezes o miolo de uma carne de boi que tem o nome de patinho.

Pique 1 a 2 cebolas em quadrinhos bem miudinhos. Pique 2 molhos de salsinha e 1 de cebolinha o mais miudinho que conseguir. Esta é a receita tradicional mas, se quiser, pode acrescentar 2 a 3 tomates picados bem miudinho. Eu fiz das duas maneiras e gostei mais da que leva tomate.Veja aqui dica de como cortar o tomate.

Pré aqueça o forno na temperatura de 200 graus.

Misture a carne moída com a cebola e o cheiro verde ( e o tomate, se for incluir). Tempere com o suco de 1 limão, 1 colher de chá de chá de sal com alho e a mesma quantidade de pimenta síria. Misture bem e prove.

Tome um pirex de tamanho médio e assente a massa de modo uniforme. Leve para assar por aproximadamente 1 hora ou até ver que a carne está corada.

Quer esta receita impressa? Clique aqui para baixar o PDF e imprimí-lo.

 

Culinária árabe

Standard

Culinária árabe em Belo Horizonte

Nos anos 1910, quando Belo Horizonte, fundada no finalzinho do século 19, contava ainda com uma população que se conhecia pelo nome, chegaram os primeiros imigrantes libaneses e sírios fugindo das guerras e da instabilidade econômica de seus países de origem para tentar uma vida nova no Brasil. Sem domínio do idioma, iniciaram-se como mascates para logo abrirem seus estabelecimentos comerciais na região central, na Rua dos Caetés. Nova leva de imigrantes veio nos anos 1940. Esta gente amável e trabalhadora, que sempre deu importância à cultura e à tradição, progrediu rapidamente, integrando-se à hospitaleira sociedade local.

Para nossa felicidade, conservam com primor a sua tradição culinária. Hoje, o kibe e o pão árabe marcam presença constante nos bares e padarias da cidade.

Sempre amei o sabor da comida árabe e tive a grande sorte de contar com a delicadeza e a boa vontade de uma amiga, genuína descendente de libaneses, para ensinar-me a preparar diversos pratos da maneira autêntica e tradicional do Líbano. De hoje em diante vamos presentear nossos seguidores com uma série de receitas deliciosas, muito saudáveis e fáceis de preparar.

Veja as fotos de algumas das receitas que já testamos, aprovamos com louvor e vamos passar para vocês, de hoje em diante, a cada sábado. Siga-nos!

Pão de frigideira

Standard

Este pão é baseado no pão Naan indiano que é um pão chato, parecido com o pão sírio e muitos dos pães mediterrâneos. São normalmente servidos como entrada ou acompanham o prato principal, sendo o acompanhamento perfeito para pastas e molhos típicos desta região. O indiano é levemente adocicado, para contrapor aos temperos fortes desta culinária. Tradicionalmente são assados em fornos de pedra ou cerâmica e são muito rápidos de preparar. Dependendo do forno, gasta-se até segundos para assar e ele já sai cheiroso e delicioso do forno para a boca! Como não temos um desses fornos em casa, podemos fazer na frigideira, rapidinho, sem ficar esperando na frente do forno!

Listinha dos ingredientes: 3/4 de xícara de chá de água fervida, 1 colher de sopa de mel, 7 gramas de fermento biológico instantâneo (ou uma colher de sobremesa rasa), 2 xícaras de chá bem cheias de farinha de trigo, 1/2 xícara (ou 100gr) de chá de iogurte grego tradicional, 2 colheres de sopa de óleo de canola, 1 colher de sobremesa cheia de sal.

Misture o mel e o fermento à água quente e deixe descansar por 10 minutos até formar uma espuminha. Misture então o líquido do ferment, levemente, para que o fermento que ficou no fundo suba. Despeje em uma tigela grande de vidro e acrescente a farinha, o iogurte, o óleo e o sal. Mexa até formar uma massa. Usando as mãos, sove a massa até ficar macia, por cerca de 5 minutos. Comece no próprio recipiente e quando tomar forma, passe para uma superfície lisa e limpa, polvilhada com farinha de trigo. A massa não deve grudar nas mãos mas deve ficar ainda úmida. Se precisar, acrescente mais farinha. Dica: se a massa continuar grudando (na verdade grudando na massa que está na suas mãos) lave-as bem, seque e volte a amassar. Verifique o ponto.

Volte com a massa para a travessa de vidro, ainda suja de farinha de trigo e cubra-a com um pano molhado. Deixe descansando até dobrar de tamanho, por cerca de uma hora.

Transfira a massa para uma superfície lisa e divida-a em 10 pedaços. Polvilhe a superfície com farinha de trigo e, com um rolo, também polvilhado na farinha, abra um pedaço de cada vez, em círculos de cerca de 20 cm de diâmetro.

Esquente uma frigideira anti-aderente. Coloque um círculo de massa de cada vez, deixando por 2 a 3 minutos de cada lado. Quando começar a formar bolhas, está na hora de virar.

Sirva ainda quente, molhando o pão no azeite, na pasta ou no molho de sua preferência.

Quer esta receita impressa? Clique aqui para baixar o PDF e imprimí-lo.

Bolinho de espinafre

Standard

Mineiro adora um bolinho. Para servi-los como aperitivo, acompanhando cerveja ou caipirinha, faça-os pequenos e em forma de bolinha. Como guarnição, combina com bife de lombo, carne de panela, frango e por aí vai. Para esta finalidade, pode também moldá-los maiores e alongados, como na foto. É muito fácil de fazer, veja a receita.

Bolinhos de espinafre

Vai usar um molho de espinafre, 1 ovo, 1 xícara de farinha de trigo, sal e alho. Para a fritura, usará 3 xícaras de óleo, que será reaproveitado. Vai precisar de 1 bacia pequena de cozinha, 1 batedor, 1 tábua, 1 panela média, 1 escumadeira, 1 peneira de metal e papel toalha.

Retire as folhas de espinafre dos galhinhos e lave-as. Coloque-as em uma panela e leve-as ao fogo com 2 colheres de sopa de água. Tampe a panela e espere que a água evapore, tendo cuidado para a água não secar completamente, pois não pode deixar as folhas escurecerem. Retire as folhas da panela e, sobre uma tábua, bata-as com um batedor até formarem uma pasta homogênea.

Em uma bacia ou travessa redonda, misture a farinha de trigo com o ovo, tempere com 2 dentes de alho amassados com 1 colherinha de café de sal. Junte o espinafre batido e misture bem. Acrescente 1 colher de café de fermento em pó.

Misture tudo e prove o sal. Faça os bolinhos com a medida de uma colher de sobremesa, se for fazer bolinhas para aperitivo ou 1 colher de sopa, se for preparar bolinhos alongados para guarnição. Coloque a colherada de massa na palma da mão e molde-os um a um. Dica: se tiver as mãos quentes e a massa começar a grudar, mantenha uma xícara com gelo a seu lado e vá passando-o nas mãos.

Esquente 3 xícaras de óleo em uma panela funda. Assim que o óleo estiver quente, teste com o primeiro bolinho. Se espumar é porque o ponto do óleo está certo. Coloque os bolinhos para fritar de modo que um não encoste no outro. Assim que corarem por baixo, vire-os. Quando corarem por igual retire-os com a escumadeira e coloque-os na peneira para escorrer. Em seguida, coloque-os sobre o papel toalha, com outra folha por cima até ficarem bem sequinhos.

Sirva-os bem quentinhos.

Para variar, coloque dentro de cada bolinho um quadrinho de queijo minas, fica delicioso!

Quer esta receita impressa? Clique aqui para baixar o PDF e imprimí-lo.

Pavlova

Standard

Na Rússia existe uma companhia de balé muito famosa de nome Bolshoi. Foi fundada em 1776 e tem um teatro maravilhoso na cidade de Moscou, onde são encenadas óperas e espetáculos de balé. A primeira escola do balé Bolshoi fora da Rússia foi aberta em 1998 na cidade de Joinville, no estado de Santa Catarina, no Brasil, considerada a capital da dança clássica em nosso país.

A bailarina mais famosa do Bolshoi se chamava Anna Pavlova e esta sobremesa foi criada em homenagem a ela. Austrália e Nova Zelândia disputam a sua criação mas hoje é uma sobremesa conhecida em todo o mundo e feita de várias maneiras.

A receita mais tradicional é um merengue – ou suspiro – baixo e largo, do tamanho de um prato, recheado com chantilly e morangos. O merengue é preparado batendo-se claras de ovos até ficarem bem duras e adicionando-se açúcar até o ponto de se fazer uma bolinha firme na palma da mão. Pode adicionar umas gotinhas de limão. Depois se leva ao forno a 180o para assar, tomando cuidado para não corar. O chantilly é um creme de leite batido até ficar bem fofinho, ao qual também se adiciona açúcar.

Em nossa casa fazemos esta sobremesa de maneira tão fácil que até criança pode fazer sozinha!

Veja o que vai precisar:

– 1 saco de suspiros – acha-se para comprar em loja ou banca de mercado que vende biscoito;

– 1 embalagem de morangos maduros com aproximadamente 12 a 15 morangos;

– 200 gr. de chantilly ( se não achar pode substituir por creme de leite batido com açúcar).

 

Escolha uma travessa de vidro transparente.

Lave e corte os morangos do mesmo tamanho dos suspiros.

Para montar: coloque uma camada de morangos, outra de suspiros, cubra com o chantilly. Repita até acabar com os ingredientes.

Ponha na geladeira e sirva de 3 a 5 horas depois que tiver terminado de fazer, pois assim os ingredientes se misturam e produzem um caldinho delicioso.

 

Dica: se quiser fazer uma sobremesa individual com menos açúcar pode substituir o chantilly por iogurte natural e montar com morango e suspiros em uma taça.

Quer esta receita impressa? Clique aqui para baixar o PDF e imprimí-lo.

Ossobuco à italiana

Standard

Sábado passado, minha filha casada veio nos visitar trazendo uma sacola cheia de ingredientes e uma proposta: nos ensinar a sua receita de ossobuco aprendida na Itália! Já havíamos comido um ossobuco delicioso em um jantarzinho especial na casa dela e achamos que vocês mereciam esta receita.

O ossobuco é uma carne considerada de qualidade inferior pois é um corte transversal do músculo da parte traseira (canela) da vitela, cortado em rodela com o osso no meio – daí o nome ossobuco que, em italiano, quer dizer: buraco do osso. É neste buraco que fica o tutano, que não deve ser retirado pois dá um sabor especial à carne. Na região de Milão, principal cidade da Lombardia italiana, é um prato muito apreciado.

Ossobuco de vitela

A receita a seguir é a tradicional italiana. Para se fazer o molho onde o ossobuco irá ser cozido, veja a lista dos principais ingredientes: tomate, cenoura, aipo(ou salsão), caldo de carne, vinho branco e tempero: sal, alho e pimenta do reino e um bouquet garni com ervas (nesta receita usamos alecrim, cebolinha, erva doce, louro, salsa e tomilho).

Esta receita é para 4 pessoas. Antes de começar, separe: 1,5 quilos de ossobuco (ou 4 pedaços de tamanho médio); farinha de trigo; 100 gr. de cenoura em cubinhos; 1/2 cebola picada e a mesma quantidade de aipo (salsão);  2 dentes de alho picados; 400 gr. de tomate em cubos (sem semente); 1 xícara de chá de vinho branco seco; 1 colher de sopa de tomate concentrado; 1 1/2 xícra de chá de caldo de carne caseiro; 2 colheres de sopa de salsa picada; 1 bouquet garni; sal e pimenta-do-reino a gosto.

Use uma peça grande ou duas pequenas de ossobuco por pessoa. Tempere com sal e pimenta-do-reino e reserve por 15 minutos. Obs.: para ficarem bem redondinhos, amarre um barbante ao redor da carne, dando um nó de forma a ficar bem apertado e retire após selar a carne. Passe-as ligeiramente na farinha de trigo, batendo para tirar o excesso (a farinha é para ajudar a selar a carne e manter o suco dentro dela).

Em uma panela já quente, coloque bastante azeite e coloque os pedaços de carne com a ajuda de um garfão, uma ao lado da outra. Se não couber todas, repita a operação.Quando começar a sair gotinhas pelo lado de cima, vire e deixe corar do outro lado. Irá se formar uma crosta por causa da farinha. Retire da panela e reserve.

Na borra que sobrou na panela, frite a cebola no fogo alto e quando esta estiver amarelada e quase macia, acrescente o alho e em seguida junte a cenoura, o aipo e o tomate. Mexa bem até o tomate começar a despedaçar. Despeje o vinho e deixe evaporar o cheiro de álcool. Junte o caldo de carne, o tomate concentrado, a metade da salsinha e o bouquet garni. Acrescente o sal e a pimenta e prove – deve ficar temperadinho (mas não muito!) Coloque as peças de ossobuco dentro do molho, cubra a panela com papel laminado e tampe. O cozimento, em fogo baixo, leva aproximadamente 2 horas. Quanto mais tempo, mais macia a carne.

Nesta receita levamos a panela ao forno, para não perder aquela borra da carne no fundo. Para isto, a panela deve ser apropriada (pedra ou cerâmica, tipo Le Creuset ). Se a sua panela não puder ir ao forno, deixe no fogão mesmo, em fogo baixo, e vá controlando o ponto aos poucos. Quando espetar um garfo e verificar que o ossobuco está macio, soltando do osso, já está no ponto.

Sirva o ossobuco sobre uma “cama” de polenta, bem à moda italiana.

Dica: se quiser fazer um ragú do ossobuco para uma boa massa, tire do fogo (ou do forno) assim que a carne estiver cozida. Retire as peças da carne e desfie-a, desprezando o osso. Volte com a carne desfiada para a panela e leve ao fogo baixo para que absorva ainda mais o gosto do molho e chegue no ponto de servir.

Quer esta receita impressa? Clique aqui para baixar o PDF e imprimí-lo.

 

Abobrinha com carne

Standard

Comentando os aspectos da vida diária com nossas amigas, verificamos que cresce a cada dia o número de pessoas que decidiu abandonar fast-food e procurar uma alimentação mais saudável. Muitas delas não têm facilidade para conseguir um restaurante para almoçar perto do trabalho com uma comida de boa qualidade e preço razoável. Acabam comendo uma comida pesada, feita com muito óleo barato, muito sal e conservantes – o que, definitivamente, faz muito mal à saúde. Basta ver a pele do rosto de quem come na rua todo dia, com constantes problemas de acne. Posto o problema, tivemos juntas a brilhante ideia de desenvolver uma linha de refeições leves, saudáveis, fáceis de fazer em casa na véspera- ou em um dia da semana escolhido para cozinhar – que resistam bem a alguns dias de geladeira e que fiquem perfeitas – como recém-feitas – quando voltam à temperatura natural ou são aquecidas em forninho elétrico ou micro-ondas. Um desafio! Mas topamos!  Como esta nova seção do blog Sal & Alho destina-se ao público executivo, escolhemos o sugestivo nome de Marmita Business ou MB

Vamos à nossa primeira receita MB, que como as demais que publicaremos, foi testada e aprovada.

Rolinho de abobrinha recheado com carne cozida

Esta receita é de inspiração italiana. Como todas as outras da linha Marmita Business, foi feita em um dia e comida no dia seguinte no almoço. Se você tiver um forninho ou micro-ondas em seu trabalho, pode esquentar que fica ótima. Testamos também comer os rolinhos frios. Aprovado das duas maneiras!

A carne cozida pode ser preparada em maior quantidade e guardada na geladeira por até 5 dias ou então deixada congelada para uso futuro. Para fazer de 3 a 4 porções de carne, compre 400 gr. de alcatra, patinho ou chã-de-dentro. Misture à parte o seguinte tempero: 1 colher de chá de sal com alho, 1/2 colher de café de molho inglês, 2 colheres de sopa de vinho tinto (ou água) e 1/2 cebola branca pequena. Passe este tempero na carne e deixe-a descansando por 1/2 hora. Para o cozimento da carne: esquente em um caneco 4 xícaras de chá de água. Coloque a carne no fundo de uma panela de pressão( veja como usar) com 1 colher de óleo. Frite bem, até mudar de cor e corar. Despeje então a água fervente e tampe a panela. Depois que começar a apitar conte 45 minutos. Espere a pressão acabar e a tampa cair. A carne deve estar bastante macia. Retire-a da panela. Sobre uma tábua, desfie-a em pedaços usando dois garfos.  A carne está pronta para várias receitas!

Para esta receita, considerando 4 rolinhos para 1 pessoa, separe para o recheio 1 xícara de chá cheia da carne cozida e desfiada. Junte 1 colher de sopa cheia de molho de tomate e 1 colher de café de ervas ( salsinha e cebolinha frescas picadinhas ou erva aromática desidratada). Misture e reserve para rechear as fatias de abobrinha.

Corte fatias finas da abobrinha de comprido, usando um cortador. A abobrinha permanece com casca e sementes. Coloque as fatias em uma panela, salpique um pouquinho de sal e abafe (tampe) por 1 a 2 minutos, só para amaciar e ficar mais fácil de enrolar.

Coloque uma colher de chá cheia do recheio dentro de cada fatia e enrole. Disponha os rolinhos em uma travessa refratária. Cubra com um pouco de molho de tomate e um fio de azeite e leve ao forno até ver que a abobrinha está cozida ( fica translúcida)

Se preferir fazer com berinjela, a receita é a mesma. Porém, não se esqueça que berinjela escurece depressa e depois não presta mais. Para que isto não aconteça, assim que cortar as fatias, mergulhe-as em água. Depois escorra e prossiga o preparo da receita.

Quer esta receita impressa? Já foi publicada anteriormente com o nome de Involtini de zucchini. Clique aqui para baixar o PDF e imprimí-lo.

Feijoada magra

Standard

Como todos sabem, a feijoada é o prato típico brasileiro mais consumido nos estados do Sudeste. Presença indispensável no bufê dos restaurantes de comida a quilo nas sextas-feiras e servida no cardápio dos restaurantes tradicionais no sábado, é também inspiração e razão para muitos almoços e festas, tanto familiares como de comemorações sociais.

Até mesmo a nova geração saudável, que tem como credo uma dieta restrita em calorias, não deixa de escapulir, uma vez ou outra, e se esbaldar numa boa feijoada. É o caso de minha família, que durante a semana toda praticamente só se alimenta seguindo uma dieta light. Mas à feijoada da mamãe no domingo ninguém resiste. Só tem um detalhe: cedo estão na cozinha para conferir se estou mesmo tirando a gordura das carnes! Diz-se que á a gordura que dá sabor. Desafio! Experimente esta receita de feijoada – menos calórica é impossível de ser feita – e prove o seu delicioso sabor! Tem mais: é de fácil digestão e não dá aquele sono e sede habituais de quando se ingere comidas pesadas.

Para 6 pessoas pode-se calcular 60 gr. de feijão preto por pessoa x 6= total 360 gr. Escolhi apenas os ingredientes de nossa preferência: 400 gr. de lombo defumado, 300 gr. de costeleta defumada, 200 gr. de paio e 200 gr. de linguiça tipo calabresa. Para o preparo da feijoada vai precisar de 50 gr. de bacon, 1 colher de sobremesa de óleo, 1 colher de sobremesa rasa de sal com alho ( ou 3 dentes de alho e uma colher de chá de sal), 1 cebola média, 3 folhas de louro e pimenta malagueta. Para a finalização, 1 colher de sopa cheia de salsinha e cebolinha picadas. Importante: inicie o preparo da feijoada pelo menos três horas antes do horário que pretende servi-la.

O feijão: comece colocando, de véspera, o feijão preto, catado e lavado, de molho em uma quantidade de água que o cubra por 2 dedos. No dia seguinte, verá que os bagos dobraram de tamanho pois absorveram toda a água. Assim gastará muito menos tempo para cozinhá-los. Despeje o feijão na panela de pressão e coloque água fria até cobri-lo por 2 dedos. Ponha do fogo forte. O tempo de cozimento dependerá do tempo de colheita do feijão e do calor do fogo. Normalmente, depois que a panela começa a apitar marque 10 minutos e desligue. O ponto certo do feijão cozido é quase duro, oferecendo um pouco de resistência ao ser mordido.

As carnes: enquanto o feijão cozinha, corte, sem dó, as gorduras brancas e amarelas do lombo e da costela, rapando ainda com a faca para tirar toda a gordura externa. Corte as costelas entre os ossos e o lombo em cubos de 3 cm. de lado. Corte o paio em fatias de um pouco menos de 1 cm. e a linguiça em tronquinhos de 3 cm. Lave tudo com água quente, escorra e ponha para ferver em uma panela grande, cobrindo as carnes com água quente. Como o lombo leva muito mais tempo para cozinhar, coloque-o em uma panela separada. Afervente o paio, a linguiça e a costela por 15 minutos e o lombo por 30 minutos. Escorra a água e coloque tudo em uma travessa. Leve ao micro-ondas por 12 minutos – assim irá secar toda a gordura excedente.

 

Os temperos: enquanto as carnes fritam no micro-ondas, fatie o bacon em lâminas finas. Pique a cebola no processador para ficar tão fina quanto um purê. Bata o alho e acrescente o sal. Pique a salsinha e a cebolinha e reserve.Prepare também o vinagrete, cortando bem miudinho: 1 tomate tipo italiano maduro, 1 cebola média, salsinha e cebolinha que dê 1 colher de sopa cheia. Misture 1 colher de sobremesa de azeite e o dobro de vinagre. Não coloque sal e tempere com pimenta à gosto.Se tem na família a turma da pimenta, separe um pouco do vinagrete e coloque mais pimenta, de preferência, da malagueta picadinha.

A feijoada: Muita gente faz o feijão e as carnes separadas. Para mim, o bom da feijoada é o gostinho especial do caldo de feijão cozido junto com as carnes. Escolha uma panela grande e grossa, de preferência de ferro, para fazer a feijoada. Melhor que seja bem apresentável para poder ir direto à mesa, assim as carnes não se partem na passagem de panela para travessa.

Deite 1 colher de sobremesa de óleo na panela e coloque as lâminas de bacon para fritarem até quase torrarem. Retire-as. Na gordura que ficou na panela, frite o sal com alho e depois a cebola até amorenar. Acrescente 1/3 dos bagos de feijão cozido sem o caldo. Mexa com uma colher de pau até fritar. Amasse os bagos de modo a formar um purê grosso. Agora acrescente todo o caldo e os restante dos bagos que ficaram na panela de pressão e junte as 3 folhas de louro. Mexa bem. Coloque água para ferver em um caneco à parte e mantenha-a aquecida, para ir adicionando aos poucos à panela do feijão com as carnes.

Teste com um garfo todas as carnes. Se estiverem no mesmo ponto de cozimento, coloque todas no caldo do feijão; se alguma ( ou mais de uma) estiver mais dura, coloque-a primeiro e quando ficar no mesmo ponto das outras, junte todas na panela do feijão. Misture e prove o sal. Tampe a panela e deixe cozinhar em fogo médio. Vigie todo o tempo a quantidade de caldo – deve sempre tampar completamente as carnes e ainda sobrar cerca de 1 dedo. A pimenta deve ser dissolvida em um pouco de feijão à parte e este caldo apimentado deverá ser acrescentado aos poucos, já no final do cozimento. Prove se o tempero está perfeito, nunca coloque muito sal ou pimenta. Quando as carnes e os bagos de feijão estiverem macios, a ponto de cortar com um garfo, tire as folhas de louro. A feijoada está pronta, com cerca de 1 cm de caldo sobrando acima das carnes e do feijão. Normalmente, para esta quantidade, a feijoada deverá ter ficado cozinhando por cerca de duas horas. Eu sempre deixo a feijoada descansar por mais de meia a uma hora, pois é neste tempo que o gosto do feijão e das carnes se misturam.

Os acompanhamentos: enquanto a feijoada cozinha, faça o arroz branco. Corte a laranja – 1 pequena por pessoa – como mostram as fotos.

Ponha na geladeira a laranja e o vinagrete.

Perto da hora de servir, esquente o arroz, confira se a feijoada já está fervendo e então termine a couve e a farofa.

A couve: corte a couve como mostram as fotos. Coloque na panela uma colher de sopa de óleo ( se quiser que fique mais saborosa, aproveite o bacon já usado e deixe terminar de fritar em 1 colher de chá de óleo, azeite ou manteiga e depois retire o bacon). Quando estiver quente, jogue a couve e misture-a até que reduza o volume e brilhe. Desligue e sirva imediatamente.

 

A farofa: coloque 1 colher de sopa cheia para esquentar na panela. Acrescente 1 colher de sopa cheia de cebola processada ( fina igual a um purê). Doure 1 colherinha de sal com alho. Despeje 2 xícaras de chá bem cheias de farinha de mandioca. Misture bem e deixe começar a torrar, então desligue e sirva imediatamente.

Na hora de ira à mesa, espalhe a salsinha e a cebolinha sobre a feijoada. Coloque na mesa o arroz, a couve, a farofa, a laranja e o vinagrete.

DSCN1767

A feijoada é sempre precedida e até mesmo servida acompanhada de caipirinha.

Quer esta receita impressa? Clique aqui para baixar o PDF e imprimí-lo.