Pãozinho de batata doce

Standard

Nestas tardes frias de maio dá tanta vontade de tomar um chá quente e comer um pãozinho recém comprado na padaria! Mas para quem tem intolerância à leite e à glúten não é nada fácil, pois dá a maior tristeza quando passamos por uma padaria: não se acha um único pão que possamos comer! Não se aflija, aprenda a fazer este bolinho! Assim nem precisará ir à padaria e terá, feito por você, um pãozinho quentinho e delicioso à qualquer hora. E mais, se você ama comida fitness, este será um de seus pãezinhos prediletos!

Pãozinho de batata doce

Esta receita rende 24 pãezinhos no formato de pão-de-queijo.

Ingredientes: 1 ½ xícara de batata doce bem cozida e amassada, 1 ½ xícara de polvilho doce, 1 ½ xícara de polvilho azedo, 2 colheres de sopa de azeite, 2 colheres de sopa de biomassa de banana verde. Cúrcuma para dar cor e manjericão e sal para temperar.

Primeiro, pré-aqueça o forno a 200 graus.

Misture todos os ingredientes em uma tigela funda e vá acrescentando água, aos poucos, até formar uma pasta com consistência suficiente para enrolar.

Acrescente cúrcuma (cuidado, é pouco!), manjericão desidratado e sal a gosto. Misture bem.

Molde as bolinhas com as mãos, calculando uma colher de sopa bem cheia para cada pãozinho. Disponha-as em uma assadeira grande, untada com um pingo de azeite. Leve ao forno. Retire após 30 minutos ou quando começar a dourar.

Dica: se quiser congelá-los para uso posterior, disponha-os separadamente sobre uma superfície plana (uma assadeira, por exemplo) e leve-os ao congelador por 3 horas. Depois é só colocá-los em saquinhos plásticos e voltar para o congelador.

Espetinhos

Standard

Os espetinhos da foto são de Luang Prabang, capital do Laos, temperados com as especiarias de lá, o que lhes dá um sabor picante e ligeiramente adocicado.

Espetinhos são muito populares no Brasil. Já de muitos anos existiam bares como “Tudo no Espeto”, mas agora as Espeterias estão em voga – verdadeira febre – frequentada pelos jovens como alternativa aos cachorro-quentes, hamburguers e temakis. No Peru são muito tradicionais e por lá se chamam anticuchos. Recentemente, para minha surpresa, descobri em viagem recente à Tailândia, Laos, Camboja e Vietnã que os espetinhos são, por lá, uma das comidas mais tradicionais vendidas nos mercados e feiras de rua, preparados na grelha, como todos, mas o que lhes dá colorido e sabor especiais são os temperos.

Espetinhos de frango

São os mais comuns e para temperá-los, use:

Para um peito de frango desossado: suco de ½ a 1 limão, 1 colher de café cheia de sal com alho, 1 pitada de lemongrass (capim limão em pó), 1 pitada de galanga (gengibre em pó), 1 colher de chá de molho de ostra ou de peixe, 1 pitada de açúcar. Misture tudo antes de passar no frango. Deixe pegar tempero pelo menos por 20 minutos.

Depois é só grelhar na brasa da churrasqueira ou frigideira para grelha no fogão.

 

Como este post ficou curtinho, veja nas fotos abaixo algumas interessantes cenas de uma feira de rua muito popular e conhecida, em um vilarejo às margens do Rio Mekong, distante uma hora de barco de Luang Prabang, a capital do Laos, um pequeno país do Sudeste Asiático de gente simpática, risonha e acolhedora.

 

Bolo de Reis para intolerantes

Standard

Uma das razões de pessoas do mundo inteiro gostarem tanto deste blog é porque estamos sempre inventando novas receitas para quem tem problemas de intolerância ou alergia à glúten e à lactose, ou pior, às proteínas do leite – o que é o meu caso.

Por isto, compreendo perfeitamente a vontade dessas pessoas de comer muitas coisas gostosas que para nós se tornaram alimentos proibidos. Só que, como não me conformo de ver o que não posso comer e ficar só na vontade, sempre consigo fazer substituições e ter a grata surpresa de preparar e degustar alimentos deliciosos! Nessa experiência conto com a grande ajuda de minhas filhas, sempre me surpreendendo com ótimas receitas que experimentam e me trazem de presente. Esta receita foi feita pela minha filha mais velha como presente de Dia dos Reis para mim.

Bolo de frutas secas sem glúten e sem lactose

Ingredientes para um bolo pequeno (para um bolo maior, dobre a receita): 1 xícara de chá de mix de farinha sem glúten (use a marca Beladri ou 1/2 farinha de arroz e 1/2 fécula de batata), 1 xícara de café de açúcar mascavo peneirado, 1 colher de chá de canela,1 xícara de café de óleo vegetal, 2 ovos. Frutas secas: 1 xícara de café de passas pretas e outra de passas brancas, a mesma quantidade de amêndoas descascadas e laminadas, 5 damascos secos picadinhos, 1 colher de sopa de fermento químico, água bastante para dar liga (2 colheres de sopa, dependendo do tamanho dos ovos) e 1 colher de sobremesa de açúcar demerara.

Inicie o preparo untando uma forma de bolo pequena com um filete de óleo (passe um guardanapo para tirar o excesso e uniformizar) e farinha polvilhada. Reserve.

Aqueça o forno a 200 graus.

Misture a farinha, o açúcar mascavo e a canela. Acrescente o óleo e os ovos e mexa até ficar uniforme. Adicione 3/4 das passas, amêndoas e damascos. Reserve o restante.

Depois que tiver misturado tudo, veja o quanto adicionar de água – a massa deve ficar nem muito líquida, nem muito espessa. Adicione o fermento e misture bem, delicadamente.

Pingue um pouco de óleo (usamos o óleo de coco) no fundo da forma já untada e polvilhada. Polvilhe com o açúcar demerara para fazer uma finíssima camada. Distribua no fundo da forma as passas, amêndoas e damascos restantes (veja a foto).

Despeje a massa do bolo na forma e dê umas pancadinhas leves para nivelar (ou faça isso com as costas de uma colher).

Leve ao forno por 30 minutos ou até verificar que o bolo está corado e assado. ( faça o teste do palito e veja se sai limpo).

Obs: não abra o forno antes de, pelo menos, 20 minutos de cozimento.

Brigadeiro de colher

Standard

Todos os brasileiros e brasileiras acima de cinco anos de idade sabem fazer o famoso e tradicional docinho de nome brigadeiro, que é uma bolinha de chocolate confeitada com chocolate granulado. Costuma ser a primeira receita que as crianças aprendem na cozinha. Não existe festa de aniversário de criança sem brigadeiro, pois se não tiver é só reclamação!

Antes de 1946, esse docinho era conhecido no Sul do Brasil como negrinho. Neste ano, uma turma de senhoras cariocas da UDN passou a fazer o doce e vender nos comícios do Brigadeiro Eduardo Gomes a fim de angariar fundos de sua campanha para presidente do Brasil, daí o nome.

Esta é uma versão da receita que minhas filhas fazem desde pequenas e que hoje oferecem às amigas quando estas vão à nossa casa para uma seção nostalgia da infância. A quantidade dá para dois adolescentes gulosos ou cinco adultos educados e se come às colheradas. Nota: é indispensável nos nossos aniversários em família.

Brigadeiro de colher com cobertura de pistache

Ingredientes: 1 lata (ou caixinha) de leite condensado, 2 colher de sopa de achocolatado da Nescau, 1 colher de sopa de manteiga com sal em temperatura ambiente e 1 gema sem pele.

Fora do fogo, verta, em uma panela funda, o leite condensado e acrescente os demais ingredientes. Misture bem até obter um creme homogêneo e leve ao fogo baixo.

Dica: o segredo é mexer sem parar, em sentido horário, de preferência com uma colher de pau. Assim poderá acompanhar a mudança gradual da consistência do creme para desligar o fogo no momento exato. Verá que, estando o creme mais espesso, ele começa a agarrar no fundo, formando bolhinhas quando se raspa a panela com a colher, mas ainda sem grudar. Este é o ponto! Veja a foto.

Espere esfriar – se conseguir – coloque em uma tigela e coma de colher. Se quiser sofisticar, acrescente uma cobertura, como pistaches ou mix de castanhas.

Confissão das milhas filhas: “depois de adultas, continuamos a fazer a receita mas agora comemos o doce acompanhado de um bom vinho tinto, de preferência Malbec.  Fica delicioso!!!”

Quer esta receita impressa? Clique aqui para baixar o PDF e imprimi-lo.

Cuscuz doce

Standard

Preparando um jantar marroquino com a intenção de fazer todos os pratos em casa, deparei-me com a dificuldade de servir doces típicos. Sempre me volta a lembrança dos divinos deliciosos maravilhosos doces ( veja os da foto abaixo, só pra vocês terem uma leve ideia) que comi em um lugar mágico no Marrocos e sei que jamais comerei algo semelhante. Estávamos atravessando o deserto a caminho de Marrakesh e paramos em uma antiga fortaleza onde nos serviram chá de hortelã e doces inesquecíveis, à base da mais fina farinha, mel e frutas secas locais. Sempre tento reproduzir as delícias que provo em viagens, mas fazer estes doces, pra mim que não tenho sangue árabe, é impossível! Bem, então vamos a uma receita bem fácil, rápida e gostosa que você também pode fazer.

Cuscuz doce

 Compre um pacote de couscous medio ( da Divella ou Ferrero são os melhores). O cuscuz é sêmola de grano duro em grãos do tamanho de ½ bago de arroz ou pouco menor. Separe 2 xícaras de café de cuscuz para esta receita, que dá para 6 a 8 pessoas.

Junte ao cuscuz dentro de uma tigela funda: 6 xícaras de café de leite fervendo, 2 colheres de sobremesa de manteiga, 2 colheres de sopa de mel. Misture. Tampe com papel alumínio e deixe descansar por 5 minutos.

Pique frutas secas à sua escolha: damascos, passas, figos, ameixas, amêndoas lascadas, cascas de laranja. Junte ao cuscuz, misture bem e deixe descansar por mais 5 minutos.

Enforme dentro de uma forma dessas com furo no meio. Antes, passe uma leve camada de manteiga para ficar mais fácil de desenformar. Aperte bem. Tampe e reserve.

Faça uma calda de açúcar queimado: coloque 4 colheres de sopa de açúcar cristal para dourar em uma frigideira. Esquente água à parte. Vá mexendo o açúcar no fogo baixo com uma colher de pau e assim que começar a tomar o tom dourado despeje cerca de 1 xícara de café de água fervente, com cuidado. Deixe a calda ferver até que a calda fique lisa e no ponto um pouco mais fino do que mel.

Escolha um prato grande, coloque-o sobre a forma destampada, pressione e vire os dois juntos para desenformar. Regue com a calda caramelada.

Quer esta receita impressa? Clique aqui para baixar o PDF e imprimi-lo.

Mousse de queijo com calda de goiabada

Standard

Com muita alegria e disposição para fazer um jantar especial, as três blogueiras – mãe e filhas -reuniram-se para comemorar o retorno da filha blogueira mais nova da filial do blog Sal&Alho na Bélgica. Apesar de conversarmos virtualmente o dia inteiro sobre culinária e outras coisas, estávamos com muita vontade de ficar bem juntinhas depois de sete meses sem nos encontrar pessoalmente. Em Minas Gerais tudo se comemora em volta de uma mesa e, na nossa família, uma das formas de demonstrar afeto é cozinhar para quem amamos. E para nosso encontro gastronômico ficar mais divertido, resolvemos inventar receitas inéditas! Como nós três somos intolerantes a leite de vaca, começamos pela sobremesa.

Mousse de queijo de cabra ( para intolerantes a leite de vaca) 

Para fazer uma mousse que dá para 8 pessoas vai precisar de: 1 xícara de açúcar refinado,1 xícara de leite de amêndoas (veja aqui como fazer), 3/4 xícara de creme de leite de arroz, 300 gr de queijo de cabra, 1 garrafa de 200 ml de leite de coco, 10 gr de gelatina incolor em folha.

Opção para quem não é intolerante: 1 xícara de açúcar refinado,1 xícara de leite, 3/4 xícara de creme de leite, 300 gr de queijo de cabra ou tipo minas padrão, 1 garrafa de 200 ml de leite de coco, 10 gr de gelatina incolor em folha.

Para o molho e decoração: 5 figos frescos e 100 gr. de goiabada.

Deixe a gelatina de molho em água na temperatura ambiente por 5 minutos. Enquanto isto, pique o queijo, coloque-o no copo do liquidificador e junte os demais ingredientes. Bata até ficar uniforme. Reserve.

Esprema as folhas de gelatina com a ponta dos dedos para retirar o excesso de água e, dentro de uma xícara, leve a gelatina espremida ao microondas por 15 segundos.
Ligue novamente o liquidificador e, em baixa velocidade, vá pingando aos poucos a gelatina derretida. Despeje o creme em uma forma de 20 cm. de diâmetro com furo no meio. Deixe-a na geladeira por no mínimo 8 horas coberta com filtro plástico.

Faça uma calda derretendo, em fogo baixo, a goiabada cortada em pedaços pequenos e misturada com um pouco de água até obter uma pasta lisa e fina. Reserve.

Para desenformar: coloque a forma em um recipiente com água quente por 2 segundos e em seguida, sobrepondo o prato de servir, vire o conjunto rapidamente. Deixe que a mousse solte da forma sozinha.

Decore a mousse com os figos cortados em quatro e entorne parte da calda de goiabada, como na foto. Aqueça o restante da calda para servir à parte.

Quer esta receita impressa? Clique aqui para baixar o PDF e imprimi-lo.

Canapés de queijo

Standard

Esta receita é tão fácil de fazer que foi a primeira que aprendi com minha mãe quando tinha quatro ou cinco anos de idade. Quando as pessoas saiam mais de casa para visitar a família e os amigos sempre chegava alguém em nossa casa sem avisar e a gente corria pra cozinha a fim de preparar algo rápido e bem gostoso para agradar ao visitante. Hoje as pessoas ficam em casa conversando pelas redes sociais. Pois perdem o prazer do encontro para comer e beber junto, rolando conversa à toa noite afora. Este convívio é bom demais! Hoje vou receber amigos em casa e lembrei-me destes canapés de queijo. Guarde a receita de memória para oferecer aos seus amigos na próxima visita.

Canapés de queijo

Use o pão dormido que tiver em casa – pode ser pãozinho francês, baguete ou pão de forma. Corte-o em fatias. Mineiro sempre tem queijo minas em casa e também manteiga, ovo, sal e pimenta do reino. Mas pode ser outro queijo qualquer ou uma mistura de queijo minas com os que tiver em casa sobrando.

Para um prato de queijo ralado grosso misture 1 ovo inteiro e 2 colheres de sopa de manteiga de leite já derretida. Amasse bem e tempere com sal e pimenta do reino. Para enfeitar o canapé use a imaginação: podem ser quadrinhos de bacon, de tomate, de damasco, de pimentão, de presunto ou pode ser também uma rodelinha de azeitona – use o que tiver na geladeira e que seja do seu gosto.

Passe a massa de queijo sobre as fatias de pão, distribua os enfeites e leve ao forno quente até o queijo derreter. Sirva quente.

Quer esta receita impressa? Clique aqui para baixar o PDF e imprimi-lo.