Caldo de batata com queijo cheddar

Standard

Quando se trata de comida, sempre estou de orelha em pé escutando comentários de outras pessoas. Uma noite dessas, em um restaurante típico mineiro que serve caldos, na ausência de novidades (15 tipos e de todos já tem receita aqui no blog), perguntei às amigas se alguém conhecia algo diferente. Pois uma delas comentou que havia tomado um caldo de batatas com cheddar, receita americana. É claro que tratei de inventar algo semelhante na primeira oportunidade. Fiz à nossa moda mineira, ou seja, refogando os legumes, e ficou perfeito! Servi às amigas e todas adoraram!

Caldo de batata com queijo 

Para 6 pessoas separe: 6 batatas médias, 1 talo pequeno de alho poró ( ou 1 cebola grande), 200 gr. de queijo fundido tipo cheddar, ½ xícara de café (ou mais) de leite, 2 colheres de óleo e a quantidade suficiente de salsichão (o tamanho varia muito). Para temperar: 1 colher de café de sal com alho, 1 colher de café de sal, pitadas de pimenta do reino, noz moscada e curry. Na hora de servir juntei 1 xícara de chá mal cheia de queijo ralado grosso ( amarelos, como gruyère, ementhal e queijo do reino).

Descasque as batatas e corte-as em cubinhos. Coloque a metade para cozinhar na água com sal mas deixe-as ainda um pouco duras. Corte o alho poró em fatias finas. Derreta o queijo cheddar com leite no fogo e depois bata com o mixer até formar um creme consistente, leve e bem liso. Tire a pele do salsichão ( já vem pré-cozido) e corte-o em fatias finas.

Aqueça o óleo em uma panela média, doure o sal com alho, coloque os cubinhos de batata crua e o alho poró. Mexa bem até começar a agarrar na panela. Despeje somente a água do cozimento das batatas e deixe cozinhando até verificar que a batata está macia. Retire da panela e bata no liquidificador até obter um creme homogêneo da consistência de caldo ralo. Volte para a panela e acrescente os cubinhos que cozinhou à parte e o salsichão fatiado. Deixe terminar de cozinhar até o salsichão e a batata estarem no ponto. Não deixe a batata amolecer a ponto de desmanchar (fica ao dente). Junte o cheddar derretido e misture. Prove o sal e junte os outros temperos aos poucos. Prove se está do seu agrado.

Por último, quando for esquentar para servir, misture o queijo ralado. Sirva com bacon frito por cima e torradinhas.

Quer esta receita impressa? Clique aqui para baixar o PDF e imprimi-lo.

 

 

 

 

Ovos mexidos

Standard

Quem sabe fazer ovos mexidos sobrevive em qualquer lugar do mundo, salvo, talvez, na terra dos esquimós (será que comem ovos de pinguim?) Ao mesmo tempo que é uma tarefa muito fácil também pode ser uma obra de arte – você pode variar as cores e os sabores, inclusive pode se tornar um artista especializado em ovos mexidos! Tem mais, é um alimento saudável, nutritivo, rico em proteínas e perfeito para quem faz dieta.  Pode ser feito para o café da manhã, para qualquer hora do dia e ainda quando chega faminto em casa de madrugada e deseja preparar algo para comer que dê pouco trabalho e previna a ressaca do dia seguinte.

Basicamente vai precisar, por pessoa (em nível normal de fome):  2 ovos, 1 colher de sopa de manteiga (pode ser azeite) e sal. A partir daí começa o gosto pessoal e a sofisticação. O mais simples pode ficar delicioso se juntar 1 colher de chá de queijo minas ou parmesão ralado e salpicar cheiro verde (salsinha e cebolinha) picado na hora. Vamos à receita de hoje:

Ovos mexidos com presunto cru e aspargos

Separe dois ovos, 2 fatias de presunto e 2 talos de aspargos, azeite e sal. Pique os aspargos e coloque os tronquinhos em uma frigideira com um pouco de água ( 1/2 xícara de chá). Leve ao fogo e deixe a água secar, verificando se os aspargos estão macios. Rasgue as fatias de presunto em tamanhos que caibam na boca sem precisar partir. Enquanto isto, quebre os ovos sobre um prato fundo e bata-os com um fuê ou com 2 garfos juntos até que fique espumoso. Coloque sal (se quiser junte uma pitada de pimenta do reino).

Coloque de volta a frigideira limpa e seca no fogo e deixe que derreta 1 colher de sopa de manteiga ou azeite. Despeje os ovos assim que batê-los, de forma a ocupar toda a superfície da panela. Baixe o fogo. Espere que o ovo comece a endurecer nas bordas. É a hora de espalhar, rapidamente, os ingredientes escolhidos -no caso os aspargos e o presunto cru. Agora corte o ovo em pedaços grandes e vire-os ao contrário para tostarem levemente. Mexa tudo e sirva imediatamente. O acompanhamento perfeito são torradas acabadas de sair da tostadeira.

Use sua imaginação e bom gosto para variar os ingredientes, mas aconselho nunca usar mais de dois, a não ser que o terceiro seja queijo ou ervas:

1- use qualquer tipo de queijo, ralado ou cortado em fatias finas ou cubinhos.

2- cebola branca ou roxa cortada em fatias grossas: antes de juntar, frite-as à parte.

3- tomate: corte em fatias finas ou cubinhos e junte ao final.

4- legumes, como brócolis, cenoura, abobrinha: precisam ser aferventados à parte antes de misturar.

5- cogumelos: afervente-os antes e pique em fatias finas.

6- linguiça ( aferventar e fritar antes  no micro ondas) , salaminho ou carne desfiada picados.

7 – ervas frescas picadinhas ou ervas secas.

8- jiló ou quiabo: precisam ser fritos e escorridos à parte.

9 – alcaparras, alcachofras ou azeitonas: só retirar do vidro, escorrer e picar.

Se estiver com muita preguiça, veja o que tem de resto de salada ou carne na geladeira.

Quer esta receita impressa? Clique aqui para baixar o PDF e imprimi-lo.

 

Nápolis – Beringela à napolitana

Standard

Começamos nossa viagem pelo sul da Itália seguindo de Roma para Nápolis. Atravessamos, por terra, extensas áreas de plantio de vinhedos e produtos agrícolas, sobretudo tomate, frutas e hortaliças. Nápolis toma para si a invenção da pizza e da famosa marguerita. Realmente, esta pizza foi apresentada pela primeira vez pelo pizzaiolo Rafaelle Esposito para homenagear a rainha Margherita di Savoia quando visitou a cidade em 1889. A pizza tem as cores da bandeira da Itália: o vermelho do pomodoro ( tomate), o branco da muzzarela di buffala e o verde do basilico (manjericão).

Como não sou pizzaiola, escolhi fazer outra receita napolitana que tive a felicidade de lá provar e que também leva as cores da bandeira da Itália.

Beringela à napolitana

Escolha uma beringela (ela é verde por dentro!), uma boa passata de tomate (o vermelho), um queijo que derreta bem ao forno ( o branco). Para o toque verde, escolha também algumas ervas. Vai precisar ainda de azeite, sal e alho.

Passe no ralo grosso o queijo ( escolhi o parmegiano embora seja originário do norte da Itália) e reserve. Faça um pesto misturando o azeite com alho picado, ervas ( escolhi salsinha, cebolinha e manjericão) e sal. Triture no socador. Reserve. Ligue o forno a 200 graus.

Corte a beringela – com a casca – em fatias finas.  Enquanto corta, vá colocando de molho na água para não escurecer. Quando terminar, escorra bem.

Tome uma travessa refratária e forre o fundo com azeite puro. Distribua as camadas: beringela, passata de tomate, queijo e pesto. Repita até terminarem os ingredientes. Leve ao forno a 180 graus até a beringela ficar macia.

Sirva como na Itália, acompanhada com pão e um bom vinho.

Quer esta receita impressa? Clique aqui para baixar o PDF e imprimi-lo.

Pão da vovó Lana

Standard

Da linha Marmita Business, mais uma receitinha ótima para você fazer de véspera e levar para o seu trabalho. Nutritiva e bem refrescante para estes dias de verão. Faça-a também para o lanche do fim de tarde ou para o final de semana. E tem cara de piquenique, concorda?

Quando eu era criança adorava ajudar minha avó quando ela fazia este pão, por isto na minha família esta receita se chama Pão da vovó Lana.  Cada dia fazíamos o pão diferente, variando as cores e os sabores – para mim era como se fosse uma caixa de lápis de cor comestível! A receita de hoje leva recheio de espinafre, de tomate e de queijo ( os preferidos da vovó). Você pode variar recheando com outros ingredientes. Use vegetais ralados e cozidos (e deixados escorrer na peneira) como beterraba e cenoura, ou cru, como abobrinha ralada – desta forma é ideal para as crianças fazerem, pois não tem nada que vá ao fogo. Pode experimentar fazer com outros cremes – como de abóbora, de milho ou de cogumelos. Pode também rechear com frango desfiado, atum, patê de presunto. Use sua imaginação e tenha, a cada dia, um lanche diferente!

Pão da vovó Lana

Compre pão de forma cortado na horizontal, se achar em uma boa padaria ou supermercado. Na falta deste, faça com o pão de forma de sua preferência. Se for fazer só para uma ou duas pessoas, use a quantidade de fatias necessária para os recheios escolhidos, por exemplo, se for 3 recheios, vai precisar de 7 fatias. Se for fazer para a família toda, use o pão de forma inteiro, colocando 3 carreiras de fatias, como mostra a foto. Esta receita é para um pão inteiro.

Se for fazer recheios com cremes, faça primeiro o molho branco básico, torrando a farinha de trigo e depois acrescentando manteiga, cebola ralada, sal com alho e leite, nesta ordem. Veja a receita completa aqui. O molho deve dar o equivalente a 4 xícaras de chá cheias.

Para o creme de espinafre: lave as folhas de um molho inteiro e coloque-as com um tiquinho de água em uma panela. Deixe que a água ferva e desligue, tampando a panela. Tire o espinafre, escorra-o na peneira para secar a água e pique-o miudinho com a faca sobre uma tábua. Junte ao creme branco, aos poucos, até dar uma consistência de creme grosso. Leve ao fogo por 3 minutos. Tempere a gosto.

Para o creme de tomate: Torre 2 colheres de sopa de farinha de trigo e depois junte o molho de tomates caseiro ou pomodoro pelatti batido. Acrescente aos poucos o creme branco até obter uma consistência encorpada. Prove o tempero. Se gostar, coloque um pouco de pimenta do reino e molho inglês. Quando ferver e começar a estourar bolhas, está pronto.

Para o creme de queijo: Misture na panela o molho branco com 2 gemas e 1 xícara e meia de queijo ralado ( pode misturar os que tiver em casa, eu prefiro o minas e o parmesão em partes iguais). Prove o tempero. Gosto de acrescentar pimenta do reino branca e noz moscada. Misture com uma colher de pau até começar a soltar das laterais da panela.

Agora vamos armar o pão: coloque sobre uma travessa ou assadeira o papel alumínio aberto como mostra a foto. Distribua a 1a. camada de pão. Passe o 1o. recheio, cubra, passe o 2o. recheio, cubra, passe o 3o. recheio, cubra. Repita a operação, sempre passando os cremes com cuidado para o pão não desmoronar. Assim que terminar, faça um pacote. Leve à geladeira por, no mínimo, 12 horas antes de servir.

Se preparou o pão para a sua marmita ( a terça parte desta receita com uma pilha apenas de pão) embrulhe no papel alumínio separadamente a quantidade que for levar, conserve frio e só desembrulhe na hora de comer.

Se for servir como lanche, parta as fatias e acrescente a salada de sua preferência, como na foto do topo.

Quer esta receita impressa? Clique aqui para baixar o PDF e imprimi-lo.

Rondelli aos quatro queijos

Standard

Outro dia fiz um jantar para 45 convidados em minha casa. Eu queria fazer uma pasta com uma bela apresentação e que, além disto, agradasse (e sustentasse) aos possíveis vegetarianos como opção única de prato quente. Lembrei-me então dos cardápios de jantar que oferecíamos no hotel onde trabalhei por muitos anos e fui também responsável pela gastronomia. Escolhi fazer um rondelli de queijo ao molho bechamel. Quem não gosta?

Como decidi fazer tudo em casa, resolvi que compraria os pães e a pasta, pois estes são deveras trabalhosos. Comprei um pasta fresca de lasagna preparada artesanalmente por netos de italianos, de uma lojinha minha velha conhecida. Excelente, por sinal. Como queijos, escolhi o queijo minas da Serra da Canastra mais fresco que encontrei, queijo tipo gouda e parmesão. Comprei creme de leite fresco que vem na garrafinha ( 500 ml.), papel alumínio e os ingredientes para o molho bechamel. As ervas? Aa minha linda horta, claro!

Vamos aqui considerar o preparo deste rondelli para 12 a 15 pessoas ( para ser servido como primeiro prato) –  o que dá um pirex grande.

Comece preparando um bom molho bechamel. Para esta quantidade, separe: 1 xícara de café cheia de farinha de trigo, 1 colher de sopa de manteiga,1 cebola grande ralada, 2 xícaras de chá ou pouco menos de leite, sal, noz moscada e pimenta do reino branca. Em uma frigideira aberta, torre a farinha de trigo, mexendo sem parar com uma colher de pau ou espátula, até começar a ficar rosada. Abaixe o fogo, junte a manteiga e dissolva a farinha de trigo. Acrescente a cebola ralada, continue dissolvendo. Deixe a cebola começar a corar. Se precisar, coloque mais manteiga. Estando tudo bem homogêneo, acrescente o leite aos poucos e continue mexendo até formar um creme liso de boa consistência. Tempere. Se tiver encaroçado, use o mixer. O creme precisa ficar encorpado e bem temperado, pois será misturado – mais tarde – ao creme de leite fresco, que não tem tempero.

Prepare a massa com os queijos. Usei 1/2 queijo minas ( aproximadamente 550 gr.) e 300 gr. de queijo gouda. Passe-os no ralo grosso, dentro de um recipiente, na proporção de 2/3 de queijo minas para 1/3 de queijo gouda. Misture bem e acrescente as ervas frescas picadas bem miudinho. No caso, coloquei salsinha, cebolinha verde e um tiquinho de alecrim e de sálvia. Não precisa acrescentar tempero. Se quiser, acrescente outros queijos, como o gorgonzola, o queijo fundido ou a muçarela ou então faça a massa com os queijos que gostar.

Compre 500 gr. de pasta fresca, dessas que vem com uma folha de plástico separando cada lâmina de pasta. Conte uma lâmina da pasta por pessoa e corte pedaços de papel alumínio um pouco maiores no sentido da largura. Forre a bancada com um plástico, pois facilita para fazer os rolinhos. Enrole-os com a massa de queijo como recheio, como mostra a sequência de fotos, deixando 2 cm. sem queijo na parte superior para poder fechar, colando a extremidade da lâmina. Cada rolinho gasta aproximadamente 5 colheres de queijo. Enrole cada rolinho separadamente no papel alumínio e feche as pontas. Coloque-os numa forma e leve ao congelador por 2 horas. Retire, desenrole do papel alumínio e corte cada rolinho em 4 partes.

Misture o creme bechamel frio com o creme de leite fresco. Prove o tempero.

Separe um pirex ou travessa refratária grande – a que vai ser levada à mesa. Forre o fundo com a terça parte do creme misturado. Disponha os rolinhos como mostra a foto. Cubra com o restante do creme. Rale queijo parmesão por cima.

Cerca de 20 minutos antes de servir, leve o pirex ao forno a 250 graus para gratinar, ou seja, até ver que o creme está fervendo e o parmesão, ligeiramente corado.

Quer esta receita impressa? Clique aqui para baixar o PDF e imprimí-lo.

Batata ao murro

Standard

Todo mundo acha este nome engraçado e pergunta o porquê. Coisa de português que é literal, ou seja, leva tudo ao pé da letra. Ora, pois, pois! Esta batata tem este nome porque leva um murro!

 Batata ao murro

Como a batata brasileira é ótima de textura e sabor porém é dura, pré cozinhe na panela de pressão até que fique no ponto de enfiar um garfo e estar cozida e firme (depende de cada panela e do fogo, normalmente seriam 10 minutos depois que a panela apita). Tire a batata da panela, deixe esfriar um pouco , enxugue e enrole em papel laminado. Leve ao forno quente por 10 minutos.

Retire e leve à mesa ainda embrulhada. Na hora de servir, dê um murro com o punho na batata. Abra o embrulho, retire-a de dentro, coloque no prato e regue com o molho de sua preferência.

Sugestão de molhos:

1 – manteiga ou azeite misturado com ervas frescas picadinhas. Pode ser salsinha e cebolinha, ou estas duas com alecrim, ou só alecrim.

2 –  bacon cortado bem miudinho e frito.

3 – molho branco misturado com algum queijo. A melhor combinação é com gorgonzola, depois com provolone ou queijo minas, ou outro queijo qualquer de massa amarela.

4 – ideal para acompanhar bacalhau, neste caso, regue com o caldo da receita do bacalhau.

Quer esta receita impressa? Clique aqui para baixar o PDF e imprimí-lo.

Salada havaiana

Standard

Se estiver na praia, beleza! Porém, se estiver em casa, não fique triste…aproveite a noite estrelada e comemore a vida! Ponha um espumante pra gelar e prepare algo com a cara do verão para o seu amor e seus amigos queridos.

Salada Havaiana

Veja se tem em casa: 1 abacaxi inteiro, 200 gr. de queijo, 200 gr. de presunto ou similar (fica delicioso com frango defumado desfiado), 1 lata de milho, 1 xícara de café de passas brancas, creme de leite e maionese.

Parta o abacaxi ao meio, no sentido do comprimento. Faça uma canoinha retirando o miolo e deixando ainda 1 centímetro antes da casca. Pique o abacaxi em cubos, deixando fora a parte dura do miolo. Da mesma forma e tamanho, pique o queijo em cubos – pode ser gouda, prato ou similar. Se tiver presunto inteiro, corte em cubos , mas pode também cortar em tiras o que já está fatiado.  Escorra o milho. Deixe as passas de molho em um pouco de espumante ou vinho branco.

Faça o creme para envolver estes ingredientes:  1 xícara de café de creme de leite (deixe na geladeira com antecedência para que fique espesso), a mesma quantidade de maionese, 2 colheres de suco de abacaxi e a mesma quantidade de suco de pêssego ou de maracujá (o que tiver), ½ colher de café de açúcar, uma leve pitada de sal, outra de pimenta do reino branca e outra de noz moscada. Misture tudo em uma tigela e recheie as metades do abacaxi. Ponha para gelar.

Outra opção: substitua o queijo e o presunto por camarão e kani. Limpe e tempere o camarão com sal e limão. Frite no azeite ou na manteiga até ficar vermelho e flambe ( veja Dica – Flambagem) com conhaque ou whisky. Corte o kani e misture-os, ao final,  com os demais ingredientes. Enfeite a canoa de abacaxi com raspas de côco. Fica fantástico!

Quer esta receita impressa? Clique aqui para baixar o PDF e imprimí-lo.

Caesar Salad – a famosa

Standard

Janeiro, calor, férias! Nada melhor que preparar uma salada refrescante, nutritiva e diferente  destas de todo dia. Selecionamos 15 saladas, entre algumas  conhecidas e outras de minha criação. Para inaugurar nosso festival de saladas escolhemos uma famosa e quase centenária salada que fez muito sucesso em Hollywood nos anos 1930. A versão corrente diz que foi criada pelo chef ítalo-americano Cesare Cardini , proprietário de um hotel restaurante na Califórnia. Contam que, em 1924, ele venceu um concurso gastronômico em Tijuana , no México, com esta salada que, a partir de então, ficou conhecida no mundo inteiro pelo nome de seu restaurante.

Salada Caesar ( diga cízar)

Esta salada tem como base a alface americana, croutons e tempero à base de ovos, mostarda e azeite. A receita que passo para vocês veio de um livro antigo de receitas americano que descobri, por acaso, em um pequeno sebo (loja de livros usados) no interior da Califórnia! Bem, com esta procedência, tem grandes chances de ser a original! Gosto de incrementá-la com frango defumado e queijo ralado.

Salada é feita com intuição. Assim sendo, as quantidades serão sempre sugestivas.  Para a salada básica tradicional:  alface americana, croutons, bacon e molho Caesar.

Lave, tire o excesso de água e pique, com os dedos, as folhas de alface, do tamanho máximo que possa ser levada à boca sem ter que cortar com faca. Compre os croutons prontos ou faça-os torrando fatias de pão de leite em forma, a conta de ficarem endurecidas, e depois cortando-as em quadrinhos. Compre bacon já picadinho ou pique em cubinhos e frite com pouco óleo até ficarem crocantes.

O frango defumado é comprado inteiro e já temperado (da Perdigão); basta assá-lo no micro-ondas e depois tirar a carne dos ossos e desfiá-la em pedaços de tamanho médio – que também possam ir à boca sem precisar partir no prato. Escolha um queijo minas novinho e passe-o no ralo grosso.

Agora o mais importante, o molho Caesar:

Ingredientes: 1 gema de ovo mal cozida (7 minutos), 1 colher de chá de mostarda (aquela igual de tempero de hamburger), a mesma quantidade de molho inglês.  1 colher de café de sal com alho, 4 colheres de sopa de vinagre de vinho e 1 colher de sopa de suco de limão. Misture 1/2  xícara de chá de azeite com 1/3 de xícara de óleo. Agora coloque a gema no liquidificador, ligue-o na potência mais baixa e vá adicionando a mistura de óleo bem devagarinho, até que forme um creme da consistência de  maionese ( aliás, é a própria) . Sem parar de bater, adicione os outros ingredientes pouco a pouco. Quando o creme estiver homogêneo, o molho está pronto! Pode guardar na geladeira, pois esta quantidade é suficiente para muitas saladas.

Para montar a salada: forre a travessa com a alface, salpique o molho com a ponta de uma colherzinha, de modo que fique bem espalhado. Cuidado, não exagere porque o molho tem um sabor forte. Cubra com o frango, os croutons, o bacon e o queijo ralado. Repita até terminar. Sirva fria.

Quer esta receita impressa? Clique aqui para baixar o PDF e imprimí-lo.

Filé recheado com queijo e tomate seco

Standard

No último domingo, o Sal & Alho foi passear na casa da outra irmã, a que casou faz alguns meses. A vantagem da cozinha de recém-casados é que todos os utensílios são novinhos, brilhantes, de primeira qualidade e tecnologia avançada.

Para vocês ficarem por dentro, o perfil da irmã casada é o daquela cozinheira de final de semana que gosta de ser uma gourmet sofisticada e que não tem tempo pra cozinhar nos dias corridos de trabalho. A irmã solteira é aquela que morou sozinha no exterior e por isso teve que aprender a cozinhar a comidinha caseira de todo dia da maneira mais rápida e prática.

Então, chega de conversa e vamos ao nosso menu gourmet de hoje:

Filé Mignon recheado com tomates secos e queijo gruyère.

Sal com Alho

Separe uma frigideira ou grill e uma assadeira de forno, ambos bem grandes para caber o filé; facas, batedor de bife, garfão, barbante culinário ou elásticos próprios.

A quantidade de filé é  aproximadamente de 150 gr por pessoa, então consideramos aqui cerca de 1 kg da parte central do filé, já limpo e aparado ( veja Dica- preparo e corte de filé). Para seis pessoas, a receita leva: uma colher de sopa cheia de sal com alho,  ¾  de xícara de tomates secos (sem o óleo) e 150 gr de queijo gruyère cortado em fatias longas (aproximadamente 2 x 7 cm). Quando estiver com o filé inteiro e limpo à sua frente,  confira quantas porções terá. Cada porção equivale à 3 dedos. Pode parecer muito, mas  a carne encolhe quando vai ao  forno.

Para  fazer a carne recheada: com uma faca longa, ponteaguda e afiada,  corte o filé ao meio, como se estivesse cortando um pãozinho de sal para fazer um sanduíche.  Cuidado para não cortar até o fundo, pois o filé deve permanecer inteiro quando aberto. Abra a peça e bata a carne com cuidado (sem fazer buraco!) até obter um retângulo da largura de um palmo grande. A espessura da carne deve ficar em torno de 1 dedo. Tempere com a mistura de sal com alho e acrecente pimenta do reino moída à gosto, espalhando sobre a carne aberta. Deixe descansando por meia hora.

Disponha, no meio da peça, primeiro as fatias do queijo e por cima os tomates secos. Verifique se o que sobra da carne dos dois lados dará para cobrir a parte central recheada e ainda sobrar para o trespasse ( como se estivesse fazendo um embrulho de presente). Feche de forma que as bordas se  sobreponham em, pelo menos, 2 dedos. Massageie as extremidades até que fique bem fechadinho e colado e você não veja mais o recheio. A peça deve ficar com a aparência de um filé inteiro. Enrole  dando voltas com o barbante culinário ou com os elásticos.

Em seguida, é o momento de selar a carne. Enquanto faz isso, pré-aqueça o forno em 175 graus. Coloque a frigideira no fogo alto e deixe ficar bem quente. Dica: para saber se está mesmo quente, respingue água com os dedos sobre a frigideira; se as gotas sumirem imediatamente, já está no ponto. Despeje um longo fio de óleo e coloque a carne com a ajuda de um garfão, para não se queimar. Após alguns minutos, verifique o lado de baixo. Quando já estiver marrom no fundo e  até a metade da lateral, pode virar. A carne não pode dar água, se começar, aumente o fogo. Ao contrário, se começar a queimar sem corar, abaixe o fogo. Vá virando até todos os lados pegarem uma cor. Deve retirar com o interior ainda quase cru.

Passe um fio de óleo na assadeira, transfira a carne imediatamente e coloque no forno, que precisa estar bem quente! O tempo de cozimento irá depender da potência do forno. Para a carne não ficar seca, pode  derramar meio copo de caldo de carne já pronto quase ao final do cozimento ( puxe a assadeira para fazer isto sem se queimar). Retire quando a peça já estiver bem corada e teste se está cozida espetando um garfão. Se não sangrar, está pronta.

Sirva com purê de batatas e legumes. Outra opção, à brasileira, seria um risotto ou uma pasta.

Sal com Alho

Quer esta receita impressa? Clique aqui.