Salada com romã e presunto cru

Standard

Quase sempre abrimos a geladeira, selecionamos as verduras e legumes de nosso agrado e montamos a salada. Trabalhei por nove anos no restaurante de um hotel que servia buffet todos os dias para o almoço. A princípio, oferecíamos cerca de 20 variedades para que o cliente montasse sua própria salada. E como as pessoas que lá iam comer muitas das vezes eram as mesmas, reclamavam que todos os dias comiam a mesma salada. Mas eram elas que diariamente escolhiam os mesmos ingredientes! Passei então a montar saladas originais (com os ingredientes de sempre) e essas mesmas pessoas ficaram muito satisfeitas com a variedade. Conclusão: o importante é usar a imaginação para variar os pratos! Hoje sugerimos introduzir frutas e frios na salada. O resultado foi uma salada com paladar rico e frescor, deliciosa! Experimente esta e use sua criatividade para inventar novas saladas a cada dia.

Salada com rúcula, tomate, presunto cru e romã

Aqui vai uma dica genial para tirar com facilidade as sementes da romã:

Corte a romã em quatro partes e coloque dentro de um recipiente com água. Vire a casca ao contrário de modo a abrir a fruta para que as sementes soltem. Deixe dentro d’água para as sementes descerem e irem para o fundo e os pedaços de polpa branca boiarem. Retire e despreze a polpa, escorra a água e terá todas as sementes!

Para a salada: retire as sementes do tomate e corte-o em juliana (lascas finas). Lave e tire os cabinhos das folhas de rúcula, escorra. Monte a salada com as folhas de rúcula por baixo, o tomate entremeado, o presunto em forma de flor ao centro e espalhe as sementes de romã. Tempere a gosto, com azeite, sal e aceto balsâmico, se gostar.

Quer esta receita impressa? Clique aqui para baixar o PDF e imprimi-lo.

Vieiras na volta a Bruxelas

Standard

Há um ano e meio, com a vinda da filha caçula para estudar na Bélgica, abrimos a filial europeia do blog Sal&Alho. Com pouco tempo para cozinhar mas preferindo sempre fazer sua própria comida, por preferir uma alimentação saudável, ela nos brindou, aqui no blog, com uma série de receitas. Todas deliciosas, nutritivas, fáceis e rápidas de fazer e sempre muito bem apresentadas, com o capricho de uma arquiteta que além do bom gosto estético é uma excelente fotógrafa. Ela tem sido a responsável pelas bonitos posts do Instagram (que também aparecem na foto da faixa verde do lado esquerdo da página do blog).

Durante este tempo aproveitamos as temporadas de férias juntas para experimentar a culinária de vários países (veja na seção Sal com alho Viaja). Neste mês a filha volta definitivamente para o Brasil. Para nos despedirmos desta temporada feliz e proveitosa aqui em Bruxelas resolvemos fazer juntas algumas comidinhas com os ingredientes que tanto gostamos e que aqui podem ser encontrados por preços muito convidativos.

Vieiras com aspargos

Este prato tanto pode servir de entrada, como para um brunch de domingo. A combinação de seus três elementos ficou perfeita! Muito fácil e rápido de fazer – levou apenas 10 minutos para ser feito!

Para 2 pessoas: 6 a 8 vieiras, 6 a 8 talos de aspargos verdes, 2 ovos, azeite, sal e limão.

Coloque 1 litro de água para ferver em uma chaleira. Comece passando as vieiras rapidamente em água fervente e temperando-as com gotas de limão e sal. Escolha uma panelinha com 15 a 18 cm. de diâmetro e encha-a de água quente pela metade e coloque em outra trempe ( para fazer os ovos pochés). Tome uma frigideira, passe um fio de azeite, espalhe e coloque as vieiras para dourarem de um lado e do outro. Retire-as, deixe-as entre dois pratos emborcados para mantê-las aquecidas. Na mesma frigideira, passe os aspargos.

 

Enquanto isto, faça os ovos poché. Quebre um ovo e coloque-o com cuidado em um bowl ou travessinha redonda, de modo à gema ficar no meio da clara. Tome um fuê ou 2 garfos e movimente a água da panelinha, mexendo rapidamente em círculo em uma só direção, a fim de formar um redemoinho. Imediatamente coloque o ovo, com cuidado, no centro do redemoinho e deixe que a clara vá cozinhando, ficando esbranquiçada. Retire o primeiro ovo quando a clara estiver branca e a gema começando a endurecer. Repita a operação com o segundo ovo.

Coloque as vieiras e os aspargos no prato em que serão servidos e por último, acrescente um ovo em cada prato, como na foto principal.

Sirva acompanhado de uma fatia de pão torrado.

Quer esta receita impressa? Clique aqui para baixar o PDF e imprimi-lo.

 

Borscht – a sopa de beterraba russa

Standard

Esta sopa, proveniente da Ucrânia, tornou-se um dos pratos mais populares da Rússia, servida em todos os restaurantes que oferecem comida típica. Desde a primeira vez que a provei gostei tanto que repeti o pedido outras duas vezes em outros restaurantes. E logo que cheguei em casa testei a receita convidando as amigas para um jantar de culinária russa. Além de muito fácil de fazer, sustenta, é muito nutritiva e pouco calórica. Verifique, experimente e inclua no cardápio de sua casa.

Sopa Borscht ( ou Borsch) 

Para 4 pessoas: 2 beterrabas, 1 cenoura, 2 xícaras de chá cheias de repolho picado, 200 gr. de lagarto ( pode ser outra carne mas em 2 dos restaurantes que comi a sopa na Rússia esta foi a carne usada). Temperos: sal, pimenta do reino e páprica à gosto. Em um dos restaurantes tinha também cebola na sopa e em outro ( tipo bistrô) colocaram ameixa preta como diferencial.

Primeiro pique a carne em cubinhos e tempere. Como a beterraba brasileira é mais dura, convém pré cozinhá-la para amaciar um pouco ( se for na pressão cozinhe por 8 min.). Pique a cenoura em cubinhos e fatie o repolho em lascas finas. Esquente água à parte. O mais importante: guarde a água em que cozinhou as beterrabas.

Em uma panela funda, frite bem a carne, com o mínimo de óleo possível, até que fique marrom. Despeje um pouco de água fervente pelas beiradas e, com uma colher de pau, raspe a borra da carne para formar o primeiro caldo. Junte o caldo vermelho ( quente) em que cozinhou as beterrabas. Acrescente as beterrabas cortadas em cubinhos e depois a cenoura e, estando estas duas macias, junte o repolho. Verifique o nível do caldo, que deve tampar os ingredientes e ainda sobrar 2 cm (se precisar, junte a água fervente). Deixe que acabe de cozinhar e tempere. A sopa russa tem bastante páprica.

Sirva acompanhada de pão e de creme de leite gelado ( para que fique firme).

Quer esta receita impressa? Clique aqui para baixar o PDF e imprimi-lo.

 

Verifique como a sopa tem pouca caloria:

2 beterrabas                               600 gr.              114 calorias

1 cenoura                                     120 gr.                30 calorias

repolho                                        100 gr.                16 calorias

carne de boi ( lagarto)              200 gr.              340 calorias

total da sopa: 500 calorias ou 125 calorias por pessoa

A beterraba contém potássio, magnésio, ferro, vitaminas A, B6 e C, ácido fólico, carboidratos, proteínas, antioxidantes e fibras solúveis.

Veja abaixo as receitas originais do restaurante Mamanadache de São Petersburgo e do Restaurante My-My ( diga mumu) em Moscou.

 

Culinária russa em Moscou

Standard

Um dos meus sonhos de viagem era conhecer a emblemática Praça Vermelha de Moscou. Sempre quando conhecemos um lugar por descrições literárias, fotos ou vídeos e chega o momento de estar lá ao vivo, a experiência não nos causa surpresa alguma ou até ficamos um pouco decepcionados. Porém, em Moscou, logo que caiu a noite e vislumbrei a praça iluminada, tendo de um lado o edifício do Gum todo iluminado, do outro a extensa muralha de tijolos vermelhos e as torres do Kremlin e ao fundo a magnífica Catedral de São Basílio, arrepiei dos pés à cabeça! Deslumbrante! A iluminação dos edifícios e monumentos da cidade é tão bonita que temos que visitá-los durante o dia e voltar à noite.

Há muito o que ver e visitar na praça e no centro histórico. Só o Kremlin, onde fica a sede do governo russo, com suas torres, igrejas e museus já nos toma um dia inteiro a ver maravilhas. Correr as estações de metrô para apreciar seus lindos mosaicos e sentir-se um moscovita é um passeio fascinante, começando pelo anel central e terminando o trajeto perto do rio Moscova e da Catedral do Cristo Salvador.

Moscou está toda em reformas, preparando-se para a Copa do Mundo 2018. Ao lado da Praça Vermelha ( vermelha tem o mesmo significado de bonita) há um imenso canteiro de obras onde constroem um parque de lazer com estruturas arquitetônicas ousadíssimas. Mesmo assim impressiona pela beleza das ruas, com imponentes edifícios de diferentes épocas. Sendo verão, a cidade está toda florida e engalanada em festa para os diversos festivais de rua. Prepare-se para visitar a cidade em 2018!

Agora vamos à culinária russa! Antes da refeição ou a qualquer hora o moscovita toma uma dose de vodka gelada com petiscos, como pãezinhos e torradas acompanhados de salmão defumado, arenque, caviar, cenoura e salsão crus, azeitonas, pepino em conserva e outros itens. Servem como opção de refeição ligeira um pastel assado recheado de carne, frango ou peixe (igualzinho às empanadas argentinas) e também blinis, panquecas e crepes com recheios variados, que podem ser salgados (salmão, queijo, frango) ou doces, recheados com mel ou com geleias de frutas. Muito populares são os shawarma, um enrolado de massa fina tipo wrap recheado com legumes frescos.

O primeiro prato é sempre sopa. A mais gostosa e conhecida é a Borscht ( próximo post). Há também a Solyanka ( sopa picante de peixes, cogumelos e pepino em conserva com creme de leite), a Kharcho (feita com carne de cordeiro) e muitas outras que sempre têm frango ou peixe e legumes e folhas como batata e repolho. Dentre as receitas tradicionais tem o Pelmeni ( tipo um cappelletti recheado com carne ou frango, servido com brodo ou com manteiga de ervas ou com molho de creme de leite).

Como prato principal servem peixes grelhados, como salmão e truta, com os molhos e guarnições tradicionais da culinária francesa. Há diversas opções de ensopados à base de molhos de tomate condimentados tendo como ingrediente principal cordeiro, carne de boi ou de caça.  O famoso Stroganoff ( com a mesmo) é feito com frango ou carne de boi em cubos servido com molho de creme de leite e cogumelos. Veja aqui a receita com frango e com carne. Outra receita tradicional é o Frango à Kiev ( peito de frango desossado recheado com presunto,queijo e molho branco, passado na farinha de rosca com ovo e frito – há outras opções de recheio). Atente para o detalhe que tudo é temperado com muita páprica. Com forte influência judaica e árabe, os kebabs (tipo espetinho) de frango, cordeiro e carne de boi são muito apreciados.

Na área turística há um grande número de restaurantes de comida italiana e japonesa além dos fast-foods americanos.

Além da tradicional vodka, as cervejas são muito populares. O Kvas é considerado a bebida nacional – trata-se de um fermentado de pão com água de baixo teor alcoólico, tomado bem gelado para acompanhar refeições ou como ingrediente para espessar molhos.

Como em boa parte do ano não há frutas frescas por causa do inverno rigoroso, os russos são especialistas em compotas, geleias e balas de goma feitas com diversos tipos de frutas, sobretudo as vermelhas, como morango, framboesa, amora e cereja e muitos tipos de berries.

 

 

 

 

A confeitaria KE Food Hall em São Petersburgo

Standard

No início do século passado, Kupetz Eliseevs, um comerciante muito rico da cidade de São Petersburgo resolveu abrir uma loja na Avenida Nevsky, nos moldes das chiquérrimas confeitarias de Viena e Budapeste. Para projetá-la, contratou o famoso arquiteto Gavriil Baranovsky que criou um imponente edifício decorado no estilo – em moda na Europa na época – chamado de Art Nouveaux e caracterizado por formas da natureza ( observe os vitrais sobre a vitrine na fachada). No primeiro piso ficava a loja com todo o tipo de bebidas e produtos alimentícios finos, no segundo um teatro e no terceiro, um restaurante. Como não havia nada igual no país vinha gente de longe para conhecê-la e fazer compras e a empresa dos irmãos Eliseevs ganhou uma fábula de dinheiro. Quando veio a revolução bolchevique, em 1917, a empresa foi desapropriada e o governo assumiu seu controle até a metade dos anos 1990, funcionando com o nome de Gastronom no. 1. De lá para cá houve várias tentativas de compra do imóvel por empresas, mas a corte local decidiu que deveria continuar pertencendo ao governo para não ser descaracterizado. Tombado pela Unesco, passou a ser administrado por um grupo que aluga o imóvel do governo. Esta empresa restaurou a confeitaria no estilo original e a reabriu em março de 2012. Desde então recebe mais de 180 mil visitantes por mês. Se for à cidade, uma visita é absolutamente imperdível!

 

Pode-se comprar de tudo na loja, especializada em confeitaria e panificadora francesas. Destaque para os produtos russos regionais, como as famosas vodkas, vinhos finos, licores, caviar, peixes defumados, charcutaria e queijos, Há chocolates, caramelos e biscoitos das melhores marcas européias. Como souvenir, ninguém sai sem comprar asbonequinhas matrioskas – de madeira leve e clara pintadas à mão e que, à medida que se abre vão surgindo outras e mais outras filhinhas, umas dentro das outras!

Culinária russa e internacional em São Petersburgo

Standard

As blogueiras mãe e filha caçula foram passar as férias na Rússia! Nas próximas postagens vamos conhecer um pouco sobre esta terra e sua culinária.

São Petersburgo é a cidade mais europeia da Rússia e a segunda em população, com 5 milhões de habitantes. Assim como, nos últimos anos, a cidade de Dubai surgiu do nada para ser um grande centro de negócios, planejada de forma espetacular com todo o luxo, São Petersburgo teve história semelhante.

O czar Pedro, o Grande, tomou dos suecos as terras na foz do rio Neva, na entrada do Golfo da Finlândia, um local muito estratégico, para construir uma magnífica cidade portuária. Chamou os melhores arquitetos europeus para planejar o traçado da cidade e seus belos palácios. Em 1703, a cidade foi inaugurada e logo depois tornou-se a capital do poderoso Império Russo. Deste tempo glorioso a metrópole, cujo centro histórico é tombado pela Unesco como Patrimônio Mundial, conserva a arquitetura clássica monumental e um acervo riquíssimo de arte no Museu Hermitage.

A cidade recebe o ano todo um número bastante elevado de turistas russos, chineses, europeus e de toda parte. Passeando por suas ruas lotadas de gente de todas as raças temos a impressão que é ali a tal Torre de Babel, onde se falavam todos os idiomas do mundo! Na avenida principal, a Nevsky, cujos 5 km. cortam todo o centro, há muitos bares, restaurantes e casas noturnas. Ali se acha, por exemplo, tanto o Macdonald, o Subway e Market Place quanto lojas tradicionais, como a belíssima confeitaria KE Food Hall ( próxima postagem).

A culinária regional é bastante influenciada pela europeia, sobretudo a do antigo Império Austro-húngaro. Quando Pedro o Grande importou o gosto e o refinamento europeu nas artes e na arquitetura, importou também a culinária.

Estando junto ao mar dá-se destaque aos peixes como salmão e truta; frango e cordeiro são muito populares e há restaurantes especializados em carnes de caça. O prato mais conhecido é o famoso strogonoff (na Av. Nevsky fica o palacete do conde Stroganoff – com a mesmo). Veja aqui a nossa receita, que comprovei ser realmente a tradicional russa. O clima frio incentiva o consumo de sopas, servidas como primeiro prato o ano inteiro e feitas à base de beterraba, repolho, batata, cogumelo e carne. Nota-se uma forte influência da comida judaica. As sobremesas variam em torno de tortas de influência vienense com muito chocolate, geleias de frutas e cremes. E, apesar do clima frio a maior parte do ano, o russo adora sorvete!

Procuramos um restaurante típico russo – o Mamanadache – para pesquisar as comidas locais e verificamos a total influência europeia. Veja abaixo uma seleção de pratos com o menu traduzido para o inglês – coisa raríssima! Aliás pouquíssimas pessoas falam outro idioma senão o russo nos restaurantes ou qualquer outro lugar ( exceto na recepção dos melhores hotéis). Imagine nossa dificuldade para nos fazer entender. O que valeu mesmo foi a linguagem universal da mímica.

IMG_3220

Tornedor ao molho de jaboticaba com risotto ao açafrão

Standard

A filha mais velha blogueira adora receber amigos em casa para jantar. Como trabalha o dia todo e chega em casa tarde precisa cozinhar algo simples e fácil de fazer, que dê pouco trabalho porém de grande efeito. Afinal, por sempre receber os maiores elogios dos amigos, eles já vão esperando um jantar especial. E desta vez amaram o jantar! Vejam as duas receitas que ela fez:

Tornedor ao molho de jaboticaba

Para ficar mais fácil calcular a quantidade conforme o número de convidados, ela reduziu a receita tendo por base 2 pessoas. Assim é fácil multiplicar conforme o que irá precisar.

Ingredientes para 2 pessoas:
Para o tornedor: 1 miolo de filé mignon de aproximadamente 6 dedos de comprimento ( equivale a 400 a 500 gr), 1 colher de sopa de azeite, 2 folhas de louro, 1 colher de café de molho inglês (pode ser shoyo), 1 colher de sopa de vinho tinto, 1 colher de sobremesa de sal com alho, pimenta do reino a gosto.

Para o molho de jabuticaba: 1/2 xícara de vinho tinto, 1 colher de sopa de geleia de jabuticaba, 1 colher de chá de amido de milho dissolvido em ½ xícara de café de água.

Preparo: Corte o pedaço de filé ao meio (cada tornedor deve ter 3 dedos de comprimento). Molde cada tornedor para que tome a forma arredondada.
Misture o sal com alho com o molho inglês (ou shoyo), o vinho tinto e a pimenta do reino e tempere a carne. Deixe-a descansando por 30 minutos com uma folha de louro sobre cada peça. Enquanto isto, adiante o risotto.

Pré-aqueça o forno a 180 graus 20 minutos antes da hora que for servir o jantar.

Retire a folha de louro e o excesso de tempero da carne. Aqueça uma frigideira em fogo alto. Cubra a superfície com o azeite e coloque os filés (como na foto). Assim que selar de um lado e a carne mudar de cor até 1/3 de sua altura, vire e deixe corar do outro lado. Assim que corar, abaixe o fogo.

Neste ponto você decide se finaliza os pratos ou adia um pouco, seja porque seus convidados ainda não chegaram ou porque estão a comer as entradas.

Se estiver a dez minutos de servir, termine de grelhar a carne na frigideira conforme o ponto desejado ( verifique a mudança de cor na lateral da carne).

– Mal passada: deixe apenas que obtenha um tom marrom dourado, vire do outro lado até obter a mesma cor e retire do fogo;

– Ao ponto: espere que mude de cor – do rosa para marrom claro – e deixe dourar dos dois lados até obter um tom marrom bronzeado e comece a salpicar gotinhas de sangue por cima;

– Bem passada: doure de um lado e outro aguardando que fique em um tom marrom escuro.

Desligue o forno. Ponha a carne em uma assadeira e deixe-a no forno apenas para que permaneça quente até que finalize o molho e o risoto.

Se for demorar mais a servir, calcule o quanto vai grelhar a carne conforme o tempo que for demorar a servi-la e o ponto desejado (para mal passado, deixe o centro ainda vermelho, para ao ponto deixe que fique todo marrom claro, para bem passado aguarde até que salpique as gotinhas de sangue). Passe os pedaços para uma assadeira e deixe que terminem o cozimento no forno.

Preparo do molho: assim que tirar a carne da frigideira, inicie imediatamente o preparo do molho. Despeje um pouco de água quente e esfregue com uma espátula a borra deixada na fritura da carne até limpar a frigideira e obter um caldo na cor marrom dourado. Acrescente o vinho tinto e aguarde que o álcool evapore. Baixe o fogo e junte a geleia de jabuticaba, mexendo para incorporar no caldo. Se quiser engrossá-lo, acrescente um pouco de amido de milho previamente dissolvido em água. Mexa bem para que dissolva completamente e desligue o fogo quando o molho ficar espesso. Cuidado para não deixar secar o molho! Se terminá-lo antes da hora de servir e tiver que desligar o fogo, deixe-o menos espesso pois seca naturalmente.

Quer esta receita impressa? Clique aqui para baixar o PDF e imprimi-lo.

Risoto ao açafrão

Ingredientes: 1/4 de cebola picada ou ralada, 3/4 de xícara de chá de arroz arbóreo, 1/3 de xícara de chá de vinho branco, 1 xícara de chá de caldo de legumes caseiro, 1 colher de sobremesa de açafrão em pó e 1colher de sobremesa de azeite.

Preparo: enquanto a carne pega tempero, aqueça o caldo de legumes já pronto no micro ondas e mais um pouco de água em um caneco à parte. Em uma panela funda, esquente um fio de azeite e doure a cebola (fogo médio). Acrescente o arroz e misture até verificar que se formou uma película transparente ao seu redor (é rápido). Verta o vinho branco e espere que o álcool evapore. Abaixe o fogo e vá acrescentando aos poucos o caldo de legumes (permanecendo o nível do caldo uns dois centímetros acima do arroz), mexendo de tanto em tanto. Se acabar o caldo, complete com água quente. Quando o arroz estiver ao dente, acrescente o açafrão misturado à última dose de água, mexendo até acabar de cozinhar (prove e veja se está macio).

Se for o caso de adiar a finalização, coloque o açafrão misturado em um pouquinho de água, sem cobrir o arroz. Mexa e desligue o fogo, tampando a panela.

 Dez minutos antes de servir, ligue novamente o fogo se for o caso, acrescente um pouco mais de água quente e mexa até o ponto em que o arroz ficar macio (mas não empapado). Se quiser, finalize com uma boa colherada de manteiga e parmesão ralado.

Sirva o risoto e o tornedor junto com o molho – para arrepio dos italianos e deleite dos brasileiros!

Quer esta receita impressa? Clique aqui para baixar o PDF e imprimi-lo.