Robalo assado – receita rápida e fácil

Standard

Esta receita pode ser feita com qualquer peixe. Escolhemos o robalo, um peixe de mar, por ser bastante saboroso. É um jeito muito fácil e rápido de preparar um peixe, ideal para quem tem pouco tempo para cozinhar e de última hora quer fazer um jantarzinho especial. A ideia é você chegar em casa e ir logo temperando o peixe, ligando o forno e colocando um vinho branco pra gelar. Dá uma voltinha, arruma a casa, põe a mesa. Termina o preparo e põe o peixe no forno. Enquanto toma um banho rápido o jantar fica pronto!

Robalo com tomatinhos cereja e cebolas baby.

Considerando um jantar para 2 pessoas, antes de sair de casa verifique se tem os seguintes ingredientes: 1 filé de robalo de 500 a 600 gramas, 10 tomatinhos cereja, 6 cebolinhas baby ou 1 cebola grande (partida em 6 gomos), azeite. Temperos: sal e limão. Para um sabor especial: coentro, alecrim, cominho, pimenta do reino branca. Para o acompanhamento separe 6 batatinhas baby ou 2 batatas inglesas.

Espalhe o suco de 1/4 de limão sobre o peixe já limpo e seco e tempere ( passando o tempero com a mão de todos os lados) com 1 colher de café cheia da seguinte misturinha: sal ( metade da porção) e mais um pouquinho de pimenta branca, alecrim, coentro e cominho. Reserve.

Despele ( eu prefiro com a pele) as batatas e cozinhe-as por 5 a 10 minutos ou até conseguir enfiar um garfo.

Aqueça o forno a 200 graus.

Após cerca de 30 minutos, aqueça a frigideira e sele o filé em 2 colheres de azeite ( passe ligeiramente de um lado e de outro com cuidado para não partir). Aproveite a frigideira, verta mais azeite e coloque as cebolas para dourar. Junte os tomatinhos e retire quando estiverem começando a amolecer. Coloque as cebolas e os tomatinhos com o azeite na assadeira e o filé por cima. Leve ao forno por 25 minutos ou até verificar que o filé está cozido e os tomatinhos estão desidratados (ficam murchos e enrugados).

Coloque em outra assadeira as batatinhas (ou as batatas cortadas em 4). Salpique sal e alecrim. Leve ao forno pelo mesmo tempo que o peixe ou até quando observar que as batatas estão macias e coradas.

Quer esta receita impressa? Clique aqui para baixar o PDF e imprimi-lo.

Mingau de milho verde

Standard

No interior de Minas Gerais o mingau de milho verde é também chamado de Curau. Quando o inverno se aproxima e as bancas de mercado se enchem de espigas de milho verde com um precinho bem convidativo chega finalmente a época da gente fazer esta sobremesa tão típica de nossa cultura e tão gostosa! Aliás, não existe festa junina se não tiver um curau!

Hoje há muitas opções de alimentação infantil mas antigamente as crianças cresciam fortes e saudáveis à base de mingau. Se este mingau é feito mais ralinho pode ser servido morno como jantar. Experimente juntar cubinhos de queijo minas ainda na panela para que derretam ligeiramente e veja que delícia! Nessa consistência rala pode-se adicionar banana fatiada e torna-se uma excelente opção de café da manhã ou merenda. Na minha versão predileta – no ponto de partir com colher e salpicado de canela – é um alimento que serve como lanche ou sobremesa. Em suma, qualquer  desculpa serve para comer mingau o dia todo!

Mingau de milho verde

Para 2 espigas de milho verde separe 1 xícara de chá cheia de leite e 1 xícara de café de açúcar cristal (pode ser mais ou menos). Se quiser o mingau mais cremoso, use 1/2 xícara de leite e 1/2 de leite condensado – neste caso, diminua o açúcar. Se for intolerante a leite de vaca, use produtos sem lactose ou substitua o leite por leite de côco ( esta é a versão que prefiro e que faço para mim em casa).

Primeiro passe a faca na espiga retirando todo o milho. Bata o milho no liquidificador com 1/2 litro de água. Passe numa peneira média. Leve este caldo grosso ao fogo mexendo todo o tempo com uma colher de pau até que comece a borbulhar. Desligue, junte o leite e o açúcar e uma pitadinha à toa de sal. Prove. Leve ao fogo novamente para acabar de cozinhar e dar o ponto desejado. Lembre-se  que depois que esfria engrossa bastante. Se gostar, polvilhe com canela.

DSCN6268

Quer esta receita impressa? Clique aqui para baixar o PDF e imprimi-lo.

Paella de pato

Standard

Sabe a diferença entre arroz de pato, paella de pato e risotto de pato? O primeiro é português, o segundo é espanhol e o terceiro, italiano. Só isto? Não! O arroz é diferente, sobretudo o  italiano, que pode ser o arbóreo ou o carnaroli – esse tipo de arroz deixa o risotto mais pastoso. No mais, são muito parecidos e depende também das origens culinárias de quem o faz. Esta receita de hoje bem poderia ser um arroz de pato, porém vou fazer uma paella, igualzinha à que comi na região de Leon y Castilla, na Espanha.

Paella de pato com linguiça, ervilhas e cebolas

Primeira parte: cozimento do pato

Para 4 pessoas coloque na panela de pressão 2 coxas de pato para cozinhar junto com 1 cebola, 1 talo de salsão, 1/2 cenoura, 1 xícara de café de vinho branco ou tinto, 4 dentes de alho, 1 colher de sobremesa de sal, pimenta do reino a gosto e um raminho de salsa e cebolinha. Cubra com água e acrescente mais 1 litro. Feche bem a panela. Depois que começar a apitar, conte 40 minutos. Destrave e abra a tampa debaixo do jato de água fria (a tampa vai abrir sozinha). Retire as coxas e coe o caldo. Retire a carne dos ossos, pele e gordura e desfie em pedaços grandes. Reserve.

Segunda parte: Paella

Ingredientes: 1 xícara de chá de arroz, 6 cebolinhas baby ou 2 a 3 cebolas, 4 linguiças (tipo Guanabara da Sadia), 1 bom punhado de ervilhas de folha, 4 colheres de sopa de azeite, 1 colher de café de sal com alho, 2 colheres de sopa de bacon picadinho. Em uma panela funda, frite no azeite e no bacon as cebolas, o sal com alho e a linguiça pré-cozida cortada em tronquinhos. Coloque o arroz. Frite, mexendo bem para não agarrar no fundo. Despeje o caldo do pato – a conta de cobrir o arroz com certa folga. Assim que o arroz começar a amolecer, junte o pato desfiado. Abaixe o fogo. Vá acrescentando o caldo do pato – sempre quente – aos poucos, quando necessário. Prove, se o gosto do caldo estiver muito forte, pingue água quente ao invés do caldo.

Misture de vez em quando para não agarrar no fundo. Quando o arroz estiver quase cozido, junte as ervilhas de folha cortadas em lascas grandes. Vigie até o completo cozimento do arroz. Atenção: não deixe o arroz amolecer e virar uma papa. O arroz da paella é quase ao dente. Regue com um bom azeite e sirva quente. Nunca coloque queijo ralado na receita ou no prato, por cima (deixe-o para o risotto!)

Favas são comuns na região norte da Espanha e também muito usadas nesse tipo de paella. Se gostar, cozinhe-as à parte, ao dente, e acrescente-as ao arroz, bem escorridas, depois do pato. Outra receita parecida e muito popular é a que se usa grão-de-bico e pedaços de repolho ao invés de ervilhas de folha. Dependendo da região, o espanhol costuma fazer uma paella mista de pato e carne de porco, usando pedaços de pernil, de bacon e embutidos (como chamam as linguiças). No caso, as carnes precisam ser semi-cozidas à parte e acrescentadas no princípio do cozimento (junto com a cebola).

Quer esta receita impressa? Clique aqui para baixar o PDF e imprimi-lo.

 

Massa fresca caseira- pappardelle de ragú de ossobuco

Standard

Esta receita é uma variação da que já apresentamos aqui para a lasagna com ragú de cordeiro, porém desta vez resolvemos fazer uma pasta mais “ao dente”, pois iremos cortá-la na forma de pappardelle (tiras grossas). As proporções dos ingredientes continuam as mesmas, a diferença é que usamos uma farinha de grano duro.

Para o preparo de uma quantidade de pasta que serve de 4 a 6 pessoas separe:
200 gr. farinha de trigo de grano duro, 200 gr. de farinha de trigo comum, 4 ovos, 1 colher de sopa de azeite e 1 colher de chá de sal.

Se tiver prática no preparo de pastas faça-a diretamente na bancada da cozinha montando o “vulcãozinho” como ensinamos da primeira vez. Caso contrário, prepare a massa da pasta em uma tigela, como na foto.

 

Comece colocando sobre a superfície de preparo as duas farinhas* e misturando-as. Quando a mistura estiver homogênea, faça um buraco no meio e despeje os ovos inteiros. Misture-os levemente com um garfo e adicione o sal e o azeite. Continue mexendo com o garfo, agora incorporando a farinha ao líquido, aos poucos. Não deu mais para misturar com o garfo? Chegou a hora de botar a mão na massa! ( Lembre-se de tirar os anéis).

Misture bem até obter uma massa lisa e homogênea. ( Em um determinado ponto será mais fácil virar a massa na bancada e usar a força das mãos para que a mistura incorpore toda a farinha e fique uniforme). Faça uma grande bola e envolva-a com papel filme. Deixe-a descansar por, no mínimo, 30 minutos (máximo até uma hora). Se a temperatura do dia estiver muito quente, deixe a massa na geladeira. Porém não se esqueça de retirá-la dentro de meia hora, pois na geladeira perde a umidade e poderá ficar seca.

Passado o tempo de repouso, vamos abrir a massa.

Se for usar a máquina de cortar pasta, corte a massa em fatias de mais ou menos 3 dedos e trabalhe uma fatia de cada vez, deixando as demais envoltas em papel filme. Nesse caso, amasse a fatia com a mão e verifique sua umidade: se estiver seca demais irá quebra ao passar na máquina, se molhada demais, irá grudar. Para regular o ponto certo, acrescente aos poucos farinha ou água, conforme o caso, sempre com a ponta dos dedos para não passar da dose correta. Agora é só seguir as instruções da sua máquina, passando cada parte de massa uma vez em cada número de espessura dos rolos. Obs.: antes de começar, passe por três vezes a fatia amassada no número zero para abri-la e acertar não só o ponto certo de umidade como também a forma retangular para passar no rolo – veja as fotos.

Caso não tenha a máquina ou prefira usar o rolo, parta a bola de massa em fatias de tamanho maiores para que possa abrir a massa de acordo com o tamanho da sua bancada.

Aberta a massa está na hora de cortá-la no formato que desejar. Na massa que preparamos dispensamos os cortadores da máquina e cortamos, com uma boa faca, as tiras de mais ou menos 2,5 cm, pois escolhemos fazer um pappardelle. Após cortar é necessário deixar a pasta secar – cada tira separadamente para não grudar. O ideal é ter um varal de secar pasta como o da foto. Para cozinhar a pasta veja a dica aqui.

Para o molho, usamos um ossobuco já pronto. Para fazer um bom ragú basta desfiar a carne, levá-la ao fogo e ir acrescentando água quente pelas beiradas. Se desejar, adicione molho de tomates caseiro.

Na hora de servir, rale por cima do molho um bom queijo parmesão, grana padana ou pecorino.

*Peneire as farinhas em uma peneira fina antes de usá-las. Como é necessário fazer a massa com  a quantidade exata de farinha é preciso pesar a quantidade certa em uma balança de cozinha depois de peneirada.

Quer esta receita impressa? Clique aqui para baixar o PDF e imprimi-lo.

Torta de maçã ao leite condensado

Standard

Maçã é um fruta que temos o ano inteiro e que aguenta bem uma semana de geladeira, então passa a ser, como dizem os jogadores profissionais ou os mágicos, uma “carta na manga”. Leite condensado, leite e ovos também é fácil de se ter à mão. Aprenda a fazer esta sobremesa pois se der uma vontade repentina de comer uma sobremesa muito gostosa ou se quiser agradar à alguém, em meia horinha estará pronta!

Torta de leite condensado com maçãs

Para 6 a 8 pessoas vai precisar de 1 lata ou caixa de leite condensado, a mesma quantidade de leite, 4 ovos inteiros e de 4 a 6 maçãs (dependendo do tamanho).

Primeiro faça uma calda rala: em uma panelinha derreta ½ xícara de café de açúcar cristal. Quando estiver derretido e da cor de caramelo, acrescente ¾ de xícara de café de água fervendo. Deixe que derreta de novo e mexa com uma colher de pau até obter a consistência de mel ralo. Desligue o fogo e reserve.

Bata no liquidificador os ovos inteiros, o leite condensado e o leite. Reserve.

Ligue o forno a 220 graus e coloque dentro dele uma assadeira alta e grande com água pela metade. Deixe a água esquentando para assar a sobremesa em banho-maria.

Tome uma travessa refratária, a mesma que for servir a torta, e pincele o fundo e as laterais com a calda. Despeje o creme batido.

Descasque e corte as maçãs em fatias finas. À medida que for cortando, vá colocando-as dentro da travessa. Coloque a travessa no forno, dentro da água quente, com cuidado. Deixe assar até ficar corada por cima. Para ver se está assada, faça o teste do palito: se ao furar a massa o palito sair limpo, a torta está pronta.

Se tiver um maçarico de culinária, salpique açúcar cristal e canela por cima da torta e queime-a. Dá um saborzinho especial e fica mais bonita! ( a mesma técnica do crème brûllé)

Sirva a torta morna com sorvete ou leve-a à geladeira por 2 horas para servi-la gelada.

Quer esta receita impressa? Clique aqui para baixar o PDF e imprimi-lo.

Jiló recheado

Standard

Tem muita gente que não come jiló porque dizem que é amargo, mas isto depende de como é preparado. Basta aferventá-lo para perder o amargor. O jiló é uma fruta pouco calórica ( 38 calorias/ 100gr.) , é fonte de vitamina B1, de potássio, de ferro, de fibras e de flavonóides, portanto faz bem para a visão, coração, protege as artérias, combate a anemia e ajuda a controlar a taxa de açúcar no sangue. Bom motivo para fazer parte de sua alimentação! Você pode usá-lo na salada, pode refogá-lo com cebola, tomate e pimentões. Aqui vai uma receita prática e muito fácil, aproveitando um pouquinho de arroz e de carne que já estiverem prontas na geladeira.

Jilós recheados ao forno

Para cada jiló considere uma colher de café de arroz pronto e outra de carne moída pronta (ou de carne cozida desfiada ou de linguiça frita picadinha). Para adocicar o jiló corte cebolas em rodelas e para temperar, use pimenta biquinho a gosto.

Primeiro corte os jilós ao meio e leve-os ao fogo em uma panela com água deixando cozinhar até que fiquem macios. Escorra a água, tire as sementes de modo a fazer uma canoinha. Misture o arroz com a carne e as pimentas. Recheie os jilós. Coloque-os em uma forma refratária e cubra com as rodelas de cebola. Regue com azeite. Se quiser, pode também colocar queijo ralado. Leve ao forno até corar por cima.

Quer esta receita impressa? Clique aqui para baixar o PDF e imprimi-lo.

Consommé aux champignon

Standard

Aproveitando que a cultura de cogumelos comestíveis vem se popularizando no Brasil, vamos a mais uma receita com estes fungos gigantes de cores e formatos curiosos e de grande valor nutritivo. Esta é uma receita da tradicional culinária francesa e como na França e nos países vizinhos os cogumelos tem um preço muito acessível é uma boa pedida quando se quer tomar algo leve, de fácil digestão, que sustenta e ainda esquenta o corpo no inverno. Estamos em maio e à noite já faz um friozinho gostoso aqui nas montanhas de Minas Gerais. Experimente este caldo, é muito bom!

Caldo de cogumelos (tradução)

O consommé é um caldo feito à base de carne que pode ser tomado puro mas é muito melhor quando é usado como base para sopas como esta de cogumelos, ou para a sopa de cebolas e também para um brodo (caldo)  italiano (aquela que tem capeletti).

Um caldo simples é feito com carne de segunda – prefiro músculo pois dá um caldo suculento – mas pode ser qualquer apara de carne ( melhor ainda se tiver osso). Corte a carne em cubinhos e tempere com sal e pimenta do reino. Se usar 500 gr. de carne vai dar caldo suficiente para 6 pessoas. Frite a carne em um pouco de óleo até que fique bem moreninha e deixe uma borra escura no fundo da panela. Despeje 1,5 litros de água fervendo e deixe cozinhar por meia hora. Coe e reserve apenas o caldo.

 

Lave e corte os cogumelos – os de sua escolha. Afervente-os em um pouco de caldo até que fiquem ao dente. Despeje o resto do caldo, tempere com sal, um pouquinho de molho inglês e pimenta do reino a gosto. Prove, se o caldo estiver com gosto muito forte de carne, coloque mais água e deixe ferver.

Sirva bem quente acompanhado de torradas amanteigadas.

Quer esta receita impressa? Clique aqui para baixar o PDF e imprimi-lo.