Torta de bacalhau da mamãe

Standard

Esta receita é uma das prediletas de minha família materna ( minha avó veio de Ouro Preto para Belo Horizonte na fundação da capital) e vem passando de geração em geração desde o século XIX, quando meus antepassados ainda viviam em Portugal. Esta versão foi escrita pela minha filha mais velha. Depois de ganhar essa torta de presente da avó, ela não sossegou enquanto não aprendeu com a própria avó como faze-la. É muito importante incentivar nos jovens o desejo de saber cozinhar para não se perder a nossa cultura e tradição culinárias.

Torta de bacalhau

Anote os ingredientes: 1 alho poró, 2 colheres de sopa de farinha de trigo, 2 colheres de sopa de manteiga, 300 ml de leite (pode ser desnatado), 1 caixa de massa folhada pronta (gosto da Arosa), 250 ml de creme de leite fresco e 300 gr de bacalhau já dessalgado e desfiado (veja como prepara-lo aqui), azeite, noz moscada e sal a gosto.

Corte as folhas e a base do talo do alho poró e lave-o bem. Corte-o em rodelas e depois em pedacinhos bem pequenos. Passe-os numa panela com azeite já aquecido até que amoleçam. Reserve.

Numa panela funda, faça o roux: derreta a manteiga e imediatamente junte a farinha de trigo, mexendo sem parar. Quando formar uma pasta homogênea, acrescente o leite (em temperatura ambiente) aos poucos até obter um creme bem espesso (veja a primeira foto). Tempere com sal e um tico de noz moscada, a gosto (lembre que o bacalhau já está salgado e a noz moscada não pode roubar o gosto do alho poró). Reserve.

Numa frigideira antiaderente, deite o azeite e frite o bacalhau até que mude de cor. Não deixe que resseque, pois ainda vai ao forno.

Agora esquente o roux acrescentando o creme de leite fresco e em seguida junte o alho poró e o bacalhau. Misture tudo e desligue o fogo.

Desenrole a massa sobre um refratário já untado com um pouquinho de manteiga e pressione-a de forma a preencher toda a superfície. Sem cortá-la ainda, despeje o molho e feche com o restante da massa como um embrulho de presente. Corte os excessos e use-os para decorar.

Leve ao forno pré-aquecido a 200 graus até que a massa doure. Está pronta!

Quer esta receita impressa? Clique aqui para baixar o PDF e imprimi-la.

Tiramisú – a sobremesa italiana por excelência

Standard

De todas as sobremesas que comemos na Itália escolhi uma para fazer para vocês. Verdade que parece nome japonês mas o Tiramisú é uma das mais tradicionais sobremesas italianas – não há cardápio que não a tenha. Pois bem, por quatro vezes pedi esta interessante mistura que parece um de pavê com sorvete e de cada vez era feita de um jeito diferente! Pesquisei e achei duas receitas básicas: uma que leva mascarpone e outra feita com creme de leite e ricota. Como o marcarpone custa caro e é difícil de se achar no Brasil, resolvi experimentar a segunda opção. Fácil de fazer e ficou deliciosa!

Tiramisú

Para preparar uma quantidade que serve de 8 a 10 pessoas, separe: 1 caixa de biscoito champagne ( ou tipo inglês) que deve dar 200 gr. Meia ricota fresca (veja se dá 200 gr. ou 1 xícara de chá). 1 caixinha de creme de leite (que também deve dar uma xícara de chá). 1 xícara de chá de café preparado bem forte, 2 colheres de sopa de conhaque, 1/2 xícara de chá de açúcar, 6 ovos, 1 colher de sopa de essência de baunilha, 1 barra ou 200 gr. de chocolate meio-amargo.

Antes de começar, pré-aqueça o forno a 200 graus. Como os biscoitos precisam estar bem torradinhos, leve-os ao forno por 15 a 20 minutos. Tome uma travessa quadrada ou retangular tipo pirex, na qual irá servir a sobremesa e disponha a metade dos biscoitos já torrados no fundo, formando uma camada completa. Misture o café com o conhaque e, usando a metade do líquido, regue os biscoitos uniformemente.

Pique miudinho ou rale grosso o chocolate ( se estiver muito duro, derreta-o ligeiramente no micro-ondas e misture um pouquinho de creme de leite, formando um creme grosso).

Escolha uma tigela de fundo arredondado, coloque as 6 gemas e bata (com a pá da batedeira) até espumar. Junte o açúcar aos poucos e continue batendo com uma colher de pau até obter um creme claro e leve.

Bata a ricota e o creme de leite juntos no liquidificador. Junte este creme à mistura de gemas e açúcar, acrescente a baunilha. Não bata mais, simplesmente misture os ingredientes com a espátula, incorporando-os com movimentos de baixo para cima e de fora para dentro.

Bata as 6 claras em neve na batedeira. Misture-as ao creme, sem bater, delicadamente, fazendo movimentos com a espátula da mesma forma. Espalhe metade deste creme sobre os biscoitos que já estão na travessa. Sobre esta camada, coloque metade do chocolate. Disponha outra camada de biscoito, regue com a mistura de café e conhaque, espalhe o restante do creme e, por último, salpique o chocolate.

Cubra com um filtro plástico e leve à geladeira por 4 horas.

Da próxima vez, farei a receita que leva mascarpone para verificar qual será a mais gostosa!

Quer esta receita impressa? Clique aqui para baixar o PDF e imprimi-lo.

 

 

Creme aveludado de batata doce 

Standard

Aproveite o friozinho leve de junho para saborear caldos, sopas e cremes. Estes últimos sustentam tanto que podem ser servidos como prato único. Experimente fazê-los com batata inglesa – o famoso caldo verde português, batata doce, inhame (ou cará), mandioca, abóbora e baroa (ou mandioquinha) usando sempre um pouco de imaginação para variar o sabor. Clique e veja as receitas.

Outro dia vi no supermercado em Bruxelas um tipo de batata doce rosada. Curiosa, comprei-a e decidi experimentar um novo creme. Pois, além de revelar-se delicioso, a surpresa foi sua consistência aveludada. Para dar um toque diferente, incrementei o creme com um a pitada de cebola roxa caramelizada – uma combinação perfeita!

Creme de batata doce com cebola roxa caramelizada

Para 2 pessoas, tome 1 batata doce de tamanho médio e 1/2 cebola branca. Faça à parte uma misturinha com 1 colher de chá cheia de maisena e um pouquinho de água fria. Em uma chaleira, coloque água para ferver.

Numa panela funda, frite na manteiga ou no óleo (1 colher de sopa) a batata e a cebola picadas. Acrescente uma pitada de sal com alho. Frite. Junte água quente até cobrir, diminua o fogo, tampe a panela e deixe até que a batata esteja bem macia.

Bata no liquidificador e volte para a panela. Se o creme estiver grosso, raleie com um pouco de água fervente. Junte a maisena e misture, deixe ferver e desligue. Deve obter a consistência de um creme. Tempere com sal e pimenta do reino branca.

Veja aqui a receita de cebola roxa caramelizada. Na hora de servir, junte, para cada pessoa, 1 colher de sobremesa rasa da cebola.

Quer esta receita impressa? Clique aqui para baixar o PDF e imprimi-lo.

Veja abaixo a sopa refeita no Brasil com a nossa batata doce branca

IMG_0299

Mousse de manga

Standard

Nada melhor para os dias quentes de verão do que uma mousse leve e refrescante. Aproveite as frutas da temporada para fazer mousses e suflês de sobremesa. Se for fruta que tenha suco e que você corta às lascas – como manga, pêssego, damasco, ameixa, goiaba, morango – você pode usar a polpa da fruta madura batida com o mínimo de água possível e levada ao fogo com açúcar, a gosto, para fazer um creme da consistência de uma calda grossa.  Se for fruta como limão, laranja ou maracujá, use o suco da fruta natural e dobre a quantidade de gelatina. Como ontem haviam 2 mangas Palmer madurinhas no cesto de frutas pedindo atenção, resolvi fazer esta mousse de manga, que serve de exemplo para você fazer a mousse com a  fruta de sua preferência. A receita é tão fácil que uma criança poderá fazê-la. Veja também a receita da mousse de limão já publicada.

Mousse de manga

Você vai precisar de uma xícara de chá do creme feito com a fruta, a mesma quantidade de creme de leite e a mesma quantidade de leite condensado. Para esta medida, vai usar de 3 a 4 ovos e 1/2 pacotinho, ou 10 a 15 gr.,  de gelatina em pó incolor.

Bata o suco de 2 mangas no processador com o mínimo de água possível. Leve ao fogo até formar um creme da consistência de uma geleia mole. Adoce a gosto.

Bata este creme com o leite condensado e o creme de leite sem soro. Reserve.

Coloque o pó de gelatina dentro de uma xícara de café com 1 colher de sopa de água e deixe descansar por 5 minutos, levando depois ao micro-ondas por cerca de 15 segundos para aquecer. Bata as claras em neve e misture a gelatina. Junte, com delicadeza, o creme batido até obter uma mistura homogênea. Coloque na travessa que for servir e leve à geladeira por, no mínimo, 6 horas. Sirva fria.

Quer esta receita impressa? Clique aqui para baixar o PDF e imprimi-lo.

Festival de inverno – Cremes e caldos

Standard

O inverno termina hoje, dia 20 de setembro, no hemisfério Sul. Certamente devem ter apreciado os nossos caldos, sopas e cremes que passamos as receitas desde maio. Publicamos 20 receitas para que vocês curtissem o inverno jantando pratos leves, nutritivos, deliciosos, pouco calóricos e muito fáceis de fazer.

Como nosso blog já é acessado em mais de 70 países, sendo que boa parte deles fica no hemisfério Norte, é tempo dos brasileiros morando fora do nosso país e das pessoas de outras nacionalidades que nos acompanham diariamente – como nossos seguidores portugueses – se interessarem por pratos leves e quentes, agora que o tempo começa a esfriar acima do Equador.

Sempre que pintar um friozinho ou uma chuvinha, é tempo para fazer e provar algumas dessas receitas que com todo o carinho fizemos passo-a-passo para vocês seguirem e animarem de cozinhar. Aproveitem!

Clique nos nomes abaixo para ver as receitas com fotos. Se quiser imprimi-las para o seu album Sal & Alho, acesse cada receita e baixe o pdf.

Cremes com legumes

1 – Creme de tomate 29/12

2 – Caldo de baroa com alho poró 30/04

3 – Creme de palmito 15/05

4 – Creme de espinafre 22/06

5 – Creme de ervilhas 19/09

6 – Caldo de batata doce com alho poró 5/07

7 – Creme de aspargos 14/07

8 – Creme de couve-flor 23/08

obs.: Cremes levam leite e/ou creme de leite na receita. Os caldos não.

Receitas tradicionais da cozinha mineira

9 –  Caldo de Inhame (ou cará) com linguiça 9/05

10 – Caldo de feijão 18/05

11 – Vaca atolada ( mandioca e carne) 23/05

12 – Canjiquinha com costelinha 29/05

13 – Maneco sem jaleco ( fubá, couve, linguiça) ou Caldo verde português 5/06

14 – Canja de galinha 14/06

15 – Caldo de abóbora com carne seca 17/08

 

Receitas de inspiração francesa

16 – Sopa de cebola à francesa 2/06

17 – Crème aux champignons 10/06

18 – Creme de queijo servido na panhoca ou pão italiano 5/08

19- Creme de feijão branco com roquefort (ou gorgonzola) 12/08

20 – Sopa de grão-de-bico à Provençal 15/09

Sopa creme de ervilhas

Standard

Alguns pratos fazem parte de nossa memória gustativa. Certamente acontece de toda vez que você saboreia algo, vem à sua lembrança o que comeu há muito tempo. Creme de ervilhas sempre me lembra quando estive em Nova York pela primeira vez. Eu tinha dezoito anos, fui para a casa de um tio ficar um mês, porém havia tanto o que fazer por lá que resolvi ficar três meses. Levei dinheiro só para um mês e não tinha direito a mais nem um tostão. Logo, como não abri mão da compra de ingressos para museus e shows, a parte sacrificada foi a alimentação. Na casa do meu tio eu só dormia, tinha que comer na rua. A grana era bem pouquinha. Corri Manhattan de cima a baixo e escolhi três coisas para comer, bem baratinhas: cachorro quente, batata e creme de ervilha, que custava 2 dólares o prato grande. Nevava todo dia, a temperatura variava entre -20 e -5  graus centígrados. No dia em que ficava roxa de frio e fome, escolhia o creme de ervilhas, que era o mais caro, mas sustentava bem. Depois de três meses comendo a mesma coisa, é claro que fiquei anos sem querer ver a tal sopa. Passado um bom tempo, fiz as pazes com a sopa e hoje a preparo sempre que quero uma sopa quentinha no final do dia e estou sem tempo de inventar coisas que tomam tempo. São três vantagens: rápida de fazer, sustenta e aquece!

Sopa creme de ervilhas

Ingredientes: 1 lata de ervilhas, ¼ de cebola, manteiga ou óleo, 1 xícara de café de molho branco caseiro já preparado e ½ xícara de café de creme de leite.

Escorra a ervilha e bata no liquidificador. Coloque na panela 1 colher de sobremesa de manteiga (ou 1 colher de chá de óleo), doure a cebola picada e um pouco de sal com alho. Junte a ervilha batida e o molho branco. Na hora de servir, junte o creme de leite a gosto. Sirva com torradinhas amanteigadas.

Fica muito bom com bacon picadinho e torrado jogado por cima.

Quer esta receita impressa? Clique aqui para baixar o PDF e imprimí-lo.

Creme de grão-de-bico à Provençal

Standard

Esta receita é originária do sul da França. Provei-a pela primeira vez em um simpático bistrô na cidade histórica de Avignon. Fazia um friozinho gostoso , eu estava faminta e sonolenta após um dia de muitos passeios. Escolhi no cardápio uma sopa, pois é o ideal quando se quer comer logo e ir dormir. Fui surpreendida por um prato fumegante exalando um aroma delicioso e que valeu por um jantar completo. Perfeita, se acompanhada de um vinho Bordeaux. Como sempre, logo ao chegar em casa experimentei fazer. Acho que minha receita ficou bem parecida. Sopa de grão-de-bico à Provençal Esta receita é para 2 pessoas. Os ingredientes são: 100 gr. de grão-de-bico, 1 talo de alho poró pequeno, ¼ de maço de espinafre, 1 colher de sobremesa de ervas picadinhas ( pode ser salsinha, alecrim e manjericão para seguir a receita original), 1 folhinha de louro, 1 colherinha de café de sal com alho, 1 colher de sopa de azeite e uma pitada de pimenta do reino. Vai precisar também de um pedaço de baguete,1 colher de chá de manteiga e 1 dente de alho.

Separe 100 gr. ou ¾ de xícara de chá de grão-de-bico cru e deixe de molho por 2 horas ou mais (se possível de véspera)  com a água cobrindo os grãos. Cozinhe na panela de pressão por 20 minutos ou até os grãos ficarem bem cozidos. Separe 1 colher de sopa dos grãos inteiros cozidos para enfeitar a sopa. Enquanto o grão-de-bico cozinha, lave e pique 1 alho poró em rodelas. Lave as folhas de espinafre de modo a dar 2 xícaras de chá cheias das folhas rasgadas. Ponha água para ferver em um caneco. Em uma panela, doure o sal com alho no azeite e junte o alho poró. Mexa. Assim que começar a dourar, despeje o grão-de-bico escorrido e junte as ervas e a folha de louro. Mexa para misturar tudo. Antes que comece a agarrar no fundo da panela, despeje água quente até cobrir tudo. Acrescente as folhas de espinafre e abafe (tampe a panela deixando uma fresta). Vigie o cozimento até as folhas de espinafre amaciarem – deve dar de 15 a 20 minutos. Retire a folha de louro e algumas folhas de espinafre, estas para decorar o prato. Deixe esfriar um pouco e bata no liquidificador. Volte para a panela e prove o tempero. Se o caldo estiver grosso, ponha mais água quente e deixe até ferver. Se estiver ralo, deixe cozinhar até engrossar. Corte a baguete ou um pãozinho francês em fatias. Passe um dente de alho nas fatias. Coloque uma raspinha de manteiga sobre cada fatia. Um pouco antes de servir, leve ao forno a 100 graus para dourar. Sirva o prato enfeitado com grãos inteiros de grão-de-bico, folhas de espinafre e as torradas amanteigadas. Por último, passe um fio de azeite virgem de oliva. Quer esta receita impressa? Clique aqui para baixar o PDF e imprimí-lo.

Pudim de leite condensado

Standard

Ai…só de pensar nesta delícia de sobremesa não há quem não fique com água na boca! Em Minas, este pudim é muito popular com o nome de Pudim de leite condensado. Em outros países é conhecido por Flan – como também em outros lugares do Brasil.

O leite condensado foi inventado na França em 1820 e tornou-se conhecido e muito usado, por sua praticidade, durante as duas grandes guerras. Existe no Brasil desde a década de 1870 mas só se tornou popular quando passou a ser fabricado pela Nestlé, na década de 1920, com o nome de Leite Moça.

É uma sobremesa muito fácil de fazer, veja só:

Pudim de leite condensado

Você irá precisar de uma forma daquelas que tem um furo no meio, de tamanho 28, com 19 cm. de diâmetro ( veja última foto abaixo). Precisará também de um tabuleiro alto que caiba esta forma dentro, sem sobrar muito espaço nas laterais – isto é porque o pudim é cozido no forno, dentro d’água, em um processo conhecido por banho-maria.

Os ingredientes são: 1 lata ou caixa de leite condensado, a mesma quantidade de leite e 4 ovos.

Antes de começar a fazer o pudim, prepare a calda de açúcar queimado. Esta leva 5 colheres cheias de açúcar cristal. Primeiro coloque um caneco com água para esquentar – cerca de 1 litro. Espere que a água comece a ferver. Tome então uma panela e coloque o açúcar dentro. Leve ao fogo médio. Com uma colher de pau, mexa o açúcar todo o tempo, sem parar, até que ele derreta por igual e tome a cor de mel. Agora, despeje parte da água quente pelas beiradas, aos poucos. Verá que vai crepitar e formar uma pasta tipo puxa-puxa. Com paciência, continue mexendo e juntando água quente aos poucos até formar uma calda rala, da cor de caramelo avermelhado. Desligue e reserve.

Para o pudim: bata os 4 ovos – clara e gema – no liquidificador até espumar. Junte o leite condensado e use a lata ou caixa para medir e colocar a mesma quantidade de leite. Bata bem até ficar um creme leve e espumante.

Tome a forma e passe a calda de açúcar queimado no fundo e laterais, deixando ao fundo uma camadinha de ½ centímetro. Agora entorne o creme dentro da forma. Precisa sobrar 1 cm. entre o creme batido e a borda da forma.

Ligue o forno a 280 graus. Espere 5 minutos. Ponha a forma dentro do tabuleiro e coloque-os na prateleira de baixo do forno – uns 10 cm. acima da chama. Com cuidado, encha o tabuleiro com água quente. Deixe o pudim cozinhar por 45 minutos. Vigie: quando corar por cima, enfie um garfo – se sair limpinho é porque o pudim já cozinhou – então pode tirar o pudim do forno. Espere esfriar e deixe-o dentro da geladeira por, no mínimo, 4 horas.

DSCN1567

Para desinformar, passe uma faca nas laterais e no meio da forma, em volta do furo para descolar o pudim da forma. Coloque um prato uns 10 cm. maior que a forma por cima da mesma e vire tudo junto. Tire a forma devagar e terá um lindo pudim caramelado à sua frente. Resista, volte com ele para a geladeira até a hora de servir. Seja educada(o), não vá tirar um pedaço antes de servir à sua família e aos amigos. A não ser que sua gulodice seja tamanha que faça um pudim só para você!

Quer essa receita impressa? Clique aqui para baixar o PDF e imprimí-lo.

Creme de couve-flor

Standard

À noite, com fome, você abriu a geladeira – quase tudo comprado na semana passada já havia acabado e só achou um pobre resto de couve-flor abandonado. Preguiça de sair para comer ou de esperar o delivery chegar. Veja se tem em casa: óleo (ou manteiga ou azeite), leite, cebola e sal com alho – coisas que nunca podem faltar! Tem? Ótimo, então é pra já uma sopinha fácil de fazer e muito gostosa! Hum…se ainda tiver um tico de farinha de trigo, um creme de leite ou requeijão de copo e uns temperinhos, um pedacinho de cenoura, um queijinho para ralar por cima…aí vai ficar melhor ainda!

Sopa creme de couve-flor

Pique a couve-flor e a cebola, na proporção de 1 xícara de chá cheia de couve-flor e ½ de cebola para 1 pessoa. Em uma frigideira, espalhe 1 colher de sopa farinha de trigo e mexa até começar a dourar. Desligue e reserve. Ponha um caneco com água para ferver ( cerca de 2 xícaras). Dentro desta água, coloque ¼ de cenoura já sem a pele para cozinhar.

Deite em uma panela um fio de óleo, ou uma colher de chá de manteiga ou azeite. Frite ½ colher de café rasa de sal com alho. Misture a farinha de trigo torrada. Junte a couve-flor e a cebola. Mexa bem até começar a dourar. Agora acrescente água quente até cobrir tudo. Baixe o fogo e deixe ferver até que a couve-flor amacie. Se precisar, acrescente água, mas pouca.

Bata no liquidificador e volte para a panela. Acrescente leite, ou creme de leite ou requeijão, à gosto, até obter uma consistência de caldo ( se colocar creme de leite, não deixe que o caldo ferva). Prove o tempero. Pode acrescentar pimenta do reino branca em pó e nóz moscada, só um tico de cada. Se gostar de curry e/ou gengibre, pode experimentar, mas sem exagero!

Pique a cenoura em cubinhos.

Sirva o caldo quente enfeitado com a cenourinha. Incremente com queijo ralado, minas padrão ou um parmesão suave.

Quer esta receita impressa? Clique aqui para baixar o PDF e imprimí-lo.

Mousse de chocolate rápida

Standard

Tenho colecionado durante a vida diversas receitas de mousses de chocolate, pois é uma sobremesa que a minha família adora.  A que passo hoje para vocês é a mais simples de fazer. Todas as vezes que a fazemos em casa, a travessa volta da mesa raspada até o último vestígio de chocolate. Veja como é simples:

Mousse de chocolate

A mousse fica muito mais gostosa se feita com chocolate em barra. Prefiro o meio-amargo da Nestlé – são 150 gr. que você irá gastar. Vai usar também: 1 lata de leite condensado (395 gr.),1 lata ou caixa de creme de leite (250gr.), 3 claras de ovos ( 4 claras se o ovo for pequeno) e 1/2 sachê de gelatina em pó incolor.

Primeiro misture o pó da gelatina com 1 colher de sopa de água e leve por 30 segundos ao microondas para derreter. Reserve. Corte 150 gr. da barra de chocolate e leve ao microondas em uma travessa de louça ou pirex por 1 minuto. Misture, veja se está todo derretido e reserve.  Rale o equivalente a 3/4 de xícara de café de chocolate para a cobertura. Reserve. Tome o recipiente maior da batedeira e coloque o leite condensado com o creme de leite.  Bata em baixa velocidade. Junte o chocolate, torne a bater. Em outro recipiente, bata as claras em neve. Junte as claras batidas à mistura de cremes e chocolate e misture devagar e de leve. Por último, junte a gelatina e misture bem, de leve. Coloque na travessa que irá servir. Por cima, espalhe o chocolate ralado. Leve à geladeira por aproximadamente 5 horas antes de servir.

Quer esta receita impressa? Clique aqui para baixar o PDF e imprimí-lo.

Abóbora moranga com carne seca

Standard

Quando eu era menina as festas juninas eram em Junho. Começava a temporada de festança com as barraquinhas de Santo Antônio no dia 13, do santo padroeiro do colégio de mesmo nome no bairro dos Funcionários, hoje chamado de Savassi. Sucediam-se as festas nos colégios e clubes, com São João no dia 24 e fechando o mês com São Pedro no dia 29. Se eu começar a lembrar das histórias…escrevo esta folha e mais dez! Lembrei-me disto porque nunca faltavam nas barraquinhas os três caldos típicos mineiros: caldo de feijão, de mandioca e de abóbora. Hoje as festas se estenderam por julho afora mas não perderam suas características principais: quadrilha, fogueira, bandeirinhas e balões coloridos, barraquinhas de comidas típicas e de prendas. Ai, eu amo festa junina!

Vamos ao caldo que falta:

Caldo de abóbora com carne seca

Abóbora moranga rende bastante e nas festas juninas o caldo era infalível para que sua venda engordasse o cofrinho do santo. Ficava a ferver a noite toda nos imensos panelões das barraquinhas e era – ainda é – um dos pontos fortes de qualquer festa.

Em casa, se quiser sofisticar, pode apresentar o caldo dentro da própria moranga – é só pedir ao verdureiro para abrir uma tampa. Depois tire o recheio para fazer o caldo e coloque a abóbora no forno para amaciar. Por último, coloque o caldo pronto, esquente no forno e leve à mesa.

Para fazer o caldo, retire as sementes e corte a polpa da moranga em pedaços. Corte também cebola. Em uma panela, coloque um pouco de óleo e refogue a cebola e o sal com alho. Junte os pedaços de abóbora e acrescente água quente. Deixe cozinhar.

A esta altura, a carne seca (ou de sol) já deve estar preparada. Faça-a de véspera e deixe-a descansar no seu próprio caldo do cozimento. Veja a receita – igualzinho como se faz a carne cozida de panela.

Continuando, bata a abóbora já cozida com água no liquidificador e volte com o creme para a panela. Se precisar, acrescente água até o ponto de caldo. Deixe ferver. Pouco antes de servir, junte a carne seca desfiada e deixe cozinhar mais um pouco para entranhar o gosto. Prove o tempero, se quiser, acrescente pimenta. Na hora de servir, salpique cheiro verde picadinho.

Quer esta receita impressa? Clique aqui para baixar o PDF e imprimí-lo.

Caldo de batata doce com alho poró

Standard

Quem se lembra? Quando eu era criança, adorava doce de batata doce e ficava em volta de minha mãe na cozinha, a fazer o doce, repetindo sem parar: qual é o doce mais doce que o doce de batata doce? A gente tem que ser mãe bem novinha mesmo…como minha mãe tinha paciência com uma menininha tão repetitiva? Hoje ninguém mais faz este doce. Vou recuperar a receita. Prometo!

Agora batata doce está na moda e…aproveitando disto, com o legume sobrando na despensa, resolvi experimentar fazer um creme com esta batata para ver no que dava. Foi uma ótima surpresa! A batata doce tem uma consistência magnífica para purê ou creme e não precisa engrossar com farinha ou amido nem adicionar leite ou creme de leite. Excelente para os alérgicos a glúten e lactose ( como eu).

Caldo da batata doce com crespinho de alho poró

Para 2 pessoas basta um batata doce de bom tamanho, um talo de alho poró e meia cebola.

Descasque a batata e a cebola e corte em pedaços. Ponha água para ferver.

Refogue a batata em 1 colher de sopa de óleo. Junte o sal com alho e a cebola picada. Mexa bem até começar a fritar. Despeja água quente até cobrir a batata e deixe cozinhar. Quando espetar com um garfo e verificar que está macia, desligue e bata no liquidificador. Volte com o creme batido para a panela, verifique a espessura e o tempero. Reserve.

 

Pique o alho poró em fatias bem fininhas. Envolva em um pano de prato limpo para secar completamente. Coloque óleo para esquentar em uma panelinha, de modo que fique até a metade. Deixe que o óleo fique bem quente. Coloque o alho poró fatiado dentro de uma peneira de metal com alça. Frite no óleo, por imersão. Vá mexendo com um garfo para que frite por igual, sem deixar queimar. Quando estiver bem crocante, retire a peneira e despeja a fritura sobre papel absorvente. Tampe com outro papel e deixe secar. Salpique sal.

Sirva a sopa bem quente com o alho poró crespinho por cima.

Quer esta receita impressa? Clique aqui para baixar o PDF e imprimí-lo.

Creme de palmito

Standard

Esta é a sopinha perfeita para quando você chega em casa à noite com fome, quer comer algo leve e que não leve mais de 10 minutos para ser feito.

 Creme de palmito

Tire do vidro de conserva 2 talos de palmito.Pique 1/2 cebola pequena. Em uma frigideira, frite uma pontinha de sal com alho batido e a cebola em 1 colher de café de manteiga ou azeite. Junte 1/2 xícara (de café) de leite* e misture. Bata no liquidificador com 1/2 xícara de café de água. Volte para uma panelinha limpa. Para aproveitar o resto que ficou no liquidificador coloque mais 1/2 xícara de água, Dê uma rodada e junte ao creme da panela. Misture, salpique noz moscada, pimenta do treino branca e sal. Misture 1/2 xícara (de café) de creme de leite*, mexa e prove o tempero. Na hora de servir, decore com cenoura cozida picadinha e um ramo de salsinha. Dá para 1 pessoa.

* para quem tem intolerância à lactose, use azeite, leite e creme de leite zero lactose.

Quer esta receita impressa? Clique aqui para baixar o PDF e imprimí-lo.

Creme de inhame com linguiça

Standard

O inhame, ou cará (embora sejam um pouco diferentes), é um tubérculo comestível com o qual se pode fazer cremes, sopas, purês e bolos. Traz muitos benefícios para a saúde e ajuda no controle de peso, pois, ao ser ingerido, dá uma sensação de saciedade. Saiba mais em http://www.saude.pdw.com.br/2013/03/beneficios-do-inhame.html.

Hoje trazemos para você o creme de inhame feito com um toque mineiro. Para as noites mais frias, alimenta e é muito gostoso.

Creme de inhame com linguiça

Para 2 pessoas basta 1 inhame médio ou 2 pequenos, pois rende muito. Você vai usar ½ cebola, 1 ponta de colher de sal com alho, 1 colher de sopa de óleo, 1 palmo de linguiça de lombo fresca e temperada e ½ xícara de cheiro verde picadinho.

Descasque o inhame e pique em pedaços. Corte cebola, na medida de ¼ da quantidade de inhame. Ponha água para ferver à parte. Doure a cebola e o sal com alho no óleo, acrescente o inhame. Mexa. Assim que tiver mudado de cor e começar a secar, despeja água quente, tampe a panela, abaixe o fogo e deixe cozinhar até ficar macio.

Enquanto cozinha, coloque a linguiça inteira em um frigideira com pouca água e deixe que ferva. Espete a linguiça para ver se está cozida. Agora deixe a água secar ou escorra. Deite um pingo de óleo na frigideira e frite a linguiça de todos os lados. Assim que esfriar, corte-a com uma faquinha afiada ao comprido, para retirar a pele e os pedacinhos de lombo. Descarte as partes brancas, que são gordura pura. Reserve.

Desligue o fogo da panela com o inhame assim que estiver cozido, espere esfriar um pouquinho e bata no liquidificador. Volte com o creme para a panela, regule a espessura do creme, colocando mais água quente se estiver grosso ou deixando secar um pouquinho se estiver muito ralo. A consistência é de creme ralo, pois ao esfriar e depois esquentar para servir, vai engrossar. Prove o tempero; se gostar, acrescente pimenta do reino branca.

Pique a salsinha e a cebolinha verde miudinho e reserve.

Na hora de servir, coloque por cima do creme o cheiro verde e os pedacinhos da linguiça, como na foto.

Caldo de baroa ou mandioquinha

Standard

Há regiões do Brasil em que este legume que escolhemos para a nossa sopinha do jantar leva o nome de batata baroa ou simplesmente baroa. Em outras, é chamado de mandioquinha. Por muito tempo era apenas um ingrediente nutritivo de sopa de criança, mas hoje está na cozinha dos melhores chefs, no preparo de purês e cremes sofisticados. Como o purê feito só com a baroa costuma ficar liguento, gosto de misturá-la a outros ingredientes, o mais usual é a batata inglesa.

Certo dia, no hotel onde trabalhava, sendo a responsável pelo setor de gastronomia, precisei fazer um cardápio especial para um grupo de franceses. Queria fazer uma comida genuinamente brasileira, com ingredientes que ainda não conheciam, mas que, ao mesmo tempo, não fugisse do paladar ao qual estavam acostumados. Inventei então este creme. Na falta de palavra para traduzir baroa, coloquei “Crème au carotte jaune” ( creme de cenoura amarela). Fez um sucesso danado e permanece no cardápio internacional do hotel desde muitos anos.

Caldo de baroa com alho poró e cebola

O nome já diz os ingredientes. A proporção que uso é : 1/2 de baroa, 1/4 de alho poró e 1/4 de cebola. Temperos: sal com alho, pimenta do reino branca, noz moscada, cebolinha verde. Se gostar, uma pitadinha de nada de curry faz a diferença.

Deite óleo, manteiga ou azeite em uma panela e frite a cebola e o sal com alho. Junte o alho poró e a baroa. Frite bem, junte água fervente até cobrir os legumes, tampe a panela, abaixe o fogo e deixe cozinhar. Quando espetar o garfo na baroa e perceber que está macia, retire todo o conteúdo da panela e bata no liquidificador. Se o creme estiver muito grosso, junte um pouco de água e bata mais. Volte para a panela e tempere a gosto. Deixe ferver. O creme deve ficar com a consistência de um caldo grosso. Na hora de servir, junte creme de leite ( para a proporção de legumes que viu na foto, use 1 xícara de café) .Retire do forno antes que ferva. Sirva com cebolinha verde para colocar individualmente nos pratos. Acompanhe com torradas amanteigadas.

Quer esta receita impressa? Clique aqui para baixar o PDF e imprimí-lo.

Deliciosa tarde de verão na Alessa

Standard

Dia destes, nossa querida amiga, proprietária da Alessa Gelato & Caffè, convidou o blog Sal & Alho para uma degustação de sorvetes!!!!

Foi um encontro de amigas, mães e filhas.  Além de termos provado sabores surpreendentes e absolutamente maravilhosos de sorvetes de diversos tipos, foi “aquela” aula sobre o preparo.  Um toque da razão do sucesso da Alessa: profunda paixão e dedicação dos sócios durante 7 anos, matéria prima de primeiríssima e um mestre sorveteiro italiano!

Saímos de lá com uma vontade danada de juntar as ideias. Chegamos em casa e logo preparamos algumas receitas de saladas com sorvete para este verão.  Ficaram deliciosas e claro, super refrescantes.  Estas saladas serão publicadas durante o 2o. Festival de Saladas, em fevereiro.

Agora…rã, rã… vamos matar todos vocês de inveja… só tem um jeito de não ficarem tão tristinhos… ir lá na Alessa muitas vezes!

Degustação de sorvetes da Alessa

Sorbets

São sorvetes feitos a base de frutas e água, sem leite. Para os sensíveis à lactose é um presente do céu! As frutas são compradas de fornecedores especiais e, mesmo assim, são selecionadas uma a uma, pois tem que estar no ponto certo de maturação.  Entre os diversos sabores, foram escolhidos: Limão, Framboesa e Manga com gengibre.

Frutas à base de creme

O leite para o preparo da base vem direto de um fazenda mineira especialmente escolhida, pois precisa ter um percentual de gordura maior que o leite comum.  Isto permite que não se acrescente nenhum tipo de gordura artificial, tipo hidrogenada. Além de conferir muito mais sabor, é mais saudável.  Assim, os sorvetes da Alessa se enquadram no padrão internacional Premium.  Algumas frutas ficam perfeitas nessa base cremosa.  Selecionados para provarmos: Côco, Banana e Amarena. Divinos!

Três cremes

Para aprendermos a distinguir os sabores, serviram os três tipos fundamentais, completamente diferentes: Creme, Baunilha e Iogurte.  Excelentes para acompanhar tortas e sobremesas.

Mineiros

Claro, não podia deixar de ser! Influência da sócia mineira. Acertou em cheio! Fantásticos: Mineirinho (queijo com doce de leite), Romeu e Julieta (goiabada com queijo minas) e Canela (aquele gostinho de leite queimado da roça!)

Italianos

Desta vez, ideias do mestre sorveteiro, que escolheu aqueles que mais adora de sua terra natal: Zabaione, Tiramisu e Mascarpone com frutas vermelhas. Cada um mais sensacional que o outro, sabores inusitados e preparo sofisticadíssimo!

Castanhas

São à base de creme, cada um feito com um processo diferente para guardar o sabor da castanha: o de Pistache, o de Nozes e o de Castanha do caju (este, feito com pequenas castanhas caramelizadas para permanecerem crocantes)

Doces de Leite

3 sabores maravilhosos à base de doce de leite, receita artesanal que mistura o doce de leite mineiro com o argentino.  O doce de leite clássico, o Alessa, que leva doce de leite mesclado, e o Pé de moleque.

 Chocolates

Esta rodada foi a preferida das apaixonadas pelo chocolate, e quem não é? Veio o sucesso da casa que é o Andrea, também o Azteca que é um Sorbet (agradeci de joelho poder me esbaldar de sorvete de chocolate sem lactose, uau!) e o Gianduia (indescritível, o mesmo sabor daquele chocolatinho de papel dourado do Piemonte na Itália)

Doces

A última rodada não foi de sorvetes, mas nem por isto menos deliciosa.  Provamos o doce de leite fabricado pela Alessa, e também dois sabores de Alfajor.

Sobremesa Alessa

Ao terminarmos, ninguém conseguiu chegar a um acordo sobre o seu próprio sorvete predileto; na verdade, saímos da mesmice de pedir sempre a mesma coisa para descobrirmos que nosso paladar se abre com prazer a novas descobertas!

O fato misterioso foi que degustamos uma tacinha de cada um destes sorvetes (epa, 24!) e ainda deu vontade de provar dos outros sabores expostos ali no cardápio da loja.  Aí então foi que eu, que detesto sabores muito doces, daqueles que fazem cosquinha no céu da boca, acreditei que os sorvetes da Alessa são mesmo fabricados com um tipo de açúcar especial, que por ter um sabor mais pronunciado pode ser usado em quantidade muito menor, tornando os sorvetes muito menos calóricos! Outra: também detesto coisa muito gelada, pois me dói o céu da boca; só que os sorvetes Alessa são naturalmente cremosos e consequentemente menos gelados, e também mais intensos pois não têm adição artificial de ar (isto mesmo, injetam ar nos sorvetes industrializados para apresentarem mais volume!). Maravilha, agora é que vou mesmo mergulhar de cabeça nos sorvetes! Não resistimos e levamos para casa caixas e caixas de sorvete, afinal, como contar de nossa aventura gastronômica sem levar nem um tiquinho para quem amamos? Falando nisto, posso dar uma paradinha aqui na nossa conversa pra ir ali na minha geladeira degustar meu sorvete predileto? Hum…te pago um lá na Alessa se adivinhar qual!

Ravioli ao creme de aspargos com camarões

Standard

Dizem os entendidos que o fundamental da boa culinária é o uso de ingredientes de boa qualidade. Acrescento que precisam ser bem combinados. Quando acertamos em alguma combinação, a gente nem acredita que antes estes ingredientes andaram por aí, perdidos um dos outros. É o caso que conto a seguir, de um pacote de massa fresca, no caso um ravioli de muçarela, um maço de aspargos e alguns camarões que um dia se encontraram, por mero acaso, na mesma prateleira da nossa geladeira.

Ravioli de muçarela, molho de aspargos verdes e camarões flambados

Compre uma bandeja de ravioli recheado com muçarela comum ou de búfala. Já vem pré-cozido e se tiver umas 20 peças, dá para 4 pessoas. Faça o molho branco com aspargos. Siga a receita do molho branco, porém, este molho vai virar um molho de aspargos: afervente de 2 a 3 aspargos por pessoa (não deixe que amoleçam) e depois bata no liquidificador a metade deles, justo a metade de baixo de cada haste. Junte o caldo de aspargos ao molho branco, misture e deixe ferver. Agora junte a outra metade dos aspargos, cortados em tronquinhos de 3 a 3 cme deixe ferver mais um pouco, se precisar, raleie o molho com leite. Acrescente creme de leite, cerca de 1/4 da quantidade de molho. Prove o sal, junte pimenta do reino branco e nós moscada, se gostar. Misture e desligue o fogo antes do creme tornar a ferver.

Forre o fundo de uma travessa refratária com o molho. Disponha uma camada dos raviólis, torne a cobrir com o molho de aspargos e repita até terminar a camada de cima com o molho.

Se quiser sofisticar, limpe e tempere os camarões. Depois de 15 a 30 minutos, proceda à fritura, no fogo forte, dos camarões, na manteiga ou no azeite. Agora veja como flambar os camarões. Pronto, pode colocá-los sobre a última camada de molho e levar a travessa ao forno um pouco antes de servir.

Sal com AlhoQuer esta receita impressa? Clique aqui para baixar o PDF e imprimí-lo.

 

Sopa de tomates a jato para o fim de noite

Standard

Domingo à noite, você chega só em casa, enjoado da overdose de comida do almoço, um bocado tonto e pensa que vai dormir. Aí bate aquela fome e uma vontade de comer algo mas não sabe definir o quê. Nada na geladeira lhe apetece. Padaria fechada, não sairá nem morto! Encomendar delivery? Quando chegar estará no sétimo sono. Fazer comida? Tudo lhe parece trabalhoso e pesado. Solução plausível: um bom creme de tomate com torradinhas! Fácil de fazer e fácil de comer!

Creme de tomates

De duas, uma: se não tiver aquele molho de tomates caseiro pronto, abra aquela lata estratégica de pomodori pelati italiano que você não pode deixar faltar no setor  de emergência de sua despensa.  Verifique se tem ½ xícara de chá de creme de leite e a mesma quantidade de leite. Separe 2 fatias de pão, passe manteiga e leve ao forno para tostar. Ao mesmo tempo que fará o creme, cozinhe um ovo por 15 minutos (contando a partir  de quando colocá-lo na água fria e acender o fogo médio).

No caso do tomate em lata: bata os tomates no liquidificador sem as sementes *( passe em um coador grande). Separe 1 colher de sobremesa de manteiga, 1 colherinha rasa de sal com alho, 1 colher de sobremesa de farinha de trigo, ½ cebola,  1 raminho de salsa e 1 talo de cebolinha. Coloque a manteiga na panela, acrescente a farinha de trigo e frite o sal com alho. Misture para obter uma pasta lisa. Junte a cebola, continue mexendo até dourar.  Adicione ao tomate no liquidificador e bata bem.

No caso do molho caseiro, que já foi feito com cebola e cheiro verde: deite a manteiga na panela, acrescente a farinha de trigo e frite o sal com alho. Misture para obter uma pasta lisa. Junte ao tomate no liquidificador e bata bem.

Volte com o molho batido para a mesma panela. Raspe a borra do fundo com a colher de pau e misture. Junte a salsinha e a cebolinha inteiras. Deixe ferver em fogo baixo por 15 minutos. Coloque tempero a gosto – sal, pimenta do reino e molho inglês – prove se está bem temperadinho.  Retire a salsinha e a cebolinha. Um pouco antes de servir, junte a mistura de leite e creme de leite. Misture. Assim que recomeçar a ferver, estará pronto! Sirva seu prato e coloque o ovo cozido fatiado por cima do creme.

Depois de se deliciar com este suculento creme, que cura qualquer ressaca, dormirá o sono dos anjos, pois seu estômago estará em plena paz!

*Dica – aquele gosto ácido do molho de tomates que faz com que as pessoas coloquem açúcar no molho é devido à presença das sementes. Se você sempre  tirá-las, não terá que  acrescentar açúcar, assim fica mais saudável e muito mais gostoso.

 

Quer esta receita impressa? Clique aqui para baixar o PDF e imprimí-lo.