Purê de 3 batatas e a história da batata

Standard

Batata para todos

Batata é uma unanimidade – hoje é o quarto alimento mais consumido no mundo. Originária dos Andes sul-americanos, foi levada à Europa pelos colonizadores espanhóis. Porém, você pode imaginar que a batata já foi tida como alimento impróprio e impuro? Só porque crescia debaixo da terra, os europeus achavam que só servia para ser dada aos porcos! Sabe como se tornou popular? Vou contar a história:

Na segunda metade do século 18, os pobres passavam fome na França enquanto os nobres viviam no maior luxo. Reza a lenda que nos idos dos anos 1770 o rei Luiz XV ficou sabendo que uma horda de famintos planejava invadir o Palácio de Versailles. Junto com seus ministros e assessores, decidiu dar um grande banquete nos jardins do palácio a fim de aplacar a ira dos famigerados. Marcou a data. A notícia se espalhou. Os cozinheiros vieram dizer que, diante da multidão que era esperada, não haveria trigo suficiente para fazer pães.

Antoine Parmentier, chef da cozinha do palácio e também agrônomo, há algum tempo defendia veementemente o uso da batata como alimento próprio ao consumo humano, mas ninguém lhe dava ouvidos. Surgia a oportunidade de vencer as resistências. Como tinha uma padaria-escola, ensinou aos cozinheiros do palácio a fazer pães e outras receitas com batata. No dia do grande banquete as pessoas se fartaram de comer e elogiaram os quitutes. Um detalhe: só contaram que o ingrediente básico das receitas havia sido a batata no dia seguinte da festa, quando a multidão já enchera a barriga de batata sem saber o que comia! Daí Parmentier obteve a permissão do rei para ensinar o cultivo da batata aos agricultores.

Nas muitas guerras que se seguiram à esta época foi a batata que salvou a população europeia da fome.

Quem me contou esta história, quando eu tinha doze anos, foi Mère Colombier, freira francesa de nascimento e minha professora de história no colégio.

Hoje vou passar a receita de um purê delicioso que se faz com três tipos de batata: a batata inglesa, a batata doce e a batata baroa, também conhecida por mandioquinha.

Purê de três batatas

Considere que a quantidade de batata inglesa deve ser igual à das outras duas batatas juntas. A receita é a mesma do purê de batata: cozinhe as batatas sem pele na água com sal até ficarem bem macias. Esprema ou amasse. Misture as três massas.

 

Em uma panela, esquente manteiga (1 colher de sobremesa rasa para cada batata), doure o sal com alho e a cebola triturada ou ralada ( ¼ de cebola pequena para cada batata). Acrescente a massa das batatas e misture bem com uma colher de pau.  Vá juntando leite quente aos poucos e mexendo até formar um mingau grosso e homogêneo. Continue mexendo em círculo até que o purê comece a pular e a desgrudar das laterais da panela.

Dica: se não for servir na hora que terminar de fazer, deixe o purê um pouco mais mole, pois ao esfriar ele endurece. Se na hora de servir o purê estiver duro, junte mais leite quente e volte a mexer até ficar no ponto outra vez.

Quer esta receita impressa? Clique aqui para baixar o PDF e imprimi-lo.

 

A famosa caipirinha

Standard

A caipirinha é uma embaixadora especial do nosso país, pois leva a alegria de viver do brasileiro para todos os cantos do mundo. Está entre os 10 coquetéis mais conhecidos e entre os 5 mais consumidos no mundo!

Como todo brasileiro sabe, este tradicional coquetel tem como base o destilado de cana-de-açúcar que, praticamente, nasceu junto como Brasil: a cachaça. Os outros ingredientes são o açúcar de cana e aquele limão pequeno e bem verdinho – o limão tahiti.

A cachaça artesanal de Minas Gerais é considerada a melhor do país (e do mundo) e a região produtora mais famosa é a de Salinas.

Caipirinha – aqui vai a receita original:

Os ingredientes: 1 limão tahiti, 1 dose ( 50 ml) de cachaça artesanal branca e cristalina, 2 colheres de chá de açúcar cristal branco, 1/2 copo de cubos de gelo. Vai precisar de uma faca, um pilãozinho de madeira e uma coqueteleira.

Como fazer: corte o limão em 8 partes. Coloque metade no pilão com 1 colher do açúcar. Esprema bem. Complete com o restante do limão e do açúcar e torne a espremer. Transfira a mistura para a coqueteleira, junte a cachaça e os cubos de gelo. Mexa. Coloque a mistura em um copo de boca larga. Acrescente mais gelo, se o dia estiver muito quente!

No Brasil, toda vez que comemos feijoada servimos antes a caipirinha. Também vai bem com carne de porco, feijão tropeiro e bolinhos típicos. Veja aqui algumas sugestões de receitas genuinamente brasileiras. Clique para ver a receita e imprimi-la:

Feijoada brasileira

Lombo de porco à mineira

Lombinho flambado na cachaça

Carne de panela das antigas

Picadinho de filé

Iscas de frango com gergelim 

Camarão na moranga

Arroz com suã

Feijão tropeiro

Caldo de feijão 

Mexido

Bolinho de arroz

Bolinho de bacalhau

Bolinho de boteco

Bolinho de mandioca

 

 

 

Salada Évora

Standard

Quando crio novas saladas gosto de dar a elas nomes de lugares. Esta, por exemplo, tem ingredientes que os portugueses amam: pimentões, ovos, alcaparras e azeitonas pretas.
Então resolvi homenagear esta linda cidade ao sul de Portugal. Se não a conhece, acrescente na sua lista de lugares a visitar, principalmente porque lá se come muito bem.

Esta salada tem detalhes especiais. Primeiro: não gosto de pimentão cru, pois é indigesto – veja a seguir como prepará-lo para saladas. Segundo: ao invés de colocar ovos simplesmente cozidos, tempere-os, preparando um pesto para as claras e um molho com mostarda para as gemas. Quanta diferença faz!

Separe: 2 pimentões, azeite, 3 ovos, 1 colher de café de mostarda, sal, cheiro verde ( salsinha e cebolinha), algum tipo de nozes, pinhole ou castanha, queijo tipo parmesão ralado, alcaparras, azeitonas pretas e folhas de rúcula.

Prepare os pimentões:
Corte um pimentão vermelho e outro amarelo, no sentido do comprimento, em 4 partes. Tire as sementes. Pincele com azeite uma travessa refratária, esfregue os pimentões neste azeite, de um e outro, e leve-os ao forno a 180 graus para assarem – com a pele para cima. Quando a pele estiver enrugada e levemente escurecida nos cantos, retire-os e, ainda quentes, puxe a pele com uma faquinha. Corte-os em tiras finas. Reserve.

Prepare os ovos:
Cozinhe 3 ovos em água quente, tirando um com 5 minutos de fervura da água, para ficar com a gema mole, e os outros dois com 10 minutos, para ficarem duras. Corte os ovos, já frios, ao meio, no maior sentido ( veja foto). Amasse e misture as gemas com um garfo e tempere-as com sal, azeite e mostarda e, se gostar, um pouquinho de pimenta do reino. Pique as claras.

Prepare um pesto cortando miudinho o cheiro verde e macerando com azeite em um pilão até o azeite ficar verde. Junte as nozes picadinhas e o queijo ralado bem fininho. Reserve.

Monte o prato dispondo as folhas de rúcula embaixo e regando-as com um fio de azeite. Por cima, arranje com arte as fatias de pimentão assado, as alcaparras, as azeitonas pretas, as claras temperadas com o pesto e salpique o creme de gemas.

Quer esta receita impressa? Clique aqui para baixar o PDF e imprimi-lo.

Salmão bonito e rápido 

Standard

Em um restaurante japonês é fácil identificar o salmão – servido fatiado, frio e cru, na forma de sushi ou sashimi – pela sua coloração característica. E na peixaria? Como varia muito de tamanho e aspecto e a coloração da carne vai do rosado claro até o quase vermelho, muitas vezes esse peixe, que tem pele cinza e escamas prateadas, pode deixar duvida se é mesmo um salmão. Pois saiba que esta variação é porque “salmão” é o nome genérico de várias espécies de peixe da família Salmonidae. Ele toma sua cor característica devido ao tipo de alimentação que consome, transformada em um pigmento de nome astaxantina. Seu consumo faz muito bem para a saúde pois é rico em Ômega 3.

 Salmão com crosta de gergelim

 Se você está com pouco tempo e deseja um prato com uma bonita apresentação, esta receita é ótima. Escolha uma posta de filé de salmão. Separe azeite, sal, gergelim branco e preto.

Tempere o peixe só com sal. Deixe no tempero de 15 minutos a meia hora.

Coloque os dois tipos de gergelim em um pratinho, em igual proporção e misture. Passe um pouco de azeite do lado superior do peixe – o que está sem a pele – e deite-o sobre o gergelim para que os grãos grudem por igual. Esquente 1 colher de sopa de azeite em uma frigideira anti-aderente e frite o salmão, primeiro com a crosta para baixo. Observe as laterais e quando o peixe mudar de cor até a metade da altura da posta, vire-o e deixe-o corar do outro lado. Retire da frigideira e coloque o peixe – desta vez com a crosta para cima – em uma assadeira untada com azeite e leve ao forno pré-aquecido (a 180 graus) para acabar de cozinhar. Quando espetar um garfo e este sair limpo, o peixe está pronto!

Sirva com salada, arroz ou risotto.  Como sugestão,  veja aqui a receita do risotto com limão siciliano. Acompanha bem um vinho branco tipo chardonnay.

Quer esta receita impressa? Clique aqui para baixar o PDF e imprimi-lo.

O cordeiro de Bruxelas

Standard

Diretamente de Bruxelas, a nova filial do nosso blog Sal & Alho.

Esta linda cidade, tradicional entreposto de comércio de alimentos desde a Idade Média, continua mundialmente famosa pelos chamados Mercados de Domingo, atraindo aos belgas pelos ótimos preços. Acontecem várias feiras ao mesmo tempo e a maior delas é na região da estação ‘Gare du Midi’, ao sul da cidade, no bairro de Saint-Gilles – de onde partem e chegam os trens com ligação internacional. A oferta variada e multi-cultural, com indiscutível predominância árabe, atrai também gente do mundo inteiro. Falam-se ali todas as línguas: francês, holandês, árabe, italiano, espanhol e até português – uma verdadeira torre de Babel! Morando na cidade desde fevereiro, tenho me divertido indo à feira aos domingos para comprar as frutas e legumes habituais da semana, além de castanhas, queijos e peixes. Normalmente, logo encho as mãos de sacolas, ficando sem condição de tirar fotos. Porém, prometo: qualquer dia vou mostrar a feira pra vocês aqui no blog.

Um dia desses, a feira já estava terminando e eu, atrasada, tentava conseguir aproveitar o que ainda estava à venda.  Deparei-me com uma barraquinha de carnes com promissoras costeletas de cordeiro. Inspirada, pedi ao vendedor algumas costeletas, já cortadas e sem osso. Para acompanhar, escolhi as tradicionais couves-de-bruxelas e batatas. Chegando em casa, tratei de preparar esta receita, de modo bem simples, chamando-a de…

O cordeiro de Bruxelas 

Para 2 pessoas você vai precisar de: 4 costeletas de cordeiro, 2 batatas médias, 10 couves-de-bruxelas, 2 colheres de sopa de pesto de manjericão, 1/2 xícara de vinho tinto, sal, alecrim e pimenta do reino.

Cerca de uma hora e meia antes da refeição, prepare um temperinho com  vinho, sal, alecrim e pimenta do reino.  Mergulhe as costeletas dentro, molhando-as bem dos dois lados. Cubra-as e deixe-as no tempero por meia hora. Enquanto isso, prepare o pesto cortando as folhinhas de manjericão e macerando-as no azeite. Cozinhe as batatas até estarem ainda um pouco duras, mas no ponto certo de cortar. (Obs.: curiosamente, as batatas daqui tem mais água e por isso já podem ser cortadas cruas, sem cozinhar). Descasque-as e corte-as em fatias bem finas, de 3 a 5 mm.

Corte 4 pedaços de papel alumínio de aproximadamente 20 x 20 cm e coloque-os sobre a bancada, com o lado brilhante para cima. Tire a carne do tempero (reservando-o para usar depois). Deite um fio de azeite em uma frigideira e deixe esquentar bem. Passe as costeletas até que corem levemente dos dois lados. Coloque sobre cada folha de laminado as peças de carne e, por cima de cada uma, uma colher cheia do pesto – ou até cobri-la totalmente. Feche os pacotes, deixando, perto da pontinha do osso,  um pouco de espaço para o ar circular.  Feche bem na parte da carne coberta com o pesto, para não deixá-lo escapar. Coloque os embrulhos no forno, já pré-aquecido a 180 graus.

Enquanto isso, na mesma frigideira que selou a carne, disponha as fatias de batata. Se precisar, acrescente mais azeite ou manteiga. Deixe até corarem e vire-as. Em outra panela, pequena e funda, coloque as couves-de-bruxelas na água, a conta de cobri-las. Assim que a água ferver, desligue o fogo e tampe a panela, até verificar que as bolinhas ficaram macias. Atenção: essas mini-couves são de sabor forte mas delicado, se cozinharem demais ficam com  cheiro e sabor ruim.

Depois de meia hora de forno, retire os pacotes e abra um pouquinho do espaço deixado na parte do osso, derrame o tempero de vinho que guardou sobre a carne e volte para o forno, ainda embrulhada. Isso impedirá que a carne fique seca. Depois de mais 15 a 20 minutos, estará pronta e macia.

Antes de servir, passe as couves-de-bruxelas na mesma frigideira das batatas para aquecê-las e tempere-as com azeite, sal e ervas.

Para montar o prato individual: disponha as batatas formando uma camada, equilibre as couves-de-bruxelas por cima e, por último, ponha as 2 peças de costeleta, uma apoiada sobre a outra.

Quer esta receita impressa? Clique aqui para baixar o PDF e imprimi-lo.

Lombo de porco com damasco e especiarias

Standard

Outro dia minha filha casada, que mora em Belo Horizonte, prometeu à alguns amigos uma receita exclusiva para um almoço especial. Como sempre está muito ocupada, deixou as compras para a véspera e precisava de alguma preparação simples, porém original e deliciosa. Com saudade do sabor da receita com especiarias que fizemos outro dia –  cordeiro no tagine – ela resolveu testar uma receita nova de lombo de porco. Como toda vez que inventamos uma receita nesta família, nos reunimos para a festa!

Ingredientes: 1,5 kg de lombo,  3 cebolas, 100 gr. de bacon, 10 damascos, 6 colheres de sopa de azeite de oliva e o seguinte temperinho especial: 1/2 colher de café de gengibre em pó, 1/2 colher de café de coentro, 1 colher de café de salsinha picadinha, 1 colher de café de açafrão, 1 colher de sopa de canela e 2 colheres de sopa de açúcar refinado. Misture tudo com capricho até formar uma massa homogênea.

Tempere a carne de porco de véspera, com uma mistura de sal com alho e pimenta-do-reino. Para 1,5 kg de carne, basta uma 1 colher de sopa. Fure o lombo com um garfo para o tempero entranhar. Coloque o lombo em um saco plástico e despeje dentro 1 xícara de café de vinho branco (melhor ainda se for rosé), para que o tempero se distribua de forma uniforme. Feche o saco bem apertado e deixe-o na geladeira.

Vamos começar o preparo. Antes de tudo aqueça um caneco de água. Água fria estraga qualquer receita. Corte o lombo de porco, na transversal, em fatias de 1 dedo de espessura e depois cada fatia em tirinhas de 1 dedo. Corte as cebolas em oito partes cada e o bacon em fatias grossas.

Como na receita do cordeiro, usamos a panela que tem o nome de  tagine. Se tiver oportunidade, compre um pra você – costuma ter em lojas de produtos para casa e cozinha em países onde há população árabe ou muçulmana. Nem precisa ser na África ou no Oriente Médio. Em Bruxelas, por exemplo, é fácil de achar, tem até na Ikea, aquela super loja com preços ótimos. A vantagem é que o tempo de cozimento é reduzido, como em uma panela de pressão, com a diferença que acentua o sabor dos alimentos e conserva todas as propriedades naturais. Para receitas com especiarias então é uma maravilha, recomendo!

No prato fundo do tagine ou em uma panela de fundo grosso, deite metade do azeite e frite a metade do bacon. Acrescente a cebola toda e quando esta estiver quase translúcida e dando água, misture o tempero. Veja na foto que o tempero deve colorir a cebola de forma uniforme. Se estiver sem caldo, acrescente água quente pelas beiradas. 

Em uma frigideira, frite o restante do bacon e sele a carne ( doure até mudar de cor) Quando estiver corada, misture a carne à cebola no tagine, tampe a panela e deixe em fogo baixo até que fique macia. No tagine leva cerca de 20 minutos para cozinhar, em uma panela normal, pelo menos 40. Quando estiver quase pronta, junte os damascos e misture. Retire os pedaços de bacon que estiverem inteiros e deixe os damascos amolecerem.

Sirva com arroz branco.

Quer esta receita impressa? Clique aqui para baixar o PDF e imprimi-lo.

Bolinho de mandioca

Standard

Entre os bolinhos que nós mineiros fazemos como tira-gosto para acompanhar caipirinha ou cerveja, ou de última hora reforçar um almoço fraquinho, o que mais gosto é o de mandioca. Geralmente preparo como vai nesta receita, mas se quiser arrasar, coloque recheios!

Bolinho de mandioca

Aprenda a fazer receitas, como se diz, “no olho”, ou seja, sem medir quantidades. Esta será a primeira para você treinar! Vamos lá, coragem , vai dar certo porque é muito fácil.

Cozinhe a mandioca- de preferência a de massa amarela, pois é melhor. Quando estiver bem macia, amasse-a ainda quente dentro de uma bacia de plástico ou tigela. Para dar liga na massa é preciso colocar gema de ovo. Para o equivalente a 2 xícaras de chá de massa de mandioca vai uma gema de ovo – isto só para você ter noção. Misture bem. Não precisa colocar farinha de trigo, mas se a massa estiver mole, pode acrescentar – para esta quantidade de massa de mandioca – uma colher de sopa. Ao contrário, se a massa estiver difícil de trabalhar, grossa, pingue leite. Eu não costumo colocar nem farinha nem leite. Junte sal e pimenta e prove. Acrescente salsinha e cebolinha picadinhas e misture tudo.

Coloque óleo para esquentar em uma panela média. Quando estiver quente, despeje uma colherada da massa. Assim que a colocar, o óleo tem que espumar, mostrando estar no ponto. Aos poucos, coloque mais colheradas da massa, de modo que um bolinho não encoste no outro. Quando ver que coraram por baixo, vire e deixe corarem do outro lado.

Assim que tirar da panela, escorra os bolinhos rapidamente em um coador de aço inox e ponha-os para secar sobre papel toalha, tampando-os para não esfriarem. Sirva quente.

Se quiser rechear- pode ser com carne seca desfiada, tirinha de queijo minas, linguiça já frita e desmanchada – coloque o recheio dentro do bolinho antes de fritar e feche-o bem.

Quer esta receita impressa? Clique aqui para baixar o PDF e imprimi-lo