Copa de lombo com abacaxi festivo

Standard

Esta receita foi preparada para a Ceia de Natal mas pode muito bem ser feita em qualquer ocasião. Além disso, é perfeita para ser servida tanto quente quanto fria. O copa lombo é um corte do porco muito saboroso pois a carne é marmorizada e a gordura entremeada, quando assada, deixa a carne molhada e suculenta.

Ingredientes para o preparo da carne:  1,5 kg de copa lombo, 1 cebola roxa e 1 cenoura. Mais 1/3 talo de alho poró e 3 ramos de alecrim. Para temperar a carne: 1 colher de sopa de sal com alho, 1 colher de sobremesa de molho inglês, 1 colher de sopa de molho de soja, 2 colheres de sopa de vinho branco. 1 colher de sopa de salsinha picada, 1 colher de sopa de cebolinha picada e pimenta-do-reino moída na hora.

Ingredientes para o molho de abacaxi: 1 colher de sopa de manteiga (pode ser azeite), 1/2 cebola roxa e 1 dente de alho picadinhos. 1/3 de pimentão vermelho e 1/3 de pimentão amarelo (retire as sementes e as partes brancas) cortados bem miudinhos, 1 abacaxi descascado e cortado em cubinhos (retire o centro), 2 maçãs fuji sem casca e cortadas em cubinhos. 1/2 copo de vinho branco, 1/2 xícara  de açúcar mascavo, 1 limão siciliano, 1 colher de chá de gengibre, 1/2 colher de chá de curry. 3/4 de xícara de uva passa preta, 5 fatias de presunto parma.  Pimenta do reino branca a gosto.

Tempero da carne: na véspera, tempere a carne (de 12 a 24 hs antes do cozimento). Com um garfo espete a superfície da carne para que o tempero penetre e depois passe o sal com alho. Coloque a peça inteira dentro de um saco plástico e despeje estes temperos já misturados: molho inglês, molho de soja e vinho branco. Agora acrescente as ervas, espalhando-as. Triture sobre a carne um pouco de pimenta-do-reino. Feche o saco e verifique se o caldo está molhando toda a carne. Coloque o saco dentro de uma assadeira na geladeira. Vire-o de tempos em tempos para que a carne tempere por igual.

Preparo da carne: Passado o tempo suficiente para a carne pegar tempero, inicie o seu preparo, uma vez que leva cerca de 3 horas para assar. Preferencialmente, retire a carne da geladeira 2 horas antes para que não leve um choque térmico ao ir para o forno (isso endurece a carne!). Aqueça o forno a 180 graus. Retire o excesso de temperos e sele* a carne numa frigideira já quente com um fio de azeite. (* selar: dourar a carne no óleo bem quente). Assim que a carne estiver corada de todos os lados, coloque-a sobre uma assadeira com um pingo de azeite. Leve-a ao forno coberta com papel alumínio por 1 h30′.

Dica 1: depois que retirar a carne da frigideira onde a selou, aproveite a borra para fazer o caldo. No fogo baixo, despeje água quente e raspe o fundo com uma colher de pau para incorporar o caldo. Desligue e reserve, pois irá usá-lo para molhar a carne.

Dica 2: Enquanto a carne assa, faça o ‘mis en place’ para o molho de abacaxi: separe os ingredientes e pique-os, deixe-os prontos para o preparo.

Continuação após 1h 30’de forno: retire a assadeira do forno e coloque os cubos de cenoura e de cebola roxa nas laterais da carne. Despeje a metade do caldo que ficou na frigideira sobre ela e conte mais 1 hora de forno até o próximo passo (confira de vez em quando: se o caldo secar, acrescente água quente pelas beiradas).

Continuação após mais 1h de forno: lembra do alho poró? Está na hora de prepará-lo. Se fosse levado ao forno antes  já estaria torrado, então usamos um truque. Abra o forno, retire o papel alumínio e despeje o restante do caldo sobre a carne. Aproveite a panela suja para refogar o alho poró (fica com o gostinho do caldo). Esquente um fio de azeite e refogue o alho poró, já picado em rodelas finas, até dourar. Tire então a assadeira do forno e distribua o alho poró pelas laterais da carne (sobre a cebola e a cenoura que já estarão macias). Espalhe os ramos de alecrim. Volte com a carne para o forno e aumente a temperatura para 200 graus. Conte mais 1/2 hora e então desligue o forno. Volte a envolver a carne com o papel alumínio para que não resseque. 

Enquanto a carne está quase no final do cozimento…

Preparo de molho de abacaxi: fase 1- numa panela funda derreta a manteiga e doure a cebola e o alho. Acrescente o pimentão vermelho, o pimentão amarelo, o abacaxi e por último, as maçãs. Verta 1/2 copo de vinho branco, espere evaporar o álcool e acrescente o açúcar mascavo. Mexa bem e então misture o suco do limão siciliano já coado. Misture novamente, acrescente o gengibre e o curry e deixe que o molho cozinhe em fogo baixo, mexendo às vezes para não grudar no fundo da panela.

Fase 2: estando a maçã e o abacaxi cozidos, acrescente a uva passa; prove e acerte o tempero com sal e pimenta branca a gosto. Deixe apurando em fogo baixo até o caldo secar. Fase 3: pique o presunto parma e misture ao molho. Desligue imediatamente.

Um pouco antes de servir, retire a carne do forno para que resfrie, concentrando o caldo dentro dela.

Pronto! Agora é só fatiar a carne e montar o prato!

Quer esta receita impressa? Clique aqui para baixar o PDF e imprimi-lo.

9

 

Castrillo – Cocido Maragato

Standard

A começar do farto e variado café da manhã no Parador San Marco em León, hoje foi um dia de muitas andanças e comilanças. Ainda bem que a primeira compensa a segunda, caso contrário só hoje teria engordado um quilo. Pé na estrada pelo Caminho de Santiago. No meio da manhã paramos em Astorga. Imagine uma cidadezinha cuja rua principal é composta de uma loja de doce ao lado da outra com todo o tipo de guloseimas, balas, chocolates e os famosos biscoitos Mantecados. Minhas amigas se esbaldaram! Como não posso comer nada com farinha nem manteiga fui a ver vitrais na famosa Catedral gótica. Belíssimos!

 

Lá pelas duas da tarde, após uma boa caminhada em ligeiro aclive, chegamos a um dos povoados mais lindos e românticos que já vi na vida: Castrillo de los Polvazares. Juro que se casasse de novo iria passar a lua-de-mel neste lugar encantador. As vielas tem calçamento de pedra rústica,o casario é todo antigo e construído em alvenaria de pedras e argamassa da cor de terra, as janelas são pintadas de verde e de azul e há muitas flores por todo canto. Apaixonei. Bem, paramos neste lugarejo porque lá se faz o melhor Cocido Maragato da Espanha. Trata-se de uma das comidas típicas desta região do Norte e é de se comer de joelhos. O restaurante Entrepiedras é super charmoso, a começar pela divertida coleção de quadros. Veja:

Quanto à receita, à princípio a dona do restaurante fez ouvidos de surda. Aí tive a ideia de apresentar-me com um cartão do salcomalho  e mostrar o nosso blog. Pois ela ficou tão encantada que se desdobrou: chamou a cozinheira e esta me explicou tudo! Vamos lá:

Cocido Maragado (veja foto acima)

O prato principal é constituído de carnes que são cozidas no fogão de lenha por muitas horas. Entra carne de boi ( pode colocar um pedaço de maçã de peito), joelho e costelinha de porco ( com bastante carne e gordura), chorizo ( pode colocar linguiça defumada e calabresa), coxa de pato ou frango. Depois de tudo bem cozido, retire as carnes do caldo do cozimento. Apure o caldo e reserve-o. Frite, já na panela que vai para a mesa, um bom pedaço de toucinho de barriga e assim que derreter, frite as carnes. À parte, fazem bolinhos de peixe fritos ( tipo bolinho de bacalhau) misturando farinha, batata e peixe desfiado que são adicionados na panela na hora de servir. Este prato é acompanhado de grão-de-bico e repolho, que são cozidos separadamente no caldo da carne. Pode incluir batatas.

Depois de servidos estes pratos, trouxeram uma terrina de fideos ( pasta bem fininha) cozido no caldo da carne qua já cozinhou o repolho. Dizem que é digestivo (?). A refeição é acompanhada de pão caseiro ( tipo italiano) e vinho tinto.

Como sobremesa, serviram um creme (um mingau grosso de amido de milho e gema de ovo) com biscoito Maria e calda caramelada. É bem típico da região.

Veja abaixo o cardápio que nos foi servido e também outras opções do Restaurante Entrepiedras. Vale a pena ir até lá. Recomendo!

Depois de uma refeição pesada dessas, tomamos um bom café e retornamos à estrada para nova caminhada até o entardecer. Fim do dia em um lugarejo pitoresco e emblemático – Rabanal del Camino – que tem um bom hotel, três pousadinhas e apenas 60 habitantes. É parada obrigatória dos peregrinos para assistir-se à missa em canto gregoriano dos frades beneditinos. Um momento de reflexão, muita emoção e fé!

Filé à moda oriental

Standard

Este é um prato bastante prático, pois você usa uma única panela, além de ser muito fácil e rápido de ser preparado. A melhor carne para se usar é o filé, mas pode ser outra carne de boi, como alcatra, ou até mesmo frango ou carne de porco. Pode ser servido acompanhado de arroz ou de alguma pasta tipo oriental, o conhecido miojo ou a pasta de arroz. Também, podemos internacionalizar:  vai bem com um spaghetti ou tagliatelli. Faça a sua escolha!

Iscas de carne com ervilhas, cogumelos e broto de feijão

Para 4 pessoas, vai precisar de 250 gr. de carne, 1 cebola grande, 15 vagens de ervilha de folha, 15 cogumelos de paris grandes, 2 xícaras de chá cheias de broto de feijão, 1/2 xícara de café de óleo, 2 colheres de sopa de molho de soja, 1 colher de sobremesa de mel e uma pitada de pimenta do reino.

Corte a carne de sua preferência em tiras ( clique aqui para ver como cortar o peito de frango ou aqui para ver como se corta um filé em tiras da maneira correta). Tempere com 1 colher de café cheia de sal com alho e deixe por meia hora. Enquanto isto, pique a cebola em rodelas, corte as ervilhas de folha ao meio e fatie os cogumelos. Se gostar de um toque amarguinho na comida, acrescente talos de almeirão (ao final do cozimento).

Tome uma panela funda e fina, de preferência uma WOK. Deite o óleo, deixe esquentar e doure a carne até que mude de cor. Empurre para as beiradas e coloque a cebola, deixando que amoleça. Misture a cebola com o filé e afaste-os, deixando o centro da panela livre para colocar as folhas de ervilha. Assim que começarem a fritar, jogue-as para cima da carne e ponha a metade dos cogumelos e, em seguida, o broto de feijão. Logo que começarem a amaciar, pingue o molho de soja ( shoyo) no centro da panela e nas beiradas, sem deixar que tinja as ervilhas. Misture tudo, mexendo com uma espátula (se for na wok) para não agarrar no fundo. Deixe que tudo amacie e então jogue por cima o restante dos cogumelos. Acrescente o mel e salpique a pimenta do reino. Misture. Prove se o tempero está do seu agrado. Deixe cozinhar no fogo fraco mais uns 5 minutos, no máximo, ou até que a carne esteja macia. Abafe até a hora de servir.

Quer esta receita impressa? Clique aqui para baixar o PDF e imprimi-lo.

 

O legítimo Ragu

Standard

O ragu tradicional, de receita italiana, é feito à base de carne cozida e legumes. Os italianos dizem que deixam a carne cozinhar por um dia inteiro. Exagero à parte, é mesmo necessário que a carne cozinhe até ficar super macia e escura. Dizem que um ragu feito bem lentamente, na panela de ferro, no fogão à lenha é de se comer de joelhos. Como ninguém aqui quer fazer penitência, vamos ao legítimo ragu italiano preparado na panela e no fogão tradicionais.

Ragu de carne à moda italiana

Para 6 pessoas considere:1,5 kg de carne sem osso, cortada em cubos (a carne deve ser mais dura, tipo alcatra ou coxão mole). A carne pode ser de boi, de cordeiro ou de porco.

Separe: 1 colher de sopa de azeite, ½ xícara de chá de bacon picadinho,1 cebola, 2 cenouras,1 colher de sobremesa de sal com alho,1/2 xícara de café de vinho tinto, 6 tomates sem semente picadinhos (ou 2 latas de pomodori pelati), 2 xícaras de chá de caldo de carne (400 ml) e um bouquet garni. 
Sal, a gosto.

Vai precisar de uma panela grande com tampa e uma colher de pau.

Frite o bacon no azeite. Assim que começar a soltar a gordura, acrescente os cubos de carne e frite-os até corar. Tire a carne da panela e reserve.

À parte, cozinhe as cenouras até começarem a amolecer.

Na mesma panela, frite bem a cebola picadinha, o sal com alho e a cenoura picadinha. Quando começar a agarrar, junte o vinho, misture e deixe evaporar. Acrescente um pouco do caldo de carne previamente aquecido e raspe o fundo com uma colher de pau para formar o primeiro caldo. Deixe reduzir e aí volte com a carne para a panela. Junte o molho de tomates (ou os tomates da lata), o caldo de carne quente e o bouquet garni. Prove o sal e tampe a panela. Deixe cozinhar no fogo baixo por, pelo menos, 2 horas. Se, ao final do cozimento, a carne não estiver desmanchando, termine de desfiá-la e misture-a novamente ao molho. Deixe em fogo baixo ainda por uns 20 minutos para que a carne desfiada fique bem incorporada ao molho.

Se fizer de véspera fica muito mais gostoso – deixe passar a noite na geladeira.

Dica: Se não tiver todo esse tempo disponível para fazer o ragu da forma tradicional, apresse o processo na panela de pressão. Comece a fritura nesta panela desde o início e após acrescentar a carne e o caldo feche a panela. Após 40 minutos, retire a pressão e veja o ponto da carne. Desfie-a e volte com a carne e o molho para a panela sem pressão para terminar o cozimento (sem a tampa) por mais uns 30 minutos.

Quer esta receita impressa? Clique aqui para baixar o PDF e imprimí-lo.

Almoço mineiro em Tiradentes

Standard

No último final de semana fomos à cidade histórica de Tiradentes, em Minas Gerais, para a inauguração do Museu de Sant’Ana. É mais um presente que Minas ganha do Instituto Cultural Flávio Gutierrez, criado e presidido por sua dinâmica e dedicada filha Ângela Gutierrez. Em 1998, Ouro Preto ganhou o Museu do Oratório; em 2005, Belo Horizonte recebeu o Museu de Artes e Ofícios. Neste último 19 de setembro foi a vez de vermos a antiga Cadeia de Tiradentes transformada no esplêndido museu dedicado às 291 imagens de Sant’Ana, descobertas e trazidas pela colecionadora de vários estados do Brasil e agora doadas por esta extraordinária mulher ao Patrimônio Histórico para constituir este museu.

Vá conhecer os dois outros museus (se ainda não foi) e o novíssimo Museu de Sant’Ana, pois têm obras belíssimas e são muito interessantes.

Porém este é um blog de gastronomia! Aqui compartilhamos os deliciosos pratos e doces da tradicional culinária mineira servidos no almoço de sábado, após nossa visita ao museu.

O conhecido chef Cantídio Lanna preparou para esta ocasião especial – vejam por ordem das fotos:

1- Cuscuz com açafrão, linguiça defumada e feijão roxinho, acompanhado de crespinho de couve;

2- Galinhada (nesta sou craque, passarei a receita em breve);

3 – Lombo de pirarucu (peixe grande encontrado nos rios da Amazônia) com ora-pro-nobis ( folha de uma trepadeira do mato muito comum no interior) e purê de banana da terra ( este estava divino, vou tentar repetir e passarei a receita);

4- Jarré de porco com angu (preparado de fubá com água) e mostarda (trata-se de uma folha de horta um pouco amarga muito apreciada no interior de Minas).

Vejam a maravilha dos doces mineiros – nome nas fotos:

IMG_5332

Doces cristalizados: laranja, mamão verde, abóbora moranga, abacaxi e figo

Estes doces merecerão receitas feitas uma a uma: com tempo iremos preparando e publicando. Minha avó, nascida em Ouro Preto, fazia muitíssimo bem todos eles e tive a chance e a sorte de aprender com ela.

Comida de rua em Budapeste

Standard

Tarde de sábado de céu azul e temperatura fresca em Budapeste, capital da Hungria. Oba! Feira de comida na rua, barraquinhas, comidas e bebidas típicas a ótimos preços, feitas no maior capricho e deliciosas. Por todo lado, gente bonita e alegre aproveitando o início de primavera e tomando cerveja em canecos enormes! Saí fotografando tudo a fim de mostrar para vocês. Vamos lá, de 3 em 3 fotos. Clique nas fotos para ver o texto de cada uma.

A primeira receita seria a do Goulash, que aqui se chama sopa de Goulash ( pronuncia-se goyash). Esta já saiu no blog. Tem diferenças: a sopa tem muito mais caldo, vem temperada com muita páprica e leva batatas e cenouras. Fazem assim para render mais, pois carne aqui é muito cara e este é um prato bem popular.

A carne de porco é vista em todo lugar, na brasa assam pernil e joelho de porco ( primeira foto) e na chapa fritam embutidos (quinta foto), que apresentam muitas variedades; alguns, tipo salaminho, são comidos crus.

O Pato ao molho de laranja (segunda foto) é delicioso. Este você já pode fazer com receitas que já demos. Veja dica de como cozinhar pato e confira a receita do frango ao molho de laranja. Depois que o pato estiver cozido, siga a mesma receita do frango.

Esta maneira de se fazer batata (que está na terceira foto) é muito boa para acompanhar carnes assadas na brasa. Parece com a Salada de batatas quentes, só que é feita na chapa, por partes. Em uma chapa fritam a cebola cortada em quatro. Na outra, fritam as batatas cortadas e no final jogam por cima bastante cebolinha verde picada. Misturam as cebolas e as batatas com a linguiça, que por sua vez, também já foi frita em outra chapa. Em algumas barracas vi colocarem tomates cortados em quatro sem as sementes, que são fritos junto com as cebolas depois que estas já começaram a corar. Temperam com sal, páprica (sempre doce) em pó e pimenta do reino negra também em pó.

Nas barraquinhas vendem ainda queijos de muitas qualidades e procedências; pães, bolos e biscoitões; uma grande variedade de geléias e de temperinhos com ervas, mel natural, chocolates e outros produtos artesanais, como sabonetes. Já estamos às vésperas da Páscoa: vi lindos ovos, tanto os de verdade pintados à mãos quanto os de chocolate. Difícil resistir!

Lombo de porco à mineira

Standard

Em um dos pratos mais tradicionais da culinária mineira, o lombo de porco é servido com arroz branco, tutu de feijão e couve. Muitas vezes vem acrescido de farofa de ovos ou  farofa de bijú de milho, outras vezes substitui-se o tutu pelo feijão tropeiro. Ótimos como acompanhamento podem ser também o abacaxi frito ou a banana da terra frita.

Lombo assado ou de panela?

Qual a diferença? O lombo assado é feito no forno e o de panela é feito na panela, óbvio! Fica especialíssimo se feito na panela de ferro ou na panela de pedra no fogão de lenha. Aí é mineiro mesmo, uai! Eu prefiro fazer na panela, acho que fica mais macio e saboroso; o forno resseca qualquer carne. Mas, se você não está a fim de ficar na cozinha mais de uma hora pajeando o lombo, pois a água tem que ser colocada aos poucos, faça no forno mesmo. Assim poderá dar uma passeada fora da cozinha enquanto o forno faz o serviço.

Tanto para um como para o outro siga estes passos:

Separe uma faca afiada, xícara, bacia de temperar carne, panela grande, caneco de ferver água, assadeira (se for fazer no forno)e garfão. E mais um saco grande de plástico grosso.

Limpe o lombo sem tirar a  gordura e a capa que vem de um dos lados da peça. A carne precisa de gordura para que fique tenra. Para saber a quantidade de tempero, calcule uma colher de sobremesa cheia de tempero sólido para cada quilo de carne. Um lombo inteiro médio costuma ter  aproximadamente 2 quilos, mas preste atenção quanto a peça pesará na balança do açougue ou verifique o peso na embalagem.  Importante: toda peça grande de carne tem que ser temperada com 24 horas de antecedência.

Tempero: prepare o tempero sólido (para cada quilo de carne) em uma xícara: ½ colher rasa de sobremesa de sal, 2 dentes de alho  picadinhos, 1 folha grande de louro triturada ou uma pitada de louro em pó, uma pitada de pimenta do reino preta. Agora junte os líquidos:  1 colher de café de molho inglês e 2 colheres de sopa de vinho tinto. Complete a xícara até a borda com água e misture.

Coloque o lombo em uma bacia e espete-o com um garfo. Agora esfregue o tempero na carne. Pegue um saco plástico e coloque o lombo com todo o tempero dentro. Feche o saco e guarde na geladeira até uma hora antes da hora que for assar. O mínimo de tempo no tempero não pode ser menos de 12 horas, o ideal é 24 horas. No meio do tempo, vire o embrulho ao contrário, para que a carne tempere por igual.

Cozimento: Se for fazer no forno, pré-aqueça o forno na temperatura de 280 graus.  No dois casos, ponha água para ferver.  Em uma panela grande, despeje uma colher de óleo, deixe esquentar e então coloque o lombo. Frite-o de todos os lados até que a carne mude de cor. Use um garfão para virar a carne. Quando a carne começar a agarrar na panela, despeje água fervente até a metade da peça. Raspe o fundo da panela com uma colher de pau para a borra formar um caldo. Tampe a panela e deixe por 15 minutos ou até que o caldo reduza pela metade. Vire a peça, coloque mais água fervente e deixe mais 15 minutos.  O caldo que fica na panela deve dar uma xícara cheia.

Se for continuar a fazer o lombo na panela,  prossiga com o cozimento no fogo baixo, sempre  pingando a água quente, aos poucos, de modo a manter a mesma quantidade de caldo. Vá virando o lombo de um lado para o outro até que a carne fique bem macia.

Se for fazer no forno, pegue uma assadeira grande e unte-a com óleo. Coloque o lombo de comprido no meio da assadeira com a capa de gordura por cima e despeje o caldo do cozimento. Leve ao forno por aproximadamente 20 minutos, então retire e vire a peça. Volte para o forno mais 20 minutos. Não deixe o lombo ficar sem caldo, se necessário, coloque água quente pelas bordas da assadeira. Ao fim deste tempo, verifique com a ajuda de um garfão longo, se a carne está toda macia. Se ainda não estiver, asse mais um pouco. Retire do forno.

Molho do lombo:

É sempre bom fazer caldo a mais na panela enquanto estiver fritando o lombo para que possa fazer um molho para cobrir o lombo quando for servir. Lombo seco é péssimo! Para qualquer molho, você tem que tirar o lombo da panela em que foi feito e aproveitar a borra que fica no fundo e nas laterais da panela. O caldo que fica na assadeira não presta para nada.

1- O molho básico é o que você só raspa a borra da panela e acrescenta água quente, deixando que a água evapore até o ponto que o molho fique de boa consistência. Se quiser, acrescente um pouquinho de molho de tomate para dar cor e mais consistência. Prove o tempero, acrescentando pimenta do reino, se quiser.

2 – Para enriquecer o molho basta colocar um pouco de vinho tinto misturado com um pingo de água logo que desfizer a borra e deixar ferver por 5 minutos antes de colocar mais água.

3 – Para um molho mais saboroso, frite cebola ralada ou bem batidinha antes de juntar qualquer líquido à borra.

4 –  Para o molho de cebola caramelizada como o da foto, corte as cebolas em fatias finas e frite à parte, com um fio de azeite ou óleo. Assim que estiverem douradas, afaste-as para a borda e coloque açúcar cristal no meio da panela. Vá mexendo com uma colher de pau até que o açúcar forme uma calda marrom clara. Junte a cebola e misture.

Quer esta receita impressa? Clique aqui para baixar o PDF e imprimí-lo.