Strogonoff é russo?

Standard

Diz a lenda que a receita deste tradicional prato de carne foi criada pelo cozinheiro do Conde Stragonoff ( isto mesmo, com a) nobre de importante família de São Petersburgo, na Rússia, ainda no final do século 19. A receita original russa é feita com cubos de carne envoltos em farinha de trigo, fritos na manteiga e dourados com cebola, temperado com mostarda e cozido com caldo de legumes, servido acompanhado de batatas. Na versão francesa, leva champignons e no Brasil, onde se tornou muito popular desde a década de 1960, tomou rumos diversos, existindo hoje versões de estrogonofe de frango e de camarões.

Na década de 1970, o bar e restaurante Chez Bastião, em Belo Horizonte, servia – e continuou servindo por mais de 30 anos – um estrogonofe de carne famoso, que era o carro-chefe da casa. Aos domingos, sempre almoçávamos lá e como, a vida inteira, eu tive mania de tentar copiar em casa o que comia de bom em restaurantes, fiz de tudo para conseguir a receita. Sempre foi um segredo guardado a sete chaves mas tanto fiz que consegui reproduzir este prato tão bem quanto o estrogonofe do tempo áureo do Chez. Aqui então vai a minha receita:

Estrogonofe de carne

Um filé de tamanho médio dá para fazer a receita para 8 pessoas. Para temperar: sal e alho, pimenta do reino, páprica e molho inglês. Vai usar 1 cebola grande ralada, 1 ½ xícara de chá de um bom molho de tomates, 1 colher de sopa de ketchup e 1 caixa de creme de leite.

Limpe e corte o filé, perpendicular ao fio da carne, em bifinhos de 1 cm. Deite os bifinhos e corte-o em tiras também de 1 cm. O corte certo é fundamental para a carne ficar macia. Veja aqui dica de como cortar um filé. Para cerca de 1,5 kg. de carne, prepare uma colher de sopa cheia de uma mistura de 3 dentes de alho e sal. Misture o sal com alho à carne, salpique um pouco de pimenta do reino e outro de páprica e deixe por meia hora.

Tome uma panela grande e larga, coloque no fogo forte e deite uma colher de sobremesa de óleo. Assim que o óleo estiver bem quente, vá colocando as tiras de filé aos poucos, sempre mexendo com uma colher de pau para que dourem por igual, sem dar água e sem agarrar na panela. Se começar a dar água, divida a quantidade de carne ao meio, doure uma parte, separe, doure a outra e volte com tudo para a panela ao final, mexendo até verificar que a carne está toda corada – de cor marrom – por igual.

Neste ponto, prepare-se para flambar a carne: à parte, esquente meia concha grande de vodka, whisky ou conhaque sobre a trempe do fogão até começar a evaporar. Incline a concha ligeiramente para que o líquido pegue fogo e verta-o rapidamente sobre a carne. Verá que sobe uma labareda de fogo de um palmo de altura – portanto tome cuidado para não ter nada perto para queimar – muito menos você. Deixe que o fogo se apague sozinho.

 

À parte, coloque água para ferver.

Acrescente a cebola ralada sobre o filé e doure-a, junto ao filé, até ficar marrom. Junte então todo o molho de tomate. Aconselho usar 1 lata do italiano – pomodori pelati – mas é indispensável passá-lo antes em uma peneira fina para tirar as sementes. Junte o ketchup ao molho antes de misturá-lo à carne. Misture bem. Despeja água quente aos poucos – pelas beiradas, sem lavar a carne! – até que o molho quase cubra a carne. Abaixe o fogo. Deixe ferver e prove o tempero. Acrescente 1 colher de café de molho inglês, sal, pimenta do reino e páprica a gosto. Prove – deve estar bem temperadinho. Abaixe o fogo, tampe a panela e deixe cozinhar por mais 15 a 20 minutos ou até a carne ficar bem macia. Por último, já quase na hora de servir, junte uma caixa de creme de leite, colocado previamente na geladeira para ficar mais consistente.

Se for colocar cogumelos, use os cogumelos-de-paris em conserva fatiados ou então, use os frescos, desde que já aferventados e cortados em fatias finas. Os cogumelos são colocados imediatamente antes do creme de leite.

Tradicionalmente, serve-se com arroz branco (para aproveitar melhor o molho) e batatas coradas. Gosto de usar as batatinhas baby: cozinho-as com a casca, depois despe-lo. Na hora de servir, douro-as na manteiga e acrescento ervas frescas- salsinha e cebolinha picadinhas ou então alecrim.

 

Nao vejo necessidade nenhuma de se colocar farinha de trigo (tem muita gente com mania de colocar farinha – glúten! – em tudo). Mas , se quiser, coloque 1 colher de sobremesa rasa de farinha de trigo já torrada junto com a cebola. Mas, atenção, o molho ficará espesso e sem brilho.

Quer esta receita impressa? Clique aqui para baixar o PDF e imprimí-lo.

Strogonoff de carne – o famoso

Standard

No final da década de 1960, Belo Horizonte ainda contava com poucos restaurantes ( hoje são 18,6 mil  estabelecimentos de alimentação fora do lar! ). Diferente de hoje, quando tudo acontece na rua, aniversários e outra datas importantes eram comemorados em casa. Em alguma data especial, quando se convidava gente fina para um jantar alinhado, o chique era servir strogonoff de filé. Conta a lenda que foi inventado por um russo, o Conde Stragonoff, que criou a receita original  à base de picadinho de carne com creme de natas e tomates.

Pouca gente sabia prepará-lo tão bem como era servido no saudoso Chez Bastião, durante muito tempo o mais tradicional bar e restaurante da cidade, inaugurado em 1965, onde o strogonoff se tornou o prato mais tradicional do cardápio. No final da década de 1970, quando eu já tinha idade suficiente para frequentar um restaurante à noite, o Chez passou a ser o meu local favorito, só por causa do strogonoff. Por mais que eu pedisse, nunca deram a menor dica da receita; pois não sosseguei enquanto não preparei o prato tal e qual era lá servido. Então aqui vai a receita, que não é a original nem do Conde nem do Chez mas, com certeza, passa bem perto.

Strogonoff de filé

Na verdade esta receita pode ser feita com qualquer carne de boi, mas a receita do Chez Bastião era com filé de primeira qualidade. O segredo – preste atenção que isto é essencial – é cortar a carne da maneira certa. Veja Dica- como cortar um filé.

Considere 200 gr. de filé por pessoa, logo, um filé médio de 2 quilos dá para 10 pessoas. Aqui vamos considerar que você já aproveitou a parte do meio do filé para fazer outras receitas, como medalhão ou rosbife e que deixou as pontas para fazer o strogonoff. Vamos considerar então uma receita para 4 pessoas. Além da carne vai precisar de 1 cebola, 2 colheres de sopa de molho de tomates, 1 colher de sobremesa de ketchup, ½ xícara de café de vodka e 1 xícara de café de creme de leite.

Corte a carne em bifes de 1 cm, depois torne a cortar os bifes em tiras no sentido contrário. Faça uma mistura de sal e alho triturado, gotas de molho inglês, uma pitada de páprica doce, outra de pimenta do reino e folhas de louro. Acrescente um pouquinho de água para fazer uma salmoura. Coloque a carne no tempero por 15 minutos a ½ hora.  Rale a cebola e reserve.

Coloque uma colher de sopa de óleo na panela e deixe que fique bem quente. Escorra a carne do tempero e coloque para fritar. Revire de um lado e outro até que fique corada. Ponha água para esquentar em um caneco à parte. Agora flambe a carne: esquente a vodka em uma concha sobre a trempe do fogão e assim que pegar fogo na bebida, deite-a sobre a carne. Cuidado, pois a chama pode ficar alta. Assim que o fogo apagar sozinho, coloque mais um pouquinho de óleo e frite a cebola no meio da panela, tomando cuidado para que a borra da carne não fique preta. Junte o molho de tomates e misture para que frite também. Acrescente devagar a água quente pela beiradas da panela, a conta de quase cobrir a carne, raspando bem, com uma colher de pau, o fundo e as beiradas para que toda a borra se incorpore ao caldo. Abaixe o fogo e espere que a carne fique bem macia. Ao final do cozimento, o caldo deve ficar a conta de quase cobrir a carne. Acrescente o ketchup e prove o tempero. Se o cozimento tiver sido feito corretamente, não precisa engrossar o caldo com farinha de trigo, mas se ficar ralo, tire um pouco do caldo, misture à parte com uma colher de sobremesa rasa de farinha de trigo já torrada e volte com a mistura para a panela. Misture bem até começar a ferver. Na hora de servir, acrescente o creme de leite e misture. Assim que começar a ferver, desligue. Está pronto!

Sirva com arroz branco e batatas douradas.

Clique aqui para baixar o PDF e imprimir a receita

Dica – Preparo e cortes de filé mignon

Standard

 O filé é um dos cortes de carne mais caros, porém é o que dá mais opções de preparo e o melhor rendimento. A relação custo x benefício se torna ótima, por isto é a carne de boi mais conhecida e usada nos bons restaurantes.

Compre um filé inteiro, peça ao açougueiro para limpar a carne das gorduras brancas excessivas, deixando o cordão, ou então compre já aparado e embalado no supermercado.

Separe a cabeça do filé, que é a parte diferente do resto, e a ponta fina do lado oposto. Com uma faca afiada retire o cordão. Da cabeça e da ponta poderá fazer cortes menores, como para picadinho ou sopa. Da sobra poderá ser aproveitada para um bom caldo de carne.

Cortes: se for fazer um filé inteiro, como para rosbife, a parte central já está pronta e dará para 6 a 8 porções. Se for fazer o famoso filé Chateaubriand, dará para 3 porções, pois você corta calculando cada pedaço da largura de 4 dedos.  Para o tornedor, corte a peça em 4 ou 5 partes, cada uma deve ter a largura de 3 dedos. Para o medalhão, ou bife largo (ancho), a largura é de dois dedos ligeiramente espaçados. Para o escalope ou bife comum, a largura é de 1 dedo.

A partir deste último corte, poderá cortar a carne para filé aperitivo ou strogonof: deite o bife e corte em tirinhas, mas atenção – o sentido do corte é muito importante – se a peça inicial estava paralela à você, então o corte do bife é perpendicular ao seu corpo e o corte em tiras continua no mesmo sentido da peça, ou seja, paralelo à você. Desta forma terá uma carne super macia. Para picadinho, corte as tirinhas em 3 ou 4 partes.

O filé já é uma carne macia e não precisa bater. A única exceção é o bife Paillard. Para este você vai cortar a carne como para medalhão e depois abri-la ao meio, como se cortasse pão para sanduiche e então obter um bife baixo e bem grande. Nunca coloque aquele veneno chamado amaciante.

Quer esta dica impressa? Clique aqui.

Molho de tomates

Standard

Este molho é o maior quebra-galho que você pode ter na cozinha. Serve como base para muitas receitas, é o próprio molho  para um spaguetti al sugo, pode fazer um Bloody Mary fantástico e até uma deliciosa sopa creme de tomates.

O segredo são os tomates, que devem ser do tipo italiano e estarem absolutamente maduros. Para 10 tomates, junte uma cebola grande, ½ xícara de café de azeite, 3 dentes de alho, ½ xícara de café de ervas frescas: salsinha, cebolinha e manjericão. Não ponha sal nem açúcar.

Em uma panela grande, refogue tudo no azeite. Coloque água quente até tampar a mistura e deixe cozinhar no fogo baixo. Se o molho começar a secar, vá pingando água, sempre fervendo, até que os tomates fiquem cozidos. Espere esfriar e bata tudo no liquidificador.

Ponha no congelador em pequenos potes de plástico e vá passando para a geladeira à medida do uso.

O molho não tem tempero porque se você adicioná-lo a uma receita que já está temperada pode ficar muito salgado e lembre-se que sal e/ou tempero demais não tem jeito de tirar!

Quer esta receita impressa? Clique aqui.

Dica – Caldo de Carne com legumes

Standard

É muito prático e super saudável ter este caldo pronto para usar. Torna as suas receitas muito mais saborosas e você ganha um tempo enorme no preparo!

Sabe aquelas aparas de carne que ia jogar fora? Guarde. Sabe aquelas cascas e restos de legumes crus que também iriam para o lixo? Não vão mais. Coloque dentro da panela de pressão: ½ quilo de aparas de carne fresca (ou acabada de descongelar), 1 cenoura, 1 cebola, 3 dentes de alho, ½ tomate. Cascas de batata, de baroa, de abóbora, folhas de alho poró e o que mais tiver de resto de legumes. Encha a panela de água até ¾ da altura. Não ponha sal. Pronto, coloque para cozinhar até a carne ficar macia – depois que a panela apitar deixe mais uns 20 minutos.

Ponha a panela sob o jato d’água e deixe que acabe a pressão. Coe o caldo depois que esfriar. Aí tem duas opções: guarde o caldo no congelador dentro de um pote de plástico ou entorne dentro de uma forma de gelo e ponha para gelar. O pote ocupa menos espaço, mas você terá que se lembrar de descongelá-lo antes de usar e isto nem sempre acontece. Na forma, tem a vantagem de tirar na hora só o que vai usar.

O resto de carne e legumes que ficou na peneira vão pra barriga do seu cachorro, assim não desperdiça nadinha.

O Planeta Terra agradece!

Quer esta dica impressa? Clique aqui.

Mexido: a solução perfeita para aquela fome de domingo à noite

Standard

Sal com Alho

O mexido (ou como diz o mineiro “mixido” ) é a nossa versão brasileiríssima do risoto italiano, da paella espanhola e de outras misturas do que se tem à mão ou do que sobrou na geladeira. Porém, em nossa casa, o mexido tem seu lugar de honra no domingo e, durante a semana, ao se fazer o feijão, o arroz e o picadinho, já se reserva algum à parte.

Preparados para o melhor mexido que já comeram na vida?

Basta uma panela baixa e larga e uma colher grande.

Para duas pessoas, veja se tem tudo isto: arroz, feijão, picadinho com molho, 2 ovos, sal com alho, ¼ de cebola picadinha, 1 colher de sobremesa de bacon picadinho, ½ tomate cortado em cubinhos, salsinha e cebolinha picadinhas.

Coloque um fio de óleo ou azeite na panela. Frite a cebola, o bacon e um tiquinho de sal com alho. Quando começar a pipocar, acrescente uma xícara cheia de bagos de feijão pronto bem escorrido. Mexa. Misture ligeiramente a clara com a gema dos ovos em uma xícara. Abra um buraco no meio da panela e jogue os ovos. Espere fritar. Assim que ver a clara branca, misture gentilmente com o feijão, sem despedaçar. Faça novo buraco no meio da panela, despeje uma xícara e meia de arroz e o mesmo tanto de picadinho molhadinho no molho. Misture tudo com cuidado, coloque umas gotas de molho de pimenta. Sirva em prato fundo, com o tomate e o cheiro verde por cima. Acompanha pimenta, pode ser a biquinho, que não arde e tem um sabor delicioso!

Dica: não acrescente farinha de mandioca, pois o mexido ficará seco.

Variações que nós inventamos:  

1. Mexido mineiro: substitua o picadinho de filé por picadinho de lombo ou pedaços de lombo assado e linguiça frita picada.

2. Mexido carioca: substitua a carne por linguiça calabresa ou paio cozido e fatiado. O feijão deve ser o preto. Corte couve bem fininha, passe em pouco óleo e acrescente no final. Sirva com fatias de laranja e vinagrete.

3. Mexido paulista: neste é só trocar o picadinho por carne de panela.

4. Mexido carreteiro: exagere no alho (cortado em cubinhos) e na cebola (cortada em rodelas) que deve fritar até ficar moreninha. Coloque só carne seca desfiada e linguiça. Este não tem feijão.

5. Mexido da roça: substitua a carne por frango desfiado e acrescente milho e cenoura vermelha em cubinhos. Não tem feijão. Depois que misturar tudo, acrescente um pouco de água quente e deixe ferver por cinco minutos. O mexido vai ficar mais molhadinho.

 

Quer esta receita impressa? Clique aqui.

O legítimo e versátil picadinho de filé

Standard

Sal com Alho

Já reparou como varia a qualidade do picadinho no mesmíssimo bar? Tem dia que está macio, derretendo na boca e no outro dia, duro feito pau. Vou contar o segredo: é a maneira de cortar a carne!

Tem mais: muito cozinheiro pensa que picadinho pode ser de qualquer pedaço de carne que sobrou. Quase, mas bom mesmo é usar o legítimo filé ou miolo de alcatra; patinho e chã de dentro…vá lá.

Para duas pessoas: o equivalente a 4 a 6 bifes ( 150 a 200 gr. por pessoa)

– Corte: se comprou uma peça de filé para fazer aquele bife aproveite as pontas para o picadinho. O primeiro corte sempre será perpendicular ao comprimento das fibras da carne. Corte, na sequencia, bifes de um dedo de largura. Deite o bife e corte as tiras de comprido e depois corte os cubinhos, no sentido contrário.

– Tempero: sal com alho e cebola picada bem miudinho. Pode incrementar com molho inglês, molho de soja, pimenta do reino e vinho tinto, cada um de uma vez, combinado ou tudo junto. É melhor fazer seu tempero à parte – sempre na hora –  e só depois temperar a carne. Pode deixar no tempero entre quinze minutos e meia hora.

– Separe: uma chaleira, uma panela média e uma colher grande.

Ainda vai precisar: molho de tomate, salsinha e cebolinha, vinho.

– Preparo: Coloque água para ferver em uma chaleira ou caneco. Coloque uma panela no fogo forte e deixe esquentar bem. Despeje um fio de óleo, que deve soltar um halo de fumaça. Imediatamente coloque os cubinhos e mexa com uma colher grande separando-os e revirando-os, sem  apertar, até que mudem de vermelho para marrom. Durante o cozimento a carne vai soltar água, deixe que a água seque completamente. Continue fritando até que a carne comece a agarrar no fundo da panela. Junte então uma colher de sopa de molho de tomate, de preferência, caseiro e uma colher de sopa de vinho tinto. Espere secar. Despeje, então, um pouquinho de água fervente e misture. Coloque na panela um raminho de salsa e cebolinha ( que será retirado no final). Vá despejando água – bem aos poucos – até que a carne  fique macia. Assim que a carne estiver  pronta, retire do fogo e coloque na travessa que vai servir, de preferencia de louça para conservar o calor.

– Dica: nunca coloque muita água de uma vez e jamais água fria – se fizer isto estará lavando a carne e tirando dela todo o sabor!

– Caldinho básico: antes de tirar a carne da panela, já abaixe o fogo. Despeje água fervente na borra que ficou no fundo da tachinha e mexa bem até que solte tudo.

– Variações:

1.Para um molho ao vinho, despeje  no caldo um pouco  de vinho (tinto ou madeira) e deixe que o álcool evapore.

2. Se quiser sofisticar, derreta queijo gorgonzola com leite em outra panela até formar um caldo grosso. Junte ao caldo, misture bem e tire do fogo antes que ferva.

3. Para um molho mais espesso, torre um pouquinho de farinha de trigo em uma panela à parte e misture no caldo até ficar homogêneo.

4. Se gostar de  picadinho acebolado, corte uma cebola em fatias finíssimas e doure-a no caldo (sem farinha).

 

Quer esta receita impressa? Clique aqui.