Torta de maçã ao leite condensado

Standard

Maçã é um fruta que temos o ano inteiro e que aguenta bem uma semana de geladeira, então passa a ser, como dizem os jogadores profissionais ou os mágicos, uma “carta na manga”. Leite condensado, leite e ovos também é fácil de se ter à mão. Aprenda a fazer esta sobremesa pois se der uma vontade repentina de comer uma sobremesa muito gostosa ou se quiser agradar à alguém, em meia horinha estará pronta!

Torta de leite condensado com maçãs

Para 6 a 8 pessoas vai precisar de 1 lata ou caixa de leite condensado, a mesma quantidade de leite, 4 ovos inteiros e de 4 a 6 maçãs (dependendo do tamanho).

Primeiro faça uma calda rala: em uma panelinha derreta ½ xícara de café de açúcar cristal. Quando estiver derretido e da cor de caramelo, acrescente ¾ de xícara de café de água fervendo. Deixe que derreta de novo e mexa com uma colher de pau até obter a consistência de mel ralo. Desligue o fogo e reserve.

Bata no liquidificador os ovos inteiros, o leite condensado e o leite. Reserve.

Ligue o forno a 220 graus e coloque dentro dele uma assadeira alta e grande com água pela metade. Deixe a água esquentando para assar a sobremesa em banho-maria.

Tome uma travessa refratária, a mesma que for servir a torta, e pincele o fundo e as laterais com a calda. Despeje o creme batido.

Descasque e corte as maçãs em fatias finas. À medida que for cortando, vá colocando-as dentro da travessa. Coloque a travessa no forno, dentro da água quente, com cuidado. Deixe assar até ficar corada por cima. Para ver se está assada, faça o teste do palito: se ao furar a massa o palito sair limpo, a torta está pronta.

Se tiver um maçarico de culinária, salpique açúcar cristal e canela por cima da torta e queime-a. Dá um saborzinho especial e fica mais bonita! ( a mesma técnica do crème brûllé)

Sirva a torta morna com sorvete ou leve-a à geladeira por 2 horas para servi-la gelada.

Quer esta receita impressa? Clique aqui para baixar o PDF e imprimi-lo.

Manjar de côco com calda de ameixa

Standard

Quem já leu histórias do tempo do Brasil Colônia deve ter encontrado alguma descrição das sobremesas famosas nesta época.

Alguns ingredientes eram abundantes por aqui, como o açúcar, o leite, o côco, o milho e diversas frutas nativas. Desde o século 16, a economia brasileira tinha o açúcar como principal produto de exportação. O costume de se beber leite e usá-lo na preparação de alimentos veio com os portugueses colonizadores que importaram gado leiteiro para o Brasil. O côco veio das costas d’África, junto com os escravos. A palmeira ou coqueiro se aclimatou tão bem no país que em pouco tempo já fazia parte da paisagem de nossas praias como se nativo fosse.

Uma destas sobremesas, bem popular, era o manjar feito com leite e açúcar, posto a secar por horas, em tacho de cobre no fogão a lenha. Depois que encorpava, acrescentava-se o leite de côco e o amido de milho (nativo do Brasil) para engrossar. Como calda, fazia-se uma compota de ameixas, fruta muito comum no país.

Desde os anos 1950 o consumo de leite condensado popularizou-se, facilitando a nossa vida. Também tem-se o leite de côco já pronto, mas o manjar feito com o côco natural é muito mais gostoso. As ameixas também já são vendidas secas, basta colocá-las a cozinhar mais um pouquinho em uma calda de açúcar queimado.

Manjar de côco com calda de ameixas

Veja os ingredientes que vai usar: 1 lata de leite condensado, 2 latas de leite integral (use a mesma lata como medida), 1 xícara de chá de leite de côco natural* e 4 colheres de sopa cheias de amido de milho ( Maizena)

Bata tudo junto no liquidificador. Leve a mistura ao fogo médio, mexendo sempre com uma colher de pau até dar consistência de mingau grosso. Vai levar cerca de 20 minutos para cozinhar.

Escolha uma forma dessas de furo no meio e passe em seu interior um cubo de gelo. Escorra o excesso de água. Despeje o mingau, deixe esfriar e depois leve à geladeira por cerca de 4 horas.

Para o preparo da calda, tire o caroço de 15 ameixas pretas ( empurre o caroço para fora, sem cortar). Faça um calda rala de açúcar queimado e junte as ameixas, deixando que cozinhem mais um pouco.

Sabe fazer a calda de açúcar? Ponha água para esquentar em um caneco. Coloque em uma frigideira 5 colheres cheias de açúcar cristal e deixe que derreta, misturando sempre com uma colher de pau. Assim que ficar da cor de caramelo, abaixe o fogo e vá entornando a água quente devagar pelas bordas. Continue misturando até o açúcar derretido dissolver por completo e formar uma calda rala.

Dica- leite de côco caseiro

Compre um côco maduro, ou seja, já marrom e peludinho. Fure-o e retire a água. Quebre-o (eu acho mais fácil jogá-lo no piso de pedra, mesmo que seja da calçada!) Estando partido em dois ( ou mais) pedaços, coloque-os sobre a chama do fogão até chamuscar.Tire do fogo, deixe esfriar um pouco e com a ponta de uma faca solte a noz branca. Retire a pele marrom com uma faca. Corte o côco branco em fatias finas. Bata-as no liquidificador com água quente – o nível é a conta de cobrir o côco. Tome um pano de prato limpo e esterilizado – daquele tipo de pano de saco – e coloque o líquido dentro, como se fosse dentro de um saco. Esprema, ainda morno, sobre um caneco. Pronto! Você tem um leite de côco maravilhoso!

Quer esta receita impressa? Clique aqui para baixar o PDF e imprimi-lo.

 

 

Mousse de limão, com afeto

Standard

Com açúcar e com afeto, fiz seu doce predileto…”- quem se lembra dessa música? Pois foi com esta velha canção bailando na minha cabeça que preparei para alguém especial esta suave sobremesa, muito fácil de fazer e perfeita para o verão. Sempre tenha em casa leite condensado e creme de leite. Ovos e limão também sempre tem lá na porta da geladeira, verifique. Então junte tudo e vamos começar. Além disto, você vai precisar também de um pacotinho de gelatina em pó.

Coloque em uma xícara de café metade do pó de um pacotinho de gelatina de 15 gr, complete com uma colher de sopa de água e deixe por 5 minutos para hidratar. Em seguida, leve esta misturinha ao forno micro-ondas por 15 segundos, ou a conta de começar a querer ferver. Reserve. Bata no liquidificador 1 lata (ou caixinha) de leite condensado e 1 lata (ou caixinha) de creme de leite junto com o suco de 3 limões. Reserve. Bata, à parte, 3 claras até o ponto de neve bem durinha.

Raspe a casca de 1 limão. Reserve. Junte o creme batido no liquidificador com as claras em neve e mexa levemente (no sentido de baixo para cima e vice-versa) com a ajuda de uma espátula, sem ficar rodando o creme na tigela. Junte a gelatina dissolvida e a metade das raspas de limão, incorporando tudo delicadamente.

Quer esta receita impressa? Clique aqui para baixar o PDF e imprimí-lo.

Despeje a mousse em uma compoteira e leve-a para a geladeira. Quando já estiver consistente, espalhe o restante das raspas de limão para enfeitar.

Pudim Brigadeiro

Standard

Este pudim é um aperfeiçoamento do brigadeiro, como se isto fosse possível!

Quem sabe fazer brigadeiro? Todo brasileiro acima de 5 anos de idade. Quem sabe a história de como surgiu o brigadeiro? Pois vou contar. No sul do Brasil existia um docinho feito com açúcar, leite, manteiga e chocolate que tinha o nome de negrinho. Em 1946, no Rio de Janeiro, uma turma de senhoras dos correligionários da campanha para presidente do Brigadeiro Eduardo Gomes, começou a fazer estes docinhos para vender nos comícios, a fim de arrecadar fundos para a campanha. Estas reuniões da UDN eram muito populares e as pessoas compravam o tal docinho do brigadeiro. Fez sucesso! Daí veio o nome. Em nossa casa, há muitos anos fazemos este pudim e não tenho a menor ideia de onde veio a receita.

Pudim Brigadeiro

Você vai usar: 2 latas ou caixas (790 gr.) de leite condensado, 1 xícara de chá de leite, 6 gemas, 3 colheres de sopa de chocolate em pó (aquele dos fradinhos, da Nestlé), 1 colher de sopa de mel e a mesma medida de manteiga. Para a cobertura vai precisar de um saquinho de chocolate granulado.

Primeiro pré aqueça o forno a 200 graus.

Bata as gemas – sem pele – no liquidificador (para tirar o cheiro de ovo) e em seguida acrescente o leite. Junte, aos poucos, os outros ingredientes. Se for usar outro chocolate que não o indicado, gradue a quantidade de chocolate pela cor do creme – deve obter uma cor média de chocolate.

Unte a forma de pudim (tamanho 28) com uma fina camada de óleo. Despeje o creme batido, de modo a sobrar um centímetro para completar a altura da forma. Tome uma forma alta e coloque água quente dentro, já dentro do forno para não se queimar! Coloque dentro desta a forma de pudim – é o que se chama de cozimento à banho maria. Leve ao forno a 200 graus para cozinhar por cerca de 45 minutos ou até verificar que o pudim corou por cima. Espete um palito, se este sair limpo, o pudim está assado. Leve-o à geladeira dentro da forma que assou por, no mínimo, 6 horas – de preferência faça o pudim de véspera.

Para desinformar, passe uma faca nas laterais e no meio da forma, em volta do furo, para descolar o pudim da forma. Coloque um prato uns 10 cm. maior que a forma por cima da mesma e vire tudo junto. Dê uma ligeira sacudida e puxe a forma para cima devagar. Salpique o chocolate granulado com a ponta dos dedos para que fique distribuído por igual por toda a superfície do pudim. Hum… verá como é delicioso!

Quer esta receita impressa? Clique aqui para baixar o PDF e imprimí-lo.

Pudim de leite condensado

Standard

Ai…só de pensar nesta delícia de sobremesa não há quem não fique com água na boca! Em Minas, este pudim é muito popular com o nome de Pudim de leite condensado. Em outros países é conhecido por Flan – como também em outros lugares do Brasil.

O leite condensado foi inventado na França em 1820 e tornou-se conhecido e muito usado, por sua praticidade, durante as duas grandes guerras. Existe no Brasil desde a década de 1870 mas só se tornou popular quando passou a ser fabricado pela Nestlé, na década de 1920, com o nome de Leite Moça.

É uma sobremesa muito fácil de fazer, veja só:

Pudim de leite condensado

Você irá precisar de uma forma daquelas que tem um furo no meio, de tamanho 28, com 19 cm. de diâmetro ( veja última foto abaixo). Precisará também de um tabuleiro alto que caiba esta forma dentro, sem sobrar muito espaço nas laterais – isto é porque o pudim é cozido no forno, dentro d’água, em um processo conhecido por banho-maria.

Os ingredientes são: 1 lata ou caixa de leite condensado, a mesma quantidade de leite e 4 ovos.

Antes de começar a fazer o pudim, prepare a calda de açúcar queimado. Esta leva 5 colheres cheias de açúcar cristal. Primeiro coloque um caneco com água para esquentar – cerca de 1 litro. Espere que a água comece a ferver. Tome então uma panela e coloque o açúcar dentro. Leve ao fogo médio. Com uma colher de pau, mexa o açúcar todo o tempo, sem parar, até que ele derreta por igual e tome a cor de mel. Agora, despeje parte da água quente pelas beiradas, aos poucos. Verá que vai crepitar e formar uma pasta tipo puxa-puxa. Com paciência, continue mexendo e juntando água quente aos poucos até formar uma calda rala, da cor de caramelo avermelhado. Desligue e reserve.

Para o pudim: bata os 4 ovos – clara e gema – no liquidificador até espumar. Junte o leite condensado e use a lata ou caixa para medir e colocar a mesma quantidade de leite. Bata bem até ficar um creme leve e espumante.

Tome a forma e passe a calda de açúcar queimado no fundo e laterais, deixando ao fundo uma camadinha de ½ centímetro. Agora entorne o creme dentro da forma. Precisa sobrar 1 cm. entre o creme batido e a borda da forma.

Ligue o forno a 280 graus. Espere 5 minutos. Ponha a forma dentro do tabuleiro e coloque-os na prateleira de baixo do forno – uns 10 cm. acima da chama. Com cuidado, encha o tabuleiro com água quente. Deixe o pudim cozinhar por 45 minutos. Vigie: quando corar por cima, enfie um garfo – se sair limpinho é porque o pudim já cozinhou – então pode tirar o pudim do forno. Espere esfriar e deixe-o dentro da geladeira por, no mínimo, 4 horas.

DSCN1567

Para desinformar, passe uma faca nas laterais e no meio da forma, em volta do furo para descolar o pudim da forma. Coloque um prato uns 10 cm. maior que a forma por cima da mesma e vire tudo junto. Tire a forma devagar e terá um lindo pudim caramelado à sua frente. Resista, volte com ele para a geladeira até a hora de servir. Seja educada(o), não vá tirar um pedaço antes de servir à sua família e aos amigos. A não ser que sua gulodice seja tamanha que faça um pudim só para você!

Quer essa receita impressa? Clique aqui para baixar o PDF e imprimí-lo.

Palha italiana x salaminho de chocolate.

Standard

Existem sobremesas com sabor de infância, como brigadeiro, pé de moleque, cajuzinho, cocada, olho de sogra. A gente cresce, passa a frequentar restaurantes e confeitarias sofisticadas na nossa terra e pelo mundo afora. Descobre novos sabores, deslumbra-se com tortas famosas, como, por exemplo, a Torta Sacher de Viena, a preferida de Sissi, a imperatriz. Porém a nossa memória gustativa fala mais alto. Basta chegar em casa e ver um prato de palha italiana que vem um ahhh! incontrolável. Tente resistir, você saliva sem querer. Tente prometer-se que só vai comer depois do almoço de domingo. Perda de tempo, o doce não lhe sai da cabeça.

Dê uma trégua ao seu regime, vá agora lá na cozinha. Em 10 minutos você prepara esta delícia chamada de palha italiana e tenho certeza que passará um dia mais feliz!

Já fiquei curiosa por causa do nome palha italiana. Visitando o Piemonte, ao norte da Itália, descobri na cidade de Alba, um doce maravilhoso – salame di cioccolato – bem parecido como o nosso, o que justifica a origem do nome. Se quiser saber a receita original, achei-a no site da Giallo Zafferano

Em Portugal também existe algo parecido. Chama-se salaminho, porém é feito com amêndoas. É praticamente a mesma base, mas troca-se o biscoito pela amêndoa sem casca e triturada (ou sem palha, como dizem por lá) e faz-se um rolinho igual a salaminho. Coloca-se para esfriar na geladeira, enrolado em papel alumínio, e depois corta-se em fatias. Tal como o brigadeiro, que já se chamou negrinho, a palha italiana surgiu há mais de um século no sul do Brasil, provavelmente nas comunidades mistas de italianos do norte da Itália e portugueses dos Açores. Certamente, desta mescla de culturas, nasceram esta e muitas outras delícias da legítima culinária brasileira.

Palha italiana 

Separe 1 lata ou caixa de leite condensado ( 250 gr.) , 2 colheres de sopa de chocolate Nestlé do fradinho ou Nescau ( ou melhor: ½ xícara de café de chocolate meio-amargo ralado), 1 colher de sopa de manteiga, 1 colher de sopa de creme de leite e 1 pacote de biscoito maizena ( 200 gr.). Eu prefiro usar o biscoito Divertidos.

Misture bem o leite condensado, a manteiga e o chocolate. Leve ao fogo baixo para cozinhar. Misture com colher de pau, continuamente, até começar a soltar da panela. Cuidado para não empelotar e não agarrar no fundo. Misture o creme de leite para dar uma consistência macia. Pique os biscoitos. Misture. Coloque a massa ainda quente sobre uma bancada limpa ou tabuleiro, formando uma camada de 1 cm de espessura. Deixe esfriar. Salpique açúcar refinado. Corte em losangos ou, como dizem os italianos “mal tagliatti”, ou seja, mal cortado, como os da foto acima.

Quer esta receita impressa? Clique aqui para baixar o PDF e imprimí-lo.

Canjica para aquecer o inverno

Standard

Aproveite o inverno e não deixe de comer canjica! Se neste ano as festas juninas foram prejudicadas (em vão!) pela Copa, faça a canjica em casa – não fique na vontade! Nesses dias friozinhos, preparar e servir uma canjica gostosa e quentinha é uma boa. Dica: cozinhe a canjica e guarde em partes no refrigerador pois assim você pode prepará-la rapidamente quando bater aquela vontade de comer nas tardes de fim de semana ou à noite. Ou, quem sabe, até no café da manhã, pois é um prato leve e que sustenta bastante.

Canjica com amendoim e côco

Esta é a canjica que gosto de preparar, bem temperadinha.

Considere 100 gr. de canjica por pessoa, ou seja, uma xícara de café do milho para canjica cru. Para 6 pessoas, irá precisar também de 1 xícara de chá de leite ( pode ser mais) e 1 xícara de café de leite condensado, ½ xícara de café de côco ralado e igual quantidade de amendoim torrado e moído. Para temperar: 1 colher de chá de canela, 6 cravos da índia e 1 colher de sopa de açúcar, se gostar de canjica bem doce (eu não ponho açúcar).

DSCN1230

Primeiro coloque a canjica de molho de um dia para o outro. Depois cozinhe na panela de pressão com 3 dedos de água acima do nível da canjica. O tempo de cozimento vai depender da canjica. Melhor deixar por uns 20 minutos e conferir.

Guarde a canjica cozida no refrigerador ou transfira a quantidade que vai fazer para a panela onde irá prepará-la, com a água do cozimento, que deve ter virado um caldo grosso, tipo papa.

Acrescente o leite e o leite condensado. Coloque côco ralado e amendoim conforme o seu gosto. Junte a canela e os cravos. Prove. Misture tudo e continue mexendo. Se precisar, coloque mais leite até o ponto que desejar, pois tem gente que gosta mais rala e outros, mais encorpada. Se for guardar a canjica pronta será necessário acrescentar leite ao esquentar novamente. Sirva bem quente.

Quer esta receita impressa? Clique aqui para baixar o PDF e imprimí-lo.