Petit gateau de pistache e amêndoas

Standard

Este doce de paladar exótico e delicado é inspirado na culinária indiana, de onde vem os ricos sabores do pistache e da amêndoa mesclado aos temperos locais – cardamomo e açafrão. O resultado é delicioso e bonito pois depois de assado adquire uma tonalidade dourada.  Uma boa escolha para um jantar sofisticado!

Petit gateau de pistache e amêndoas

Ingredientes para 6 porções:

Para o creme: 1/2 litro de leite, 12 gr. de cardamomo inteiro, 50 gr. de açúcar, 125 ml. de creme de leite fresco, 2 gotas de essência de baunilha, 50 gr. de pistache sem sal descascado e inteiro, 50 gr. de amêndoa inteira sem sal e 1 pitada de açafrão.*

* os intolerantes podem substituir o leite de vaca por leite nolac ou de leite de amêndoas e o creme de leite por iogurte de kefir (ou um creme nolac que seja mais espesso).
Separe também: 150 gr. de manteiga extra sem sal, 4 ovos, 80 gr. de açúcar refinado (6 colheres de sobremesa) e 54 gr. de farinha de trigo (5 colheres de sobremesa).

Primeiro leve uma panela ao fogo com o leite e o cardamomo. Cozinhe até reduzir à metade, sem parar de mexer. Atenção pois não pode ferver. Junte o açúcar e o creme de leite e cozinhe em fogo baixo por mais 10 minutos. Adicione a baunilha e deixe reduzir. Retire os cardamomos. Acrescente os pistaches, as amêndoas e o açafrão. Mexa bem. Retire do fogo e espere amornar.

Misture então o creme com a manteiga e as gemas. Em outra vasilha, misture as claras e o açúcar.
Misture os dois cremes, aos poucos, intercalando com a farinha. Bata bem com o fouet, até que o creme esteja liso e homogêneo. Cubra a tigela com plástico filme e deixe gelar por 3 horas, no mínimo.

Unte bem as 6 forminhas com a mesma manteiga sem sal e polvilhe-as com farinha até que fiquem esbranquiçadas. Preencha cada uma delas com o creme gelado, nivelando a altura e deixando um espaço para que cresça, sem entornar, ao assar. Se quiser congelar algumas, essa é a hora. Depois é só descongelar em temperatura ambiente e retomar a receita desse ponto.

Leve ao forno pré-aquecido a 180 graus por 6 minutos ou até verificar que as bordas estão firmes e o centro um pouco mole.

Sirva imediatamente com sorvete de chocolate!

Brigadeiro de colher

Standard

Todos os brasileiros e brasileiras acima de cinco anos de idade sabem fazer o famoso e tradicional docinho de nome brigadeiro, que é uma bolinha de chocolate confeitada com chocolate granulado. Costuma ser a primeira receita que as crianças aprendem na cozinha. Não existe festa de aniversário de criança sem brigadeiro, pois se não tiver é só reclamação!

Antes de 1946, esse docinho era conhecido no Sul do Brasil como negrinho. Neste ano, uma turma de senhoras cariocas da UDN passou a fazer o doce e vender nos comícios do Brigadeiro Eduardo Gomes a fim de angariar fundos de sua campanha para presidente do Brasil, daí o nome.

Esta é uma versão da receita que minhas filhas fazem desde pequenas e que hoje oferecem às amigas quando estas vão à nossa casa para uma seção nostalgia da infância. A quantidade dá para dois adolescentes gulosos ou cinco adultos educados e se come às colheradas. Nota: é indispensável nos nossos aniversários em família.

Brigadeiro de colher com cobertura de pistache

Ingredientes: 1 lata (ou caixinha) de leite condensado, 2 colher de sopa de achocolatado da Nescau, 1 colher de sopa de manteiga com sal em temperatura ambiente e 1 gema sem pele.

Fora do fogo, verta, em uma panela funda, o leite condensado e acrescente os demais ingredientes. Misture bem até obter um creme homogêneo e leve ao fogo baixo.

Dica: o segredo é mexer sem parar, em sentido horário, de preferência com uma colher de pau. Assim poderá acompanhar a mudança gradual da consistência do creme para desligar o fogo no momento exato. Verá que, estando o creme mais espesso, ele começa a agarrar no fundo, formando bolhinhas quando se raspa a panela com a colher, mas ainda sem grudar. Este é o ponto! Veja a foto.

Espere esfriar – se conseguir – coloque em uma tigela e coma de colher. Se quiser sofisticar, acrescente uma cobertura, como pistaches ou mix de castanhas.

Confissão das milhas filhas: “depois de adultas, continuamos a fazer a receita mas agora comemos o doce acompanhado de um bom vinho tinto, de preferência Malbec.  Fica delicioso!!!”

Quer esta receita impressa? Clique aqui para baixar o PDF e imprimi-lo.

Kinkan – compota, geleia ou chutney

Standard

As kinkans apareceram no Brasil há poucos anos e são de origem oriental. Kinkan em japonês quer dizer “laranjinha de ouro”, porém a frutinha de cor amarelo dourada ou alaranjada não é uma verdadeira laranja, pertencente à espécie Citrus, pois pertence à outra espécie, a Fortunella. A mais comum é a Nagami, de forma oval e um tanto amarga, excelente para se fazer compota, geleia e chutney.

Compota

Lave as laranjinhas e deixe-as inteiras. Coloque-as para aferventar com uma quantidade de água suficiente para tampar a fruta. Assim que a água ferver, jogue a água fora e reinicie o processo por duas vezes. Escorra as frutas e reserve.

Faça uma calda dissolvendo açúcar cristal em água e deixando incorporar. A quantidade de calda deve ser o suficiente para cobrir as frutinhas e sobrar 3 dedos. Deixe que cozinhem no fogo brando até ficarem macias. Bem guardada em um ponto com tampa, conserva-se em geladeira por tempo indeterminado.

Sirva de sobremesa com queijo minas, requeijão, creme chantily ou sorvete.

 

Geleia 

Lave as laranjinhas, parta-as ao meio e retire o miolo. Bata no liquidificador ou processador para obter uma massa grossa, deixando ainda pequenos pedaços da fruta. Calcule a quantidade de açúcar que vai usar: a quarta parte do volume da massa, no mínimo. Derreta o açúcar em uma panela e assim que começar a dourar junte a massa da fruta. Adicione um pau de canela, cravos e estrela de anis inteiros (que serão retirados ao final). Outra opção é colocá-los dentro de um porta-temperos (veja foto). Deixe cozinhar em fogo médio. Quando começar a formar bolhas, mexa com uma colher de pau para não agarrar na panela, até dar ponto de geleia. Conservada em pote fechado dura muitos meses na geladeira. Dica: para que não azede, nunca retire a geleia do pote com colher usada e jamais devolva ao vidro geleia já servida.

Sirva para acompanhar torradas, como recheio ou cobertura de sobremesas, tortas e bolos.

 

Chutney 

Para fazer o chutney adicione à geleia, aos poucos, provando sempre: gengibre ralado, vinagre de maçã, aceto balsâmico, suco de pimenta malagueta e mel. Misture, volte ao fogo médio até o ponto que comece a soltar do fundo da panela. Desligue. Deixe esfriar.

Ótimo para servir de aperitivo com queijos de paladar forte, como parmesão e grana padano. Ideal para acompanhar carne de porco, como lombo, pernil ou joelho. Veja aqui a receita de joelho de porco acompanhado de chutney de kinkan e farofa de castanhas.

Quer esta receita impressa? Clique aqui para baixar o PDF e imprimi-lo.

Pé-de-moleque

Standard

O pé-de-moleque é um dos doces mais tradicionais do Brasil e muito popular em Minas Gerais e no Nordeste. Sua origem remonta à influência árabe na Península Ibérica. Em Portugal é conhecido como nogat e no sul da Espanha como turrón, porém na Europa a receita era feita com mel de abelhas. A partir da introdução do plantio de cana-de-açúcar no Brasil Colônia, o doce passou a ser feito com o melaço da cana, que deixado endurecer é conhecido como rapadura. Sabe porque tem este nome? Nos tempos do Brasil colonial, as cidades mais ricas, como Ouro Preto e Paraty, eram calçadas com pedras redondas e uma mistura de argamassa à base de areia de rio. A este tipo de calçamento rude deram o nome popular de calçada pé-de-moleque, pois as pedras eram assentadas por moleques (garotos adolescentes) que usavam os pés para ajeitá-las no lugar.

Nas festas juninas mineiras e nordestinas, quando se comemora com grandes festas os dias de Santo Antônio (13/06) e de São João (24/06) este docinho não pode faltar. Hoje vamos dar a receita do pé-de-moleque original, que também tem o nome de “quebra-queixo” e ainda sugerir algumas variações.

Pé-de-moleque original

Para 8 doces separe 350 gr. de amendoim inteiro sem casca e 350 gr. de rapadura, ou seja, 1 1/2 xícara de chá cheia de cada um, considerando a rapadura já quebrada em pedacinhos.

Torre o amendoim em uma panela, virando de um lado para outro para que fique corado por igual. Enquanto isto, derreta a rapadura com água em outra panela, com a água no nível certo de cobrir os pedaços. Assim que a calda de rapadura estiver começando a fazer bolhas, junte o amendoim e continue batendo, sem parar e com energia, com uma colher de pau, até que o doce comece a soltar das beiradas. Retire a panela do fogo e coloque-a em uma bacia grande com água e continue batendo energicamente o doce até que a massa fique esbranquiçada. Já está no ponto de ser retirado da panela às colheradas.

Limpe bem uma bancada fria, ou uma assadeira, e passe um pouco de óleo ou manteiga na superfície. Coloque as colheradas do doce, como na foto. Deixe esfriar bem antes de retirá-los.

Nesta receita original o doce fica bem puxento. Se preferir fazê-lo sem puxa e mais macio, substitua a água por leite – este é o modo mais comum do doce ser encontrado à venda e o jeito preferido dos mineiros.

Há variações da receita – pode-se usar leite condensado ao invés de leite ( fica muito doce e enjoativo) ou pode-se usar leite de coco para quem tem intolerância à leite- nesse caso fica puxento por causa da gordura do leite de coco.

Quer esta receita impressa? Clique aqui para baixar o PDF e imprimi-lo.

Veja abaixo o pé-de-moleque feito com leite e cortado em tamanho menor para a Festa de São João:

IMG_2388

Marshmallow

Standard

Desta  melosa espuma branca de açúcar, que parece um doce dos anjos, tenho três lembranças marcantes. Quando eu era criança, a minha avó materna, sempre que voltava de viagem do Rio de Janeiro trazia-me de presente uma caixa de nhá-benta da Kopenhagen. Para mim era o que poderia existir de mais delicioso neste mundo! Já mais crescidinha, minha mãe me dava o dinheiro do ônibus para ir e voltar da aula de inglês no centro da cidade. Em Belo Horizonte, a loja da Kopenhagen ficava na Av. Afonso Pena em frente à Igreja São José e a Cultura Inglesa era vizinha da loja. Pois eu preferia andar a pé cerca de 1,5 km para voltar para casa e com o dinheiro do ônibus eu comprava uma nhá-benta! Mais tarde, minha avó abriu uma loja de chocolates na Savassi e passou a fazer nhá-bentas e eu gostava de ajudá-la para ganhar algumas.

Esta semana vamos passar para vocês a receita caseira de Ovos de Páscoa.  Se você quiser fazer ovos de chocolate no estilo nhá-benta, recheados de marshmallow,  aqui vai a receita, que também é ótima para cobertura de bolos.

Marshmallow

Separe: 1 e 1/3 xícara de chá de açúcar refinado, 1/4 de xícara de chá de água, 3 claras do ovos ( grandes), 1/2 colher de café de cremor tártaro ( compre em loja especializada para confeiteiros) e 1 colher de chá de extrato de baunilha líquido. Vai precisar de uma batedeira de mão ou um mixer que tenha um fuê (melhor), de uma panela média e de uma travessa de vidro de fundo arredondado que, colocada sobre a boca da panela, fique metade ou pouco menos de fora.

Encha a panela de água até a metade e aqueça-a até que a água forme pequenas bolhas. Enquanto isto, fora do fogo, despeje as claras na travessa. Pegue o mixer e comece a bater as claras. Assim que formar uma espuma branca comece a misturar o açúcar. Continue batendo e juntando o açúcar aos poucos. Quando já estiver cremoso, junte, aos poucos, a água e o cremor tártaro. Bata mais e, por último, estando o creme bem batido, leve e homogêneo, misture a baunilha. Quando a água estiver no ponto acima referido, passe para o fogo médio. Transfira a travessa com o creme para cima da panela (processo chamado banho-maria) e continue batendo, em velocidade alta, por 12 minutos. Forre a bancada da pia com um pano seco e então transfira a travessa, continuando a bater por 2 minutos. O marshmallow está pronto para uso. Dica: use-o logo pois passado um tempo o volume começa a baixar, a não ser que leve à geladeira.

Ovos de Páscoa recheados com marshmallow 

feitos pela #filhablogueiracasada

Quer esta receita impressa? Clique aqui para baixar o PDF e imprimi-lo.

Pudim de chocolate com frutas secas

Standard

Pudim de chocolate , assim como mousse, tem várias receitas. Esta é preparada com um ingredientes muito tradicional de nome Maria Mole. Lembro que, desde criança, eu já preparava sobremesas usando este pó da marca Dr. Oetker, que dá consistência às sobremesas como se fosse uma gelatina. Existe Maria Mole sem sabor, sabor côco e o de chocolate, que usei nesta receita.

Pudim de chocolate, nutella e côco com Maria Mole

Além de 1 pacote de Maria Mole sabor chocolate, separe: 1 caixa de leite condensado e outra de creme de leite, 1 garrafinha de leite de côco e 2 colheres de sopa cheias de Nutella com avelãs. Via precisar também de manteiga.

Dissolva a Maria Mole na água conforme as indicações contidas na caixinha. Misture, na batedeira ou no liquidificador, o leite condensado, o creme de leite, a Nutella, o leite de côco e a Maria Mole já preparada.

Tome uma forma de pudim e pincele-a com manteiga sem sal, de preferência.Despeje o creme e leve à geladeira por 6 horas.

 

Calda de chocolate com frutas secas

Para a calda separe: 1/2 xícara de chá de cada um desses ingredientes: achocolatado, açúcar e leite. Mais: 1 colher de sopa rasa de manteiga e 1 colher de mel. Misture tudo e leve ao fogo baixo até obter uma mistura homogênea e da consistência de calda. Separe o equivalente a 2 xícaras de chá com frutas secas picadas. Nesta receita usei damascos, figos, ameixas pretas, passas pretas e brancas, amêndoas e nozes. Junte a calda de chocolate às frutas secas e reserve.

Na hora de servir:

Para desenformar o pudim sem quebra-lo a dica é colocar a forma por segundos sobre uma panela de água fervendo (veja na foto acima). Mas atenção: não é para colocar a forma dentro da água, é só para esquenta-la um pouquinho, a conta do pudim desagarrar da forma. Tome um prato grande e raso, coloque sobre a forma e vire os dois juntos de cabeça para baixo. Na hora de servir, esquente e calda ligeiramente e vire-a sobre o pudim.

Quer esta receita impressa? Clique aqui para baixar o PDF e imprimi-lo

Mousse cookies ‘n cream

Standard

Mousse – palavra francesa que significa espuma – é uma das sobremesas mais fáceis de se fazer, pois é só misturar os ingredientes e por para gelar. Esta receita de hoje surgiu do improviso e fez tanto sucesso que se incorporou à nossa lista de sobremesas prediletas. Um dia resolvi fazer uma mousse de chocolate quando vi que faltava justamente a barra de chocolate. Como não tinha tempo de sair para comprar uma, fui procurar na gaveta da mesa do meu filho, onde sempre tinha algum chocolate.  Achei só uma barra de chocolate branco com cookies. Resolvi adaptar a receita e deu certo. Na verdade, as mousses mais simples que faço têm sempre uma base de leite condensado, creme de leite, claras e gelatina. Fora isto, você pode misturar outros ingredientes, como chocolates, nutela, pastas ou sucos de frutas. Experimente inventar uma!

Mousse cookies n’ cream

Este nome é o do chocolate branco com pedaço de cookies fabricado pela Hershey’s – veja a foto. Esta barra tem 130 gr. Você pode também usar outros tipos de chocolate, por exemplo, o chocolate branco e misturar pedacinhos de cookies ou de biscoito de chocolate. O chocolate ou a mistura deste com biscoitos não deve ultrapassar 150 gr. Anote os outros ingredientes: 1 caixa de leite condensado, 1 caixa de creme de leite, 3 claras de ovos, 12 gr. ou 1/2 pacotinho de gelatina em pó.

Parta a barra de chocolate em pedacinhos. Misture o leite condensado com o creme de leite. Junte tudo. Bata as 3 claras de ovos na batedeira ( na Planetária pode ser na velocidade 4.5). Enquanto isto, coloque o pó da gelatina em uma xícara e acrescente 2 colheres de sopa de água. Leve ao micro-ondas por 15 segundos para derreter. Junte este líquido às claras de ovos em neve, ainda na batedeira. Agora, retire da batedeira e misture os cremes, com a ajuda de uma espátula, fazendo leves movimentos de fora para dentro e de baixo para cima até que a espuma das claras fique homogênea. Leve para gelar por 4 horas, no mínimo.

Fica bonito e delicioso se você servir a mousse acompanhada de um coulis de frutas vermelhas.

Aprenda a enfeitar suas sobremesas com um fio de chocolate. Faça uma calda rala misturando 1 colher de sopa de achocolatado com 1 colher de sobremesa de açúcar refinado, 1 colher de chá de manteiga e 1/2 xícara de café de leite. Misture e leve ao fogo baixo para derreter e dar ponto de calda rala. Compre um destes tubos com bico (do tipo que coloca mostarda em carrinho de cachorro-quente). Despeje a calda dentro e use-a na quantidade que desejar. Faça um belo desenho! Veja a foto no topo da página.

Quer esta receita impressa? Clique aqui para baixar o PDF e imprimi-lo.