Camarão tailandês no coco

Standard

Em Bangkok, capital da Tailândia, há um interessante centro de lazer que tem o nome de Asiatique . Lá tem lojinhas com todo tipo de artesanato, selecionado e de muito bom gosto. Mas o melhor é a quantidade e variedade de restaurantes, além de uma feira com barraquinhas de comidas típicas. E tem até roda gigante! Pode-se chegar por terra mas o melhor mesmo é tomar um barco (ferry) do próprio parque em uma estação central próxima aos hotéis de luxo, construídos às margens do Rio Chao Phraya, que têm todos eles seus próprios cais e barcos. Assim, além de aproveitar o fim de tarde e a noite ( abre as cinco da tarde) nesse grande e variado centro gastronômico e de compras ainda se vai e volta desfrutando um agradabilíssimo passeio de barco. Ao por do sol é imperdível!

Foi lá que escolhi, entre variadas opções, este camarão servido no coco, bem típico da culinária tailandesa. Confesso que dentre todos os pratos que comi no Sudeste Asiático, e depois reproduzi em casa para passar a receita a vocês, este foi o mais difícil de descobrir os ingredientes originais* e o modo de fazer. Aliás, foi a única de todas as receitas já apresentadas (veja as nove receitas postadas aqui no mês de março) que precisei repetir. Mas valeu, ficou delicioso!

* É claro que eu trouxe a mala cheia dos temperos que só se encontram por lá!

Camarão no coco

Esta receita pode ser feita sem o coco, para servir no prato acompanhado de arroz branco, de preferência feito com água de coco e finalizado com um pouquinho de leite de coco. Afinal, não é nada fácil conseguir alguém para tirar o tampo do coco e, além disso, é preciso fazer essa difícil operação logo antes de servir, pois a polpa do coco do tipo que temos no Brasil escurece rápido. Se estiver cozinhando a dois, se um de vocês for o suficiente forte e ágil, sirva no coco pois fica lindo!

Veja os ingredientes para 2 pessoas: 400 gr. de camarão sem casca e limpo, 1 limão, 1 colher de chá de sal, 1 colher de sopa de óleo de coco. Para o molho: 1 cebola grande, 1 pedaço de repolho que depois de fatiado dê 1 xícara de chá cheia, 1/3 de pimentão vermelho e 1/3 de pimentão amarelo, 1 xícara de café ( 100ml) de leite de coco, 10 folhas grandes de rúcula, 4 talos de cebolinha verde. Tempero do molho: 1 colher de chá de curry em pó, 1 colher de chá de molho de ostra, 1 colher de chá de molho de peixe, suco coado de 1 limão, pimenta a gosto.

Limpe e tempere os camarões, deixando-os no tempero por 15 minutos. Enquanto isto, pique os legumes como na foto. Escorra os camarões. Reserve. Tome uma wok ou panela larga e frite os camarões no óleo de coco (use a metade) até ficarem vermelhos.

Retire-os da panela, acrescente o restante do óleo e frite, tudo junto, a cebola, os pimentões e o repolho picados (o gosto do repolho vai desaparecer no final). Abaixe o fogo, despeje um pouco de água fervente, tampe a panela e deixe que amoleçam. Prepare, à parte, o tempero do molho, misturando bem os ingredientes. Junte o tempero, aos poucos. Prove até ficar do seu gosto, inclusive a pimenta. Desligue o fogo e passe o molho no processador, no modo pulsar, de modo que fique bem misturado, triturado em pedaços pequenos mas não deixe liquefazer – deve ficar um molho grosseiro (aí está o segredo).

Volte com o molho para a mesma panela, junte o leite de coco, retifique o tempero. Pouco antes de servir, junte o camarão, mexa, coloque as folhas de rúcula inteiras e a cebolinha verde picada por cima. Ligue o fogo no fraco, abafe a panela com uma tampa e deixe as folhas murcharem ligeiramente. Está pronto!

Enquanto faz esta última operação, retire o tampo do coco e escorra a água. Coloque imediatamente o molho com os camarões dentro do coco, enfeite com raspas de coco (de outro coco) , ponha uma orquídea do lado e surpreenda seu amor!

Quer esta receita impressa? Clique aqui para baixar o PDF e imprimi-lo.

Manjar de coco com calda de manga

Standard

No Brasil a receita tradicional do creme feito com leite, açúcar e coco e engrossado com amido de milho tem o nome de manjar. Em países de idioma inglês este tipo de creme, sem o coco, é chamado de pudding, que veio do francês boudin, de onde originou-se o nome português pudim. O manjar de coco faz parte de cadernos de receitas brasileiras desde os tempos do Brasil Colônia e é muito popular na Bahia e em Minas Gerais. Esta receita de manjar com calda de manga pode ser encontrada nas regiões tropicais da América onde há fartura tanto de coco como de manga e de milho. A combinação das duas frutas nesta sobremesa é o que se pode chamar de manjar dos deuses! Experimente, é muito fácil de fazer.

Manjar de coco com calda de manga

A receita tradicional é feita com leite, açúcar, leite de coco natural e amido de milho. Mas se existem leite condensado e leite de coco industrializados não vamos complicar a vida. Então separe: 1 lata ou caixinha de 395 ml. de leite condensado, 1 garrafinha de 200 ml. de leite de coco, 2 xícaras de chá de leite, 1 xícara de chá cheia de amido de milho e raspas* de 1 côco maduro ( 1 xícara de chá cheia é suficiente) . Obs:  se quiser que fique da consistência de creme para servir em taça como na foto, use a metade do amido de milho, ou seja, 1 xícara de café cheia.

Se fora intolerante a leite use produtos sem lactose.

Misture primeiro o leite com o amido de milho (Maizena) e junte o leite condensado e o leite de coco. Leve ao fogo até dar ponto (começa a estourar bolhas e a soltar da panela). Por último misture 1 xícara de chá de raspas de coco.

Tome uma forma média de pudim ( diâmetro de 25 cm.) daquelas que tem um furo no meio. Passe uma finíssima camada de óleo para untar a forma. Despeje o creme e leve à geladeira até endurecer (por 4 horas). Se for fazer o manjar para servir em taças coloque o creme em uma travessa para gelar e depois de gelado passe para as taças.

Para desenformar: passe uma faca molhada nas bordas externa e interna da forma para soltar o manjar. Coloque um prato grande bem colado sobre a forma e vire para baixo rapidamente.

Calda de manga

Corte os pedaços de uma manga madura e faça um suco grosso com a ajuda do mixer. Leve uma frigideira ao fogo com 2 colheres de sobremesa de açúcar cristal. Assim que o açúcar derreter e ficar da cor de mel, despeje, com cuidado, 1 xícara de café de água fervente. Deixe que forme uma calda rala e junte o suco da manga. Mexa com uma colher de pau até dar ponto de calda.

*Dica: para quebrar o coco maduro ( depois que furou e tirou a água) deixe-o direto sobre o fogo da trempe do fogão até os pelinhos queimarem. Depois parta o coco ao meio jogando-o no chão de pedra ( se for de cerâmica ou mármore pode partir o piso)  ou dando uma boa martelada. Tire a noz do coco – sem deixar partir – com uma colher e retire a pele marrom com uma faquinha. Passe pedaços grandes do coco no ralo que tem frisos horizontais de 4 a 5 cm de comprimento para obter as raspas (como se vê na foto).

Quer esta receita impressa? Clique aqui para baixar o PDF e imprimi-lo.

Camarão jamaicano

Standard

Na oportunidade de visitar Orlando, na Flórida, Estados Unidos, não deixe de reservar parte da tarde e a noite para passear na Universal Citywalk , um centro de entretenimento com cinemas, lojas, restaurantes, discotecas e outras atrações. Há muitos restaurantes com decoração e cardápios internacionais e torna-se difícil escolher o que comer, tal a variedade. Como estive ano passado no Caribe e adoro reggae e mojito (bebida com rum e hortelã), escolhemos jantar em um restaurante típico – que é a cópia da casa de Bob Marley – a fim de experimentar a culinária jamaicana. O cardápio oferece variações em torno de frutos do mar e decidi-me por um camarão com legumes. Provei, delicioso. Comi tudo! Sentindo o aroma e o paladar achei que era possível reproduzir a receita em casa. Pois fiz com tanto capricho que ficou mais gostoso que o original. Assim mostro a foto do prato e do cardápio do restaurante e, em seguida, passo a receita feita por mim.

Camarão com quiabo e coco à moda da Jamaica

Escolha camarões médios (pode ser tamanho 71/90) e calcule, por pessoa, cerca de 100 gr. de camarão já descascado e limpo. Considerando uma porção para 4 pessoas, separe quiabos, 2 tomates tipo italiano grandes e maduros, sem pele e sem sementes, 2 cebolas, 2 dentes de alho, 1 espiga de milho verde, ½ garrafinha ou 100 ml. de leite de coco, 1 xícara de café de coco natural ralado grosso, 1 limão thaiti, sal, azeite, pimentas tabasco e malagueta a gosto, 1 colherinha de café de curry*. Calcule o equivalente a 3 xícaras de chá cheias dos seguintes legumes: 1/3 de uma abobrinha mineira ou italiana (verde) , 1/3 de abóbora paulista ( rajada por fora e laranja por dentro), a mesma quantidade de pimentão vermelho (pode colocar amarelo e/ou verde) .

Lave, tire as tripas e tempere o camarão com sal e limão. Deixe pegando tempero por 15 minutos. Enquanto isto, pique os legumes – o quiabo em tronquinhos, o tomate em cubinhos, a cebola em fatias bem finas, o alho bem miudinho, as abobrinhas e os pimentões em tiras médias do mesmo tamanho. Rale a espiga de milho crua e reserve.

Ponha água para ferver à parte. Tome uma panela funda, derrame 2 colheres de azeite e frite os camarões até ficarem vermelhos. Retire e reserve. Acrescente mais uma colher de azeite, frite a cebola até ficar amolecida , junte o alho e, estando frito, acrescente os tomates e o milho ralado. Misture tudo e assim que começar a grudar na panela, acrescente 3 xícaras de água quente. Abaixe o fogo e junte o leite de coco e os camarões, deixando que cozinhem mais 5 minutos ou até os camarões estarem cozidos e o caldo ligeiramente encorpado. Prove o tempero e acrescente as pimentas e o curry. Misture bem. Desligue. À parte, frite o quiabo no óleo e escorra na peneira o excesso de gordura.

Vinte minutos antes de servir, coloque os pimentões cortados em um refratário, regue fartamente com azeite e leve-os ao forno quente até encolherem. Reserve. Enquanto assam, pegue uma panelinha, coloque as abobrinhas, cubra com água e deixe que cozinhem, sem deixar amolecer. Escorra a água e reserve. Tempere os legumes com uma misturinha de azeite, sal e pimentas. Disponha em um prato.

Pouco antes de servir, acrescente o quiabo ao molho com camarões já aquecido. Retifique o tempero, se necessário.

Sirva o camarão separado dos legumes (abobrinhas e pimentões) pois estes são servidos como guarnição para adornar o prato. O coco também é servido à parte e distribuído sobre o camarão e o arroz. Acompanhe com arroz branco. Veja a montagem final do prato na foto principal.

  • no restaurante o gosto de curry prevalecia sobre o camarão e o molho. Por minha conta, reduzi a quantidade pela metade ou até menos. Achei que ficou mais delicado e saboroso.

Quer esta receita impressa? Clique aqui para baixar o PDF e imprimi-lo.

Coquetéis caribenhos I

Standard

Um dos meus prazeres a bordo do Norwegian Gateway, navegando pelo Mar do Caribe, foi escolher e acompanhar o preparo dos deliciosos, coloridos e refrescantes coquetéis servidos nos bares do navio. Em seguida, escolhia o melhor ângulo para uma bonita foto e passava à parte melhor: beber devagarinho, apreciando o sabor. Sempre tinha algum curioso observando e aproveitava a ocasião para puxar conversa. Assim mais pessoas – americanos, sul-americanos e europeus – ficaram sabendo deste blog e passaram a acompanhá-lo e a mandar sugestões. Aqui vão algumas das receitas e as fotos para você prepará-los em casa para os amigos.

Crusoe

Para uma quente manhã de sol, uma boa pedida leve e refrescante é o coquetel cujo nome é uma homenagem ao lendário Robinson Crusoe, personagem do romance de Daniel Defoe publicado em 1719. Único sobrevivente de um naufrágio, Crusoe narra suas aventuras durante os anos vividos em uma ilhota remota do Caribe.

O drink é feito com 1 dose de rum – o indicado é o Organic Silver- misturado com o suco coado de 1/4 de limão tahiti e adoçado com néctar de agave. Este adoçante é indicado para o preparo de bebidas pois dissolve-se com facilidade e não deposita no fundo do copo como o açúcar. É um preparado feito a partir da agave azul ou tequilana, planta muito comum no México, que é também a matéria prima para a fabricação da tequila.

Pineapple Coconut Mojito

Uma delícia inspirada no tradicional Piña colada, coquetel criado no final da década de 1950 em San Juan. Enquanto neste drink portoriquenho usa-se o leite de côco, no drink servido nos bares do Norwegian Gateway usa-se o Bacardi Rock Coconut, um destilado de rum com essência de côco. Misture, na coqueteleira, 1 dose deste rum com 1 colher de sopa de polpa de abacaxi,1 colher de café de suco de limão e 1 colher de café de melado de cana (pode adoçar com açúcar mascavo ou cristal). Verta a mistura no copo, acrescente 1 dose de club soda e junte cubos de gelo até completar o copo. Como enfeite, use um raminho de hortelã.

Raspberry Guava Mojito

Uma variação bem original do mojito ( pronuncia-se morrito) que seduz pela cor vibrante e pelo aroma. Bem própria para um drink servido no Caribe, entre as duas Américas. É uma feliz e bem dosada mistura do delicado sabor das frutas vermelhas da família dos “berries” do hemisfério norte com o sabor acentuadamente doce das frutas tropicais do hemisfério sul – no caso, a nossa conhecida goiaba vermelha.  Macere, em um pilão de madeira, 3 framboesas com 3 folhinhas de hortelã e 1 colher de chá de açúcar de cana.Verta a mistura na coqueteleira e junte 1 dose de Bacardi Superior e 1 colher de sopa de polpa de goiaba. Despeje a mistura coada em um copo de boca larga, misture com 1 dose de club soda e cubos de gelo até completar. Prenda no palito 3 framboesas e coloque-as enfeitando o drink, junto com um raminho de hortelã.

Veja abaixo estas receitas originais e mais outras. Experimente fazê-las!

IMG_5865

Quindim

Standard

A receita desta delícia rara que leva o nome de quindim perde-se no tempo, de tão antiga – talvez tenha cerca de quinhentos anos. Em Portugal tem um doce quase igual que se chama brisa-de-Liz, só que é feito com amêndoa. No Brasil, é feito com côco, trazido originalmente das costas d’África como lastro nos navios negreiros; por aqui as palmeiras e coqueiros se esparramaram como se fossem nativas. Daí se conclui que o quindim é uma adaptação brasileira do doce português, certamente com origem no Brasil Colonial. Lembro-me de referências aos “quindins de iaiá” nos romances de Machado de Assis e outros de seu tempo.

A receita que aqui vai é a da minha família, que me foi passada pela minha tia, perita na arte do quindim e de tortas deliciosas – ainda pego estas receitas com ela!

Quindim

Você vai precisar usar 20 forminhas de alumínio de tamanho médio se quiser fazer o docinho tradicional. Outra opção é fazer o quindão, usando aquela forma de bolo que tem um furo no meio.

Separe: 1 ovo inteiro mais 6 gemas. Tire a pele das gemas uma a uma, beliscando-as e puxando a pele para cima, deixando escorrer o líquido entre os dedos. Passe as gemas em uma peneira fina.

Vai usar: 1 colher de sopa rasa de manteiga, 1 xícara de chá de açucar refinado e igual quantidade de côco ralado. Se não quiser tomar o trabalho de esquentar o côco no fogo, quebrá-lo, retirar a noz e ralar, compre côco ralado congelado. Não presta fazer quindim com côco ralado seco de pacote.

Tome a batedeira e misture o ovo com as gemas. Acrescente o açúcar, depois a manteiga e o côco ralado. Unte as forminhas com pouca manteiga e polvilhe-as com açúcar. Misture novamente o creme e encha as forminhas até ¾ da altura. Deixe descansando até verificar que o côco subiu.

Pré aqueça o forno a 180 graus. Esquente água em um caneco. Coloque as forminhas em um tabuleiro grande e alto e coloque-o na prateleira do forno. Preencha o tabuleiro com água até a altura da metade das forminhas, no máximo.

Vigie o cozimento para não deixar corar. Teste se já estão cozidos enfiando um palito – se sair limpo, está pronto!

Coloque na geladeira, desenforme e sirva frio.

Quer esta receita impressa? Clique aqui para baixar o PDF e imprimí-lo.

Capetown 2 – Penísula do Cabo

Standard

Entre o passeio pela bem cuidada praia de Boulders Beach a ver milhares de pinguins ( ver foto acima) e o belíssimo por do sol enfrentando a ventania do extremo sul da África, no famoso farol do Cabo da Boa Esperança ( ver foto no final do texto), paramos para almoçar em um simpático restaurante típico da região de Saint Simon/ Saint James. Trata-se de uma ex-colônia da Marinha Britânica, rica em incríveis histórias de marinheiros dos séculos passados, desde os idos do século 17. Um típico sobrado branco com varanda, igualzinho àqueles velhinhos de beira-mar do sul da Inglaterra, oferecendo o tradicional fish and chips. Mais britânico, impossível. Pois bem, o cardápio oferecia ainda uma mescla de pratos internacionais com tempero local. Apostamos no peixe e no camarão frescos, pescas do dia, segundo o simpático rapaz que nos atendeu. As receitas que se seguem são a nossa interpretação do pratos que escolhemos.

Badejo sobre batatas com molho de alcaparras

IMG_4433

Um prato simples pode aparentar um certo requinte se servido com alguma arte. Vamos primeiro ao preparo do peixe e das batatas: tempere com sal e limão o filé de peixe – cerca de 150 a 200 gr. por pessoa. Reserve. Coloque as batatas baby para cozinhar com a pele, 4 pequenas por pessoa.

Prepare o molho tipo vinagrete: para cada pessoa, pique ¼ de tomate em cubinhos miúdos, junte uma colher de sopa de alcaparras picadas, ¼ de cebola picadinha, sal, limão, azeite e vinagre. Reserve. Cozinhe o brócolis no vapor. Prepare a maionese ou outro molho de sua preferência.

Cerca de quinze minutos antes de servir, grelhe ou asse o peixe, usando manteiga ou azeite. Quando mudar de cor e ficar branco e macio, antes de corar, jogue sobre o peixe um misturinha de cebola ralada, ervas aromáticas, sal e pimenta do reino branca. Tome a manteiga ou o azeite da panela ou assadeira e regue o peixe. Enquanto o peixe cora, use uma forma redonda para enformar as batatas já cozidas e salgadas (veja dica), apertando-as dentro do aro e depois virando-as diretamente no prato. Coloque o filé de peixe sobre a caminha de batatas e cubra-o com o molho que acabou de preparar junto com o peixe. Disponha no prato – veja a foto – o molho de maionese, o brócolis e o vinagrete de tomates e alcaparras.

Obs.: O peixe revelou-se de ótima consistência, o molho saboroso e as batatas sul-africanas são sempre uma boa pedida. O molho de maionese industrializado foi o ponto fraco. Aconselho substitui-lo por um simples fio de azeite de boa qualidade. Para incrementá-lo, soque ervas frescas, misture ao azeite, deixe ficar por algum tempo e depois coe.

Camarões com spaguetti ao molho de pimenta, côco e rúcula

IMG_4434

Tempere os camarões já limpos com sal e limão. Calcule de 150 a 200 gr. por pessoa. Deixe no tempero por quinze minutos. Lave as folhas da rúcula de deixe-as secarem. Corte as pimentas frescas – as que nos serviram parecem com a nossa malagueta porém são maiores e menos ardidas. Se preferir, substitua por pimentão vermelho.

Cozinhe o spaguetti – cerca de 50 gr. por pessoa (veja dica). Enquanto a pasta cozinha, derrame uma colher de sobremesa de azeite sobre na frigideira e frite os camarões até ficarem vermelhos. Retire os camarões da panela. Reserve.

Na borra que ficou, acrescente um fio de azeite ou um pouquinho de manteiga, uma colher de chá de cebola ralada e frite até dourar. Junte a mesma quantidade de molho de tomate caseiro ( por minha conta, na receita do restaurante não tinha nem cebola nem tomate no molho). Misture. Coloque ½ xícara de chá de água quente, raspe toda a borra até formar um caldo homogêneo. Acrescente as pimentas cortadas. Deixe que amaciem. Junte ½ xícara de chá de leite de côco (pode substituir por creme de leite ou uma mistura dos dois). Volte com os camarões. Misture. Deixe que o molho e os camarões cozinhem. Prove o sal. Desligue o fogo.

Escorra o spaguetti. Volte com o molho ao fogo, junte a pasta e as folhas de rúcula. Misture e sirva imediatamente.

Obs.: Para quem não está habituado a comida muito apimentada, há de se tomar cuidado ao pedir ou fazer um prato como este. Gostamos da mistura de leite de côco, porém acho melhor misturar também creme de leite fresco para suavizar o sabor do côco e dar uma consistência menos aguada ao molho.

Abaixo, foto do ponto mais ao sul da África, no Cabo da Boa Esperança, onde o Oceano Atlântico encontra o Oceano Índico

IMG_4468

Canjica para aquecer o inverno

Standard

Aproveite o inverno e não deixe de comer canjica! Se neste ano as festas juninas foram prejudicadas (em vão!) pela Copa, faça a canjica em casa – não fique na vontade! Nesses dias friozinhos, preparar e servir uma canjica gostosa e quentinha é uma boa. Dica: cozinhe a canjica e guarde em partes no refrigerador pois assim você pode prepará-la rapidamente quando bater aquela vontade de comer nas tardes de fim de semana ou à noite. Ou, quem sabe, até no café da manhã, pois é um prato leve e que sustenta bastante.

Canjica com amendoim e côco

Esta é a canjica que gosto de preparar, bem temperadinha.

Considere 100 gr. de canjica por pessoa, ou seja, uma xícara de café do milho para canjica cru. Para 6 pessoas, irá precisar também de 1 xícara de chá de leite ( pode ser mais) e 1 xícara de café de leite condensado, ½ xícara de café de côco ralado e igual quantidade de amendoim torrado e moído. Para temperar: 1 colher de chá de canela, 6 cravos da índia e 1 colher de sopa de açúcar, se gostar de canjica bem doce (eu não ponho açúcar).

DSCN1230

Primeiro coloque a canjica de molho de um dia para o outro. Depois cozinhe na panela de pressão com 3 dedos de água acima do nível da canjica. O tempo de cozimento vai depender da canjica. Melhor deixar por uns 20 minutos e conferir.

Guarde a canjica cozida no refrigerador ou transfira a quantidade que vai fazer para a panela onde irá prepará-la, com a água do cozimento, que deve ter virado um caldo grosso, tipo papa.

Acrescente o leite e o leite condensado. Coloque côco ralado e amendoim conforme o seu gosto. Junte a canela e os cravos. Prove. Misture tudo e continue mexendo. Se precisar, coloque mais leite até o ponto que desejar, pois tem gente que gosta mais rala e outros, mais encorpada. Se for guardar a canjica pronta será necessário acrescentar leite ao esquentar novamente. Sirva bem quente.

Quer esta receita impressa? Clique aqui para baixar o PDF e imprimí-lo.