Jantar tailandês

Standard

Com este menu tailandês iniciamos uma série de sugestões de cardápios completos para você convidar seus amigos para um jantar (ou almoço) bem original. Todos os cardápios foram elaborados a partir de pratos que degustei em seus países de origem e depois reproduzi em casa, adaptando-os para o nosso paladar e usando ingredientes que podem ser encontrados no Brasil.

Obs.: Todas as receitas desta série já foram publicadas em minha página de Culinária no Jornal Primeira Linha, de Belo Horizonte.

Culinária tailandesa

Entre os bons prazeres da vida está o de reunir família e amigos em volta de uma mesa. E se for em nossa casa, com o carinho de um almoço ou jantar feito por nós, pode ter certeza que terá momentos inesquecíveis. Mas a variedade de receitas oferecidas nos livros ou nas mídias é imensa, o que torna difícil a escolha de um cardápio onde os pratos combinem entre si. Uma ótima ideia é apelar para um menu temático, por exemplo, inovar com um cardápio de culinária internacional e escolher um país ou região como tema. E se ainda decorar a mesa com um toque do lugar escolhido, o sucesso estará garantido!

Desde muitos anos tenho viajado pelo mundo provando um pouco de tudo e trazendo receitas para refazer em casa, adaptando-as ao nosso paladar e aos ingredientes possíveis de se conseguir por aqui. Na minha casa fazem muito sucesso! Agora é a sua vez de experimentá-las!

 

PRATO PRINCIPAL

Pad Thai

 É o prato mais tradicional da Tailândia – é como se fosse o risotto para os italianos ou o mexido para os mineiros. Em comum, todos têm o arroz como base misturado aos ingredientes à disposição. Tanto em Bangkok como nas praias é bastante popular, oferecido aos turistas em barraquinhas de feiras.

Para que a receita seja feita corretamente, é importante comprar dois produtos importados: a pasta de arroz (tipo talharim branco) e o tempero para pad thai à base de tamarindo. Os demais ingredientes são fáceis de achar. É aconselhável usar uma panela wok para fazer a receita.

Para 4 pessoas: 1 pacote de 200 gr. de pasta de arroz. 1 peito de frango pequeno, 150 gr. de lombo, 200 gr. de camarãozinho rosa. 3 ovos, 1 xícara de chá de broto de feijão, ½ cebola, 1 dente de alho grande, 40 gr. de amendoim torrado e moído. Molho para pad thai, coentro em pó, pimenta do reino, sal, salsinha e cebolinha.

Corte o lombo e o peito de frango em cubinhos de 2×2 cm. e tempere-os com sal e alho. Limpe e tempere o camarão com sal. Triture o dente de alho e fatie a cebola bem fininha. Lave e escorra bem os brotos de feijão, pique a salsinha e a cebolinha. Esquente água em um caneco à parte. Em uma panela wok, salteie o alho triturado com a cebola e o camarão. Reserve. Em outra panela, frite em pouco óleo, até corar, primeiro o lombo e depois o frango. Vá pingando água quente até que fiquem macios, deixando um pouco do caldo no fundo da panela. Reserve. Veja as instruções de cozimento da pasta de arroz no pacote e siga-as para cozinha-la. Reserve. Volte para a wok, empurre o camarão para as laterais e despeje os 3 ovos. Assim que o ovo ficar branco e amarelo mexa e misture o camarão, o frango e o lombo (com o caldo, grosso). Acrescente o broto de feijão, a salsinha e a cebolinha, mexendo sempre. Junte o tempero de pad thai aos poucos e prove, depois complete o típico sabor tailandês com o coentro e a pimenta do reino. Prove. A esta altura a pasta de arroz já deve estar cozida (atenção: ao dente) e recém escorrida. Na wok, acrescente a pasta à mistura e mexa com um garfão, tomando cuidado para não partir os fios da pasta. Finalize distribuindo o amendoim  igualmente sobre o prato. Sirva, de preferência, em uma gamela de madeira.

Obs: se não achar para comprar o molho para pad thai, misture: 1 colher de sopa de molho de tamarindo, a mesma quantidade de molho de peixe e 1 colher de açúcar.

 

ENTRADA FRIA

Salada de frutos de mar e terra

Para 4 pessoas: 8 a 12 camarões, 2 lulas fatiadas, 4 tronquinhos de kani picados em 4 partes. Folhas (alface americana e rúcula), pimentão vermelho em fatias finas, manga e coco em lascas. Molho: 100 gr. de iogurte natural consistente, 2 colh. sopa de suco de manga, 1 colh. chá de vinagre branco, 1 colh. chá de azeite, casca de limão ralada, coentro e pimenta in natura picadinhos. Sal e açúcar.

Limpe e tempere os camarões e as fatias de lula com sal e limão. Prepare o molho e deixe-o na geladeira. Entremeie as folhas com os frutos do mar, fatias de pimentão, manga e coco. O molho é servido à parte.

 

PRIMEIRO PRATO

Kaeng Kai ( Caril de frango)

Para 4 pessoas: 1 peito de frango cortado em cubos, 1 batata em cubinhos, ¼ de pimentão vermelho e ¼ de pimentão amarelo picadinhos, ½ alho poró fatiado, 5 cogumelos-de-paris frescos grandes em fatias, 1 xic. de chá de brotos de feijão, óleo de coco, sal com alho.

Tempere o frango com 1 colh. chá de green curry cooking sauce (ou uma mistura de gengibre, curry e lemongrass em pó com leite de coco, ervas frescas picadinhas, suco de limão e sal). Doure o frango no óleo de coco, acrescente a batata, os pimentões e o alho poró. Pingue água fervente até o frango ficar macio. Deixe caldo como para uma sopa, prove o tempero. Junte o broto de feijão e os cogumelos, mexa e desligue o fogo.

 

SOBREMESA

Sangkhyaa Fak Thong (Doce de coco na abóbora)

Ingredientes: 1 abóbora japonesa pequena, 6 ovos caipiras, 1 ½ xic. de açúcar refinado, 200 ml. de leite de coco, 1 xic. chá de coco ralado.

Ligue o forno a 250O. Esquente 1 lt. de água. Na batedeira em velocidade alta, bata bem os ovos até clarearem, vá acrescentando o açúcar aos poucos até formar um creme consistente. Desligue, misture o leite de coco e o coco ralado. Bata de novo, em baixa velocidade, só para misturar. Leve o doce para assar em uma travessa refratária, em banho-maria. Ao mesmo tempo, asse a abóbora. Deve demorar uma hora. Deixe esfriar. Corte uma tampa na abóbora e retire o miolo. Preencha-a com o doce e leve à geladeira por 12 horas. Sirva as fatias.

Vermicelli com lombo agridoce

Standard

Um dos pratos mais populares do Sudeste Asiático é constituído de uma base de pasta – pode ser a clássica pasta de arroz ou noodles de farinha de trigo – acrescido de algum tipo de carne – de boi, de porco, de frango ou frutos do mar como camarão, lulas ou vieiras – mais legumes (a cebola nunca falta) ou, excepcionalmente, alguma fruta que não desmanche quando acrescentada. Testei várias combinações e uma das que me agradou muito, pela praticidade, rapidez de ser feita e sabor agridoce, foi a receita que passo a seguir.

Vermicelli com lombo, coco, manga e molho de curry verde

Para esta receita, é melhor temperar e fritar a carne antes ou usar pernil e lombo de porco já preparados (assado ou de panela). Se quiser usar cebola caramelada previamente dá um saborzinho agridoce especial.

Para 2 pessoas: 100 gr. de carne picadinha (ou 1 xícara de chá quase cheia), 1 cebola, 1 colher de chá de óleo, 1 colher de chá de açúcar cristal, 1 colher de molho de tomate caseiro ou de polpa de tomate pelati, 1 colher de sobremesa de green curry*, pimenta a gosto, manga picada em cubos, raspas de coco seco. 100 gr. de vermicelli ( pasta de arroz tailandesa).

Pique metade da cebola em fatias finas e a outra metade em fatias grossas.

Tome uma wok ou panela de fundo largo. Deite a cebola picada fina e deixe-a secar, mexendo sempre com uma espátula. Polvilhe açúcar cristal para caramelizá-las. Retire da panela assim que dourarem. Reserve. Acrescente mais um pouquinho de óleo e doure a cebola cortada grossa. Junte o molho de tomates, o molho de curry verde e a pimenta, à gosto. Misture e prove o sal.

À parte, esquente 1 litro de água e logo que ferver, coloque o vermicelli e espalhe-o com um garfo para separar os fios. Conte dois minutos, retire e escorra.

Enquanto cozinha a pasta, acrescente a carne já pronta, a manga e o coco ao molho que está na wok. Misture para incorporar.  Na hora de servir, junte a pasta. Misture usando dois garfos. Tudo tem que ser feito ao mesmo temo e com rapidez para que os ingredientes não esfriem. Sirva imediatamente.

Quer esta receita impressa? Clique aqui para baixar o PDF e imprimi-lo.

Lagostins à tailandesa

Standard

No restaurante que comemos no Asiatique – o centro de lazer com restaurantes e lojas para turistas em Bangkok – a versão original desde bonito prato (foto principal) tem lagostins, mexilhões, vieiras, muita pimenta vermelha bastante picante e um tipo de folha verde, servidos ao molho de ostras. O sabor é delicioso mas a pimenta é tão, mas tão forte que precisei beber a água de três cocos, um em seguida do outro, para conseguir voltar a respirar normalmente! Reproduzindo o prato em casa, substituí a tal pimenta vermelha (que nem tem no Brasil) por pimentão vermelho e por pimenta dedo-de-moça. Se quiser dar sabor mas sem arder, use a pimenta biquinho. Mas se gostar de pimenta, use a malagueta, a jalapeño ou a de sua preferência. Quanto à folha, usei  espinafre, pois é a mais parecida em sabor com a original tailandesa. Pode também ser feito com rúcula. Como não consegui nem mexilhões nem vieiras grandes ( moramos a 450 km do mar), usei lulas. Escolha os frutos do mar que preferir e faça a sua própria receita!

Lagostins e lulas ao molho de ostras – inspiração tailandesa

Ingredientes por pessoa: 150 gr. de lagostins limpos e 150 gr. de anéis de lula. Tempero da marinada: 1 colher de chá de molho de ostra*, suco de ½ limão tahiti, 1 colher de café de lemongrass em pó (capim limão)** e 1 colher de café de gengibre cru ralado. Para saltear: 1 colher de sopa de óleo de coco.

Ingredientes para o molho: ½ cebola fatiada, 1/3 de pimentão vermelho fatiado, 5 pimentas biquinho ou 3 pimentas dedo-de-moça in natura ou suavemente curtidas, 10 folhas de espinafre. Tempero do molho: a marinada em que temperou os lagostins e as lulas, 1 colher de café de gengibre ralado, 1 colher de sopa de molho de soja, ½ colher de café de sal, 1 colher de café de açúcar demerara ou cristal, 1 colher de chá de amido de milho dissolvido em um pouco d’água.

Primeiro prepare a marinada e deixe os lagostins limpos e as lulas limpas e cortadas em tiras grossas pegando tempero por 15 minutos.

Tome uma wok (ou uma panela larga), esquente e salteie os lagostins e as lulas. Tire da wok e reserve.

Na mesma panela, sem lavá-la, salteie bem a cebola e os pimentões já cortados, até ficarem corados. Acrescente o shoyo ( molho de soja) e o açúcar para caramelar. Misture até o açúcar dissolver completamente. Junte as pimentas picadas e os demais ingredientes do molho. Vá pingando água quente até formar um molho de boa consistência. Para dar o aspecto vidrado, engrosse-o com o amido misturado em um pouquinho de água fria. Junte os lagostins e a lula, verifique o cozimento e retifique o tempero do molho, se necessário.

Por último, pouco antes de servir, acrescente as folhas de espinafre, salpique água sobre elas, tampe e deixe amolecerem. Sirva imediatamente.

Quer esta receita impressa? Clique aqui para baixar o PDF e imprimi-lo.

Veja abaixo a foto desta receita. Ficou bem diferente do prato que comemos no Asiatique mas bastante semelhante a outros pratos que tivemos oportunidade de comer em várias cidades do Sudeste Asiático, onde esta receita (com pimentões) é bastante tradicional.

*o molho de ostras é encontrado nos bons supermercados ou mercearias de comida oriental.

** dispensável, se não encontrar.

Camarão tailandês no coco

Standard

Em Bangkok, capital da Tailândia, há um interessante centro de lazer que tem o nome de Asiatique . Lá tem lojinhas com todo tipo de artesanato, selecionado e de muito bom gosto. Mas o melhor é a quantidade e variedade de restaurantes, além de uma feira com barraquinhas de comidas típicas. E tem até roda gigante! Pode-se chegar por terra mas o melhor mesmo é tomar um barco (ferry) do próprio parque em uma estação central próxima aos hotéis de luxo, construídos às margens do Rio Chao Phraya, que têm todos eles seus próprios cais e barcos. Assim, além de aproveitar o fim de tarde e a noite ( abre as cinco da tarde) nesse grande e variado centro gastronômico e de compras ainda se vai e volta desfrutando um agradabilíssimo passeio de barco. Ao por do sol é imperdível!

Foi lá que escolhi, entre variadas opções, este camarão servido no coco, bem típico da culinária tailandesa. Confesso que dentre todos os pratos que comi no Sudeste Asiático, e depois reproduzi em casa para passar a receita a vocês, este foi o mais difícil de descobrir os ingredientes originais* e o modo de fazer. Aliás, foi a única de todas as receitas já apresentadas (veja as nove receitas postadas aqui no mês de março) que precisei repetir. Mas valeu, ficou delicioso!

* É claro que eu trouxe a mala cheia dos temperos que só se encontram por lá!

Camarão no coco

Esta receita pode ser feita sem o coco, para servir no prato acompanhado de arroz branco, de preferência feito com água de coco e finalizado com um pouquinho de leite de coco. Afinal, não é nada fácil conseguir alguém para tirar o tampo do coco e, além disso, é preciso fazer essa difícil operação logo antes de servir, pois a polpa do coco do tipo que temos no Brasil escurece rápido. Se estiver cozinhando a dois, se um de vocês for o suficiente forte e ágil, sirva no coco pois fica lindo!

Veja os ingredientes para 2 pessoas: 400 gr. de camarão sem casca e limpo, 1 limão, 1 colher de chá de sal, 1 colher de sopa de óleo de coco. Para o molho: 1 cebola grande, 1 pedaço de repolho que depois de fatiado dê 1 xícara de chá cheia, 1/3 de pimentão vermelho e 1/3 de pimentão amarelo, 1 xícara de café ( 100ml) de leite de coco, 10 folhas grandes de rúcula, 4 talos de cebolinha verde. Tempero do molho: 1 colher de chá de curry em pó, 1 colher de chá de molho de ostra, 1 colher de chá de molho de peixe, suco coado de 1 limão, pimenta a gosto.

Limpe e tempere os camarões, deixando-os no tempero por 15 minutos. Enquanto isto, pique os legumes como na foto. Escorra os camarões. Reserve. Tome uma wok ou panela larga e frite os camarões no óleo de coco (use a metade) até ficarem vermelhos.

Retire-os da panela, acrescente o restante do óleo e frite, tudo junto, a cebola, os pimentões e o repolho picados (o gosto do repolho vai desaparecer no final). Abaixe o fogo, despeje um pouco de água fervente, tampe a panela e deixe que amoleçam. Prepare, à parte, o tempero do molho, misturando bem os ingredientes. Junte o tempero, aos poucos. Prove até ficar do seu gosto, inclusive a pimenta. Desligue o fogo e passe o molho no processador, no modo pulsar, de modo que fique bem misturado, triturado em pedaços pequenos mas não deixe liquefazer – deve ficar um molho grosseiro (aí está o segredo).

Volte com o molho para a mesma panela, junte o leite de coco, retifique o tempero. Pouco antes de servir, junte o camarão, mexa, coloque as folhas de rúcula inteiras e a cebolinha verde picada por cima. Ligue o fogo no fraco, abafe a panela com uma tampa e deixe as folhas murcharem ligeiramente. Está pronto!

Enquanto faz esta última operação, retire o tampo do coco e escorra a água. Coloque imediatamente o molho com os camarões dentro do coco, enfeite com raspas de coco (de outro coco) , ponha uma orquídea do lado e surpreenda seu amor!

Quer esta receita impressa? Clique aqui para baixar o PDF e imprimi-lo.

Arroz tailandês no abacaxi com camarões

Standard

Imagine estar em um terraço às margens do Rio Chao Phraya em Bangkok, a cosmopolita capital da Tailândia, apreciando a vista dos barcos cortando as águas do rio resplandecendo ao sol. E aí o garçon coloca à sua frente este abacaxi tropical recheado de camarões e castanhas! Foi o presente que me dei no primeiro dia deste ano de 2017 além, é claro, de uma visita ao Palácio Imperial. Veja as fotos e aprecie a maravilha:

 

Agora traga um pedacinho da Tailândia para sua casa e prepare este agrado para as pessoas de quem você gosta.

Arroz tailandês no abacaxi com camarões e castanhas

Esta receita pode ser feita e servida em um prato comum mas fica muito mais interessante se for servida dentro do abacaxi.

Ingredientes para 8 pessoas: 4 abacaxis, 2 xícaras de chá de arroz, 2 colheres de sopa de óleo de coco (pode usar outro, mas este dá um aroma e um sabor inigualáveis), 1 colher de chá de sal com alho, a mesma quantidade de sal e de açúcar. Tempero: 1 colher de café de açafrão (ou cúrcuma) misturado a ½ litro de água. 1 colher de café de curry e 1 colher de chá de lemongrass em pó ( capim limão), 1 colher de café de suco de limão.

Calcule de 6 a 8 camarões por pessoa, dependendo do tamanho. Mais 200 gr. de castanha do cajú.

Limpe os camarões e tempere-os com sal e suco de ½ limão. Deixe por 15 minutos.

Escolha 4 abacaxis bem maduros e firmes e corte-os ao meio no sentido longitudinal. Com a ajuda de uma faca e de uma colher grande de arroz retire a polpa de modo a formar um barquinho. Retire o talo central e corte a polpa do abacaxi em cubinhos. Reserve.

Doure o arroz no óleo com o sal e o alho até ficar moreninho. Junte a água fervente com o açafrão e os temperos. Prove e retifique a gosto. Deixe o arroz cozinhar, juntando, se necessário, mais água, sempre quente, até ficar no ponto.

Enquanto isto, doure os cubinhos de abacaxi e acrescente o açúcar para caramelizar. Reserve.

Em outra panela, despeje um fio de óleo de coco e frite os camarões até ficarem vermelhos. Desligue e reserve.

Torre as castanhas em uma frigideira. Reserve.

Assim que o arroz estiver cozido, junte o abacaxi e os camarões já fritos. Pouco antes de servir, misture e finalize com a cebolinha verde. Preencha o miolo dos abacaxis com o arroz e cubra com as castanhas.

Quer esta receita impressa? Clique aqui para baixar o PDF e imprimi-lo.

Sabores da Tailândia

Standard

Hoje iniciamos uma série de postagens sobre a gastronomia do Sudeste Asiático. Em recente viagem, em janeiro deste ano, à Tailândia, Laos, Camboja, Vietnã e ainda à Singapura, tive a grata oportunidade de degustar pratos deliciosos e pesquisar a gastronomia local. Você já sabe como faço: tão logo volto para casa, convoco a assessoria das duas filhas e experimentamos refazer todos os pratos, fotografando o passo-a-passo e escrevendo a nova receita em detalhes. Fevereiro foi um verdadeiro festival de comidas deliciosas aqui em casa. Agora é a sua vez!

Sabores da Tailândia 

A exuberância deste país de belas paisagens, rica cultura milenar e gente acolhedora traduz-se em sua apreciada culinária.

Em qualquer restaurante de categoria na capital Bangkok, o bom gosto na apresentação e a complexidade da mistura de temperos demonstram esmero no preparo dos pratos.  Os ingredientes são sempre frescos e da melhor qualidade. Uma iguaria  tailandesa se come com os olhos e o olfato antes de ser degustada. Tudo é pura e simplesmente arte. A sofisticada ornamentação dos pratos vem na medida certa para dar forma, colorido, textura e aroma com perfeita harmonia. A imaginação é infinita no preparo meticuloso para surpreender o comensal. Pode-se usar um bambu cortado, um coco verde descascado ou a metade de um abacaxi, de um maracujá ou de alguma das exóticas frutas de cores vibrantes e texturas inusitadas para servir de recipiente. Pode ser uma orquídea, um raminho de flores delicadas ou um laçarote de capim limão para dar graça e perfume. Lascas de frutas transformam-se em sugestivas e delicadas caudas de dragão ou penachos de pássaros.

A fartura da pesca oceânica e de água doce, incluindo os criatórios de mariscos, fornece ampla variedade de peixes e frutos do mar. As terras férteis, pela abundância de água e de sol, produzem grande diversidade de frutas doces e legumes e verduras  viçosos. Das terras baixas e alagadas vem o arroz de qualidade excepcional. Da criação das famílias camponesas vem frangos, patos e porcos engordados com produtos cultivados nas próprias chácaras.

A influência das culinárias indiana e chinesa é percebida na mistura de temperos como o curry, o gengibre, as pimentas e as ervas aromáticas. Toda essa abundância contribui para fazer da gastronomia tailandesa uma das mais respeitadas do mundo.

Por outro lado, a comida de rua é simples no fazer e de paladar mais ativo. Toda família de classe média que vive em casas estreitas e altas na área urbana tem um pequeno comércio no nível da rua, muitas vezes dedicado à alimentação. É nas calçadas que se preparam espetinhos de frango e de porco assados em rústicas bacias com carvão, peixes e bolinhos fritos em grandes caldeirões. Oferta-se uma grande variedade de frutas e de doces de coco, amendoim, abóbora e batata doce. O tailandês tem por hábito comer nas calçadas, em companhia da família e dos amigos, assentado em banquinhos minúsculos, tendo sempre à frente uma caneca cheia de café.

O prato mais típico da Tailândia é o Pad Thai. As carnes de frango e porco são cortadas em finas lascas. Em uma wok frita-se essas carnes e o camarão em óleo de coco ou de palma. Acrescenta-se ovos e ervas de folha. Junta-se rapidamente a pasta fresca de arroz tradicional ( de forma igual a um vermicelli, spaguetti ou tagliatelle  bem fino) já passada na água fervente. Mistura-se tudo e acrescenta-se cheiro verde picadinho e amendoim torrado e moído. Tempera-se com o molho pad thai- uma mistura de molhos de peixe, de soja, de tamarindo e especiarias. Experimente fazê-lo!

Autora: Silvania Capanema – jornalista, responsável pelo blog http://www.salcomalho.com

Artigo publicado na edição de janeiro de 2017 do Jornal Primeira Linha, de Belo Horizonte, na minha coluna mensal “Segredinhos da Gastronomia”. 

Doce de coco na abóbora à tailandesa

Standard

Esta é uma das receitas mais conhecidas e apreciadas na Tailândia. Seu nome original é Sangkhyaa Fak Thong e é feita com a abóbora conhecida no Brasil como abóbora japonesa, justamente por ser de origem do Sudeste Asiático. O doce de coco também pode ser servido na própria casca do coco, mas na versão com a abóbora fica mais bonito, com a vantagem da abóbora ser comestível. Como esta receita leva 1 hora para assar e deve ficar na geladeira por, no mínimo, 4 horas, aconselho que seja feita com antecedência ou mesmo de véspera.

Doce de coco na abóbora

A receita pode ser feita com a polpa natural do coco, mas para facilitar usei o leite de coco e o coco ralado desidratado industrializados. Caso queira fazê-la com o coco natural, veja aqui a dica de como prepará-lo para a receita.

Vamos aos ingredientes: 1 abóbora japonesa pequena ( veja foto abaixo), 6 ovos (de preferência caipira*), 1 ½ xícara de açúcar refinado**, 200 ml de leite de coco e 1 xícara de chá de coco ralado.

Vai precisar de uma travessa refratária, de uma assadeira grande de borda alta e de uma outra forma de alumínio ou silicone redonda, que caiba a abóbora.

Primeiro ligue o forno a 250 graus e esquente 1 litro de água.

Bata na batedeira em velocidade média (na Planetária pode ser 4) os ovos (clara e gema junto) até formar uma espuma cremosa. Adicione o açúcar aos poucos, sempre batendo, até formar um creme consistente. Desligue, acrescente o leite de coco e volte a bater, em baixa velocidade, só a conta de misturá-lo. Coloque o creme imediatamente dentro de uma travessa refratária baixa. Tome a assadeira e despeje dentro a água quente até o nível d’água dar uma altura de aproximadamente 2cm. Coloque, lado a lado, a travessa e a forma redonda com a abóbora dentro ( veja foto). Com cuidado, leve-os ao forno para assar por volta de 1 hora nesse processo chamado de banho-maria.

Quando o creme de coco começar a corar por cima, espete um garfo para testar se está cozido. Se o garfo sair limpo, está pronto. Retire a assadeira do forno e deixe a abóbora esfriando. Misture o coco ralado no creme e deixe esfriar.

Com uma faca, corte e retire uma tampa ( diâmetro de 8cm) da abóbora. Com uma colher de sopa, cave e retire as sementes da abóbora até que veja as laterais lisas e firmes. Obs: pode-se abrir a tampa e retirar as sementes com a abóbora crua, só que corre o risco dela ficar muito mole ao assar e desmoronar no processo.

Coloque o doce dentro da abóbora até completar. Tampe e leve à geladeira por, no mínimo, 4 horas.

Na hora de servir, corte com uma faca longa e bem afiada as fatias de abóbora com o recheio do creme de coco (veja a foto principal).

* para o recheio ficar mais amarelo

** a receita original leva 2 xícaras de açúcar.

tipos_de_abobora

Foto: Wikipedia

Quer esta receita impressa? Clique aqui para baixar o PDF e imprimi-lo.