Kinkan – compota, geleia ou chutney

Standard

As kinkans apareceram no Brasil há poucos anos e são de origem oriental. Kinkan em japonês quer dizer “laranjinha de ouro”, porém a frutinha de cor amarelo dourada ou alaranjada não é uma verdadeira laranja, pertencente à espécie Citrus, pois pertence à outra espécie, a Fortunella. A mais comum é a Nagami, de forma oval e um tanto amarga, excelente para se fazer compota, geleia e chutney.

Compota

Lave as laranjinhas e deixe-as inteiras. Coloque-as para aferventar com uma quantidade de água suficiente para tampar a fruta. Assim que a água ferver, jogue a água fora e reinicie o processo por duas vezes. Escorra as frutas e reserve.

Faça uma calda dissolvendo açúcar cristal em água e deixando incorporar. A quantidade de calda deve ser o suficiente para cobrir as frutinhas e sobrar 3 dedos. Deixe que cozinhem no fogo brando até ficarem macias. Bem guardada em um ponto com tampa, conserva-se em geladeira por tempo indeterminado.

Sirva de sobremesa com queijo minas, requeijão, creme chantily ou sorvete.

 

Geleia 

Lave as laranjinhas, parta-as ao meio e retire o miolo. Bata no liquidificador ou processador para obter uma massa grossa, deixando ainda pequenos pedaços da fruta. Calcule a quantidade de açúcar que vai usar: a quarta parte do volume da massa, no mínimo. Derreta o açúcar em uma panela e assim que começar a dourar junte a massa da fruta. Adicione um pau de canela, cravos e estrela de anis inteiros (que serão retirados ao final). Outra opção é colocá-los dentro de um porta-temperos (veja foto). Deixe cozinhar em fogo médio. Quando começar a formar bolhas, mexa com uma colher de pau para não agarrar na panela, até dar ponto de geleia. Conservada em pote fechado dura muitos meses na geladeira. Dica: para que não azede, nunca retire a geleia do pote com colher usada e jamais devolva ao vidro geleia já servida.

Sirva para acompanhar torradas, como recheio ou cobertura de sobremesas, tortas e bolos.

 

Chutney 

Para fazer o chutney adicione à geleia, aos poucos, provando sempre: gengibre ralado, vinagre de maçã, aceto balsâmico, suco de pimenta malagueta e mel. Misture, volte ao fogo médio até o ponto que comece a soltar do fundo da panela. Desligue. Deixe esfriar.

Ótimo para servir de aperitivo com queijos de paladar forte, como parmesão e grana padano. Ideal para acompanhar carne de porco, como lombo, pernil ou joelho. Veja aqui a receita de joelho de porco acompanhado de chutney de kinkan e farofa de castanhas.

Quer esta receita impressa? Clique aqui para baixar o PDF e imprimi-lo.

Chutney de damasco

Standard

Depois do sucesso dos chutneys de manga, de beterraba e de cebola roxa que degustamos com pães – também feitos em casa – nas reuniões de amigos em nossa casa no mês de dezembro, minhas filhas me cobraram novas variações para as festas de fim de ano. Primeiro misturei o chutney de cebola roxa com geleia de jaboticaba – ficou delicioso. Depois fiz outro com beterraba, cebola roxa e a mesma geleia- ficou sensacional. Para o Reveillon, resolvi fazer um novo chutney de damasco. Além de ser ótimo para servir com pães como aperitivo, fica perfeito para acompanhar carnes como lombo de porco, cordeiro ou pato.

Chutney de damasco

O importante é escolher damascos de cor viva e macios. Compre 200 gr. Reserve: azeite, 1 cebola, 1 pedacinho de gengibre, 3 laranjas, 2 colheres de sopa de açúcar mascavo, 2 colheres de sopa de mel, 5 castanhas-do-pará. Temperos: 5 pimentas biquinho amassadas e coadas para tirar a casca e as sementes, 3 anis estrelados, ½ colher de café de canela em pó e ½ de cravo em pó, 1 pitadinha de sal.

De véspera, ponha os damascos de molho na água quente para hidratá-los. Cerca de 8 a 12 horas depois, escorra bem a água e triture os damascos no modo pulsar do processador, de modo que fiquem em pedaços pequenos (não deixe liquefazer). Outra opção é usar geleia de damascos. Esprema as 3 laranjas , coe o caldo e reserve. Rale ou passe a cebola no processador. Rale o gengibre. Corte as castanhas com a ponta da faca em fatias bem finas.

Em uma frigideira, aqueça 1 colher de sopa de azeite, doure a cebola e o gengibre ralados. Acrescente a pasta de damascos (ou a geleia já pronta) e o suco de laranja. Junte os temperos: mel, suco das pimentas, anis, cravo e canela e um tico de sal. Misture bem com uma colher de pau e continue mexendo para não agarrar no fundo da panela. Quando estiver em ponto de purê, retire os anis e afaste a pasta para os lados, abrindo um buraco no meio da panela. Coloque aí o açúcar mascavo e deixe corar. Misture tudo e continue mexendo até que a pasta comece a pular. Desligue. Junte as castanhas. Deixe esfriar e ponha na geladeira até a hora de servir.

Nota: se quiser, pode acrescentar o sumo de capim cidreira, mas faz pouca diferença no sabor.

Quer esta receita impressa? Clique aqui para baixar o PDF e imprimi-lo.

Chutney de beterraba

Standard

Quando estivemos na vinícola Vrede en Lust, na região norte de Capetown, na África do Sul, nos foi servido um delicioso aperitivo de beterraba semelhante a um chutney. Este tipo de preparação, proveniente da Índia, usa legumes ou frutas cozidos no açúcar (branco ou mascavo) e temperados para que se tornem uma conserva. Normalmente usa-se para temperar: sal, alho, cebola, vinagre, mel, gengibre, canela e ervas aromáticas. Como gostamos muito e achamos bem diferente, resolvemos reproduzir em casa. Reunimos o comitê oficial, ou seja, a mãe blogueira e as duas filhas e nos aventuramos na recriação da receita tendo, como orientação, nossa lembrança do visual e do paladar. Pois deu muito certo e vamos repetir sempre! É fácil de preparar e muito original para você oferecer aos seus convidados como aperitivo antes de um jantar.

Chutney de beterraba

Escolha uma beterraba bem firme e brilhante. Selecionamos para temperar: aceto balsâmico, vinagre de vinho tinto, mel, canela e gengibre fresco. Preferimos usar o açúcar branco (cristal)  ao invés do mascavo porque achamos que este último certamente escureceria a bela cor natural da beterraba.

Rale ou processe a beterraba para ficar como na foto. Coloque meio litro de água para esquentar. Tome uma frigideira e deite 2 colheres de sopa cheias de açúcar cristal. Mexa com uma colher de pau. Quando estiver da cor de mel, acrescente a água quente. Coloque a beterraba ralada para cozinhar até que a água quase seque. Mexa de vez em quando para cozinhar por igual.

Rale um pedacinho de gengibre de modo a dar 1 colher de sobremesa e acrescente à beterraba. Misture e coloque os temperos nesta ordem: 1 colher de sopa de aceto balsâmico, a mesma quantidade de vinagre de vinho tinto e a mesma quantidade de mel e ainda 1 colherinha de café rasa de sal.  Coloque um pauzinho de canela ou 1 pontinha de colher de café de canela em pó.  Misture bem prove se está do seu gosto. Deixe secar completamente, mexendo com a colher de pau até adquirir consistência de geleia. Sirva frio.

Para acompanhar, a filha blogueira fez um pão simplesmente fantástico!

Veja o que nos foi servido na vinícola:

IMG_4490

 

Observe que há também um chutney de manga. Para fazê-lo, proceda da mesma maneira, usando a manga madura cortada em cubos pequenos, cozinhando-a na calda de açúcar mascavo e temperando a gosto. Sofisticado e delicioso, não é? Para acompanhar, nos foi servido um excelente vinho Sauvignon Blanc da Vrede en Lust. Inesquecível!

Quer esta receita impressa? Clique aqui para baixar o PDF e imprimi-lo.

Descobrimos um dos segredinhos da Alessa!

Standard

Depois de tanto trabalho para preparar a ceia de Natal e da inevitável comilança nas festas, pensamos que nossos amigos gostariam de uma sobremesa leve e que não desse trabalho para fazer. Pensamos então em…sorvete! Hum…mas teria que ser um sorvete muito especial…já sei! Na Alessa tem!

Fomos as duas para a Alessa, uma sorveteria gourmet – na verdade é muito mais que uma sorveteria! – que fica em Belo Horizonte, na esquina de rua São Paulo com rua Tomé de Souza, no sofisticado bairro de Lourdes. Além das muitas opções de sorvetes incríveis, ainda havia várias tortinhas com a cara melhor do mundo na vitrine. Mas, não vamos perder o foco, saboreamos o cardápio com os olhos e decidimos pelo Granada.

Dali a dois minutos vieram as taças: uma calda vermelha fumegando e ao lado, um sorvete de creme com pequenas castanhas de caju caramelizadas. O rapaz colocou o sorvete na taça com a calda e der-re-teu…hum, delícia, delícia! Brincando de detetives, resolvemos adivinhar a receita! Vimos logo que a calda era um coulis de frutas vermelhas, mas o sorvete…bem, o sabor era  muito diferente dos sorvetes de creme que tem por aí. Pedimos ajuda.

Primeiro ponto: os sorvetes da Alessa são feitos a partir do leite integral especial que vem de uma fazenda mineira, toda a gordura é natural! Nada de leite comum espessado com gordura hidrogenada e outros espessantes artificiais. Os produtos da casa são 100% naturais. Ficamos sabendo também que as castanhas  recebem uma caramelização especial finíssima antes de serem misturadas ao sorvete. Segundo ponto: tudo feito com alta tecnologia sob a batuta de um mestre sorveteiro italiano residente na casa! Conclusão: impossível fazer em casa um sorvete como os de lá!  Tudo bem, é possível fazer o coulis: a receita que já sabemos e que passamos para vocês aqui e…o segredinho da Alessa: acrescentar uma pitadinha de pimenta do reino para realçar o sabor adocicado. O melhor de tudo é que, pelo nosso interesse, recebemos um convite para uma degustação de sorvetes em janeiro e sairá tudo no blog! Aguardem!

Coulis de frutas vermelhas

Escolha frutas vermelhas firmes e bem maduras, como morangos pequenos, amoras, framboesas e cerejas. Lave, tire os cabinhos e deixe secar bem. Coloque-as em uma vasilha de vidro ou louça e polvilhe com açúcar cristal. Dê uma revirada e polvilhe de novo até que as frutinhas fiquem envolvidas no açúcar. Retire o excesso de açúcar que porventura ficar no fundo. Deixe na geladeira, absorvendo o açúcar por 12 horas.

Vire as frutas e o caldo em uma panela e leve ao fogo baixo. Pegue um batedor e macere as frutas até que fiquem em pedacinhos. Não coloque água. Salpique um tico de pimenta do reino em pó ( truque da Alessa). Assim que começar a ferver, pode desligar. Guarde na geladeira em um pote fechado (pode guardar por bastante tempo, desde que bem acondicionada). Esquente antes de servir.

O coulis é ideal para acompanhar sorvetes, sobremesas com chocolate, tortas e bolos. Fica sofisticado e delicioso!

Quer esta receita impressa? Clique aqui para baixar o PDF e imprimí-lo.