O Cebreiro – comida típica do peregrino

Standard

Saindo de Ponferrada, que deve seu nome à antiquíssima e ainda perfeita ponte construída pelos romanos, seguimos de ônibus até o pé da serra para enfrentarmos o trecho que iria requerer todo o nosso esforço. Foram 8 km. de subida íngreme em trilha, pisando em pedras  e cascalho, porém respirar o ar puro e fresco de altitude nos encheu de energia. Só a vista que se tem lá de cima vale muito mais esforço – é belíssima!

O Cebreiro é o local mais visitado de todo o roteiro jacobeu de Compostela.  É parada obrigatória de todo peregrino porque no alto do morro, na igreja de pedra do século IX – Santa Maria de la Real – está o cálice do Santo Graal. Segundo a tradição e a lenda local, este é o verdadeiro cálice que recolheu o sangue de Cristo. O gracioso vilarejo ainda conserva o casario de pedra bruta com cobertura de palha, característica que vem do povo celta que ali habitou em tempos imemoriais. Apesar do caráter sagrado do lugar, atestado pelo grande número de peregrinos religiosos, o ambiente é de total descontração, com turmas de amigos – a maioria ciclistas – espalhadas aqui e ali à sombra das frondosas árvores,  a fim de descansar, conversar e trocar experiências.

A comida servida em todos os restaurantes é, por tradição, praticamente igual e é chamada propriamente de “comida de peregrino”. Consta de três fartos pratos e mais sobremesa. Primeiro servem uma substancial sopa de legumes conhecida por Caldo Gallego. É daquelas “levanta defunto”, feita com couve rasgada, cenoura, batata e ervilha fervidas no caldo em que se cozinhou aparas de carnes de porco com osso. Em seguida, não pode faltar a tortilha de ovos e batata – o prato típico por excelência da Espanha. Como prato principal escolhe-se entre chuleta, costeleta ou lombo de porco servidas com uma caprichada porção de batatas fritas, que por aqui são absolutamente deliciosas – não se consegue parar de come-las! De sobremesa, servem a característica marmelada da região, feita como a nossa goiabada mineira: quatro horas mexendo a polpa da fruta em um grande tacho de cobre sobre o fogão de lenha. Também não pode faltar o famoso “queixo” do Cebreiro*, queijo fresco de massa mais mole feito com  leite de vaca ( pode entrar também leite de cabra e/ou ovelha) Para coroar a lauta refeição, a tradicionalíssima Torta de Santiago, feita com ovos, açúcar e pasta de amêndoas. Esta torta farei para vocês neste mês de dezembro. Aguardem a receita!

  • interessante acessar o site para conhecer o galego ( idioma falado e escrito da Galícia, entre o espanhol e o português)

Vinícola Palacio de Canedo

Standard

Iniciamos o trecho mais cansativo – e mais bonito – do Caminho de Santiago com uma longa caminhada morro acima até o ponto mais alto do caminho francês, onde fica a emblemática Cruz de Ferro. Chegamos bastante cansadas mas a recompensa que veio a seguir valeu o dia: entramos na Galícia! A paisagem de montanha é linda! O verde claro brilhante das pastagens contrastando com o verde escuro das matas, o ondulado das serras de cor azul arroxeada ao longe e a amplidão do céu de um azul claro, puro e diáfano. Lembra Minas Gerais! Entendi então porque tantos galegos colonizaram a nossa terra mineira – acharam do lado de lá do Atlântico uma terra parecida com a deles.

Ao meio dia nos apresentamos para a esperada visita à vinícola mais famosa do Norte da Espanha. Contam que Prada a Tope, até então um jovem playboy milionário comprou, em 1987, o Palácio de Canedo e as terras vizinhas, que já produziam vinhos desde 1730, mas a esta época em franco declínio. Pois o rapaz se revelou um grande empreendedor – reformou o palácio transformando-o em um amplo restaurante e uma luxuosa pousada e revolucionou o plantio das uvas, trazendo para a região o conceito de agricultura orgânica. Hoje produz vinhos – região de El Bierzo – reconhecidos e premiados internacionalmente e o famoso espumante Xamprada, produzido pelo método champanoise ou cava, como se diz na Espanha. Além de diversas uvas, cultiva e vende produtos fabricados na fazenda como as conservas e geleias de pimentão, de marmelo, de castanhas e de figo. Além disto, a Fundação Prada a Tope tem uma reserva onde planta árvores de várias espécies e desenvolve um trabalho didático com os jovens da região. Fiquei encantada com tudo. Visite o site http://www.pradaatope.es.

Nosso grupo de peregrinas, formado por 25 mulheres integrantes das Caminhantes da Estrada Real (hoje somos 76) , foi recebido por Flor, a simpática e bonita esposa de Prada, que nos encaminhou a um salão de belíssima decoração do século XVIII para a degustação. Para acompanhar os vinhos – um branco e um tinto – foram servidos mini grissinis e um fantástico tira-gosto de cecina (carne de vaca maturada) recheada com foie gras e geleia de marmelo. Adorei!

Em um dos salões do luxuoso restaurante fomos anfitrionadas pelo famoso Prada a Tope – um homem alegre, afável e divertido. Uma equipe muito atenciosa e simpática serviu-nos preciosos vinhos e várias entradas, entre as quais queijo de cabra com geleia de pimentão, foie gras com geleias de marmelo e de figo, carpaccio de cecina e lacón com pimentões assados ( foto principal)

Como prato principal foi servido o famoso Cocido Maragato da região. E de sobremesa, peras ao vinho. Note que todos os produtos servidos foram produzidos na fazenda.

Após o inesquecível almoço, seguimos para uma didática e demorada visita à vinícola, à fábrica de produtos alimentícios e aos vinhedos e pomares. Ao anoitecer, antes de seguirmos para Ponferrada (a 30 minutos de carro) , não resisti e comprei vinhos, conservas e geleias para toda a família na atrativa loja da vinícola.