Risotto de alcachofras com linguicinha

Standard

Adoro preparar um risotto porque é um prato rápido e simples de fazer.  Este foi preparado com alguns produtos comprados no supermercado de conveniência da esquina e usando uma única panela.

Gosto também de fazer risotto porque nos dá a oportunidade de criar, de inventar a cada dia uma receita nova. Tem só que seguir umas regrinhas básicas. Vejamos:

1- Use um bom arroz dos tipos que se vende para risottos, como carnaroli, arbório, etc. Nunca lave o arroz!

2- Há de se obedecer a ordem de colocação dos ingredientes – primeiro os mais firmes, depois os mais moles, sendo que alguns, como carnes, merecem ser preparados ou semi-cozidos antes.

3- É preciso que se tenha um bom caldo de legumes (ou de carne) já preparado ou então, use legumes, como cebola, cenoura, alho poró e bouquet garni (amarrado com ervas frescas) na preparação.

4- Se for colocar vinho, lembre-se que o tinto colore o arroz. O vinho tem que ser colocado depois da primeira água secar e precisa deixar evaporar o álcool.

5- Finalize, se quiser, com queijo tipo grana padano, parmesão ou pecorino, mas nunca use- jamais- creme de leite (caso de assassinato ao risotto para qualquer italiano) .

Este risotto que escolhemos para o nosso jantar de hoje é um bom exemplo de como seguir estas regrinhas. Acompanhe o passo-a-passo.

Risotto de alcachofras com linguicinha

Separe: arroz para risotto (1 xícara de chá para 2 pessoas, se for prato único), ½ cenoura picada , ½ cebola grande picada , 2 corações de alcachofras grandes, 10 mini-linguiças tipo italianas, 1 colher de café de sal, 1 dente de alho (ou 1 ponta de colher de alho em pó), 1 colher de sopa de cebolinha verde picadinha, ½ a ¾ de xícara de café de azeite de oliva, 1 xícara de café de vinho tinto, 1 colher de sobremesa de pesto ou molho de tomate.

Cozinhe a linguiça à parte com um pouco de água e reserve. Coloque cerca de 1 litro de água para ferver.

Esquente metade do azeite em uma panela. Frite primeiro a cenoura, depois doure a cebola e frite o sal com alho. Junte o restante do azeite e o arroz. Mexa, com uma colher de pau, até que os bagos fiquem translúcidos. Abaixe o fogo e acrescente água fervendo até tampar o arroz. Misture o pesto de tomate e a cebolinha verde. Prove o tempero e acrescente, se for o caso, sal a gosto.

Deixe a panela aberta e vá mexendo o arroz, de vez em quando, só para não agarrar no fundo. Assim que esta água quase secar, junte o vinho, misture e deixe que o álcool evapore. Mexa e acrescente mais água, até quase cobrir o arroz. Junte as alcachofras e as linguicinhas ( que já devem estar cozidas). Vá acrescentando água quente aos poucos até que o arroz fique ao dente- ou seja, cozido mas com alguma resistência ao ser mastigado.

Se quiser, finalize com 2 colheres de sopa rasas de queijo, mexendo ligeiramente.

Sirva bem quente.

Quer esta receita impressa? Clique aqui pra baixar o PDF e imprimi-lo.

 

Domingo em Bruxelas

Standard

Um domingo ensolarado de temperatura amena e cheio de atrações para dar-me as boas vindas em Bruxelas!

Logo cedo fomos fazer as compras da semana na maior feira de Bruxelas, nos arredores da Gare de Midi. Para quem curte cozinhar, como eu e a filha blogueira que mora na cidade, a feira é quase obrigatória. Compramos verduras, legumes, frutas, pães e delícias como só lá se acha a bom preço e de excelente qualidade: azeitonas e frutas secas, peixes e frutos do mar, queijos e frios, temperos do mundo inteiro. Como é uma feira popular, também vende roupas e artigos de casa. Tratando-se de uma feira multicultural, há muita coisa interessante de se ver e ainda dá para se comer por lá comida típica europeia, asiática e africana. Vejam as fotos e reparem nos preços:

Aqui o Dia das Mães  – no segundo domingo de maio – coincide com a Festa de Iris, evento institucional promovido pelo governo regional de Bruxelas. Esta festa – que tem a flor de nome íris como seu símbolo – reúne diferentes atrações nas imediações do Palácio Real e do Parque de Bruxelas, no centro da cidade. Em formato de feira, com barracas vermelhas como as de circo, as tendas oferecem de comida e bebida típicas a novidades de artes, cultura e esporte.  No parque, atividades para todas as idades. Aproveitamos para tomar um café com biscoitos e nos divertir com os simpáticos membros do clube do bigode.

Logo adiante, a 50 metros da Praça do Palácio Real, fica o Museu de Arte Antiga e Moderna. Ali, até 28 de junho, pode-se ver uma belíssima exposição da arte onírica de Marc Chagall. Estava tão lotada que deixamos para visitá-la depois do almoço. Imperdível!

Como a região do Sablon fica bem próxima, fomos almoçar por lá. Tem brasseries e cervejarias interessantes e é, por excelência, o endereço das melhores patisseries e chocolateries da cidade.

O dia rendeu. No fim da tarde ainda deu tempo de visitar o Food Truck Festival – a famosa feira itinerante de comida de rua – para comemorar a vida tomando um vinho branco italiano e provando petiscos originais de várias nacionalidades.