O Tucunaré de Marabá

Standard

A blogueira filha me ligou do mercado de Marabá dizendo que iria trazer um tucunaré de avião! Marabá, é uma cidade no estado do Pará, situada na confluência de dois dos grandes rios da Amazônia, o Tocantins e o Itacaiunase e é famosa pela sua culinária. Pensei: ai meu deus, deve ser um daqueles peixes enormes da Amazônia! Nem vai caber no meu freezer (que é pequeno). Ainda bem que, esta semana, ela chegou com um peixe pequeno, um filhote! Trouxe também um maço de jambú, a tal folha que anestesia a língua.

Esperamos a outra filha, a casada, vir à nossa casa no final de semana, para prepararmos o peixe para o almoço de domingo. No sábado, temperei o peixe com sal e limão e o deixei na salmoura, amarrado dentro de um plástico, deixando-o passar a noite na geladeira. Quando for temperar um peixe, coloque em um pratinho sal e suco de limão, na proporção de 1 limão tahiti para cada colher de chá de sal. Misture e vá passando a mão nesta mistura e no peixe, espalhando o tempero por igual, em uma fina camada. No caso de peixe inteiro, passe o tempero por fora e por dentro.

Lá pelo meio-dia, fomos as três para a cozinha. O que fazer? Nunca havíamos preparado um tucunaré! Poderia ser feito na grelha, mas aqui em casa só tem a da churrasqueira e não tenho costume de fazer peixe assim. Em panela, não cabia! Pois então, vai para o forno! Forramos uma assadeira com papel alumínio e colocamos o peixe. Achamos que ficaria sem graça. A filha viajante, que havia comido tucunaré em Marabá contou-nos que o haviam servido recheado com farofa de camarão defumado, mas não tínhamos camarão deste jeito em casa. Bem, pensamos em aproveitar a barriga do peixe aberta para colocar algo dentro dele. Não sabíamos se o peixe teria ou não a carne seca, então decidimos colocar cebolas como recheio, pois amaciam e ajudam a cozinhar. Cortamos cebolas baby em quatro e colocamos o que coube dentro do peixe. Pré aquecemos o forno a 200 graus e colocarmos o peixe para assar. Sem papel alumínio por cima, pois queríamos a pele tostada.

Tinha ainda o jambú. A filha caçula havia comido o peixe em Marabá com arroz de jambú. Olhei para as folhinhas e achei que poderia dar certo fazer igual arroz de brócolis. Lavamos as folhinhas e as coloquei com um pouquinho de água no fogo baixo. Assim que a água secou, apaguei o fogo e tampei a panela. Abafando folhas elas ficam macias e conservam o verde. Bati metade da quantidade de folhas no liquidificador com um pouco de água. Fui fazer o arroz e na primeira água já coloquei uma quantidade de folha batida suficiente para colorir o arroz. Quando o dito cujo estava quase pronto, misturei algumas folhas, para ficar bonito. Com parcimônia, pois se exagerasse na quantidade de jambú sabia que ficaríamos com a língua adormecida.

E a farofa? Tivemos a ideia de fazer uma farofa de bananas. A banana da terra é perfeita para farofa mas aqui em Belo Horizonte só é achada no Mercado Central. Não dava tempo de ir buscar! Decidimos fazer a farofa com banana prata mesmo e escolhemos as madurinhas. Para 3 bananas, torrei 1 xícara de chá de farinha de mandioca e quando começou a ficar rosada, acrescentei 2 colheres de sobremesa de manteiga, uma colherinha de café de sal e misturei. Apaguei o fogo. Cortei a banana em rodelas. Em uma frigideira, fritei-as com 2 colheres de manteiga e no final, para dourá-las, polvilhei açúcar. Então juntei a farinha. Joguei por cima 1 colher de chá de salsinha picadinha. Misturei com cuidado para não partir as rodelas de banana. E o peixe?

Quarenta minutos de forno, o tempo certo de preparar o arroz e a farofa e eis que o peixe estava bem macio e com a pele tostadinha, perfeito! Servimos o tucunaré recheado com a farofa de banana, o arroz de jambú enformado, as cebolas ao lado e enfeitamos com tomatinhos. Ficou simplesmente delicioso! A família aplaudiu!

Quer esta receita impressa? Clique aqui para baixar o PDF e imprimi-lo.

3 thoughts on “O Tucunaré de Marabá

  1. Rodrigo S. Barros

    Sou de Marabá, amei sua receita e já divulguei para alguns amigos e familiares. Bom, no seu arroz faltou só mais um ingrediente aqui do Pará, o tucupí. Liquido extraído da mandioca, durante o processo para fazer a farinha.
    Obrigado pela receita. 😉

    • Olá Rodrigo! Que bom que aprovou! Nós estamos ainda aprendendo a rica cozinha do Pará! Aqui em Belo Horizonte não achamos o Tucupi, mas na próxima viagem a Marabá vou trazer e experimentar fazer, pois adoro! Obrigada!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s