Sal & Alho Viaja – Gana

Standard

Por esses dias o Sal & Alho teve a oportunidade de dar um pulinho ali em Gana. Sim: Gana, na África, aquele país que na Copa do Mundo deu um show de alegria e cores no futebol. O motivo foi um congresso e a viagem foi bem rápida. Mas é claro que aproveitamos para dar uma boa espiada em tudo que tinha a ver com comida e vou contar um pouco  do que vi e senti em apenas quatro dias.

Muitas cores!

Muitas cores!

Como todos com quem conversei depois do retorno, imagino que vocês estejam com muita curiosidade para saber como é tudo por lá. Pois lhe conto. A impressão que tive, nessa passagem super rápida, foi de um povo alegre, colorido e muito orgulhoso de seu país. A princípio, dão a impressão de serem um pouco “marrentos” mas com um pouco de conversa, logo abrem um sorriso e começam a contar tudo sobre a cidade e o país, a África. Chamam a todos de irmãos e irmãs, e apesar de falarem inúmeros dialetos, o idioma principal é o inglês, o que facilitou muito a nossa troca. E quando eu falava que era do Brasil, ficavam loucos de alegria e me abraçavam! São enlouquecidos por futebol e, durante a Copa, haviam cartazes por toda a cidade, celebrando o esporte, além de bandeiras do Brasil e de Gana por toda parte. Tinha até foto do prefeito com bola na mão! A cidade visitada foi Accra, a capital. Uma cidade com um resquício da colonização inglesa mas com um charme especial de edifícios modernistas africanos e improvizações de todo o tipo, um tanto parecido conosco.

Mas agora vamos ao que interessa, que é a comida! Assim como a cidade, o clima e o calor das pessoas, a comida também se parece muito com a nossa. Na rua, no mercado livre, fiquei inteiramente maravilhada com as cores dos alimentos dispostos, que junto às cores das roupas, dos lenços e bacias na cabeça tanto me fascinaram. Infelizmente, não pude tirar as milhões de fotos que gostaria. As mulheres do mercado ficaram muito bravas quando viram as nossas máquinas fotográficas e logo as guardamos. Vai ficar só na memória. (quem tiver curiosidade, dá um pulo no Google) Lá, consegue-se identificar claramente algumas de nossas origens culinárias: quiabo, mandioca, inhame a até água de côco. Nos menus havia sempre frango assado e carne de panela. O curry e as demais comidas apimentadas também tem um papel importante. O arroz frito é acompanhamento para todos os pratos, seja branco, seja “sujo” com um tempero especial de legumes. E acreditem: eles também comem feijão! Bem parecido com o nosso, porém levemente adocicado. E para finalizar: banana-da-terra. Come-se frita como acompanhamento, assim como nós!

O grande destaque vai para a Tilápia. Sabe aquele filé de tilápia pálido, sem graça e congelado que você compra no supermercado? Esqueça, é outra coisa. A tilápia de Gana é pescada por ali mesmo, e defumada de um jeito super especial. Tivemos a oportunidade de visitar uma vila de pescadores com um guia pra lá de especial. Seu nome era “Nice One” (ou pelo mesmo foi assim que ele se apresentou) e ele nos levou por todos os cantos dessa pequena comunidade que mora na beira da praia de Accra que é pobre, mas muito alegre e criativa. Por lá vimos os barcos de madeira que usam para pescar, os pescadores voltando do mar, arrumando as redes e o mercado de peixes. Logo além, se vê uma fumaça densa saindo de largos tambores e mulheres igualmente largas e sérias que tomam conta do peixe a ser defumado por bastante tempo.

Fomos recomendados à um restaurante que dizem ter a melhor tilápia de Accra. Para lá fomos e, na noite escura avistamos na calçada, um quadrado de madeira iluminado, pintado de azul escuro por fora e com muitas moças de lenços na cabeça do lado de dentro. Ao longo do muro, uma tenda se estendia com uma única lâmpada no centro e algumas mesas de plástico cheias de gente. Esse era o nosso restaurante. Sentamos, confesso, com um pouco de receio mas logo a descontração do ambiente nos contagiou. O menu, anunciado pela atendente, era só a tilápia. Normalmente é servida com tomates, cebolas e abacates e para o acompanhamento uma escolha de arroz branco ou tal do Banku. O banku é uma massa em formato de esfera feita de uma mistura de mandioca e milho. Não me pergunte como.

Quando nossos peixes e acompanhamentos chegaram, chegaram também bacias com água, pois come-se com a mão. Encarei o desafio e assim que retirei a pele do peixe, um cheiro delicioso invadiu minhas narinas: gengibre. Peguei um pedaço do peixe com a ponta dos dedos e provei: suculento e delicioso derreteu em minha boca. Nunca imaginei que uma tilápia com gengibre poderia ter um sabor tão enebriante. Eu até esqueci do arroz no prato ao lado e devorei o peixe em minutos. A foto do prato não faz nem um pouco jus ao sabor e por isso peço perdão. A escuridão do local não me possibilitou uma boa foto.

Dois dias depois, em restaurante na beira na praia não tive dúvida na escolha: tilápia de novo. Dessa vez escolhi como acompanhante um tal “yam” que me prometeram ser mais ou menos como uma  “potato chips”. Quando chegou, confirmando minhas suspeitas: inhame frito!

Essa receita dessa tilápia defumada especial, infelizmente não poderemos colocar aqui, pois dela só se encontra em Gana! Mas prometemos fazer experiências do peixe com tempero de gengibre e assim que descobrirmos a fórmula dividimos com vocês!

Em breve, voltaremos à África. Desta vez África do Sul. Com mais dias para explorar, prometemos muitas novidades exóticas por aqui. Aguardem!

 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s