Capetown 5 – Vinícolas

Standard

Vale a pena ficar mais um dia em Capetown só para visitar as vinícolas. Se estiver com pouco tempo, há uma pequena região ao sul da Table Montain distante apenas vinte a trinta minutos de Waterfront. Se for passear no Cabo da Boa Esperança, saia da cidade por volta das onze horas, tome a direção de Constantia e escolha uma das vinícolas que servem almoço. Depois da refeição, prossiga o passeio, dá tempo de ir ao Cabo ver o por do sol e retornar à cidade.

Como já havíamos previsto um dia inteiro dedicado à degustação de vinhos, saímos cedo, tomamos a N1 para o noroeste e, pouco antes de chegar a Paarl, dobramos à direita na R45, tendo como objetivo ir até Franschhoek. Esta é uma graciosa cidadezinha de origem francesa, fundada pelos huguenotes obrigados a deixar a França em 1685 por causa da perseguição religiosa. Ali fundaram uma comunidade que veio a produzir os primeiros vinhos do sul da África. Hoje é um famoso reduto de eno-gastronomia de influência francesa, com lojinhas, pequenos hotéis, cafés e restaurantes charmosíssimos. A região tem uma rota de vinhos bem organizada que conta com mais de cinquenta vinícolas.

Felizmente fomos com uma lista de vinícolas indicadas pela filha casada que lá esteve no ano passado com o marido gaúcho, apreciador de bons vinhos, com bastante tempo para conhecerem a região. Visitamos quatro vinícolas, e escolhemos duas delas para apresentarmos a vocês.

Vrede en Lust

Logo à entrada há um bar restaurante. Pelo horário, ainda cedo para o almoço, pedimos uma tábua de frios para acompanhar a degustação dos vinhos da casa. Além de ser uma vinícola famosa, ainda produzem um pão maravilhoso na padaria ao lado do restaurante. Veio uma cesta de pães recém assados e uma tábua cujo destaque foi a excelente qualidade do presunto cru. Três tops: manteiga da fábrica ao lado, um chutney de figos com pinoles e outro de beterrabas. Para se fazer um chutney prepara-se uma calda de vinagre de vinho tinto ou branco e açúcar mascavo, temperada com gengibre e outras especiarias, como cravo e canela, por exemplo. Então mistura-se a fruta cortada em lasquinhas ou ralada e deixa-se apurar (secar a calda) até o ponto de geleia. Como ambos tinham o paladar bem suave, percebi que na receita não tinha cebola, alho e pimenta, como levam os chutneys indianos. Vamos tentar reproduzir a receita e repassar para vocês. Repare nos figos, como os nossos, misturados ao presunto e à copa (semelhante ao nosso salaminho).

Tábua de frios

Tábua de frios

 

Delaire – Graff Estate

 

Chegamos à esta chiquérrima vinícola ao final da tarde e ficamos a ver o magnífico por do sol até escurecer por completo. Da sede fazem parte: o salão de degustação, dois restaurantes – o Indochine especializado em culinária asiática e o Delaire Graff, um bistro-chic – a adega de vinhos especiais e ainda um spa e área de hospedagem com apenas dez exclusivíssimos lodges. Ambientes do mais fino gosto e sofisticação. A vista para o vale e as montanhas é deslumbrante. Tanto nos ambientes internos quanto nos externos pode-se apreciar obras de arte singulares. Amei tudo!

Pelas fotos vocês podem ter uma ligeira ideia do lugar. Para lua-de-mel é perfeito! Acesse www.delaire.co.za e me dê razão.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s